Calendário judaico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Picart sukka.jpg
Artigo parte da série sobre
Calendário Judaico
Hoje, no calendário judaico, é dia
7 de Kislev do ano 5783.
Meses

Tishrei | Cheshvan | Kislev | Tevet
Shvat | Adar | Nissan | Iyar
Sivan | Tamuz | Av | Elul

Festividades

Shabat | Rosh Hashaná
Yom Kipur | Pessach
Lag BaÔmer | Sucot | Purim
Shavuot | Simchat Torá
Tu Bishvat | Hoshaná Rabá
Shemini Atzeret | Chanucá

Ver também
Feriados em Israel
Série Judaísmo

Calendário judaico ou hebraico (do hebraico: הלוח העברי) é o calendário utilizado dentro do judaísmo. O povo de Israel utiliza o calendário lunissolar há mais de 3 milênios para determinação das datas de aniversário, falecimento, casamento, festividades, serviços religiosos e outros eventos da comunidade. O calendário judaico é um calendário do tipo lunissolar cujos meses são baseados nos ciclos da lua, enquanto o ano é adaptado regularmente de acordo com o ciclo solar. Por isso ele é composto alternadamente por anos de 12 ou 13 meses e pode ter de 353 a 385 dias.[1]

Origem[editar | editar código-fonte]

De acordo com evidências arqueológicas, os hebreus adotaram o calendário lunar cananeu, provavelmente na Idade do Bronze ou no início da Idade do Ferro, [2]com um ano composto de doze meses de trinta dias, com cinco ou seis dias intercalares, para sincronizar o ano com as estações.[3][4] De acordo com A Bíblia Hebraica, ou Tanach, a contagem dos meses se dava a partir das fases da lua desde o Êxodo.[5] O calendário de Gezer e inferências bíblicas indicam que os hebreus usavam meses lunares antes do cativeiro na Babilônia. [2] O calendário religioso se iniciava no equinócio vernal, e o calendário civil, como no calendário egípcio, no equinócio de outono. O primeiro mês do calendário religioso e o sétimo do calendário civil era abib (ou Nissan).[3]

Este calendário antigo tinha os seguintes meses:[6]

  1. nissan - começo em 26 de abril
  2. iyar - começo em 26 de maio
  3. sivan - começo em 26 de junho
  4. thammuz - começo em 26 de julho
  5. av - começo em 26 de agosto
  6. elul - começo em 26 de setembro
  7. tishrei - começo em 26 de outubro
  8. chesvan - começo em 26 de novembro
  9. kislev - começo em 26 de dezembro
  10. tevet - começo em 26 de janeiro
  11. shevat - começo em 26 de fevereiro
  12. adar - começo em 26 de março
  13. 5 dias intercalares - total de 365 dias

Provavelmente o calendário lunissolar foi adotado pelos judeus a partir do calendário grego, antes dos judeus serem dominados pelos gregos.[Nota 1] Neste calendário lunissolar, torna-se necessário o uso do mês intercalar, adicionado durante a estação da primavera.[7]

O mês no calendário judaico[editar | editar código-fonte]

Mês em hebraico - חודש, deriva do radical da palavra 'novo' חדש. Isto se dá porque o primeiro dia de cada mês é sempre o primeiro dia de Lua nova. Isso é uma determinação encontrada na Torá (no livro de Shemot). Esta é uma regra lógica já que é a única fase da Lua que pode ser determinada com precisão sem a necessidade de nenhum instrumento ou conhecimento maior de astronomia. No auge da lua nova, ela desaparece completamente e, no dia seguinte, vemos uma pequena listra branca ao olharmos para o ocidente poucos minutos após o pôr do sol - o que determina precisamente o primeiro dia do mês judaico.

Nos tempos bíblicos a determinação do começo do mês era realizada pela observação direta de testemunhas designadas para este fim, método seguido pelos caraítas até os dias de hoje, os quais determinam o primeiro mês do ano como abib. Hoje em dia segue-se um cálculo o qual já leva em conta outros parâmetros religiosos adicionados por rabinos da época do Talmud.

O ciclo lunar é de aproximadamente 29 dias e meio, o que gera uma alternação de meses com 29 ou 30 dias. A duração média de um mês hebreu é de 29.5305941358 dias, muito próximo ao mês sinódico (entre duas luas novas).

Os nomes dos meses judaicos[editar | editar código-fonte]

Mês civil Mês religioso Hebraico Análogo babilônico Duração Notas Referências bíblicas
7 1 Nissan (ניסן) araḫ nisānnu 30 dias É também chamado de abibe (אביב) na Bíblia. Êxodo 13:4; 23:15; 34:18; Deuteronômio 16:1; Neemias 2:1; Ester 3:7
8 2 Iyar (אייר) araḫ āru (ayāru) 29 dias É chamado de zive (זיו) na Bíblia. 1 Reis 6:1,37
9 3 Sivan (סיוון) araḫ simānu 30 dias Ester 8:9
10 4 Tammuz (תמוז) araḫ Dumuzu (Duʾūzu) 29 dias Ao regressarem do exílio da Babilônia, os judeus passaram a usar o nome tammuz para designar o quarto mês religioso.[8] Ezequiel 8:14
11 5 Av (אב) araḫ abu 30 dias Mencionado somente como o quinto mês na Bíblia. Números 33:3,38; Esdras 7:8,9; 2 Reis 25:8; 1 Crônicas 27:8; Jeremias 28:1; Ezequiel 20:1; Zacarias 7:3,5; 8:19
12 6 Elul (אלול) araḫ ulūlu 29 dias Neemias 6:15
1 7 Tishrei (תשרי) araḫ tašrītu 30 dias É chamado de etanim (אתנ'ם) na Bíblia. 1 Reis 8:2
2 8 Cheshvan (חשוון) araḫ samna 29 ou 30 dias Também conhecido por marcheshvan (מרחשוון). É chamado de bul (בול) na Bíblia. 1 Reis 6:38; 12:32,33; 1 Crônicas 27:11
3 9 Kislev (כסלו) araḫ kislīmu 29 ou 30 dias Neemias 1:1; Zacarias 7:1
4 10 Tevet (טבת) araḫ ṭebētu (ṭebēlu) 29 dias Ester 2:16
5 11 Shevat (שבט) araḫ šabaṭu 30 dias Zacarias 1:7
6 12 Adar (אדר) araḫ addaru (adār) 29 dias Nos anos embolísticos, Adar Rishon (אדר א) tem 30 dias e Adar Sheni (אדר ב) tem 29 dias. Ester 3:7,13; 8:12; 9:1,15,17,19,21

Início dos meses judaicos[editar | editar código-fonte]

Durante o século XXI da Era Cristã (calendário gregoriano), os meses judaicos começam no seguinte período:

Primeiro dia do mês Início dos meses judaicos ao longo do século XXI (calendário gregoriano)
1º de tishrei após o pôr do sol entre 4 de setembro e 5 de outubro
1º de cheshvan após o pôr do sol entre 4 de outubro e 4 de novembro
1º de kislev após o pôr do sol entre 3 de novembro e 3 dezembro
1º de tevet após o pôr do sol entre 2 de dezembro e 2 de janeiro
1º de shevat após o pôr do sol entre 31 de dezembro e 31 de janeiro
1º de adar após o pôr do sol entre 10 de fevereiro e 2 de março (ano comum) / após o pôr do sol entre 30 de janeiro e 11 de fevereiro (adar rishon - ano embolístico) / após o pôr do sol entre 1º de março e 13 de março (adar sheni - ano embolístico)
1º de nisan após o pôr do sol entre 11 de março e 10 de abril
1º de iyar após o pôr do sol entre 10 de abril e 11 de maio
1º de sivan após o pôr do sol entre 9 de maio e 9 de junho
1º de tammuz após o pôr do sol entre 8 de junho e 9 de julho
1º de av após o pôr do sol entre 7 de julho e 7 de agosto
1º de elul após o pôr do sol entre 6 de agosto e 6 de setembro

Meses de cheshvan e kislev[editar | editar código-fonte]

No calendário judaico atual, os meses são fixados por um cálculo complexo que leva em conta mais uma série de fatores, como por exemplo, a determinação talmúdica de que o primeiro dia do ano não pode cair nem num domingo, nem numa quarta-feira nem numa sexta-feira - ou outras regras ligadas ao horário exato da Lua nova. Para uma maior flexibilidade no calendário, foi determinado que os meses de cheshvan (segundo mês) e de kislev (terceiro mês) podem ter ou 29 ou 30 dias, de acordo com o ajuste necessário para o começo do ano seguinte.

Com base nesta determinação:

  • ambos os meses terem somente 29 dias ocorre exclusivamente nos anos comuns deficientes (com 353 dias) e anos embolísticos deficientes (com 383 dias)
  • 30 de cheshvan ocorre exclusivamente nos anos comuns completos (com 355 dias) e anos embolísticos completos (com 385 dias)
  • 30 de kislev ocorre nos anos comuns regulares (com 354 dias), anos comuns completos (com 355 dias), anos embolísticos regulares (com 384 dias) e anos embolísticos completos (com 385 dias)

Anos[editar | editar código-fonte]

O ano judaico deve ser periodicamente ajustado ao ciclo solar devido à determinação da Torá de que o mês de nissan deve cair sempre na primavera (de Israel-hemisfério norte),[9] ou mais precisamente, de acordo com a determinação dos rabinos da época do Talmud - o equinócio da primavera tem que estar dentro do mês de nissan. O ciclo de ajustes é de dezenove anos.[9]

Para este ajuste, precisamos determinar a diferença de dias entre um ano solar (aproximadamente 365 dias e 6 horas) e o período de 12 meses lunares (aproximadamente 354 dias e 9 horas): ele equivale aproximadamente a 10 dias e 21 horas. Ou seja, a cada 2 ou 3 anos é necessário acrescentar um mês de 30 dias. Isso gera dois tipos de anos:

Anos comuns[editar | editar código-fonte]

Os anos são classificados como comuns ou normais quando eles são formados por 12 meses.

Os anos comuns, devido a variação de dias dos meses de cheshvan e kislev, podem contar com 353, 354 ou 355 dias.

Anos embolísticos[editar | editar código-fonte]

Anos embolísticos ou longos têm uma duração de 383, 384 ou 385 dias.[carece de fontes?] Esses anos ocorrem sete vezes dentro de um ciclo de 19 anos, nos anos 3º, 6º, 8º, 11º, 14º, 17º e 19º e têm um mês a mais[9], o chamado mês veadar[6] ou adar II (em hebraico: אדר ב, lê-se adar bet).[carece de fontes?] Este mês, quando ocorre, vem imediatamente após adar[6], que nesta ocasião, é denominado adar rishon ou adar I (em hebraico: אדר א, lê-se adar alefe).

Classificação dos anos judaicos conforme a quantidade de dias[editar | editar código-fonte]

As variações dos anos comuns ou normais (com 353, 354 ou 355 dias) e embolísticos ou longos (com 383, 384 ou 385 dias) são chamadas chaserah, kesidrah e shelemah, traduzindo respectivamente, deficiente, regular e completo.

Frequência da quantidade de dias ao longo do período 5761–5860
Chaserah - 353 dias (ano comum) Kesidrah - 354 dias (ano comum) Shelemah - 355 dias (ano comum) Chaserah - 383 dias (ano embolístico) Kesidrah - 384 dias (ano embolístico) Shelemah - 385 dias (ano embolístico)
11% 24% 28% 14% 6% 16%
  • 353 dias: 5761, 5773, 5777, 5781, 5797, 5804, 5808, 5824, 5835, 5851, 5859
  • 354 dias: 5762, 5766, 5769, 5772, 5775, 5778, 5786, 5789, 5792, 5796, 5799, 5802, 5813, 5816, 5819, 5823, 5826, 5829, 5840, 5843, 5846, 5849, 5853, 5856
  • 355 dias: 5764, 5767, 5770, 5780, 5783, 5785, 5788, 5791, 5794, 5800, 5805, 5807, 5810, 5811, 5815, 5818, 5821, 5827, 5830, 5832, 5834, 5837, 5838, 5842, 5845, 5848, 5854, 5857
  • 383 dias: 5765, 5768, 5784, 5790, 5793, 5801, 5812, 5817, 5820, 5828, 5831, 5839, 5844, 5847
  • 384 dias: 5782, 5806, 5809, 5833, 5836, 5860
  • 385 dias: 5763, 5771, 5774, 5776, 5779, 5787, 5795, 5798, 5803, 5814, 5822, 5825, 5841, 5850, 5852, 5858

A datação do ano atual e de anos anteriores/posteriores[editar | editar código-fonte]

Para o cálculo do ano judaico, basta acrescentar 3760 ao ano do calendário gregoriano. A partir do início do ano civil judaico, que ocorre entre setembro e outubro, acrescenta-se 3761 até 31 de dezembro deste mesmo ano.

Fórmula e exemplo:

ano (calendário gregoriano) + 3760 (a partir de 1º de janeiro até o término do ano civil judaico)2022 + 3760 = 5782

ano (calendário gregoriano) + 3761 (a partir do início do ano civil judaico até 31 de dezembro)2022 + 3761 = 5783

Cálculo do calendário[editar | editar código-fonte]

Para desenvolvermos um cálculo exato do calendário judaico devemos definir 3 características do ano requerido:

  • se este ano tem 12 ou 13 meses (chamaremos Shaná Meuberet o ano com 13 meses).
  • em que dia da semana cai o primeiro dia do ano, o Rosh Hashaná.
  • se os meses de cheshvan e kislev têm 29 ou 30 dias.

Shaná Meuberet[editar | editar código-fonte]

Para determinar se este ano é uma Shaná Meuberet (tem 13 meses), recorremos à tabela de 19 anos. Existe um ciclo de 19 anos onde 7 deles serão Shaná Meuberet: Neste ciclo os anos 3, 6, 8, 11, 14, 17 e 19 terão 13 meses, enquanto os demais serão anos comuns com 12 meses.

O cálculo deste ciclo começa no início da contagem de anos judaica, que segundo a tradição judaica é o dia da criação do primeiro homem, Adão. Portanto no ano de 2012, por exemplo, o ano judaico é 5772 (3760 anos a mais que a contagem cristã), se dividirmos 5772 por 19 (o ciclo de anos mencionado anteriormente), receberemos 303 ciclos completos, e um resto de 15, o que indica que estamos no 15º ano do ciclo de Shaná Meuberet, ou seja, é um ano comum com 12 meses. Devemos prestar atenção no detalhe de que quando o número for divisível por 19, como por exemplo o ano de 5776 (2016 no calendário gregoriano), o resto será zero o que significa que estamos no 19º ano do ciclo e ele será de 13 meses segundo a tabela pré-estabelecida.

A necessidade destes 7 anos com 13 meses no ciclo de 19 anos provém do fato que o calendário judaico é um calendário lunissolar, ou seja, seus meses são fixados a partir do ciclo da lua (aproximadamente 29,53 dias), porém o ano deve ser ajustado regularmente a translação da Terra em torno do sol (aproximadamente 365,242 dias). A diferença entre um ano solar e 12 meses lunares é de aproximadamente 10.88 dias, em 19 anos está diferença será de aproximadamente 206 dias que equivale a 7 ciclos da lua.

A quantidade de anos de 13 meses que se passaram desde o início da contagem de anos judaica[editar | editar código-fonte]

Segundo nosso cálculo anterior, no ano de 2012, por exemplo, se passaram 303 ciclos de 19 anos, que somam um total de 2121 meses acrescentados, mais 5 meses deste atual ciclo. Ou seja, desde o princípio da contagem do calendário judaico se passaram 2126 meses acrescentados.

Este dado nos ajudará se quisermos reconstituir todo o calendário ou calcular o calendário de anos anteriores.

O total de ciclos da Lua passados desde o início da contagem judaica[editar | editar código-fonte]

Sabendo a quantidade de anos que se passaram desde o início da contagem do calendário judaico, por exemplo no dia 16 de setembro de 2012, se passaram exatos 5772 anos. Multiplicamos este número por 12 recebemos um resultado de 69264 meses. Somando os 2126 meses acrescentados obtemos 71390, que é a quantidade de meses desde o início da contagem judaica de anos até o final do ano de 5772.

Os anos novos[editar | editar código-fonte]

Ao longo do calendário judaico, são celebrados quatro vezes o começo de um ano novo, cada um com seu propósito. Eles podiam ser de ordem triburária, quando ainda existia o Templo de Jerusalém, religiosa, ou, somente histórico. São eles:

  • 1º de tisherei, o ano novo civil: ocorre no mesmo dia que Deus teria criado Adão.
  • 15 de shvat, ano novo das árvores: era o dia da contagem do dízimo das frutas. Apesar do dízimo não ser mais contado, esta festividade ainda é celebrada em Israel.[1]
  • 1º de nissan, o ano novo religioso (ou eclesiástico): considera-se esta data como o marco zero do calendário judaico, pois foi nesse dia, no ano de 2448, que Deus ensinou Moisés como realizar a contagem dos dias e meses.
  • elul, o ano novo do gado: não é celebrado desde a destruição do Templo e era relacionado a coleta de impostos.

O dia da semana que cai Rosh Hashaná[editar | editar código-fonte]

Molad ou Lua nova[editar | editar código-fonte]

princípio de cada mês judaico deveria ser no dia da lua nova, e assim era fixado o mês na antiguidade enquanto existia o tribunal central judaico (san'hedrin) no Templo de Jerusalém. Porém depois de começar a fixar o calendário somente pelo cálculo alguns fatores foram incluídos, como citaremos na continuação, e consequentemente alguns meses podem começar no dia posterior a Lua nova, ou molad.

Antes da análise do cálculo do molad, vale a pena definir alguns conceitos. Na tradição judaica, com origem no Talmud, a hora se divide em 1080 partes em lugar de dividi-las em minutos e segundos. Para facilitar o cálculo que necessitamos, usaremos esta divisão, pois o número 1080 é divisível por 1, 2, 3, 4, 5, 6, 8, 9 e 10. O ciclo da Lua, como citamos anteriormente, é de 29,53 dias. Se fizermos o cálculo usando horas e 1080 partes de hora chegamos a conclusão que o ciclo da Lua é formado de 29 dias, 12 horas e 793 partes.

Com base nisso, o molad de cada mês será 1 dia da semana, 12 horas e 793 depois do molad do mês anterior. Por exemplo: Se o molad do mês de tishrei do ano de 5768 caiu numa quarta-feira às 10 horas e 468 partes, o mês seguinte (cheshvan) cairá numa quinta-feira às 23 horas e 181partes. Portanto se multiplicarmos este número por 12 receberemos: 12 dias da semana, 144 horas e 9516 partes, que ao simplificarmos reduzindo cada 1080 a 1 hora, cada 24 horas a 1 dia e desprezando cada 7 dias pois formam uma semana receberemos: 4 dias 8 horas 876 partes, para um ano de 12 meses e acrescentando o número de 1 dia, 12 horas e 793 partes, receberemos: 5 dias, 21 horas e 589 partes para um ano de 13 meses. Por exemplo: sabendo o molad do ano de 5768, como citamos anteriormente, e somando 5 dias, 21 horas e 589 partes (pois este ano tinha 13 meses), receberemos um resultado de: terça-feira, 7 horas e 1057 partes. Este é o dia da semana e o horário exato da lua nova, molad, do ano de 5769.

Portanto com base nos cálculos que fizemos podemos determinar o molad de qualquer ano - podemos calcular a partir do início da contagem, ou a partir do molad de um ano conhecido.

Motivos para adiar por um dia Rosh Hashaná em relação ao molad[editar | editar código-fonte]

Existem basicamente dois motivos pelos quais se adia Rosh Hashaná:

  • Os sábios da época da Mishná determinaram por diferentes motivos que Rosh Hashaná não deveria cair no domingo, nem na quarta-feira e nem na sexta-feira.
  • Quando o molad cai depois de 3 quartos do dia, ou seja depois de 18 horas, Rosh Hashaná é adiado.

Por exemplo, vimos que o molad do ano de 5768 era na quarta-feira às 10 horas e 468 partes, ele não entra na segunda regra, mas entra na primeira - portanto Rosh Hashaná neste ano caiu na quinta-feira. Para isso teve-se que acrescentar 1 dia no ano anterior, o que é feito no mês de cheshvan, ou seja no ano de 5767 tanto o mês de cheshvan quanto o de kislev tiveram 30 dias. E este dia foi descontado do ano de 5768 no mês de kislev, ou seja neste ano tanto o mês de cheshvan quanto o de kislev tiveram 29 dias.

Resumo[editar | editar código-fonte]

Com os cálculos que fizemos podemos definir se:

  • o ano que buscamos tem ou não um mês complementar
  • os meses de cheshvan e kislev têm ambos 29 dias, ambos 30 dias ou cheshvan com 29 dias e kislev com 30 dias

Assim sendo, podemos determinar se este ano é comum (com 353, 354 ou 355 dias) ou embolístico (com 383, 384 ou 385 dias) e construir um calendário completo.

Os dias no calendário judaico[editar | editar código-fonte]

Os dias, em conformidade com os relatos da Criação em Gênesis, começam após o pôr do sol e terminam ao pôr do sol.[10]

Exemplo:

10 de adar de 5767

  • O calendário judaico apresenta esta data em sua totalidade, 10 de adar de 5767, e os judeus têm em mente que sua duração é após o pôr do sol até ao pôr do sol.
  • Um calendário comparativo judaico/gregoriano simples apresenta esta data da seguinte forma: 10 de adar de 5767 ⇔ 28 de fevereiro de 2007.
  • Por questão de praticidade, um calendário comparativo simples leva em conta somente o dia de sua maior duração (período da meia-noite ao pôr do sol). Há diversos calendários e sites especializados que indicam a hora do pôr do sol (Shkiat Hachama) e outras informações mais detalhadas.
  • Com base nas informações apresentadas, vemos que 10 de adar de 5767, quando comparado com o calendário gregoriano, começou exatamente após o pôr do sol de 27 de fevereiro de 2007 e terminou no pôr do sol do dia 28 de fevereiro de 2007.

Os dias da semana[editar | editar código-fonte]

Número Dia Nome em hebraico transliterado Nome em hebraico Abreviação em hebraico
1 domingo yom rishon יום ראשון א
2 segunda-feira yom sheni יום שני ב
3 terça-feira yom shlishi יום שלישי ג
4 quarta-feira yom reviʻi יום רביעי ד
5 quinta-feira yom hamishi יום חמישי ה
6 sexta-feira yom shishi יום שישי ו
7 sábado shabat שבת שבת

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. A conquista do Império Aquemênida pelo macedônio Alexandre, o Grande.

Referências

  1. a b «O Calendário Judaico - Israel em Casa -». Israel em Casa. 26 de setembro de 2020. Consultado em 8 de janeiro de 2022 
  2. a b Robert R. Stieglitz, “The Phoenician-Punic Menology,” Boundaries of the Ancient Near Eastern World (Sheffield, 1998) 211–222
  3. a b John Jackson, Chronological Antiquities: Or, The Antiquities and Chronology of the Most Ancient Kingdoms, from the Creation of the World, for the Space of Five Thousand Years. In Three Volumes (1752) p.16-18 [google books]
  4. James Ussher, The Annals of the World, p.7 [em linha]
  5. Êxodo, Shemot em hebraico, capítulo 12. [S.l.: s.n.] 
  6. a b c John Jackson, Chronological Antiquities: Or, The Antiquities and Chronology of the Most Ancient Kingdoms, from the Creation of the World, for the Space of Five Thousand Years. In Three Volumes (1752) p.22
  7. John Jackson, Chronological Antiquities: Or, The Antiquities and Chronology of the Most Ancient Kingdoms, from the Creation of the World, for the Space of Five Thousand Years. In Three Volumes (1752) p.19
  8. Religião Judaica - Calendário Hebraico: O Mês de Tammuz. http://webjudaica.com.br/religiao/textosDetalhe.jsp?textoID=27&temaID=5#
  9. a b c John Jackson, Chronological Antiquities: Or, The Antiquities and Chronology of the Most Ancient Kingdoms, from the Creation of the World, for the Space of Five Thousand Years. In Three Volumes (1752) p.23
  10. «Gênesis 1:1-31 [NVI]». Bíblia Online. 6 de agosto de 2022. Consultado em 6 de agosto de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]