História da criação no Gênesis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A história da criação é um mito de criação originado do judaísmo e do cristianismo, descrito nos primeiros capítulos do livro do Gênesis, na Bíblia.

Consiste na ideia de que Deus criou o universo e os seres vivos em 6 dias de forma sobrenatural.[1][2] Essa visão é chamada de criacionismo, no entanto, o termo é mais comumente usado para se referir à contestação de alguns processos da teoria da evolução.[3][4] Criacionistas, em geral, rejeitam a idade do universo e da Terra estipulada pela ciência moderna, e defendem que o universo surgiu há mais ou menos 10 mil anos atrás e sua cosmologia é originária do literalismo bíblico.[5][6][7] Existem, no entanto, um espectro contínuo de tipos de criacionismo, variando desde o criacionismo da Terra plana até a aceitação das teorias científicas modernas sem conflito com a leitura da Bíblia.[1][8] Uma vertente do criacionismo cristão é o criacionismo científico, que entraram em conflito com a teoria da evolução nas escolas e tribunais dos Estados Unidos da América na primeira década do século XXI.[1]

Atualmente, para muitos cristãos e judeus, os sete dias da criação do mundo, de que fala a Bíblia, não devem ser entendidos literalmente e representam apenas uma forma metafórica e alegórica de explicar a criação do Universo.[9][10] Mas, mesmo assim, algumas correntes cristãs, denominadas fundamentalistas, originárias em certas regiões dos Estados Unidos, ainda acreditam numa leitura literal da Bíblia. Alguns judeus ortodoxos defendem pontos de vistas semelhantes a de cristãos fundamentalistas e rejeitam a teoria da evolução por considerarem-na incompatível com os livros da Torá, porém os judeus são consensualmente contrários ao criacionismo cristão. A principal razão disto é que consideram o criacionismo cristão baseado na bíblia do Rei James e não em textos hebraicos originais, que incorporam comentários adicionais ao texto bíblico.[11]

História narrativa[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Gênesis 1:1 e Gênesis 1:2
Caos e Criação da Luz (1545) por Francisco de Holanda. Em De Aetatibus Mundi Imagines

Embora a frase inicial de Gênesis 1:1 geralmente traduzido como escrito acima, o hebraico é ambíguo e pode ser traduzido de pelo menos três maneiras:

  1. como uma declaração de que o cosmos teve um começo absoluto ("No princípio, Deus criou os céus e a terra"),
  2. como uma declaração que descreve a condição do mundo quando Deus começou a criar ("Quando, no princípio, Deus criou os céus e a terra, a terra estava sem forma e vazia");
  3. tomando toda Gênesis 1:2 como informação de base ("Quando, no princípio, Deus criou os céus e a terra, a terra estava sem forma e vazia, Deus disse: Faça-se a luz!").[12]

O segundo parece ser o significado pretendido pelo autor sacerdotal original: o verbo bara é usado apenas para Deus (as pessoas não participam do bara) e refere-se à atribuição de papéis, como em a criação das primeiras pessoas como "masculino" e "feminino" (isto é, ele lhes designa sexos): em outras palavras, o poder de Deus é mostrado não pela criação da matéria, mas pela fixação de destinos.[13]

"Os céus e a terra" são uma frase estabelecida que significa "tudo", isto é, o cosmo. Consistia em três níveis: a terra habitável no meio, os céus acima, um submundo abaixo, todos cercados por um oceano aquático de caos como a Tiamat babilônico.[14] A própria terra era um disco plano, cercado por montanhas ou mar. Acima dela estava o expansão, uma cúpula transparente, mas sólida que repousava nas montanhas, permitindo aos homens ver o azul das águas acima, com "janelas" para permitir a entrada de chuva, e que continha o Sol, a Lua e as estrelas. As águas se estendiam abaixo da terra, que repousavam sobre pilares afundados nas águas, e no submundo estava o Sheol, a morada dos mortos.[15]

A abertura de Gênesis 1 continua: "A terra estava sem forma e vazia...". A frase "sem forma e vazio" é uma tradução do hebraico tohu va-bohu, (hebraico: תֹהוּ וָבוה), caos; a condição que bara: ordenante, que remedia.[16] Tohu em si significa "vazio, inutilidade", é usado para descrever o deserto do deserto; bohu não tem significado conhecido e foi aparentemente cunhado para rimar e fortalecer tohu.[17] A frase também aparece em Jeremias 4:23, onde o profeta adverte Israel que a rebelião contra Deus levará ao retorno das trevas e do caos, "Olho para a terra: tudo é caótico e deserto; para o céu: dele desapareceu toda a luz.".[18]

A abertura de Gênesis 1 conclui com uma declaração de que "havia trevas na face do abismo"; a "escuridão" e o "abismo" (hebraico: tehom תְהוֹםk tehôm) são dois dos três elementos do caos representados no tohu va-bohu (o terceiro é a "terra confusa"). No Enuma Elish, o "abismo" é personificado como a deusa Tiamat, a inimiga de Marduk; aqui está o corpo sem forma de água primitiva que cerca o mundo habitável, que mais tarde será liberado durante o dilúvio, quando "todas as fontes do grande abismo" das águas abaixo da terra e as "quedas" do céu foram quebradas.[19]

O ruach de Elohim se move sobre a face do abismo antes do início da criação. Ruach (hebraico: רוּחַ) tem o significado de "vento, espírito, respiração", e Elohim pode significar "grande" e "Deus": ruach Elohim pode significar "o vento/sopro de Deus" (o vento da tempestade é o sopro de Deus nos Salmos 18:16 e em outros lugares, e o vento de Deus retorna na história do dilúvio como o meio pelo qual Deus restaura a terra), ou o "espírito" de Deus, um conceito que é um tanto vago na Bíblia hebraica, ou simplesmente significa um grande vento de tempestade.[20]

Seis dias da criação (Gênesis 1:3–2:3)[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: Gênesis 1:3, Gênesis 1:4, Gênesis 1:5 e Gênesis 1

O primeiro ato de Deus foi a criação de luz indiferenciada; as trevas e a luz se separavam noite e dia; sua ordem (antes da manhã) significava que aquele era o dia litúrgico; então o Sol, a Lua e as estrelas foram criados para marcar os horários adequados para os festivais da semana e do ano. Somente quando isso é feito, Deus cria o homem e a mulher e os meios para sustentá-los (plantas e animais). No final do sexto dia, quando a criação está completa, o mundo é um templo cósmico no qual o papel da humanidade é adoração a Deus. Isso é paralelo ao mito babilônico (o Enuma Elish) e também ecoa o Capítulo 38 do Livro de Jó, onde Deus lembra como as estrelas, os "filhos de Deus", cantaram, quando a pedra fundamental da criação foi lançada.[21]

Catolicismo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Igreja Católica e Ciência

Os católicos, que herdaram a crença criacionista oriunda da tradição judaica, acreditam que a explicação da "feitura do universo" dada pela Bíblia pode ser compatível com uma verdadeira explicação científica, pois Deus não pode contradizer-se criando uma verdade natural em contraposição com outra sobrenatural.[carece de fontes?]

Atualmente, muitos deles, defendendo a posição oficial da Igreja Católica, não são estritamente criacionistas, porque, apesar de acreditarem na criação divina, eles aceitam ao mesmo tempo as teorias da evolução e do Big-Bang. Neste caso, que pode ser chamado de criacionismo evolucionista ou evolucionismo criacionista, os católicos defendem que estas teorias científicas não negam a origem divina do mundo, tendo somente a função de descrever o método com que Deus tenha criado todas as coisas.[9] Aliás, a própria Igreja Católica, através do seu Magistério, não considera o criacionismo e o design inteligente como teorias científicas ou teológicas.[22]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

Referências

  1. a b c Steven Engler (junho de 2007). «Tipos de Criacionismos Cristãos». http://www.pucsp.br/rever/rv2_2007/t_engler.pdf. Revista de Estudos da Religião: 83-107. ISSN 1677-1222 
  2. Evolution Vs. Creationism, Eugenie Scott, Niles Eldredge, p. 114
  3. «NCSE : National Center for Science Education - Defending the Teaching of Evolution in Public Schools.». Creationism. 2008. Consultado em 22 de junho de 2009 
  4. Maryanne Cline Horowitz (2005). New Dictionary of the History of Ideas. 2. [S.l.: s.n.] O criacionismo, em um sentido geral, refere-se à teoria de que Deus fez o mundo sozinho, por meios miraculosos, do nada. Mais especificamente, na América atual, o criacionismo é a teoria de que a Bíblia, em particular os primeiros capítulos do Gênese, é um guia literalmente verdadeiro da história do universo e da história da vida aqui na Terra, inclusive de nós seres humanos. 
  5. Christian Stöcker. «Site criacionista se contrapõe à Wikipédia». crmariocovas.sp.gov.br. Consultado em 28 de novembro de 2010 
  6. Ronald L. Numbers. «Creationism History: Topic Index». Counterbalance Meta-Library. Consultado em 22 de junho de 2009 
  7. Campbell D (2006, 21 February). "Academics fight rise of creationism at universities". The Guardian. Visitado em 7 de abril de 2010.
  8. «HowStuffWorks - Tipos de Criacionismo: terra plana e geocêntrico». pessoas.hsw.uol.com.br. Consultado em 28 de novembro de 2010. Arquivado do original em 30 de novembro de 2011 
  9. a b http://www.vatican.va/holy_father/benedict_xvi/speeches/2007/july/documents/hf_ben-xvi_spe_20070724_clero-cadore_en.html (em inglês), (26/11/2010).
  10. http://ag.org/top/beliefs/Position_Papers/pp_downloads/PP_The_Doctrine_of_Creation.pdf Arquivado em 17 de setembro de 2010, no Wayback Machine. (em inglês), (26/11/2010).
  11. G. N. Cantor,Marc Swetlitz. Jewish tradition and the challenge of Darwinism. [S.l.: s.n.] 
  12. Bandstra 1999, pp. 38–39.
  13. Walton 2006, p. 183.
  14. Spence 2010, p. 72.
  15. Knight 1990, pp. 175–76.
  16. Walton 2001.
  17. Alter 2004, p. 17.
  18. Thompson 1980, p. 230.
  19. Wenham 2003a, p. 29.
  20. Blenkinsopp 2011, pp. 33–34.
  21. Blenkinsopp 2011, pp. 21–22.
  22. «Vatican official calls atheist theories 'absurd' / Cardinal Levada: No conflict between evolution science and faith in God» (em inglês). 3 de Março de 2009. Consultado em 28 de Abril de 2010 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre História da criação no Gênesis