Organismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Seres vivos)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Um organismo (do grego organismós,[1] "conjunto") é o conjunto de órgãos que constituem um ser vivo.[2]

Lumbricus terrestris , um animal (Reino Animalia).

Os organismos eucariontes pluricelulares têm seus órgãos formados por diferentes tipos de tecidos vivos e estes tecidos por sua vez são formados por células especializadas em desempenhar determinadas funções nesses tecidos. Assim por exemplo, as células nervosas são especializadas em conduzir impulsos nervosos através do tecido nervoso que compõe o sistema nervoso do organismo; as células musculares por sua vez são especializadas em se contrairem para desempenharem a função locomotora realizada pelos tecidos musculares da musculatura do organismo. No organismo existe uma divisão de funções que são atribuídas cada qual a um sistema de órgãos especializado em desempenhar aquela determinada função específica no organismo, exemplos:

Envelhecimento dos organismos[editar | editar código-fonte]

Alguns seres vivos têm vidas curtas como por exemplo os insetos efemerópteros, esses insetos que ficam voando em torno das lâmpadas no verão e que vivem apenas uns dois ou três dias, enquanto que existem algumas plantas que podem viver milhares de anos, como por exemplo as árvores sequóias, algumas com até 4.650 anos de idade. A vida dos organismos humanos é estimada em 73 anos em média, os animais com maior tempo de vida são as tartarugas que podem viver até mais de dois séculos. Organismos mortos são chamados de cadáveres.

Classificação dos seres vivos[editar | editar código-fonte]

Outros conceitos sobre organismo[editar | editar código-fonte]

Hipótese de Gaia[editar | editar código-fonte]

Antigamente afirmaram que a própria Terra é um organismo vivo. Essa hipótese foi nomeada por Hipótese de Gaia, conceito que atualmente já foi substituído pelo conceito de biosfera.

A biosfera da Terra de fato é viva mas não se trata de apenas um "conjunto de órgãos" mas de um complexo conjunto de ecossistemas que somados formam os biomas que constituem a biosfera, o conjunto de todos os seres vivos existentes nesse planeta Terra.

Micro-organismos[editar | editar código-fonte]

Micro-organismos são organismos microscópicos que possuem órgãos e tecidos mas sua descrição é possível apenas com o uso de microscópio.

Os vírus são apenas cápsulas com ADN em seu interior e não possuem nenhuma organela funcional e muito menos órgãos funcionais, portanto são micróbios mas não são podem ser considerados com micro-organismos, são considerados apenas como micróbios parasitas patogênicos bastante simples.

Bactérias também são cápsulas, maiores e mais complexas que os vírus mas também são procariontes, ou seja, não possuem um núcleo nem nenhuma estrutura que possa ser considerada como órgão, as bactérias possuem apenas organelas e portanto não podem ser consideradas como organismos, são consideradas apenas como micro-organismos procariontes bastante complexos.

Os micróbios eucariontes são os maiores micróbios, e dentre eles os protozoários são os micróbios mais desenvolvidos e mais complexos que existem. Entre esses micróbios eucariontes encontramos também as algas unicelulares e os fungos unicelulares que são menos complexos que os protozoários mas que também já possuem o ADN organizado em cromossomos dentro de um núcleo celular no interior da célula, possuem também diversas organelas especializadas em cumprir diversas funções específicas mas nenhuma dessas organelas corresponde ao conceito de órgãos que são conjuntos de tecidos formados por bilhões de células individuais; organelas são apenas estruturas intracelulares e portanto esses seres unicelulares não são considerados organismos, são designados apenas como micro-organismos eucariontes bastante complexos.

Evolução[editar | editar código-fonte]

Em biologia, a teoria da ascendência comum universal propõe que todos os organismos na Terra descendem de um ancestral comum ou conjunto genético ancestral. A evidência para descendência comum pode ser encontrada em traços compartilhados entre todos os organismos vivos. Na época de Darwin, a prova de características compartilhadas foi baseada apenas em observações visíveis de semelhanças morfológicas, tais como o fato de que todas as aves têm asas, mesmo aquelas que não voam.

Hoje, há debate sobre se todos os organismos descendem ou não de um ancestral comum, ou da existência de um "último ancestral comum", também chamado de o "último ancestral universal comum". A universalidade de código genético sugere ancestralidade comum. Por exemplo, cada célula viva faz uso de ácidos nucleicos como seu material genético, e usa os mesmos vinte aminoácidos para a construção dos blocos das proteínas, apesar de exceções à base de vinte aminoácidos terem sido encontradas. No entanto, ao longo de toda a história disposições baseadas na aparência ou na função de espécies têm sido por vezes polifiléticas (grupos que não incluem um ancestral comum) devido à evolução convergente.[3]

O "último ancestral universal" ou "último ancestral comum universal" é o nome dado ao hipotético organismo unicelular ou única célula que deu origem à toda a vida na Terra há 3,5-3,8 bilhões de anos atrás.[4] No entanto, essa hipótese foi refutada em vários fundamentos. Por exemplo, pensava-se que o código genético era universal, mas muitas variações foram descobertas,[5] incluindo vários códigos mitocondriais alternativos.[6]

Referências

  1. Dicionário de Português Online Michaelis;Significado de "organismo",Página acessada em 29/06/2015.
  2. Rodrigues, D. & Nuno, F., coordenadores. Minidicionário Larousse da Língua Portuguesa. [S.l.]: Larousse do Brasil, 2005. 574 p. ISBN 85-7635-082-3
  3. Villarreal LP, Witzany G (2010). Viruses are essential agents within the roots and stem of the tree of life. J Theor Biol 262: 698-710.
  4. Doolittle, W. Ford (Fevereiro de 2000). Uprooting the tree of life. Scientific American 282 (6): 90–95.
  5. NCBI: "The Genetic Codes", Compiled by Andrzej (Anjay) Elzanowski and Jim Ostell
  6. Jukes TH, Osawa S, The genetic code in mitochondria and chloroplasts., Experientia. 1990 Dec 1;46(11-12):1117-26.

Ver também[editar | editar código-fonte]