Archaea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaArchaea
Halobacterium sp., estirpe NRC-1, cada célula com 5 μm de comprimento.
Halobacterium sp., estirpe NRC-1, cada célula com 5 μm de comprimento.
Classificação científica
Domínio: Archaea
Woese, Kandler & Wheelis, 1990
Filos
Crenarchaeota

Euryarchaeota
Korarchaeota
Nanoarchaeota
Thaumarchaeota

Sinónimos
Archaebacteria Woese & Fox, 1977

Archaebacteriobionta
Archaebacteriophyta
Mendosicutes Murray, 1984
Mendosicutes Gibbons & Murray, 1978
Prokarya (in part.)
Prokaryota (in part.)

Archaea (do grego: antigo, velho;[1] em português: arquea,[2][3] arquéia,[4] arqueiaAO 1990, arquaia[4]) é a designação de um dos domínios de seres vivos, morfologicamente semelhantes às bactérias mas genética e bioquimicamente tão distintas destas como dos eucariotas. Conhecidas principalmente por habitar ambientes considerados extremos (sendo muitas das arqueias extremófilas) como fontes hidrotermais, lagos ou mares muito salinos, pântanos (onde produzem metano) e ambientes ricos em gás sulfídrico e com altas temperaturas, as arqueias são ubíquas no nosso planeta, fazendo inclusive parte do microbioma humano.[5]

A separação entre os domínios Bacteria e Archaea deu-se na década de 1970, quando o microbiólogo Carl Woese verificou que ao comparar as sequências de RNA ribossómico de várias espécies era possível separá-las em três grupos distintos. Apesar do nome (Archaea em grego significa “antigo”), este não significa que as Archaeas sejam mais semelhantes aos organismos primitivos do que as Bactérias ou os Eucariotas. Woese decidiu atribuir o nome Archaea a este domínio para fazer sobressair a sua natureza mais primitiva relativamente aos Eucariotas.[6]

Originalmente o termo Archaebacteria (do grego: bactéria primitiva; em português: arqueias)[7][8] era usado para descrever esses organismos, e o termo Eubacteria (do grego: bactéria verdadeira; em português: eubactéria)[8] era usado para os demais seres procariotas. De modo a ressalvar as diferenças existentes entre estes dois domínios, o nome Archaebacteria é desaconselhado.[6] A tendência atual, devido às diferenças estruturais, é utilizar Bacteria ("bactéria") apenas para os antigos Eubacteria, ajustando-se os nomes.

As arqueias possuem características morfológicas semelhantes às das bactérias, sendo a mais marcante a ausência de um núcleo delimitado por uma membrana; por este motivo tanto as arqueias como as bactérias são denominadas de procariotas. Uma vez que esta definição de procariotas é baseada em uma ausência, i.e., é feita com base numa característica que está presente nos eucariotas mas não está presente nos procariotas, alguns autores sugerem que a transcrição acoplada à tradução seja utilizada como característica apomórfica dos procariotas.[9]

As arqueias possuem características que podem ser encontradas em eucariotas ou em bactérias. A título de exemplo, as arqueias possuem geralmente um único cromossoma circular - à semelhança das bactérias -, mas os seus cromossomas podem ter mais do que uma origem de replicação - fenómeno que se pensava estar presente apenas nos eucariotas.[10]

Algumas arqueias possuem características metabólicas únicas, tais como:

  • Algumas espécies de Archaea (Halobacteria), produzem energia a partir da luz, por uma estrutura celular chamada bacteriorrodopsina.[11] Isto constitui um fenómeno de fototrofia (mas não de fotossíntese).
  • Algumas arqueias pertencentes ao filo Euryarchaeota conseguem produzir metano, sendo por isso chamadas de metanogénios. Alguns destes organismos vivem no intestino de ruminantes.

Além disso, as arqueias possuem uma membrana celular com lípidos compostos de uma associação de glicerol-éter, enquanto que os das bactérias e eucariotas são compostos de glicerol-éster. Além disso, o grupo glicerol ao qual a cadeia hidrofóbica se encontra ligada tem estereoquímica diferente nas arqueias, comparativamente às bactérias e aos eucariotas. Também ao contrário das bactérias, as arqueias não possuem uma parede celular de peptidoglicanos. Apenas um grupo relativamente pequeno de arqueias possui uma parede celular composta por um polissacarídeo (pseudomureína); a maior parte das arqueias possui antes uma estrutura proteica para-cristalina chamada de S-layer ("superfície S").[12] Finalmente, o flagelo das arqueias é diferente em composição e desenvolvimento do das bactérias, tendo sido inclusivamente chamado de arcaelo (do original archaellum) para evidenciar as diferenças relativamente ao flagelo bacteriano.[13]

O reino Archaea contém os filos

  • Korarchaeota
  • Crenarchaeota
  • Euryarchaeota
  • Nanoarchaeota
  • Thaumarchaeota (anteriormente considerados "Crenarchaeota mesófilos")
  • 'Aigarchaeota'

Em 2015 foi sugerida a existência de um novo filo, o Lokiarchaeota.[14]

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro grupo de arqueias estudado foi o das metanógenas. A metanogénese foi descoberta no lago Maior de Itália em 1776, ao observar nele o burbulhar do "ar combustível". Em 1882 observou-se que a produção de metano no intestino dos animais devia-se à presença de micro-organismos (Popoff, Tappeiner e Hoppe-Seyler).[15]

Em 1936, ano que marcou o princípio da era moderna no estudo da metanogénese, H.A Barker oferece as bases científicas para o estudo da sua fisiologia e conseguiu desenvolver um meio de cultivo apropriado para o crescimento dos metanógenos. Nesse ano foram identificados os géneros Methanococcus e Methanosarcina.[16]

As primeiras arqueias extremófilas foram encontradas em ambientes quentes. Em 1970, Thomas D. Brock, da Universidade de Wisconsin, descobriu a Thermoplasma, uma arqueia termoacidófila, e em 1972 a Sulfolobus, uma hipertermófila.[17] Brock ter-se-á iniciado em 1969 no campo da biologia dos hipertermófilos com a descoberta de Thermus aquaticus, que não é uma arquea mas antes uma bactéria.

Em 1977 identificam-se as arqueias como o grupo procarionte mais distante ao descobrir que os metanógenos apresentam uma profunda divergência com todas as bactérias estudadas. Nesse mesmo ano propôs a categoria de super-reino para este grupo com o nome de Archaebacteria. Em 1978, o manual de Bergey dá-lhe a categoria de filo com o nome de Mendosicutes e em 1984 divide o reino Procaryotae ou Monera em 4 divisões, agrupando as Archaebacteria na divisão Mendosicutes.[18]

As arqueias hipertermófilas foram agrupadas em 1984 com o nome de Eocyta, identificando-as como um grupo independente das então chamadas arqueobactérias (em referência aos metanógenos) e às eubactérias, descobrindo-se para além disso que Eocyta era o grupo mais próximo dos eucariontes.[19] A relação filogenética entre metanógenos e hipertermófilos faz com que em 1990 se renomeie a Eocyta como Crenarchaeota e as metanógenas como Euryarchaeota, formando o novo grupo Archaea como parte do sistema dos três domínios.[20]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Um novo domínio[editar | editar código-fonte]

Archaea foram detectados primeiramente em ambientes extremos, tais como em fontes hidrotermais.
As arquéias prevalecem em ambientes hostis aos demais seres

No início do século XX, os procariotas eram vistos como um grupo singular de organismos e eram classificados com base na sua bioquímica, morfologia e metabolismo. Por exemplo, os microbiólogos tentaram classificar os micro-organismos com base nas estruturas das suas paredes celulares, nas suas formas e nas substâncias que consumiam.[21] No entanto, uma nova abordagem foi proposta em 1965,[22] usando as sequências dos genes destes organismos para decifrar quais procariotas eram genuinamente relacionados uns com os outros. Esta abordagem, conhecida como filogenética, é o principal método usado hoje em dia.

As Archaea foram primeiro classificados como um grupo separado de procariotas em 1977, por Carl Woese e George E. Fox em árvores filogenéticas baseadas em sequências de genes de ARN ribossomal.[23] Os dois grupos encontrados foram nomeados de Archaebacteria e Eubacteria e tratados como reinos ou sub-reinos, que Woese e Fox denominaram Urkingdoms. Woese argumentava que estes grupos de procariotas eram formas de vida fundamentalmente diferentes. Para enfatizar esta diferença, estes dois domínios foram mais tarde renomeados de Archaea e Bacteria.[24] A palavra archaea vem do grego antigo ἀρχαῖα, que significa coisas antigas.[25]

Ao princípio, apenas os metanogénicos foram colocados neste novo domínio, e as arqueias eram vistos como extremófilos que existiam apenas em habitats como fontes hidrotermais e lagos salgados. Para o fim do século XX, os microbiólogos perceberam que as arqueia eram um grande e diverso grupo de organismos que tinham uma vasta distribuição na natureza e eram comuns em habitats não tão extremos, tal como em solos e oceanos.[26] Já se conhece também que as arqueias estão presentes no microbioma humano, apesar de não se conhecer nenhuma espécie de arqueia patogénica.[27] Esta nova apreciação da importância e ubiquidade das archaea veio do uso da reação em cadeia da polimerase para detectar procariotas em amostras de água ou solo, a partir apenas dos seus ácidos nucleicos. Isto permite a detecção e identificação de organismos que não podem ser cultivadas no laboratório, processo muitas vezes difícil de se concretizar.[28][29]

Classificação actual[editar | editar código-fonte]

A classificação das Archaea e dos procariotas em geral é um campo contencioso e de rápida evolução. Os atuais sistemas de classificação pretendem organizar as arqueias em grupos de organismos que partilham caracteres estruturais e ancestrais comuns.[30] Estas classificações apoiam-se grandemente nas sequências de genes de ARN ribossomal para revelar as relações entre organismos (filogenética molelular).[31] A maioria das espécies de archaea cultiváveis e bem investigadas são membros de dois filos principais, os Euryarchaeota e os Crenarchaeota. Outros grupos foram tentativamente criados. Por exemplo, à espécie peculiar Nanoarchaeum equitans, que foi descoberta em 2003, foi-lhe dado e seu próprio filo, os Nanoarchaeota.[32] Um novo filo, os Korarchaeota, foi também proposto, contendo um pequeno grupo de espécies termofílicas pouco usuais, que partilham caracteres de ambos os filos principais, mas que é mais relacionado com os Crenarchaeota.[33][34] Outras espécies detectadas recentemente são apenas relacionadas de maneira distante com algum destes grupos, tais como os Archaeal Richmond Mine Acidophilic Nanoorganisms (ARMAN), descobertos em 2006.[35]

Os ARMAN são um grupo de archaea recentemente descobertos.

A classificação das archaea em espécies é também controverso. Em biologia, uma espécie é um grupo de organismos relacionados. Uma definição popular de espécie em animais é que são um grupo de organismos que se podem cruzar uns com os outros e que estão reprodutivamente isolados de outros grupos de organismos (isto é, não podem se cruzar com outras espécies).[36] No entanto, esforços para classificar procariotas como as archaea em espécies são complicados por serem assexuais e mostrarem níveis altos de transferência horizontal de genes entre linhagens. Esta área é ainda contenciosa; com, por exemplo, alguns dados sugerindo que nos archaea como o género Ferroplasma, células individuais podem ser agrupadas em populações que possuem genomas altamente similares e que raramente transferem genes com grupos de células mais divergentes.[37] Pensa-se que estes grupos de células sejam análogos a espécies. Por outro lado, estudos em Halorubrum encontraram trocas genéticas significantes entre tais populações.[38] Tais resultados levaram ao argumento de que classificar estes grupos de organismos em espécies terá pouco significado prático.[39]

O conhecimento actual sobre a diversidade dos archaea é fragmentário e o número total de espécies de archaea não pode ser estimado com precisão.[31] Mesmo estimativas do número total de filos nos archaeae variam entre 18 a 23, dos quais apenas 8 filos possuem representantes que foram cultivados e estudados directamente. Muitos destes grupos hipotéticos são conhecidos somente através de uma simples sequência de ARNr, indicando que a vasta maioria da diversidade entre estes organismos permanece completamente desconhecida.[40] O problema de como estudar e classificar micróbios não cultivados, ocorre também em Bacteria.[41]


Espécies[editar | editar código-fonte]

A classificação das arqueias em espécies é também controversa. Em biologia, define-se espécie como um grupo de organismos relacionados. O critério de que se podem reproduzir entre si e não com outros, que se pode aplicar com relativa facilidade a animais ou plantas, não se aplica às arqueias, que se reproduzem assexuadamente.[42]

Além disso, as Archaea apresentam um alto grau de transfêrencia horizontal de genes entre distintas linhagens. Alguns investigadores sugerem que os indivíduos podem agrupar-se em povoações semelhantes a espécies quando se observa uma grande similaridade dos seus genomas e uma pouco frequente transferência de genes a/de células que tenham genomas menos relacionados, como no caso do género Ferroplasma.[43] Por outro lado, em estudos do género Halorubrum encontrou-se uma significativa transferência de genes a/doutras povoações menos relacionadas, o que limita a aplicabilidade deste critério.[44] Uma segunda preocupação está em que medida essas designações de espécies apresentam um significado práctico.[45]

Os conhecimentos que se têm da sua diversidade genética são fragmentários e o número total de espécies de arqueias não pode ser estimado com precisão.[31] A estimativa dos possíveis filos que poderia haver (quase todos sem terem sido descritos) é de entre 18 e 23, dos quais só 8 possuem representantes que sejam cultivados e estudados directamente (na LPSN figuram 5 filos). Muitos destes grupos hipotéticos só são conhecidos por uma só sequência de ARNr, o que indica que a diversidade entre estes organismos mantém-se pouco clara.[46] Entre as bactérias também existem muitos micróbios não cultivados com implicações parecidas para a sua caracterização.[47]

Origem e evolução[editar | editar código-fonte]

Os archaea são formas de vida antigas. Prováveis fósseis destas células foram datadas de perto de 3,5 milhões de anos,[48] e vestígios de lípidos que poderiam ser de archaea ou eucarióticos foram detectados em xistos que datam de 2,7 milhões de anos.[49] Visto que a maioria dos procariontes não possuem morfologias distintivas, as formas dos fósseis não podem ser utilizadas para os identificar como archaea. Por sua vez, fósseis químicos, na forma de lípidos únicos encontrados em archaea, são mais informativos porque tais compostos não ocorrem em outros grupos de organismos.[50] Tais lípidos não foram detectados em rochas que datam desde o Pré-Câmbrico. Os traços mais antigos destes lípidos (isoprenos) têm origem no distrito de Isua, na Gronelândia ocidental, que inclui sedimentos formados há 3,8 milhões de anos e que são os mais antigos na Terra.[51] A origem das archaea parece ser muito antiga e as linhagens de archaea podem ser as mais antigas que existem na Terra.[52]

Árvore filogenética mostrando as relações entre as archaea e outras formas de vidas. Eucariotas estão a vermelho, as archaea a verde e as bactérias a azul. Adaptado de Ciccarelli et al..[53]

Woese argumentou que as bactérias, as archaea e os eucariotas, cada qual representa uma linha de descendência que divergiu de uma colónia ancestral de organimos.[54][55] Alguns biólogos, no entanto, argumentaram que as archaea e os eucariotas apareceram de um grupo de bactérias.[56] É possível que o último ancestral comum das bactérias e das archaea fosse em termófilo, o que levanta a possibilidade de que temperaturas menores são "ambientes extremos" em termos das archaea, e organismos de vivem em ambientes mais frios apareceram mais tarde na história da vida na Terra.[57] Visto que as Archaea e as Bacteria não são mais relacionadas uma com outra do que são em relação aos eucariotas, isto levou a que o termo "procariota" não tivesse significado evolutivo e devesse ser descartada inteiramente.[58]

A relação entre archaea e eucariotas permanece um problema importante. Para além das semelhanças na estrutura celular e função, que são discutidas abaixo, muitas árvores genéticas juntam os dois grupos. Algumas análises anteriores sugeriam que a relação entre eucariotas e o filo Euryarchaeota são mais próximas que as relações entre os Euryarchaeota e o filo Crenarchaeota.[59] No entanto, é hoje em dia considerado mais provável que o ancestral dos eucariotas divergiu cedo dos archaea.[60][61] A descoberta de genes parecidos com os de archaea, em certas bactérias como Thermotoga marítima, torna estas relações difíceis de determinar, uma vez que a transferência horizontal de genes ocorreu.[62] Alguns cientistas sugeriram que os eucariotas apareceram através de uma fusão de archaea e eubacteria, que se tornaram no núcleo e no citoplasma; isto conta para várias semelhanças genéticas mas torna-se difícil a explicar a estrutura celular.[63]

Morfologia[editar | editar código-fonte]

O tamanho de células procarióticas em relação a outras células e biomoléculas.

As células de archaea têm um tamanho que varia de 0,1 micrómetros (μm) até 15 μm de diâmetro, e ocorrem numa variedade de formas, normalmente como esferas, bastonetes, espirais ou placas.[64] Outras morfologias nos Crenarchaeota incluem células lobadas de forma irregular em Sulfolobus, filamentos em forma de agulha que têm menos que metade de um micrómetro de diâmetro em Thermofilum, e também bastonetes quase perfeitamente regulares em Thermoproteus e Pyrobaculum.[65] Existe mesmo uma espécie de archaea de forma achatada e quadrada chamada Haloquadra walsbyi que vive em charcos hipersalinos.[66] Estas formas pouco usuais são provavelmente mantidas quer pelas suas paredes celulares quer pelo citosqueleto procariota. Proteínas relacionadas aos componentes do citosqueleto de outros organismos existem nas archaea,[67] e filamentos são formados entre as suas células,[68] mas em contraste a outros organismos, estas estruturas celulares são pouco entendidas nas archaea.[69]

Algumas espécies de archaea formam agregados ou filamentos de células com 200 μm de comprimento,[64] e estes organismos podem ser membros proeminentes da comunidade de micróbios que compõem os biofilmes.[70] Um exemplo extremo é Thermococcus coalescens, em que agregados de células se juntam formando células únicas gigantes.[71] Uma particularmente elaborada forma de colónia multicelular é produzida por archaea do género Pyrodictium. Aqui, as células produzem conjuntos de longos e finos tubos ocos denominados cannulae que emanam das células e conectam as células formando uma colónia densa.[72] A função destas cannulae é ainda desconhecida, mas poderão permitir que as células comuniquem ou troquem nutrientes com os seus vizinhos.[73] Colónias podem também ser produzidas por uma associação ente diferentes espécies. Por exemplo, na comunidade de "cordão de pérolas" que foi descoberta em 2001 num pântano na Alemanha, colónias esbranquiçadas e arredondadas de uma nova espécie de archaea do filo Euryarchaeota estão espaçadas ao longo de finos filamentos que podem ter até 15 cm de comprimento; estes filamentos são formados de uma espécies particular de bactéria.[74]

Comparação com outros domínios[editar | editar código-fonte]

EuryarchaeotaNanoarchaeotaCrenarchaeotaProtozoaAlgaPlantaeFungo mucilaginosoAnimaisFungoBactérias gram-positivasChlamydiaeChloroflexiActinobactériaPlanctomycetesSpirochaetesFusobactériaCianobactériaTermófilasAcetobactériaProteobactériaCollapsed tree labels simplified.png

A seguinte tabela descreve algunhas das características principais que as arqueias compartilham com os outros domínios ou que lhes são exclusivas.[75] Muitas destas características serão discutidas mais abaixo.

Compartilhadas com Bacteria Compartilhadas com Eukarya Exclusivas de Archaea
Sem núcleo nem orgenelos membranosos Sem peptidoglicano Estrutura da parede celular (por exemplo, algumas arqueas têm paredes com pseudomureína)
Genoma circular ADN associado com histonas[76][77] Membrana celular que contêm lípidos com ligações éter
Genes agrupados em operões Tradução de proteínas que se inicia com a metionina Proteína flagelina característica[78]
Sem intrões nem processamento do ARN ARN polimerase, promotores, e outra maquinaria tanscricional similar[78][79][80] Estrutura dos ribossomas (característica compartilhada tanto com Bacteria como com Eukarya)
ARNm policistrónico Replicação do ADN e reparação semelhantes[81] Sequência do ARNt e metabolismo[78][82]
Tamanho celular (>100 vezes menor do que os eucariotas) ATPase similar (ATPase V ou Tipo V) Sem a enzima ácido gordo sintase[78]

Relação com os eucariotas[editar | editar código-fonte]

As relações evolutivas entre arqueias e eucariotas não são claras. Á parte das semelhanças na estrutura e funções celulares que serão discutidas mais abaixo, muitas árvores genéticas agrupam as duas linhagens.

As complicações aumentam porque alguns consideram que as relações entre os eucariotas e o filo arqueano das Crenarchaeota são mais próximas do que as relações entre os filos arqueanos de Euryarchaeota e Crenarchaeota,[83] e pela presença de genes do tipo arqueano em certas bactérias, como Thermotoga maritima, devido à transferência horizontal de genes.[84] A principal hipótese é que o antepassado dos eucariotas divergiu muito cedo das Archaea,[85][86] e que os eucariotas surgiram pela fusão duma arqueia e uma eubactéria, que deram lugar ao aparecimento do núcleo e do citoplasma, respectivamente; isto explicaria várias parecenças genéticas mas por outro lado embate com outras dificuldades para explicar a estrutura celular.[87] Por fim, outra hipótese estabelece que Eukaryota se relaciona com Archaea pela proximidade de ambos com o superfilo TACK (siglas de quatro filos arqueanos).[88] A descoberta do clado TACK é fundamental para a compreensão da origem das arqueias e da primeira célula eucariota. Nas diferentes árvores filogenéticas elaboradas, Archaea estaria de diversas formas relacionada com Eukaryota. Cruzando estes dados obtém-se um resultado que desbotaria a árvore dos três domínios, apoiando a hipótese do eócito e a simbiogénese pré-eucariota e depreender-se-ia a presença do superfilo que agrupa os vários filos arqueanos com Eukaryota sob as siglas TACK,[89] o que, segundo as árvores filogenéticas dos partidários desta hipótese, pode resumir-se da seguinte forma:

 Prokaryota 

 Bacteria 


 Archaea 
 

 EuryarchaeotaNanoarchaeota


 TACK 

 Thaumarchaeota 



 Aigarchaeota 



 Crenarchaeota 



 Korarchaeota 


 + α─proteobacteria 

 Eukaryota 






Questionamento do sistema de três domínios[editar | editar código-fonte]

Em hipóteses anteriores como a de Woese, foi argumentado que as bactérias, arqueias e eucariotas representavam três linhagens evolutivas distintas que divergiram há muitos milhões de anos dum grupo ancestral de organismos.[90][91] Outros argumentaram que as arqueias e eucariotas surgiram dum grupo de bactérias.[92] Cavalier-Smith propôs o clado Neomura para representar esta teoria; Neomura significa 'paredes novas' e faz referência à teoria de que as arqueias e os eucariotas teriam derivado de bactérias que (entre outras adaptações) substituiram as paredes de peptidoglicano por outras de glicoproteínas. Segundo Woese, como as arqueias e as bactérias não estariam mais estritamente relacionadas umas com as outras do que com os eucariontes, propôs-se que o termo "procariota" não teria um verdadeiro sentido evolutivo e que por isso teria que ser desconsiderado por completo.[58] Porém, muitos biólogos evolutivos consideram que no sistema de três domínios se exagerou na diferenza entre arqueias e bactérias, e sustentam que a transição mais dramática produziu-se entre Prokaryota e Eukaryota (sistema de dois impérios), este último de origem mais recente por eucariogénese e como resultado da fusão endosimbiótica de pelo menos dois procariontes: uma arqueia e uma bactéria.

Estrutura celular[editar | editar código-fonte]

Membrana celular[editar | editar código-fonte]

Diferente da bactéria que tem na sua membrana a presença de lipidios ligações éster, a archea tem ligações éter.[carece de fontes?]

Referências

  1. FONSECA, F. V. Peixoto da (28 de março de 2000). ««Archeae»». Consultado em 25 de agosto de 2009. 
  2. «O SURPREENDENTE DOMÍNIO ARQUEA». Jornal de Notícias. 25 de maio de 2000. Consultado em 25 de agosto de 2009. 
  3. «Fisiologia de Microrganismos» (PDF). Consultado em 25 de agosto de 2009. 
  4. a b FONSECA, F. V. Peixoto da (4 de abril de 2000). «Arquaia». Consultado em 25 de agosto de 2009. 
  5. Lurie-Weinberger, Mor N.; Uri (11 de junho de 2015). «Archaea in and on the Human Body: Health Implications and Future Directions». PLOS Pathog. 11 (6): e1004833. ISSN 1553-7374. PMID 26066650. doi:10.1371/journal.ppat.1004833 
  6. a b Woese, Carl R.; Kandler, Otto; Wheelis, Mark L. «Towards a natural system of organisms: proposal for the domains Archaea, Bacteria, and Eucarya.». Proceedings of the National Academy of Sciences. Consultado em 19 de julho de 2015. 
  7. Portal da Língua Portuguesa. «arquéias - nome». Consultado em 25 de agosto de 2009. 
  8. a b simbiotica.org. «Arqueobactérias». Consultado em 25 de agosto de 2009. 
  9. Martin, William; Eugene V. Koonin. «A positive definition of prokaryotes». Nature. doi:10.1038/442868c. Consultado em 16 de dezembro de 2016. 
  10. Walsh, David A.; Doolittle, W. Ford. «The real 'domains' of life». Current Biology. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.cub.2005.03.034 Verifique |doi= (ajuda). Consultado em 19 de julho de 2015. 
  11. Lozier, R H; R A Bogomolni, and W Stoeckenius. «Bacteriorhodopsin: a light-driven proton pump in Halobacterium Halobium.». Biophysical Journal. doi:10.1016/S0006-3495(75)85875-9 
  12. Albers, Sonja-Verena; Benjamin H. «The archaeal cell envelope». Nature Reviews Microbiology. 9 (6): 414–426. doi:10.1038/nrmicro2576 
  13. Jarrell, Ken F; Albers, Sonja-Verena. «The archaellum: an old motility structure with a new name». Trends in Microbiology. doi:10.1016/j.tim.2012.04.007. Consultado em 19 de julho de 2015. 
  14. Spang, Anja; Jimmy H. Saw, Steffen L. Jørgensen, Katarzyna Zaremba-Niedzwiedzka, Joran Martijn, Anders E. Lind, Roel van Eijk, Christa Schleper, Lionel Guy & Thijs J. G. Ettema. «Complex archaea that bridge the gap between prokaryotes and eukaryotes». Nature. doi:10.1038/nature14447  horizontal tab character character in |coautores= at position 114 (ajuda)
  15. James G. Ferry (1993). "Methanogenesis: Ecology, Physiology, Biochemistry & Genetics". [S.l.: s.n.] 
  16. Kluyver e van Niel 1936
  17. Brock TD, Brock KM, Belly RT, Weiss RL (1972). «Sulfolobus: a new genus of sulfur-oxidizing bacteria living at low pH and high temperature». Arch. Mikrobiol. (84 (1)): 54–68. PMID 4559703. doi:10.1007/BF00408082 
  18. "Bergey's Manual of Systematic Bacteriology". 1ª (4 vols.) ed. [S.l.: s.n.] 1984 
  19. Lake, James A.; et al. (1984). «"Eocytes: A new ribosome structure indicates a kingdom with a close relationship to eukaryotes"». PNAS (81): 3786–3790 
  20. Woese, C. R.; Kandler, O & Wheelis, M. L. (1990). «Towards a natural system of organisms: proposal for the domains Archaea, Bacteria, and Eucarya». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 87 (12): 4576–9. PMID 2112744. doi:10.1073/pnas.87.12.4576 
  21. Staley JT (2006). «The bacterial species dilemma and the genomic-phylogenetic species concept». Philos. Trans. R. Soc. Lond., B, Biol. Sci. 361 (1475): 1899–909. PMID 17062409. doi:10.1098/rstb.2006.1914 
  22. Zuckerkandl E, Pauling L (1965). «Molecules as documents of evolutionary history». J. Theor. Biol. 8 (2): 357–66. PMID 5876245. doi:10.1016/0022-5193(65)90083-4 
  23. Woese C, Fox G (1977). «Phylogenetic structure of the prokaryotic domain: the primary kingdoms». Proc Natl Acad Sci USA. 74 (11): 5088–90. PMID 270744. doi:10.1073/pnas.74.11.5088 
  24. Woese CR, Kandler O, Wheelis ML (1990). «Towards a natural system of organisms: proposal for the domains Archaea, Bacteria, and Eucarya». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 87 (12): 4576–9. PMID 2112744. doi:10.1073/pnas.87.12.4576 
  25. archaea. (2008). In Merriam-Webster Online Dictionary. Retrieved July 1, 2008, from http://www.merriam-webster.com/dictionary/archaea
  26. DeLong EF (1998). «Everything in moderation: archaea as 'non-extremophiles'». Curr. Opin. Genet. Dev. 8 (6): 649–54. PMID 9914204. doi:10.1016/S0959-437X(98)80032-4 
  27. Dridi, Bédis; Didier Raoult, Michel Drancourt. «Archaea as emerging organisms in complex human microbiomes». Anaerobe. doi:10.1016/j.anaerobe.2011.03.001 
  28. Theron J, Cloete TE (2000). «Molecular techniques for determining microbial diversity and community structure in natural environments». Crit. Rev. Microbiol. 26 (1): 37–57. PMID 10782339. doi:10.1080/10408410091154174 
  29. Schmidt TM (2006). «The maturing of microbial ecology» (PDF). Int. Microbiol. 9 (3): 217–23. PMID 17061212 
  30. Gevers D, Dawyndt P, Vandamme P; et al. (2006). «Stepping stones towards a new prokaryotic taxonomy». Philos. Trans. R. Soc. Lond., B, Biol. Sci. 361 (1475): 1911–6. PMID 17062410. doi:10.1098/rstb.2006.1915 
  31. a b c Robertson CE, Harris JK, Spear JR, Pace NR (2005). «Phylogenetic diversity and ecology of environmental Archaea». Curr. Opin. Microbiol. 8 (6): 638–42. PMID 16236543  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Robertson" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  32. Huber H, Hohn MJ, Rachel R, Fuchs T, Wimmer VC, Stetter KO. (2002). «A new phylum of Archaea represented by a nanosized hyperthermophilic symbiont». Nature. 417 (6884): 27–8. PMID 11986665. doi:10.1038/417063a 
  33. Barns SM, Delwiche CF, Palmer JD, Pace NR (1996). «Perspectives on archaeal diversity, thermophily and monophyly from environmental rRNA sequences». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 93 (17): 9188–93. PMID 8799176. doi:10.1073/pnas.93.17.9188 
  34. Elkins JG, Podar M, Graham DE; et al. (junho de 2008). «A korarchaeal genome reveals insights into the evolution of the Archaea». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 105 (23): 8102–7. PMID 18535141. doi:10.1073/pnas.0801980105 
  35. Baker, B.J., Tyson, G.W., Webb, R.I., Flanagan, J., Hugenholtz, P. and Banfield, J.F. (2006). «Lineages of acidophilic Archaea revealed by community genomic analysis. Science». Science. 314 (6884): 1933 – 1935. PMID 17185602. doi:10.1126/science.1132690 
  36. de Queiroz K (2005). «Ernst Mayr and the modern concept of species». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 102 Suppl 1: 6600–7. PMID 15851674. doi:10.1073/pnas.0502030102 
  37. Eppley JM, Tyson GW, Getz WM, Banfield JF (2007). «Genetic exchange across a species boundary in the archaeal genus ferroplasma». Genetics. 177 (1): 407–16. PMID 17603112. doi:10.1534/genetics.107.072892 
  38. Papke RT, Zhaxybayeva O, Feil EJ, Sommerfeld K, Muise D, Doolittle WF (2007). «Searching for species in haloarchaea». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 104 (35): 14092–7. PMID 17715057. doi:10.1073/pnas.0706358104 
  39. Kunin V, Goldovsky L, Darzentas N, Ouzounis CA (2005). «The net of life: reconstructing the microbial phylogenetic network». Genome Res. 15 (7): 954–9. PMID 15965028. doi:10.1101/gr.3666505 
  40. Hugenholtz P (2002). «Exploring prokaryotic diversity in the genomic era». Genome Biol. 3 (2): REVIEWS0003. PMID 11864374. doi:10.1186/gb-2002-3-2-reviews0003 
  41. Rappé MS, Giovannoni SJ (2003). «The uncultured microbial majority». Annu. Rev. Microbiol. 57: 369–94. PMID 14527284. doi:10.1146/annurev.micro.57.030502.090759 
  42. de Queiroz K (2005). «Ernst Mayr and the modern concept of species». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 102 (Suppl 1): 6600–7. Bibcode:2005PNAS..102.6600D. PMC 1131873Acessível livremente. PMID 15851674. doi:10.1073/pnas.0502030102 
  43. Eppley JM, Tyson GW, Getz WM, Banfield JF (2007). «Genetic exchange across a species boundary in the archaeal genus ferroplasma». Genetics. 177 (1): 407–16. PMC 2013692Acessível livremente. PMID 17603112. doi:10.1534/genetics.107.072892 
  44. Papke RT, Zhaxybayeva O, Feil EJ, Sommerfeld K, Muise D, Doolittle WF (2007). «Searching for species in haloarchaea». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 104 (35): 14092–7. Bibcode:2007PNAS..10414092P. PMC 1955782Acessível livremente. PMID 17715057. doi:10.1073/pnas.0706358104 
  45. Kunin V, Goldovsky L, Darzentas N, Ouzounis CA (2005). «The net of life: reconstructing the microbial phylogenetic network». Genome Res. 15 (7): 954–9. PMC 1172039Acessível livremente. PMID 15965028. doi:10.1101/gr.3666505 
  46. Hugenholtz P (2002). «Exploring prokaryotic diversity in the genomic era». Genome Biol. 3 (2): REVIEWS0003. PMC 139013Acessível livremente. PMID 11864374. doi:10.1186/gb-2002-3-2-reviews0003 
  47. Rappé MS, Giovannoni SJ (2003). «The uncultured microbial majority». Annu. Rev. Microbiol. 57: 369–94. PMID 14527284. doi:10.1146/annurev.micro.57.030502.090759 
  48. Schopf J (2006). «Fossil evidence of Archaean life» (PDF). Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci. 361 (1470): 869–85. PMID 16754604. doi:10.1098/rstb.2006.1834 
  49. Brocks JJ, Logan GA, Buick R, Summons RE (1999). «Archean molecular fossils and the early rise of eukaryotes». Science. 285 (5430): 1033–6. PMID 10446042. doi:10.1126/science.285.5430.1033 
  50. Chappe B, Albrecht P, Michaelis W (julho de 1982). «Polar Lipids of Archaebacteria in Sediments and Petroleums». Science. 217 (4554): 65–66. PMID 17739984. doi:10.1126/science.217.4554.65 
  51. Hahn, Jürgen; Haug, Pat (1986). «Traces of Archaebacteria in ancient sediments». System Applied Microbiology. 7 (Archaebacteria '85 Proceedings): 178–83 
  52. Wang M, Yafremava LS, Caetano-Anollés D, Mittenthal JE, Caetano-Anollés G (2007). «Reductive evolution of architectural repertoires in proteomes and the birth of the tripartite world». Genome Res. 17 (11): 1572–85. PMID 17908824. doi:10.1101/gr.6454307 
  53. Ciccarelli FD, Doerks T, von Mering C, Creevey CJ, Snel B, Bork P (2006). «Toward automatic reconstruction of a highly resolved tree of life». Science. 311 (5765): 1283–7. PMID 16513982. doi:10.1126/science.1123061 
  54. Woese CR, Gupta R (1981). «Are archaebacteria merely derived 'prokaryotes'?». Nature. 289 (5793): 95–6. PMID 6161309. doi:10.1038/289095a0 
  55. Woese C (1998). «The universal ancestor». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 95 (12): 6854–9. PMID 9618502. doi:10.1073/pnas.95.12.6854 
  56. Gupta RS (2000). «The natural evolutionary relationships among prokaryotes». Crit. Rev. Microbiol. 26 (2): 111–31. PMID 10890353. doi:10.1080/10408410091154219 
  57. Gribaldo S, Brochier-Armanet C (2006). «The origin and evolution of Archaea: a state of the art». Philos. Trans. R. Soc. Lond., B, Biol. Sci. 361 (1470): 1007–22. PMID 16754611. doi:10.1098/rstb.2006.1841 
  58. a b Woese CR (março de 1994). «There must be a prokaryote somewhere: microbiology's search for itself». Microbiol. Rev. 58 (1): 1–9. PMC 372949Acessível livremente. PMID 8177167 
  59. Lake JA (janeiro de 1988). «Origin of the eukaryotic nucleus determined by rate-invariant analysis of rRNA sequences». Nature. 331 (6152): 184–6. PMID 3340165. doi:10.1038/331184a0 
  60. Gouy M, Li WH (maio de 1989). «Phylogenetic analysis based on rRNA sequences supports the archaebacterial rather than the eocyte tree». Nature. 339 (6220): 145–7. PMID 2497353. doi:10.1038/339145a0 
  61. Yutin N, Makarova KS, Mekhedov SL, Wolf YI, Koonin EV (maio de 2008). «The deep archaeal roots of eukaryotes». Mol. Biol. Evol. 25. 1619 páginas. PMID 18463089. doi:10.1093/molbev/msn108 
  62. Nelson KE, Clayton RA, Gill SR; et al. (1999). «Evidence for lateral gene transfer between Archaea and bacteria from genome sequence of Thermotoga maritima». Nature. 399 (6734): 323–9. PMID 10360571. doi:10.1038/20601 
  63. Lake JA. (1988). «Origin of the eukaryotic nucleus determined by rate-invariant analysis of rRNA sequences». Nature. 331 (6152): 184–6. PMID 3340165. doi:10.1038/331184a0 
  64. a b Krieg, Noel (2005). Bergey’s Manual® of Systematic Bacteriology. USA: Springer. pp. 21–6. ISBN 978-0-387-24143-2 
  65. Barns, Sue and Burggraf, Siegfried. (1997) Crenarchaeota. Version 01 January 1997. in The Tree of Life Web Project
  66. Walsby, A.E. (1980). «A square bacterium». Nature. 283 (5742): 69–71. doi:10.1038/283069a0 
  67. Hara F, Yamashiro K, Nemoto N; et al. (2007). «An actin homolog of the archaeon Thermoplasma acidophilum that retains the ancient characteristics of eukaryotic actin». J. Bacteriol. 189 (5): 2039–45. PMID 17189356. doi:10.1128/JB.01454-06 
  68. Trent JD, Kagawa HK, Yaoi T, Olle E, Zaluzec NJ (1997). «Chaperonin filaments: the archaeal cytoskeleton?». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 94 (10): 5383–8. PMID 9144246. doi:10.1073/pnas.94.10.5383 
  69. Hixon WG, Searcy DG (1993). «Cytoskeleton in the archaebacterium Thermoplasma acidophilum? Viscosity increase in soluble extracts». BioSystems. 29 (2–3): 151–60. PMID 8374067. doi:10.1016/0303-2647(93)90091-P 
  70. Hall-Stoodley L, Costerton JW, Stoodley P (2004). «Bacterial biofilms: from the natural environment to infectious diseases». Nat. Rev. Microbiol. 2 (2): 95–108. PMID 15040259. doi:10.1038/nrmicro821 
  71. Kuwabara T, Minaba M, Iwayama Y; et al. (novembro de 2005). «Thermococcus coalescens sp. nov., a cell-fusing hyperthermophilic archaeon from Suiyo Seamount». Int. J. Syst. Evol. Microbiol. 55 (Pt 6): 2507–14. PMID 16280518. doi:10.1099/ijs.0.63432-0 
  72. Nickell S, Hegerl R, Baumeister W, Rachel R (2003). «Pyrodictium cannulae enter the periplasmic space but do not enter the cytoplasm, as revealed by cryo-electron tomography». J. Struct. Biol. 141 (1): 34–42. PMID 12576018. doi:10.1016/S1047-8477(02)00581-6 
  73. Horn C, Paulmann B, Kerlen G, Junker N, Huber H (1999). «In vivo observation of cell division of anaerobic hyperthermophiles by using a high-intensity dark-field microscope». J. Bacteriol. 181 (16): 5114–8. PMID 10438790 
  74. Rudolph C, Wanner G, Huber R (maio de 2001). «Natural communities of novel archaea and bacteria growing in cold sulfurous springs with a string-of-pearls-like morphology». Appl. Environ. Microbiol. 67 (5): 2336–44. PMC 92875Acessível livremente. PMID 11319120. doi:10.1128/AEM.67.5.2336-2344.2001 
  75. A informação procede de Willey, JM; Sherwood, LM; Woolverton, CJ (2008). «19». "Microbiology" 7ª ed. [S.l.: s.n.] pp. 474–475 , excepto nas partes que têm notas.
  76. Talbert PB, Henikoff S (2010). «Histone variants – ancient wrap artists of the epigenome». Nature Reviews Molecular Cell Biology. 11: 264–275. doi:10.1038/nrm2861 
  77. Sandman K, Reeve JN (2006). «Archaeal histones and the origin of the histone fold». Curr. Opin. Microbiol. 9: 520–525. doi:10.1016/j.mib.2006.08.003 
  78. a b c d Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Zillig
  79. Bell SD, Jackson SP (abril de 2001). «Mechanism and regulation of transcription in archaea». Curr. Opin. Microbiol. 4 (2): 208–13. PMID 11282478. doi:10.1016/S1369-5274(00)00190-9  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  80. Reeve JN (maio de 2003). «Archaeal chromatin and transcription». Mol. Microbiol. 48 (3): 587–98. PMID 12694606  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  81. Kelman LM, Kelman Z (maio de 2003). «Archaea: an archetype for replication initiation studies?». Mol. Microbiol. 48 (3): 605–15. PMID 12694608  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  82. Phillips G, Chikwana VM, Maxwell A; et al. (abril de 2010). «Discovery and characterization of an amidinotransferase involved in the modification of archaeal tRNA». J. Biol. Chem. 285 (17): 12706–13. PMC 2857094Acessível livremente. PMID 20129918. doi:10.1074/jbc.M110.102236  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  83. Lake JA (janeiro de 1988). «Origin of the eukaryotic nucleus determined by rate-invariant analysis of rRNA sequences». Nature. 331 (6152): 184–6. Bibcode:1988Natur.331..184L. PMID 3340165. doi:10.1038/331184a0 
  84. Nelson KE, Clayton RA, Gill SR, Utterback TR; Malek JA; Linher KD; Garrett MM; Stewart AM; Cotton MD; Pratt MS; Phillips CA; Richardson D; Heidelberg J; Sutton GG; Fleischmann RD; Eisen JA; White O; Salzberg SL; Smith HO; Venter JC; Fraser CM (1999). «Evidence for lateral gene transfer between Archaea and bacteria from genome sequence of Thermotoga maritima». Nature. 399 (6734): 323–9. Bibcode:1999Natur.399..323N. PMID 10360571. doi:10.1038/20601 
  85. Gouy M, Li WH (1989). «Phylogenetic analysis based on rRNA sequences supports the archaebacterial rather than the eocyte tree». Nature. 339 (6220): 145–7. Bibcode:1989Natur.339..145G. PMID 2497353. doi:10.1038/339145a0 
  86. Yutin N, Makarova KS, Mekhedov SL, Wolf YI, Koonin EV (2008). «The deep archaeal roots of eukaryotes». Mol. Biol. Evol. 25 (8): 1619–30. PMC 2464739Acessível livremente. PMID 18463089. doi:10.1093/molbev/msn108 
  87. Lake JA. (1988). «Origin of the eukaryotic nucleus determined by rate-invariant analysis of rRNA sequences». Nature. 331 (6152): 184–6. Bibcode:1988Natur.331..184L. PMID 3340165. doi:10.1038/331184a0 
  88. Tom A. Williams; et al. (2012). «A congruent phylogenomic signal places eukaryotes within the Archaea». Proc. R. Soc. (B rspb20121795) 
  89. L. Guy & T. Ettema (2011). «The archaeal 'TACK' superphylum and the origin of eukaryotes». Sciencedirect. 19 (12): 580–587 
  90. Woese C. R. & Gupta, R. (1981). «Are archaebacteria merely derived 'prokaryotes'?». Nature. 289 (5793): 95–6. PMID 6161309. doi:10.1038/289095a0 
  91. Woese C (1998). «The universal ancestor». Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. 95 (12): 6854–9. PMID 9618502. doi:10.1073/pnas.95.12.6854 
  92. Gupta RS (2000). «The natural evolutionary relationships among prokaryotes». Crit. Rev. Microbiol. 26 (2): 111–31. PMID 10890353. doi:10.1080/10408410091154219 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Howland, John L. (2000). The Surprising Archaea: Discovering Another Domain of Life. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-511183-4 
  • Martinko JM, Madigan MT (2005). Brock Biology of Microorganisms 11th ed. ed. Englewood Cliffs, N.J: Prentice Hall. ISBN 0-13-144329-1 
  • Garrett RA, Klenk H (2005). Archaea: Evolution, Physiology and Molecular Biology. [S.l.]: WileyBlackwell. ISBN 1-40-514404-1 
  • Cavicchioli R (2007). Archaea: Molecular and Cellular Biology. [S.l.]: American Society for Microbiology. ISBN 1-55-581391-7 
  • Blum P (editor) (2008). Archaea: New Models for Prokaryotic Biology. [S.l.]: Caister Academic Press. ISBN 978-1-904455-27-1 
  • Lipps G (2008). «Archaeal Plasmids». Plasmids: Current Research and Future Trends. [S.l.]: Caister Academic Press. ISBN 978-1-904455-35-6 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikispecies Diretório no Wikispecies
Gerais
Classificação
Genómica