Habitat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Habitat, veja Habitat (desambiguação).
Este recife de corais na Área Protegida das Ilhas Fénix é um rico habitat para a vida marinha.
Poucas criaturas fazem das prateleiras de gelo da Antártica seu habitat.

Um habitat[nota 1] ou hábitat é uma área ecológica ou ambiental que é habitada por uma determinada espécie de animal, planta ou outro organismo. O termo refere-se tipicamente à zona em que o organismo vive e onde pode encontrar alimento, abrigo, proteção e companheiros para reprodução. É o ambiente natural em que vive um organismo, ou o ambiente físico que envolve uma população de espécies.

Um habitat é composto de fatores físicos como solo, umidade, intervalo de temperatura e intensidade da luz, bem como fatores bióticos, como a disponibilidade de alimentos e a presença ou ausência de predadores. Cada organismo tem certas necessidades de habitat para as condições em que irá prosperar, mas alguns são tolerantes a grandes variações, enquanto outros são muito específicos em suas exigências. Um habitat não é necessariamente uma área geográfica, podendo ser o interior de um tronco, um tronco podre, uma rocha ou um aglomerado de musgo, e para um organismo parasitário é o corpo de seu hospedeiro, parte do corpo do hospedeiro, como o aparelho digestivo, ou uma única célula dentro do corpo do hospedeiro.

Tipos de habitat incluem polar, temperado, subtropical e tropical. O tipo de vegetação terrestre pode ser floresta, estepe, campo, semiárido ou deserto. Os habitats de água doce incluem marismas, córregos, rios, lagos, lagoas e estuários, e os habitats marinhos incluem pântanos salgados, costa, zona entremarés, recifes, baías, mar aberto, leito do mar, águas profundas e respiradouros submarinos.

Os habitats mudam ao longo do tempo. Isto pode ser causado devido a um evento violento, como a erupção de um vulcão, um terremoto, um tsunami, um incêndio ou uma mudança nas correntes oceânicas; ou a mudança pode ser mais gradual ao longo de milênios com alterações no clima, como o avanço e recuo de mantos de gelo e geleira, e como diferentes padrões meteorológicos trazem mudanças de precipitação e radiação solar. Outras mudanças vêm como resultado direto das atividades humanas; o desmatamento, o arado de pastagens antigas, o desvio e represamento de rios, a drenagem de pântanos e a dragagem do fundo do mar. A introdução de espécies exóticas pode ter um efeito devastador sobre a fauna nativa, através de uma maior predação, pela competição por recursos ou pela introdução de pragas e doenças às quais as espécies nativas não têm imunidade.

Exemplos de habitat e nicho ecológico[editar | editar código-fonte]

A girafa e a zebra dividem um mesmo habitat: as savanas africanas. No entanto, enquanto as zebras se alimentam de ervas rasteiras, as girafas comem as folhas presentes no alto das árvores. Em um mesmo habitat, portanto, podemos notar duas espécies que exploram os recursos naturais de maneiras diferentes.

O papagaio-da-cara-roxa é uma espécie encontrada exclusivamente na Mata Atlântica. Sendo assim, a floresta é o seu habitat. Já no que diz respeito ao seu nicho ecológico, o papagaio-da-cara-roxa tem o hábito de ser extremamente ativo pela manhã, descansando durante a tarde e voltando à atividade durante noite. Ele se alimenta de flores, frutos e folhas e constantemente é encontrado em par com outro animal da mesma espécie.

Outro exemplo diz respeito à tartaruga-verde. Ela vive em águas calmas e costeiras, ou seja, com bastante vegetação nativa (habitat). Porém, no que se refere aos seus hábitos (nicho ecológico), ela é onívora quando filhote e, à medida em que cresce, se torna herbívora. Além disso, seus ovos são botados quase que exclusivamente em ilhas oceânicas.[1]

Conceitos relacionados[editar | editar código-fonte]

  • Um biótopo é a menor parcela ecológica que é possível discernir geograficamente (por exemplo: um dos biótopos da truta é a Ribeira das Casas na ilha das Flores).
  • Um bioma é o conjunto da flora e fauna que vive num determinado habitat e ocupa uma determinada região geográfica e topográfica.
  • Um micro-habitat é a vizinhança imediata do local onde vive um determinado espécime animal ou vegetal.
  • O nicho ecológico é a forma de vida de determinada espécie ou população dentro de um ecossistema, que determina o seu efeito em outras espécies ou populações.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Embora o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (5a ed., 2009, link) da Academia Brasileira de Letras adote a forma latina "habitat", é comum encontrar em algumas publicações a forma aportuguesada "hábitat".

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Frederic Clements, Frederic E., and Victor E. Shelford. 1939. Bio-ecology. John Wiley & Sons, New York. 425 pp.
Ícone de esboço Este artigo sobre Ecologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.