Coral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde setembro de 2015). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Coral (desambiguação).
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCoral
Barreira de coral

Barreira de coral
Classificação científica
Reino: Animalia
Subreino: Eumetazoa
Filo: Cnidaria
Classe: Anthozoa
Subclasses e ordens
Subclasse Alcyonaria (=Octocorallia)
Ordem Alcyonacea
Ordem Gorgonacea
Ordem Helioporacea
Ordem Pennatulacea
Ordem Stolonifera
Ordem Telestacea

Subclasse Zoantharia (=Hexacorallia)

Ordem Actiniaria
Ordem Antiniaria
Ordem Ceriantharia
Ordem Corallimorpharia
Ordem Ptychodactiaria
Ordem Rugosa
Ordem Scleractinia
Ordem Zoanthidea

Corais são animais cnidários da classe Anthozoa, que segregam um exosqueleto calcário ou de matéria orgânica, ao contrário das anêmonas-do-mar, que pertencem à mesma classe. Os indivíduos adultos são pólipos individuais ou coloniais e encontram-se em todos os oceanos.[1]

Os corais podem constituir colônias coloridas e podem formar recifes de grandes dimensões que albergam um ecossistema com uma grande biodiversidade e produtividade.

O maior recife de coral vivo encontra-se na Grande Barreira de Coral, na costa de Queensland, Austrália, que é considerado o maior indivíduo vivo da Terra. A maioria das espécies de coral que constroem recifes desenvolve-se em águas tropicais e subtropicais, mas podem encontrar-se pequenas colónias de coral até em águas frias, como ao largo da Noruega.

Biologia[editar | editar código-fonte]

Os corais são os membros da classe Anthozoa que constroem um exoesqueleto que pode ser de matéria orgânica ou de carbonato de cálcio.

Eles se alimentam de pequenos seres vivos, como o zooplâncton e pequenos peixes.

Alguns corais se reproduzem sexuadamente, pela liberação de gametas na água que se fundem formando uma larva chamada planula, ou assexuadamente pelo brotamento, quando um coral brota de outro podendo separar-se dele ou não.

Quase todos os antozoários formam colônias, que podem chegar a tamanhos consideráveis (os recifes), mas existem muitas espécies em que os pólipos vivem solitários, presos ao substrato.

Os pólipos têm a forma de um saco (o celêntero) e uma coroa de tentáculos com cnidócitos (células urticantes) na abertura, que se chama arquêntero. Os antozoários não têm verdadeiros sistemas de órgãos: nem sistema digestivo nem sistema circulatório, nem sistema excretor, uma vez que todas as trocas de gases e fluidos se dão no celêntero, uma vez que a água entra e sai do corpo do animal através de correntes provocadas pelos cílios das células da parede da faringe.

No entanto, esta classe de celenterados tem algumas particularidades na sua anatomia:

O grupo inclui os importantes construtores de recifes conhecidos como corais hermatípicos, encontrados nos oceanos tropicais.

A palavra coral é muito ambígua porque pode designar organismos marinhos coloniais pertencentes todos ao filo Cnidaria, mas a famílias muito diferentes, cujas exigências ecológicas são, desta maneira, muito diferentes.

Utilidades para os seres humanos[editar | editar código-fonte]

Os corais possuem várias utilidades para os seres humanos, como:

Jóias[editar | editar código-fonte]

Corais são muito utilizados para a fabricação de colares e outras jóias. Os corais vermelhos são especialmente usados.

Medicamentos[editar | editar código-fonte]

Substâncias encontradas em corais são utilizadas contra câncer, AIDS, dor, dentre outros.

Construção[editar | editar código-fonte]

O calcário de coral é utilizado em construções, principalmente no leste da África.

Outros usos[editar | editar código-fonte]

Os corais também podem ser utilizados para estudos do clima, para enfeitar aquários. Muitas pessoas vão para recifes de corais como destino turístico.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]