Biologia molecular

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde fevereiro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Esquema correlacionando a Biologia Molecular como uma disciplina na interface da Bioquímica e da Genética.

A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético e seus produtos de expressão, as proteínas. Mais concretamente, a Biologia Molecular investiga as interacções entre os diversos sistemas celulares, incluindo a relação entre DNA, RNA e síntese proteica. É um campo de estudo alargado, que abrange outras áreas da Química, em especial Genética e Bioquímica.[1]

Relação com outras ciências biológicas de nível molecular[editar | editar código-fonte]

Na Biologia Molecular são frequentemente combinadas técnicas e ideias provindas da Microbiologia, Genética, Bioquímica e Biofísica (veja a secção “Técnicas em Biologia Molecular”, mais abaixo). Historicamente, a Microbiologia exerceu um papel fundamental no desenvolvimento da Biologia Molecular, pois a maioria dos conceitos-chave e das técnicas de Biologia Molecular se originou a partir de estudos e experimentos realizados principalmente com bactérias, fungos e vírus (especialmente bacteriófagos, que são vírus que infectam bactérias). Não existindo distinções muito definidas entre as disciplinas mencionadas, pode-se considerar a Biologia Molecular na interface entre a Bioquimica e a Genética, como mostra o esquema abaixo.[2]

A Bioquímica define-se, de uma forma geral, como o estudo das reacções químicas em organismos vivos; a Genética ocupa-se especificamente do estudo das consequências de diferenças no material genético nos organismos. A Biologia Molecular ocupa então um espaço próprio, mas relacionando conhecimentos dos dois campos, ao investigar os mecanismos de replicação, transcrição e tradução do material genético.

Muito da investigação em Biologia Molecular é relativamente recente, e muitos trabalhos têm sido feitos recorrendo-se à Bioinformática e Biologia Computacional. Estes recursos tornaram o estudo da estrutura e função de genes, ou Genética Molecular, num dos campos mais proeminentes em Biologia Molecular.

Técnicas em Biologia Molecular[editar | editar código-fonte]

Muito do trabalho feito no âmbito da Biologia Molecular relaciona-se com a obtenção, identificação e caracterização de genes. Assim sendo, diversas técnicas têm sido desenvolvidas no meio da biologia aqui vão sendo citadas algumas.[3]

Reacção em cadeia da polimerase[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Reação em cadeia da polimerase

A reacção em cadeia de polimerase, ou PCR, é uma técnica de grande versatilidade que permite obter múltiplas cópias de um segmento de DNA. O PCR também é usado para introduzir locais de restrição e mutações pontuais ou para identificar um fragmento particular de DNA numa biblioteca de cDNA.[4]

Electroforese em gel[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: electroforese em gel

A electroforese em gel é uma das principais ferramentas de trabalho em Biologia Molecular. Em geral, DNA, RNA e proteínas podem ser separados segundo o seu tamanho numa matriz usando um campo eléctrico aplicado. Na electroforese em gel de agarose, o DNA ou o RNA é separado fazendo a amostra migrar através de um gel de agarose. As proteínas são normalmente separadas segundo o seu tamanho usando electroforese em gel de acrilamida; também podem ser separadas segundo a sua carga eléctrica usando focagem isoeléctrica.

Southern blot[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Southern blot

O Southern blot é uma técnica que permite obter informação sobre a massa molecular e a quantidade relativa de uma determinada sequência de DNA. A técnica, desenvolvida por Edwin Southern, é uma combinação de electroforese em gel do DNA (este é frequentemente fragmentado por enzimas de restrição antes de fazer o Southern), transferência deste para uma membrana e hibridização com uma sonda marcada (radioactiva ou fluorescente). Após a hibridização, a membrana é lavada para remover sonda não ligada a DNA e obtém-se uma imagem através de autoradiografia ou autofluorescência. A imagem obtida dá a(s) localização(ões) do DNA que liga a sonda, com a intensidade do sinal dando uma medida relativa da quantidade de DNA que hibridiza.

Northern blot[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Northern blot

O Northern blot estuda o perfil de expressão de RNA mensageiro, onde, quando e quanto de determinado RNA mensageiro (correspondente à expressão de um determinado gene) está presente numa dada amostra. É uma das formas mais simples de determinar em que momento certos genes estão a ser expressos em sistemas vivos. Neste processo, o RNA é separado numa electroforese em gel, transferido para uma membrana e detectado de forma similar ao DNA no Southern blot.[5]

Western blot[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Western blot

O Western blot usa o mesmo princípio do Southern blot e do Northern blot mas é aplicado a proteínas. Estas são separadas usando electroforese em gel de poliacrilamida, na presença do detergente dodecilo sulfato de sódio (SDS).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. W. T. ASTBURY, Molecular Biology or Ultrastructural Biology ? , Departamento de Estrutura da Biologia Molecular, Universidade de Leeds. Nature 190, 1124 (1961) doi:10.1038/1901124a0 (em inglês)
  2. Keith Roberts, Martin Raff, Bruce Alberts, Peter Walter, Julian Lewis e Alexander Johnson, Molecular Biology of the Cell; Garland Science; 5 edição (2007), ISBN 0-815-34105-9 (em inglês)
  3. Michael M. Cox, Jennifer A. Doudna, Michael O’Donnell, Biologia Molecular: Princípios e Técnicas; Artmed, 2012, ISBN 8-536-32741-3
  4. André Luis Laforga Vanzela, JOSE MAURICIO SFORCIN, Avanços da biologia celular e da genética molecular; UNESP, ISBN 8-571-39941-7
  5. James D. Watson, Tania A Baker, Stephen P. Bell, Alexander Gann, Michael Levine, Richard Losick, Biologia Molecular do Gene; Artmed, ISBN 8-536-31228-9

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Sergio Russo Matioli, Biologia molecular e evolução; Holos, 2001, ISBN 8-586-69927-6
  • Arnaldo Zaha, Henrique Bunselmeyer Ferreira, Luciane M. P. Passaglia, Biologia Molecular Básica - 5.ed.; Artmed, 2014, ISBN 8-582-71058-5

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Biologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Biologia molecular


Portal A Wikipédia possui o portal: