Biogeografia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
Frontispício do livro The Geographical Distribution of Animals de Alfred Russel Wallace

Biogeografia é o estudo da distribuição das espécies e ecossistemas no espaço geográfico e através do tempo geológico. Organismos e as comunidades biológicas variam de uma forma altamente regular ao longo de gradientes geográficos de latitude, altitude, isolamento e área de habitat.

Conhecimento da variação espacial nos números e tipos de organismos é tão vital para nós hoje como foi para nossos primeiros ancestrais humanos, como se adaptar a ambientes heterogêneos, mas geograficamente previsíveis.

Biogeografia é um campo integrador de investigação que une conceitos e informações de ecologia, biologia evolutiva, geologia e geografia física. Pesquisas biogeográficas modernas combinam informações e ideias de muitos campos, desde as limitações fisiológicas e ecológicas sobre a dispersão do organismo aos fenômenos geológicos e climatológicos que operam em escalas espaciais globais e prazos evolutivas.

A biogeografia, para fins didáticos, é geralmente dividida em duas subáreas:

  • Biogeografia Histórica: Estuda como os processos ecológicos que ocorrem a longo prazo atuam sobre o padrão de distribuição dos organismos; Explica a distribuição dos seres vivos em função de fatores históricos.
  • Biogeografia Ecológica: Estuda como os processos ecológicos que ocorrem a curto prazo atuam sobre o padrão de distribuição dos organismos; Analisa a distribuição dos seres vivos em função de suas adaptações às condições atuais do meio.

Introdução[editar | editar código-fonte]

Os padrões de distribuição de espécies em áreas geográficas geralmente pode ser explicados por uma combinação de fatores históricos, tais como: a especiação, extinção; deriva continental; glaciação, e as variações do nível do mar, as vias fluviais e habitat e captura de rio, em combinação com as restrições geográficas de áreas massa de terra e isolamento, e as fontes de energia do ecossistema disponíveis.

Durante os períodos de mudanças ecológicas, a biogeografia inclui o estudo de espécies animais e plantas e:. Seu passado e / ou presente de vida refúgio habitat; seus locais de vida provisórios e / ou suas localidades de sobrevivência.[1] Como o escritor David Quammen coloca ", biogeografia ... faz mais do que perguntar qual espécie, e onde. Ele também pede por quê? e, o que às vezes é mais importante, por que não? ".[2]

Biogeografia moderna, muitas vezes emprega o uso de Sistemas de Informações Geográficas (GIS), para entender os fatores que afetam a distribuição dos organismos, e prever as tendências futuras na distribuição dos organismos.[3]

Biogeografia é cuidadosamente estudada nas ilhas de todo o mundo. Estes habitats são muitas vezes áreas de estudo muito mais manejáveis​​, porque eles são mais condensados do que os ecossistemas maiores dos continente.[4] Ilhas também são locais ideais porque elas permitem que os cientistas olhem para habitats que novas espécies só recentemente colonizaram e podem observar como elas dispersam por toda a ilha, o sucesso que consegue nesses lugares, e eles podem então aplicar essa informação para habitats semelhantes do continente. As ilhas são muito diferentes em seus biomas, que vão desde o tropical aos climas árticos. Esta diversidade no habitat permite para uma vasta gama de espécies de estudo em diferentes partes do mundo.

Um cientista que reconheceu a importância destes locais geográficos foi Charles Darwin que dedicou dois capítulos de A Origem das Espécies à distribuição geográfica.

História[editar | editar código-fonte]

A teoria científica da biogeografia cresceu com a contribuição dos trabalhos de Alexander von Humboldt (1769-1859)[5], Hewett Cottrell Watson (1.804-1.881)[6], Alphonse de Candolle (1806-1893)[7], Alfred Russel Wallace (1823-1913)[8], Philip Lutley Sclater (1829-1913) e outros biólogos e exploradores.[9]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Biogeografia é uma ciência sintética, relacionados à geografia, biologia, ciência do solo, geologia, climatologia, ecologia e evolução.

Alguns conceitos fundamentais em biogeografia incluem:

  • Evolução - mudança na composição genética de uma população
  • Extinção - o desaparecimento de uma espécie
  • Dispersão - o movimento das populações de distância de seu ponto de origem, relativos à migração
  • Áreas endêmicas
  • Geodispersão - a erosão das barreiras à biótica [desambiguação necessária] dispersão e fluxo gênico, que permite a expansão da área e da *fusão de biotas previamente isoladas
  • Alcance e distribuição
  • Vicariância - a formação de barreiras à dispersão biótica e fluxo gênico, que tendem a subdividir as espécies e biotas, levando à especiação e extinção

Padrões e Processos[editar | editar código-fonte]

Para compreender o padrão de distribuição dos organismos é preciso estar consciente de que este padrão decorre da interação de dois tipos de processos. Estes são os processos espaço-temporais dos organismos vivos (bióticos) e do planeta (abióticos); são processos que ocorrem diversamente no espaço ao longo do tempo. Os processos são de três tipos principais: extinção, dispersão e vicariância:

  1. A extinção é o processo onde a população é dividida após um evento de extinção central que, de certa forma, isola as populações restantes e estas podem sofrer especiação por quebra de fluxo gênico.
  2. Dispersão é um conjunto dos processos que possibilitam a fixação de indivíduos de uma espécie num local diferente daquele onde viviam os seus progenitores, e pode ocorrer através da colonização de áreas afastadas e promover uma especiação por quebra de fluxo genético.
  3. Vicariância é um processo evolutivo que é desencadeado pela ocorrência de um ou mais eventos geológicos em uma área habitada por um determinado grupo. Se este grupo for dividido e perder totalmente contato genético (sexual), pode sofrer especiação.

Regiões biogeográficas terrestres[editar | editar código-fonte]

As grandes regiões biogeográficas A Antárctida não é mostrada

A biogeografia divide a parte continental da Terra em oito grandes regiões biogeográficas:

O conjunto da região paleártica e neoártica constitui a região holárctica ou o holárctico.

"Padrões de endemismo têm sido usados extensivamente ao longo do tempo em uma das abordagens mais fundamentais para sumarizar padrões biogeográficos na Terra. A observação de que regiões diferentes do globo eram caracterizadas por diferentes conjuntos de animais e plantas foi reconhecida muito antes da famosa teoria da evolução de Darwin.

As fundações para uma teoria biogeográfica de regiões foram postas pelas observações de Comte de Buffon, em 1761. Nelas, Buffon constatou que as regiões tropicais do Velho Mundo e do Novo Mundo continham tipos diferentes de grandes mamíferos. Em meados de 1838, Augustin de Candolle havia delineado 40 regiões biogeográficas diferentes, baseando-se na distribuição vegetal. Em 1858, Philip L. Sclater havia delineado seis regiões terrestres zoogeográficas, baseado na fauna global de aves e, em 1876, Wallace expandiu o esquema canônico de Sclater, incluindo mamíferos e outros animais. Interessantemente, ao mesmo tempo, Wallace também delineou 21 subregiões continentais que eram similares aquelas construídas por Candolle, baseada em plantas, 56 anos antes.

Regiões biogeográficas tradicionalmente têm sido desenhadas de maneira separada para animais e plantas. As regiões zoogeográficas de Sclater e Wallace sobreviveram, em grande medida, aos tempos modernos e diferem daquelas feitas para plantas – as regiões/reinos fitogeográficas(os) (Good, 1947-1974; Takhtajan, 1986) – por razões resumidas por Cox (2001). Um dos primeiros esquemas fitogeográficos foi o Ronald Good’s Floristic Kingdoms, baseado em coincidência de distribuição de táxons não-relacionados de angiospermas. Good identificou seis “reinos” separados e vários “sub-reinos”, províncias e, por último, regiões florísticas. A excepcional flora de Fynbos, na África do Sul, mereceu um “reino” próprio.

Enquanto muitas das terminologias e noções básicas sobreviveram desde as primeiras tentativas de subdividir geograficamente o globo, recentes abordagens, as quais visam revisar e atualizar as descrições das regiões, têm incorporado mais de um século de dados adicionais sobre distribuições e taxonomia. No entanto e mais importante, têm enfatizado diferentes critérios para a revisão das fronteiras regionais. Cox (2001), argumentou a favor de um maior número de suportes consistentes para táxons endêmicos a fim de delinear um conjunto mais equitativo de reinos e regiões, mantendo separadas as regiões zoogeográficas e fitogeográficas. Ainda, defendeu a remoção da zona “Wallaceana” de ilhas situadas entre o sudeste da Ásia e Australasia de qualquer outra região, devido a sua extrema complexidade biogeográfica.

Alternativamente, Morrone (2002), usou uma abordagem panbiogeográfica: primeiramente argumentando a favor de um conjunto unificado de regiões de plantas e animais; secundariamente, baseando tais regiões nas afinidades histórico-evolucionárias associadas com a fragmentação das massas de terra Laurasiana e Gondwana em continentes modernos e ilhas maiores. A mais significativa inovação da abordagem de Morrone foi ter dividido a América do Sul e a Austrália em duas regiões separadas – uma com afinidades históricas com uma biota característica do leste da Gondwana e uma outra de afinidades com uma biota particular do oeste da Gondwana. Entretanto, a mais recente análise global de regiões zoogeográficas, realizada por Kreft e Jetz (2010), usando técnicas de classificação multivariada, rejeita em grande parte as sugestões de Morrone e essencialmente reafirma a linha de trabalho clássica Wallaceana, enquanto também provê uma base quantitativa para identificação de seis regiões principais e subdivisões delas.

Um número proeminente de esquemas para planejamento estratégico de conservação faz uso de esquemas biogeográficos de regionalização na construção de suas análises e é interessante especular como a adoção das recentes alterações propostas podem afetar tais exercícios de planejamento de conservação".[10]

Regiões biogeográficas marinhas[editar | editar código-fonte]

As regiões biogeográficas marinhas são delimitadas por zonas climáticas e por correntes oceânicas, que podem servir de fronteiras para vários tipos de seres vivos.

Estas grandes regiões podem ainda ser subdivididas e recentemente usa-se o conceito de grande ecossistema marinho como a unidade de estudo e conservação das espécies marinhas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Martiny JBH et al. Microbial biogeography: putting microorganisms on the map Nature: FEBRUARY 2006 | VOLUME 4
  2. Quammen, David (1996). Song of the Dodo: Island Biogeography in an Age of Extinctions. New York: Scribner. p. 17. ISBN 978-0-684-82712-4.
  3. Cavalcanti, Mauro. (2009). Biogeography and GIS. http://digitaltaxonomy.infobio.net/?Software:Biogeography_and_GIS
  4. MacArthur R.H.; Wilson E.O. 1967. The theory of island biogeography.
  5. von Humboldt 1805. Essai sur la geographie des plantes; accompagne d'un tableau physique des régions equinoxiales. Levrault, Paris.
  6. Watson H.C. 1847–1859. Cybele Britannica: or British plants and their geographical relations. Longman, London.
  7. de Candolle, Alphonse 1855. Géographie botanique raisonnée &c. Masson, Paris.
  8. Wallace A.R. 1876. . The geographical distribution of animals. Macmillan, London.
  9. Browne, Janet 1983. The secular ark: studies in the history of biogeography. YaleUniversity Press, New Haven. ISBN 0-300-02460-6.
  10. Basic Biogeography: Estimating Biodiversity and Mapping Nature [S.l.: s.n.] 2011.  line feed character character in |nome= at position 42 (Ajuda); |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (Ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre ecologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.