Espécie invasora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Exemplar do pinheiro Pinus pinaster, uma das 100 espécies mais invasivas do mundo.[1]

Espécie invasora é um conceito sobre o qual não existe um consenso sólido.[2][3] Neste artigo, seguindo a Convenção sobre a Biodiversidade, por espécie invasora entender-se-á aquela que, oriunda de certa região, penetra e se aclimata em outra onde não era encontrada antigamente, prolifera sem controle e passa a representar ameaça para espécies nativas e para o equilíbrio dos ecossistemas que vai ocupando e transformando a seu favor.[4]

Ainda que as invasões possam acontecer de maneira natural, e de fato já aconteceram inúmeras vezes na história da Terra, as atividades e movimentações humanas vêm desempenhando, em tempos históricos, o maior papel na introdução, em praticamente todas as regiões do mundo, de espécies exóticas que se tornaram invasoras, um processo que recentemente vem se acelerando tanto que assumiu a dimensão de crise global, gerando extensas repercussões negativas no equilíbrio ecológico, na economia, na sociedade e na cultura. A invasão de relativamente poucas espécies muito adaptáveis e competitivas sobre vastas áreas do globo tende a empobrecer e homogeneizar os ecossistemas, e é um dos principais fatores em ação na atualidade para a crescente e acelerada perda de biodiversidade mundial, cujo impacto continua a ser subestimado.[5][3]

Além do declínio ou extinção de espécies nativas, as invasões acarretam prejuízos em colheitas, degradação de florestas, solos e pastagens, favorecem a disseminação de doenças e pragas, e, perturbando os ciclos físicos, químicos, biológicos e climáticos, afetam todos os serviços ambientais oferecidos pela natureza, que são fundamentais para a vida humana. Com a crescente a interferência do homem nos ambientes, projeta-se que as invasões se multipliquem no futuro e, com elas, seus impactos indesejáveis.[6][5][7][8] As espécies invasoras representam um dos maiores desafios ambientais que o mundo enfrenta atualmente, embora este fato não seja muito conhecido pelo público em geral.[4][9][10]

Ao contrário de outros problemas ambientais que podem se diluir e amenizar com o tempo, as invasoras muitas vezes se tornam espécies dominantes e as consequências negativas tendem a se agravar à medida que sua adaptação se completa. O combate às invasões nem sempre é possível e, quando tentado, em regra se revela um procedimento altamente complexo, custoso e nem sempre garante bons resultados, podendo ocorrer até mesmo efeitos adversos imprevistos.[5][3][9]

Caracterização[editar | editar código-fonte]

As características distintivas de uma espécie invasora ainda não foram bem delimitadas pelos especialistas. Em geral a espécie apresenta alta capacidade reprodutiva, alta capacidade de dispersão, alta resistência e versatilidade adaptativa face a mudanças ambientais (baixa especialização / alta plasticidade fenotípica), ausência de competição importante por parte de espécies nativas, e escassez ou ausência de inimigos naturais no novo ambiente.[3][2][4][10] Todos os grupos taxonômicos, incluindo as plantas, os animais, os fungos e os microrganismos, têm espécies de potencial invasivo, e qualquer ecossistema pode ser afetado.[4]

Panorama global[editar | editar código-fonte]

Breve histórico e causas principais[editar | editar código-fonte]

As invasões podem se dar de forma natural, através de migrações de populações, transporte de sementes pelo vento, água ou animais, e ser provocadas por alterações geográficas e climáticas, entre outros meios. A flora e a fauna da Terra variaram radicalmente ao longo de sua história de milhões de anos, adaptando-se às sempre mutantes feições do planeta. Populações se dispersaram no espaço, eliminando competidores no caminho, e espécies conheceram grande florescimento somente para serem superadas por outras mais versáteis, mais equipadas ou mais resistentes, que apareciam no cenário da ininterrupta evolução dos seres e da luta pela vida sob condições ambientais cambiantes.[3]

Os cães, talvez os primeiros animais domesticados pelo homem, possivelmente surgiram através da seleção artificial de linhagens de lobos e chacais selvagens, e hoje têm uma população mundial estimada em 400 milhões de indivíduos. Em muitos lugares, principalmente onde existem populações de vida livre, eles são uma ameaça a espécies nativas.[11]

No entanto, desde que o homem apareceu sobre a Terra ele vem interferindo em seu ambiente. Entre as formas de interferência está a introdução de espécies exóticas em regiões onde elas originalmente não existiam. A domesticação, desde milhares de anos atrás, de animais como o cão, o gato, o gado, e de plantas como o milho e o trigo, espécies que adquiriram elevado valor alimentício, econômico, social ou cultural para o homem, as difundiu por grandes regiões do planeta à medida que a população humana migrava, aumentava em número e expandia seus domínios. Em tempos mais recentes, os usos ornamentais, sociais, medicinais, religiosos, científicos e paisagísticos de muitas espécies as difundiu por toda parte.[12][5][9]

Com a crescente mobilidade do ser humano, muitas outras, como os ratos e as baratas, se transportaram inadvertidamente para regiões distantes de sua origem, ocultas em veículos, cargas, bagagens e mesmo pessoas, pois deve-se incluir neste cômputo as espécies que usam o homem como hospedeiro ou veículo habitual ou eventual, sendo especialmente ilustrativo o fato de que a maior parte das invasões acontece exatamente ao longo de linhas importantes de tráfego de bens e pessoas.[5][13][9][14]

Também contribui significativamente o intenso comércio internacional - legal e ilegal - de animais de estimação e plantas ornamentais exóticas, e em alguns países é a principal causa de invasões; muitos desses indivíduos fogem, espalham sementes ou acabam liberados pelos donos em ambientes que lhes são estranhos, estabelecem populações com sucesso, e passam a ser invasores, alterando os sistemas ecológicos da região.[15][16][17][14][18] Não somente o homem, mas imenso número de outros seres, na prática não são meramente indivíduos, mas sim reservatórios/substratos de comunidades biológicas inteiras, quase à maneira de miniecossistemas; em regra vivem contaminados e carregam em si muitas outras espécies, na forma de parasitas, esporos, larvas, sementes, ovos ou microrganismos, as plantas importadas trazem terra com microbiologia própria e são elas mesmas veículos ou habitat para pequenos mamíferos, anfíbios e répteis, insetos, fungos e parasitas macro e microscópicos, que também podem colonizar invasivamente as regiões para onde seus transportadores involuntários os levam e desencadear efeitos imprevisíveis no equilíbrio natural.[19][18]

Outros fatores antropogênicos que têm levado a invasões são o desmatamento e a degradação de áreas verdes, abrindo espaços para a penetração de espécies exóticas, e o aquecimento global, que força populações para fora de suas áreas de origem em busca de locais mais propícios à sua sobrevivência.[20] Por exemplo, nos últimos 30 anos 9 milhões de km² de tundra do Hemisfério Norte já foram invadidos por espécies arbóreas e arbustivas nativas das regiões temperadas, em função do rápido aquecimento da região ártica.[21] Nos ambientes aquáticos a água de lastro contaminada é uma das maiores causas de invasões.[22]

Efeitos[editar | editar código-fonte]

Os efeitos da introdução de espécies exóticas são em geral imprevisíveis, mas elas só se tornam uma ameaça significativa quando passam a ser invasoras, quando os efeitos podem ser graves e extensos. Esse fenômeno ocorre não só quando a espécie exótica encontra no novo local boas condições para sua vida e reprodução, mas acima de tudo quando não encontra inimigos naturais capazes de efetivarem sobre sua população um controle biológico, preservando o equilíbrio dos ecossistemas invadidos. Por isso, as invasoras tendem a proliferar de maneira explosiva e serem grandes transformadoras dos ambientes conquistados, alterando suas características físicas, modificando as relações entre os seres vivos e os sistemas de dominância, se tornando predadoras, interferindo nas cadeias tróficas e na química dos substratos inorgânicos, na densidade e distribuição da biomassa, no balanço energético e genético, e competindo diretamente por espaço e nutrientes com espécies residentes. Às vezes as transformações são tão profundas a ponto de inviabilizar a sobrevivência de outros seres, causando sua extinção ou deslocamento para regiões mais favoráveis, e assim obrigando as espécies expulsas a se tornarem elas mesmas invasoras de outras áreas, num efeito de cascata.[5][3][12] De fato, a invasão de espécies atualmente é a segunda maior causa de perda de biodiversidade em escala global, ficando somente atrás da destruição de habitats,[5][3][9] sendo que cerca de 40% de todas as extinções desde o século XVII cujas causas são conhecidas foram devidas à invasão de espécies exóticas.[23]

O Rattus norvegicus, uma espécie com difusão mundial que causa grandes prejuízos de vários tipos para o homem e o ambiente.

Todos os biomas da Terra já foram de alguma maneira prejudicados por invasões, e os impactos mais acelerados ocorrem nas florestas temperadas e tropicais, nas zonas semiáridas do Mediterrâneo, nas savanas e campos tropicais e nas águas interiores.[24] Estima-se que seja cerca de 480 mil o número das espécies introduzidas modernamente em outros locais, e destas até 30% se tornaram invasoras em pelo menos uma das regiões que as receberam, causando uma série de efeitos danosos.[9] Muitas vezes as invasões ou seus efeitos secundários são dramáticos e irreversíveis. Ecossistemas frágeis, ou isolados, ou caracterizados por elevado endemismo, ou degradados, tendem a ser os mais suscetíveis de sofrerem os piores impactos de uma invasão.[25][3][9]

Por vezes espécies exóticas se associam ou beneficiam mutuamente em um novo ambiente, situação que possibilita tornarem-se invasoras, ao passo que isoladas não invadiriam.[26] Por outro lado, em algumas situações uma espécie nativa pode se comportar como uma invasora em seu próprio ambiente em virtude de interferências humanas. A extinção ou declínio de predadores que estão no topo da cadeia alimentar, por exemplo, em geral desencadeia um efeito cascata que altera o equilíbrio ecológico de toda a região, favorecendo a proliferação intensa das espécies que eles predavam, ora livres de sua maior ameaça. Estas, por sua vez, florescendo em grande número, esgotam as populações de suas próprias presas. Tal vem sendo o caso dos grandes tubarões, dizimados pela pesca predatória, causando uma multiplicação de antigas presas como as focas e de predadores secundários como arraias e tubarões menores, e ocasionando o declínio de outras espécies das quais essas se alimentam.[27]

As invasões se tornam ainda mais graves quando afetam populações raras ou de reservas, e são a maior causa de declínio de biodiversidade em áreas protegidas.[28] Como exemplo, em 1994 a população de leões do Parque Nacional de Serengueti, na Tanzânia, declinou em cerca de 30% em função uma epidemia transmitida por cães domésticos que viviam no entorno da reserva.[11] Vários estudos relataram casos de extinção de populações inteiras de certas espécies de regiões isoladas ou insulares pela introdução de um único indivíduo de espécie exótica.[12]

Área na Nova Zelândia invadida pela trepadeira Ipomoea indica, nativa da América e Havaí. Ela forma um manto denso sobre os outros vegetais e impede seu acesso à luz solar.

Em alguns países as espécies introduzidas ultrapassam em muito a proporção da fauna e da flora originais, como é o caso da Nova Zelândia, que hoje possui 2.057 plantas vasculares catalogadas como nativas, mas lá vivem outras 2.100 espécies exóticas aclimatadas, enquanto mais 22.520 espécies foram introduzidas mas ainda não se aclimataram. Das aclimatadas, 240 já revelaram comportamento invasor e 4 novas espécies a cada ano se tornam invasoras, colocando em sério risco mais de 60 espécies nativas que já estavam ameaçadas.[5]

Problemas de mesma natureza se repetem em todo o mundo e tendem a piorar.[8][6][7][10] Como os ambientes naturais bem preservados oferecem ao homem uma série de serviços ambientais inestimáveis para o seu bem-estar e saúde, e até imprescindíveis para sua sobrevivência, as alterações provocadas pelas espécies invasoras no equilíbrio ecológico global já estão exercendo um grande impacto negativo na sociedade humana, seja pela extinção e declínio de espécies úteis, seja pelo depreciamento estético de paisagens, ambientes e construções, pela redução no valor da terra, pela atuação como vetores ou agentes de pragas e doenças, pelas mudanças nos ciclos físicos, biológicos, químicos e até climáticos dos quais depende a produção regular e/ou a qualidade dos alimentos e outros produtos naturais para consumo humano, como óleos, madeiras, resinas, fibras, corantes e substâncias medicinais.[10][8][29][5][30] Alguns exemplos são bastante ilustrativos:

  • Na região de Stellenboschberg, África do Sul, as bacias de captação pluvial foram invadidas por Pinus patula e Eucalyptus grandis, causando uma redução de 52% no volume captado nas áreas invadidas por P. patula, e de 100% nas invadidas por E. grandis, e reduzindo em 30% o fornecimento de água potável para a Cidade do Cabo, o que ocorre similarmente em outras regiões num país em que a água é escassa, além de causar a extinção de muitas outras espécies;[31][5]
Monumento degradado pela poluição e pelos excrementos de pombos, uma espécie invasora mundial.
  • Os excrementos corrosivos dos pombos-comuns, nativos da Europa mas encontrados em bandos em todas as grandes cidades do mundo a ponto de se tornarem uma praga urbana, são uma importante causa de degradação de monumentos históricos e estruturas humanas, além de essas aves potencialmente transmitirem doenças para as pessoas e outros animais;[32]
  • A introdução do cupim Coptotermes formosanus no Havaí foi responsável por intensos danos em estruturas de madeira e gasta-se anualmente mais de 60 milhões de dólares em seu controle;[33]
  • A introdução de ratos Rattus norvegicus nas Ilhas Seychelles desencadeou um declínio acentuado no turismo local pelas perdas que provocou na biodiversidade insular, que constituía um dos maiores atrativos locais;[33]
  • O caracol argentino Pomacea canaliculata tem sido a causa de enormes quebras de safras de arroz em vários países asiáticos, além de veicular doenças humanas.[33]

Segundo o Secretariado da Convenção sobre a Biodiversidade, os prejuízos econômicos causados pelas espécies invasoras em todo o mundo, na forma de perdas em colheiras, pastagens e florestas, além das despesas nos planos de combate, podem chegar a 1,4 trilhões de dólares a cada ano, equivalendo a 5% da economia mundial.[9][34] Nestes custos não estão incluídos o declínio da biodiversidade e as extinções de espécies, os danos estéticos e culturais às paisagens e comunidades, e a perda de serviços ambientais, que ainda não foram bem calculados em termos econômicos e às vezes nem podem sê-lo, mas que sem dúvida são altíssimos, afetando o homem e a natureza como um todo, ameaçando a estabilidade social e política das nações, o seu crescimento econômico, e o desenvolvimento de um futuro sustentável e equitativo para todos os seres.[24][33][34]

A gravidade da situação é tanta que já em 1996 a ONU, através da Convenção sobre a Biodiversidade, elaborada por um grande grupo de especialistas de 80 países e ratificada por 168 governos nacionais, alertou que as invasões constituem um desafio "imenso, insidioso, crescente e irreversível".[33][35] A despeito desse consenso técnico e científico, os planejadores de desenvolvimento ainda não incluíram como rotina em seus cálculos esses custos difusos ou imponderáveis, que não obstante são reais, enormes e efetivos, e mesmo nos mais pragmáticos termos de balanço financeiro a sociedade ainda não compreendeu devidamente que os custos das introduções de espécies exóticas estão excedendo os benefícios. Tem sido muito pouco o que o mundo faz para combater as invasões, tanto que o problema se agrava a cada dia.[24][33][34]

Controle[editar | editar código-fonte]

O caracol Achatina fulica, uma das 100 espécies mais invasivas do mundo, é um problema ambiental, econômico, agrícola e de saúde pública para vários países, incluindo o Brasil.[36]

A Convenção sobre a Biodiversidade considera a prevenção como a melhor forma de combate às invasões, mas se ela não é possível, a erradicação é a medida indicada, mas deve ser iniciada preferencialmente assim que forem notados os primeiros sinais da invasão, pois mais tarde a propagação da espécie pode ficar inteiramente fora de controle. Muitas ações de erradicação já foram empreendidas, tendo se tornado rotineiras em muitos países,[37][38] mas, de qualquer modo, esse trabalho é extremamente difícil, sempre envolvendo altos custos e altos riscos, e sempre de eficiência incerta.[23][5][10] Por exemplo, a erradicação do ratão-do-banhado das Ilhas Britânicas custou 4 milhões de dólares e oito anos de esforço. Nos Estados Unidos foi tentada a erradicação do caracol exótico Achatina fulica, uma praga agrícola e vetor de doenças, com a introdução de um outro caracol, do gênero Euglandina, que em seu habitat de origem era um inimigo natural do outro. No entanto, a espécie da qual se esperava a solução gerou mais problemas, pois não demonstrou nenhum interesse pela sua presa potencial, preferindo em vez se alimentar de espécies nativas, tornando-se ele mesmo outra praga e provocando a extinção de pelo menos sete outras espécies.[12]

Aguapés cobrindo um lago nos Estados Unidos. Os aguapés, nativos da América do Sul, foram introduzidos como planta ornamental em muitos países por causa da sua vistosa floração, e têm vários usos úteis ao homem, mas onde não encontram inimigos se tornam altamente invasivos; proliferam rapidamente e obstruem rios, canais e tubulações, prejudicando a pesca, a irrigação e a navegação, e bloqueando a superfície das águas com sua densa camada de folhas e caules flutuantes afetam outros organismos aquáticos.[39]

Também existe muita polêmica a respeito. Diversas espécies invasivas têm alto valor econômico em várias regiões do mundo, e por isso mesmo foram introduzidas intencionalmente em tantos lugares, outras trazem associações culturais, se relacionam a tradições e hábitos arraigados de pensamento, vida e consumo, que são de mudança árdua e problemática, fatores que dificultam a tomada de decisões objetivas e o controle dos efeitos negativos que aquelas das quais tiramos benefícios podem acarretar ao mesmo tempo. Mas, como assinala enfaticamente o consenso virtualmente unânime dos especialistas e instituições internacionais como a ONU e seus organismos afiliados, é preciso lembrar que a invasão de espécies é um fenômeno que interage com outros problemas ambientais de origem humana, como a poluição, o aquecimento global, o desmatamento, os quais se reforçam mutuamente e que, juntos, estão atualmente levando o mundo a um perigoso estado crítico, sendo previstas consequências catastróficas em escala global se continuar inalterada a tendência predatória, imediatista e irrefletida do homem de superexplorar, destruir e perturbar o ambiente.[40][6][41][42][43][44][45][46]

Já existem vários programas e convenções internacionais, nacionais e regionais dedicados a solucionar o problema das espécies invasoras, e já ficou claro que ele é uma questão que ultrapassa fronteiras políticas, exigindo uma cooperação de toda a comunidade humana trabalhando numa perspectiva mais integrada e respeitosa entre homem e natureza, além de ser fundamental uma ampla educação do público em geral, que ainda está pouco informado sobre o tema e desconhece sua importância e gravidade. Os mecanismos gerais das invasões já estão bem estabelecidos; porém, como cada espécie se comporta de forma distinta, como as espécies são milhões e como apenas uma pequena minoria já foi estudada, o tema é vastíssimo e seu conhecimento está repleto de lacunas; ainda são necessárias muitas pesquisas para que os aspectos científicos das invasões sejam corretamente entendidos em detalhe e elas possam ser mais bem manejadas. Nesse contexto ainda deficiente, e considerando os custos e prejuízos envolvidos, se torna especialmente importante a prevenção.[38][47][48][49] Entre os acordos multilaterais em vigor na atualidade que tratam disso estão a Convenção sobre a Biodiversidade, o capítulo 11 da Agenda 21, a Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção, a Convenção Internacional sobre a Proteção de Plantas, a Convenção de Bonn e as Recomendações da IUCN para a Prevenção da Perda de Biodiversidade Causada por Espécies Invasoras, entre muitos outros.[47]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Reflorestamento com eucaliptos no Espírito Santo, umas das mais conhecidas e disseminadas espécies arbóreas invasivas no Brasil.

O Brasil não é uma exceção nesse contexto. Desde o século XVII se registram casos de invasões, mas apenas há poucos anos o problema vem recebendo atenção oficial e acadêmica, e foi somente em 2005 que apareceu a primeira listagem de espécies invasoras no Brasil, compilada por uma parceria entre várias instituições e o governo federal. Essa ausência de dados dificultou e dificulta o mapeamento da situação atual e a estimativa das mudanças já provocadas, bem como o planejamento de ações de manejo e combate às invasoras.[5][9] A lei nº 5.197 de 3 de janeiro de 1967 proíbe a introdução de espécies exóticas no país sem aprovação de um técnico e uma licença do governo, e há muitos outros marcos legais em vigor;[3][50] porém, muitas introduções são involuntárias ou ocorrem à margem dos processos fiscalizadores, e, ao mesmo tempo, os programas oficiais são contraditórios em vários aspectos, alguns até incentivam abertamente a difusão de exóticas que já se mostraram invasivas, como as árvores dos gêneros Pinus e Eucalyptus, usadas em reflorestamentos e nas indústrias da madeira e do papel, e peixes como a tilápia, de valor alimentício, cujos impactos finais ainda estão por serem devidamente avaliados.[5] O Brasil está apenas começando a estudar e enfrentar este desafio, mas, pelos levantamentos já disponíveis, indica-se que ele é de grande magnitude e exige trabalho urgente,[5][3] como já foi reconhecido pelo Ministério do Meio Ambiente.[9]

Referências

  1. Invasive Species Specialist Group. "100 of the World's Worst Invasive Alien Species". In: IUCN Species Survival Commission. Global Invasive Species Database.
  2. a b Colautti, Robert I. & MacIsaac, Hugh J. "A neutral terminology to define 'invasive' species". In: Diversity and Distributions, 2004; 10 (2): 135–141.
  3. a b c d e f g h i j Agostinho, Angelo Antonio; Pelicice, Fernando Mayer; Júlio Jr., Horácio Ferreira. "Biodiversidade e Introdução de Espécies de Peixes: unidades de conservação". In: Campos, João Batista; Tossulino, Márcia de Guadalupe Pires; Müller, Carolina Regina Cury (orgs.). Unidades de Conservação: ações para valorização da biodiversidade. Instituto Ambiental do Paraná, 2005, pp. 95-117
  4. a b c d The Convention on Biological Diversity. "What are Invasive Alien Species?". UNEP.
  5. a b c d e f g h i j k l m n Ziller, Silvia. "Espécies Exóticas da Flora em Unidades de Conservação". In: Campos, João Batista; Tossulino, Márcia de Guadalupe Pires; Müller, Carolina Regina Cury (orgs.). Unidades de Conservação: ações para valorização da biodiversidade. Instituto Ambiental do Paraná, 2005, pp. 34-52
  6. a b c Shirley S. M. & Kark, S. "Amassing Efforts against Alien Invasive Species in Europe". In: Plos Biology, 2006; 4 (8): e279.
  7. a b Robinson, Richard. "Human Activity, not Ecosystem Characters, Drives Potential Species Invasions". Sinopse. In: Plos Biology, 2008; 6 (2):e39.
  8. a b c Shanker, K.; Hiremath, A.; Bawa, K. "Linking Biodiversity Conservation and Livelihoods in India". In: Plos Biology, 2005; 3 (11):e394.
  9. a b c d e f g h i j Ministério do Meio Ambiente. Espécies Exóticas Invasoras.
  10. a b c d e Díaz, Sandra; Chapin III, F. Stuart; Potts, Simon (coords.). "Biodiversity Regulation of Ecosystem Services". In: Millenium Ecosystem Assessment [Hassan, Rashid M.; Scholes, Robert; Ash, Neville (eds.)]. Ecosystems and Human Well-Being: Current State and Trends: Findings of the Condition and Trends Working Group. Vol. I. The Millenium Ecosystem Assessment Series. Island Press, 2005, pp. 299-322
  11. a b Invasive Species Specialist Group. "Canis lupus (mammal)". In: IUCN Species Survival Commission. Global Invasive Species Database.
  12. a b c d Moura-Britto, Mauro de & Patrocínio, Dennis Nogaroli Marques. "A Fauna de Espécies Exóticas no Paraná: contexto nacional e situação atual". In: Campos, João Batista; Tossulino, Márcia de Guadalupe Pires; Müller, Carolina Regina Cury (orgs.). Unidades de Conservação: ações para valorização da biodiversidade. Instituto Ambiental do Paraná, 2005, pp. 53-94
  13. Perrings, C. "Biological Invasion Risks and the Public Good: an Economic Perspective". Synthesis. In: Ecology & Society, 2002; 6 (1)
  14. a b Jenkins, Peter T. "Free Trade and Exotic Species Introductions". In: Conservation Biology, 1996; 10 (1):300-302.
  15. Westphal, Michael I. et alii. "The link between international trade and the global distribution of invasive alien species". In: Biological Invasions, 2008, 10 (4):391-398.
  16. Costello, C. "Protectionism, Trade, and Measures of Damage from Exotic Species Introductions". In: American Journal of Agricultural Economics, 2003; 85 (4):964-975.
  17. Semmens, Brice X. et alii. "A hotspot of non-native marine fishes: evidence for the aquarium trade as an invasion pathway". In: Marine Ecology Progress Series, 2004; 266: 239–244.
  18. a b Wilson-Wilde, Linzi M. A. Species Identification in Wildlife Crime Investigation using Diprotodontia. Tese de Doutorado. University of Canberra, 2010, pp. 1-5.
  19. Murphy, Frederick A. "A Perspective on Emerging Zoonoses". In: Forum on Emerging Infections. The Emergence of Zoonotic Diseases: Understanding the Impact on Animal and Human Health - Workshop Summary. National Academies Press, 2002, pp. 1-9.
  20. Secretariat of the Convention on Biological Diversity. Interlinkages Between Biological Diversity and Climate Change: Advice on the integration of biodiversity considerations into the implementation of the United Nations Framework Convention on Climate Change and its Kyoto Protocol. CBD Technical Series No.10, 2003.
  21. Myneni, Ranga. "Amplified Greenhouse Effect Shaping North into South". EurekAlert, 10/03/2013
  22. The Regional Marine Pollution Emergency Response Centre for the Mediterranean Sea (REMPEC). Convention on ballast water management.
  23. a b Secretariat of the Convention on Biological Diversity. Global Biodiversity Outlook 2. Montreal, 2006, pp. 34-36.
  24. a b c The Convention on Biological Diversity. "Why Does it Matter?". UNEP.
  25. Williams, J.D. & G. K. Meffe. "Nonindigenous Species". In: The United States Department of the Interior. Geological Survey 1: Status and Trends of the Nation's Biological Resources, 1998.
  26. Grosholz, E. D. "Recent biological invasion may hasten invasional meltdown by accelerating historical introductions". In: Proceedings of the National Academy of Sciences, 2005; 102 (4):1088–1091
  27. Ferretti, Francesco et alii. "Patterns and ecosystem consequences of shark declines in the ocean". In: Ecology Letters, 2010; 13:1055–1071.
  28. Campos, João Batista & Rodrigues, Lindsley da Silva Rasca. "Eliminação de Espécies Exóticas nas Unidades de Conservação Estadual do Paraná". In: Campos, João Batista; Tossulino, Márcia de Guadalupe Pires; Müller, Carolina Regina Cury (orgs.). Unidades de Conservação: ações para valorização da biodiversidade. Instituto Ambiental do Paraná, 2005, pp. 120-122
  29. Patel-Weynand, Toral. Biodiversity and sustainable forestry: State of the science review. The National Commission on Science for Sustainable Forestry, 2002, pp. 6-12
  30. Earth System Science Partnership (DIVERSITAS, IGBP, IHDP, and WCRP) [Confalonieri, Ulisses & McMichael, Anthony (eds.)]. Global Environmental Change and Human Health: Science Plan and Implementation Strategy. Report No.4; Global Environmental Change and Human Health. Report No.1.
  31. Cherry, M. "South Africa — Serious about Biodiversity Science". In: Plos Biology, 2005; 3 (5):e145.
  32. Programa Global de Espécies Invasoras [Brand, Kobie & Matthews, Sue (editores principais)]. [1]. Secretaria do GISP, 2005, p. 44
  33. a b c d e f The Convention on Biological Diversity. Pilot Assessment: the ecological and socio-economic impact of invasive alien species on island ecosystems. UNEP, 2003.
  34. a b c Cook, David C. & Lonsdale, Mark. "A strategic protection approach to biosecurity: Policy implications of an ‘immune system’ model for addressing the risks and consequences of invasive species". In: 50th Annual Conference of the Australian Agricultural and Resource Economics Society, Sydney, 8/10/2006.
  35. The Convention on Biological Diversity. "List of Parties".
  36. Invasive Species Specialist Group. "Achatina fulica". In: IUCN Species Survival Commission. Global Invasive Species Database.
  37. Genovesi, Piero. "Eradications of invasive alien species in Europe: a review". In: Biological Invasions, 2005; 7:127–133.
  38. a b IUCN. Contribution of IUCN - The World Conservation Union to the Secretariat of the Convention on Biological Diversity for the In-Depth Review of Work on Invasive Alien Species for CBD COP9, 2007.
  39. Invasive Species Specialist Group. "Eichhornia crassipes (aquatic plant)". In: IUCN Species Survival Commission. Global Invasive Species Database.
  40. Hellmann, Jessica et alii. "Five Potential Consequences of Climate Change for Invasive Species". In: Conservation Biology, 2008; 22 (3):534–543
  41. United Nations. Harmony with Nature. Report of the Secretary-General. United Nations General Assembly A/67/317, Sixty-seventh session, Item 20 (h) of the provisional agenda: Sustainable development, 17/08/2012
  42. Comissão das Comunidades Europeias. Comunicação da Comissão ao Parlamento Europeu, ao Conselho, ao Comité Económico e Social Europeu e ao Comité das Regiões: Enfrentar os desafios da desflorestação e da degradação florestal para combater as alterações climáticas e a perda de biodiversidade. {SEC(2008) 2618} {SEC(2008) 2619} {SEC(2008) 2620} / COM/2008/0645 final. Bruxelas, 17/10/2008
  43. FAO. [Martin, R.M. (coord.)]. State of the World's Forests 2012.
  44. Amos, Jonathan. "Study highlights global decline". BBC News, 30/03/2005
  45. United Nations. Resolution adopted by the General Assembly: 66/288. The future we want. United Nations General Assembly, 123rd plenary meeting, Sixty-sixth session, Agenda item 19. Rio de Janeiro, 11/09/2012
  46. The Millennium Ecosystem Assessment. Ecosystems and Human Well-being. Chap. 4: Drivers of Change in Ecosystems and Their Services, 2005.
  47. a b The Convention on Biological Diversity. "What Needs to be Done?". UNEP.
  48. The Global Invasive Species Team. Input into the CBD In Depth Review on Invasive Alien Species. The Nature Conservancy, 2007.
  49. The Conference of the Parties. COP 6 Decision VI/23: Alien species that threaten ecosystems, habitats or species. The Convention on Biological Diversity - UNEP.
  50. Marcos Legais. Instituto Hórus.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]