Myocastor coypus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Ratão-do-banhado)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaMyocastor coypus
Myocastor coypus - ragondin.jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Rodentia
Família: Echimyidae
Género: Myocastor
Kerr, 1792
Espécie: M. coypus
Nome binomial
Myocastor coypus
(Molina, 1782)
Distribuição geográfica
Distribuição de ratão-do-banhado; nativo em vermelho, introduzido em rosa
Distribuição de ratão-do-banhado; nativo em vermelho, introduzido em rosa

O ratão-do-banhado[2] (nome científico: Myocastor coypus),[3] também conhecido por nútria, caxingui ou ratão-d'água,[4] é uma espécie de roedor semiaquático e herbívoro.[5] Classificado por muito tempo como o único membro da família Myocastoridae,[6] Myocastor foi mais tarde incluído nos equimídeos, a família dos ratos espinhosos.[7][8][9] O ratão-do-banhado vive em tocas ao longo de trechos de água e se alimenta de caules de plantas de rios.[10] Originalmente nativo da América do Sul subtropical e temperada, desde então foi introduzido na América do Norte, Europa, Ásia e África, principalmente por fazendeiros de peles.[11] Embora ainda seja caçado e preso por seu pelo em algumas regiões, seus hábitos destrutivos de escavação e alimentação muitas vezes o colocam em conflito com os humanos, e é considerado uma espécie invasora.[12] O ratão-do-banhado também transmite diversas doenças para humanos e animais principalmente através da contaminação da água.[13]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do gênero, Myocastor, deriva de duas palavras do grego antigo: "μῦς", que significa "rato", e "κάστωρ", que significa "castor".[14][15][16] Dois nomes são comumente usados no inglês para o Myocastor coypus. O nome "nutria" (da palavra espanhola "nutria", que significa "lontra") é geralmente usado na América do Norte, Ásia e em todos os países da antiga União Soviética; no entanto, na maioria dos países de língua espanhola, a palavra "nutria" refere-se principalmente à lontra. Para evitar essa ambiguidade, o nome "coypu" ou "coipo" (derivado do Mapudungun) é usado na América do Sul e partes da Europa.[17] No Brasil, é conhecido como "ratão-do-banhado".[2]

Nomenclatura e taxonomia[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita por Juan Ignacio Molina em 1782 como Mus coypus.[18] O gênero Myocastor foi atribuído em 1792 por Robert Kerr.[19] Étienne Geoffroy Saint-Hilaire, independentemente de Kerr, denominou a espécie como Myopotamus coypus.[20]

A espécie é politípica, sendo quatro subespécies reconhecidas:[3]

  • Myocastor coypus bonariensis (Geoffroy, 1806) - norte da Argentina, Bolívia, Paraguai, Uruguai, sul do Brasil (RS, SC, PR e SP)
  • Myocastor coypus coypus (Molina, 1782) - Chile, Bolívia
  • Myocastor coypus melanops (Osgood, 1943) - Ilha Chiloé, Chile
  • Myocastor coypus santacruzae (Hollister, 1914) - região da Patagônia, Argentina

Tradicionalmente classificado em sua própria família, a Myocastoridae,[3] o gênero Myocastor foi incluído na família dos equimídeos com base em análises filogenéticas.[8] Acredita-se que M. c. bonariensis, a subespécie presente na parte mais setentrional (subtropical) da distribuição do ratão-do-banhado, seja a mais comumente introduzida em outros continentes.[17]

Filogenia[editar | editar código-fonte]

A comparação das sequências de DNA e proteínas mostrou que o gênero Myocastor é o grupo irmão do gênero Callistomys.[21][9] Por sua vez, esses dois táxons compartilham afinidades evolutivas com outros gêneros da tribo Myocastorini: Proechimys e Hoplomys por um lado, e Thrichomys por outro, como mostrado no cladograma abaixo.

Cladograma em nível de gênero do Myocastorini.
raiz  
         
         

  Callistomys

  Myocastor

         

  Thrichomys

         

  Hoplomys

  Proechimys

O cladograma foi reconstruído a partir de caracteres de DNA mitocondrial e nuclear.[7][8][22][21][23][24][9]

Aparência[editar | editar código-fonte]

Grandes dentes amarelos estão claramente visíveis neste ratão-do-banhado

O ratão-do-banhado pode remeter a um rato muito grande, ou um castor com uma cauda pequena, longa e magra e sem pelos. Tipicamente, os adultos pesam de quatro a nove quilogramas (kg), tendo um comprimento de 40 a 60 centímetros (cm) e uma cauda de 30 a 45 cm. É possível que o animal pese de 16 a 17 kg.[25][26][27] O ratão-do-banhado tem três conjuntos de peles. Os pelos da camada externa têm três polegadas (7,62 cm) de comprimento.[28] Eles têm uma camada intermediária de pele grossa e marrom-escura com um cinza denso e macio sob a pele, também chamada de nutria. Três características distintivas são uma mancha branca no focinho, patas traseiras palmadas e grandes incisivos amarelo-alaranjados brilhantes.[29] Eles têm aproximadamente 20 dentes com quatro grandes incisivos que crescem durante toda a vida.[30]

Um ratão-do-banhado é muitas vezes confundido com o rato-almiscarado (Ondatra zibethicus), outro roedor semi-aquático amplamente disperso que ocupa os mesmos habitats de zonas úmidas. O rato-almiscarado, no entanto, é menor e mais tolerante a climas frios, e tem uma cauda achatada lateralmente que utiliza para ajudar na natação, enquanto a cauda de um ratão-do-banhado é redonda. Também pode ser confundido com um pequeno castor, pois castores e ratões-do-banhado têm anatomias e habitats muito semelhantes. No entanto, as caudas dos castores são planas e semelhantes a remos, ao contrário das caudas redondas do ratão-do-banhado.[31]

Vida[editar | editar código-fonte]

Comportamentos do ratão-do-banhado
(ver em Full HD)

O ratão-do-banhado pode viver até seis anos em cativeiro; caso contrário, raramente vivem além dos três anos de idade. De acordo com um estudo publicado em 2009, 80% dos ratões-do-banhado morriam no primeiro ano e menos de 15% da uma população selvagem tinha mais de três anos.[32] Considera-se que um ratão-do-banhado atingiu uma idade velha aos quatro anos de idade. Os machos atingem a maturidade sexual aos quatro meses e as fêmeas aos três meses; no entanto, ambos podem ter uma adolescência prolongada, até os 9 meses de idade. Uma vez que uma fêmea está grávida, a gestação dura 130 dias, e ela pode dar à luz apenas um ou até 13 filhotes; em média, são quatro. A fêmea acasala dentro de dois dias após o nascimento da prole. Os anos de reprodução ciclam de acordo om a tamanho da ninhada; no primeiro ano pode ser grande, no segundo ano o tamanho da ninhada será menor e no terceiro ano o tamanho será maior novamente. As fêmeas só podem produzir seis ninhadas em sua vida, raramente sete ninhadas.[28]

Geralmente revestem ninhos com gramíneas e juncos macios. Ratões-do-banhado bebês são precociais, nascem totalmente peludas e com os olhos abertos; podem comer vegetação e nadar com seus pais poucas horas após o nascimento. Uma fêmea pode engravidar novamente no dia seguinte ao nascimento de seus filhotes. Se cronometrado corretamente, uma fêmea pode engravidar três vezes dentro de um ano. As recém-nascidas são amamentadas por sete a oito semanas, após as quais deixam suas mães.[33] São conhecidos por serem territoriais e agressivos quando capturados ou encurralados. Podem morder e atacar humanos e cães quando ameaçados.[34] São principalmente crepusculares ou noturnos, com a maior atividade ocorrendo ao entardecer e pôr do sol com maior atividade por volta da meia-noite. Quando a comida é escassa, forrageia durante o dia. Quando a comida é abundante, descansa e se arruma durante o dia.[35]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Nativo da América do Sul, subtropical e temperada, desde então o ratão-do-banhado introduzido na América do Norte, Europa, Ásia e África, principalmente por fazendeiros de peles. A distribuição fora da América do Sul tende a se contrair ou expandir com sucessivos invernos frios ou amenos. Durante os invernos frios, geralmente sofrem congelamento em suas caudas, levando à infecção ou morte. Como resultado, as populações muitas vezes se contraem e até se tornam local ou regionalmente extintas como nos países da Escandinávia e em estados dos EUA como Idaho, Montana e Nebraska durante a década de 1980.[36] Durante invernos amenos, seus alcances tendem a se expandir para o norte. Por exemplo, nos últimos anos, foram observadas expansões de alcance em Washington e Oregon,[37] bem como Delaware.[38]

De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos, o ratão-do-banhado foi introduzido pela primeira vez nos Estados Unidos na Califórnia, em 1899. Eles foram trazidos pela primeira vez para Louisiana no início da década de 1930 para a indústria de peles, e a população foi mantida sob controle, ou em um tamanho populacional pequeno, por causa da pressão dos comerciantes de peles.[17] O relato mais antigo do animal se espalhando livremente em áreas úmidas de Louisiana a partir de seus recintos foi no início da década de 1940; um furacão atingiu a costa da Louisiana para o qual muitas pessoas não estavam preparadas, e a tempestade destruiu os recintos, permitindo que o ratão-do-banhado escapasse para a natureza.[17] De acordo com o Departamento de Vida Selvagem e Pesca da Louisiana, a nutria também foi transplantada de Port Arthur, Texas, para o Rio Mississippi em 1941 e depois se espalhou devido a um furacão no final daquele ano.[39]

Habitat e alimentação[editar | editar código-fonte]

Ratão-do-banahdo em um canal em Milão

Além de se reproduzir rapidamente, o ratão-do-banhado consome grandes quantidades de vegetação. Um indivíduo consome cerca de 25% do seu peso corporal diariamente e se alimenta durante todo o ano.[33][40] Sendo um dos maiores roedores existentes do mundo, o ratão-do-banhado adulto e saudável pesa em média 5,4&nbps;kg, mas pode chegar a 10&nbps;kg.[41][42] Eles comem a base dos caules das plantas acima do solo e muitas vezes cavam o solo orgânico em busca de raízes e rizomas para comer.[43] Comem partes e plantas inteiras, e vão atrás de raízes, rizomas, tubérculos e casca de salgueiro preto no inverno. A criação de "eat-outs", áreas onde a maioria da biomassa acima e abaixo do solo foi removida, produz manchas no meio ambiente, que por sua vez perturbam o habitat de outros animais e humanos dependentes de zonas úmidas e pântanos.[44] O ratão-do-banhado se alimenta das seguintes variedades de plantas: Typha, Juncaceae, Sagittaria, Cyperus, Spartina, e juncos. Culturas comerciais que também comem são gramíneas, alfafa, milho, arroz e cana-de-açúcar.[28]

Os ratões-do-banhado são encontrados mais comumente em pântanos de água doce e zonas úmidas, mas também habitam pântanos salobras e raramente pântanos salgados.[45][46] Eles constroem suas próprias tocas ou ocupam tocas abandonadas por castores, ratos-almiscarados ou outros animais.[12] Eles também são capazes de construir jangadas flutuantes com vegetação.[12] Vivem em tocas parcialmente submersas; a câmara principal não está submersa no subsolo. São considerados uma espécie que vive em colônias — um macho compartilhará um covil com três ou quatro fêmeas e seus filhotes. Além disso, usam "plataformas de alimentação" que são construídas na água a partir de pedaços cortados de vegetação sustentados por uma estrutura como um tronco ou galhos. Tocas de ratos-almiscarados e alojamentos de castores também são frequentemente usados como plataformas de alimentação.[28]

Uso comercial e problemas[editar | editar código-fonte]

Ratão-do-banhado em Avaré, São Paulo

Agricultura e comércio de peles[editar | editar código-fonte]

A extinção local em sua área nativa devido a sobre-exploração levou ao desenvolvimento de fazendas de peles de ratões-de-banhado no final do século XIX e início do século XX. As primeiras fazendas se formaram na Argentina e depois na Europa, América do Norte e Ásia. Essas fazendas geralmente não têm sido investimentos de longo prazo bem-sucedidos, e o ratão-de-banhado cultivado geralmente é liberado ou escapa à medida que as operações se tornam não lucrativas. A primeira tentativa de cultivo do animal foi na França no início da década de 1880, mas não foi um grande sucesso.[47] As primeiras fazendas de ratões-de-banhado eficientes e extensivas foram localizadas na América do Sul na década de 1920.[47] As fazendas sul-americanas tiveram muito sucesso e levaram ao crescimento de fazendas semelhantes na América do Norte e na Europa. Os ratões-de-banhado dessas fazendas muitas vezes escapavam ou eram deliberadamente soltos na natureza para fornecer um animal de caça ou para remover a vegetação aquática.[48]

Ratões-de-banhado foram introduzidos no ecossistema da Louisiana na década de 1930, quando escaparam de fazendas de peles que os importaram da América do Sul. Ao menos um fazendeiro de ratões-de-banhado da região liberou os animais na natureza em 1933 e, mais tarde Edward Avery McIlhenny [en] liberou todo o seu estoque em 1945, em Avery Island [en].[49] Em 1940, alguns ratões-de-banhado escaparam durante um furacão e rapidamente povoaram pântanos costeiros, pântanos interiores e outras áreas úmidas.[50]

Após um declínio na demanda por peles de ratões-de-banhado, eles se tornarram pragas em muitas áreas, destruindo a vegetação aquática, pântanos e sistemas de irrigação, e mastigando itens feitos pelo homem, como pneus e painéis de madeira na Louisiana, erodindo margens de rios e deslocando animais nativos. Os danos no estado têm sido suficientemente graves desde a década de 1950 para justificar atenção legislativa; em 1958, a primeira recompensa foi colocada em ratões-de-banhado, embora esse esforço não tenha sido financiado.[51]:3 No início dos anos 2000, foi estabelecido o Programa de Controle de Ratões-de-Banhado do Litoral, que começou a pagar recompensas por ratões-de-banhado mortos em 2002.[51]:19–20 Na região da Baía de Chesapeake em Maryland, onde foram introduzidos na década de 1940, acredita-se que os animais tenham destruído de 2 800 a 3 200 hectares (ha) de pântanos no Refúgio Nacional de Vida Selvagem Blackwater [en]. Em resposta, em 2003, um programa de erradicação multimilionário estava em andamento.[52]

No Reino Unido, os ratões-de-banhado foram introduzidas no Reino da Ânglia Oriental, para produção de peles, em 1929; muitos escaparam e danificaram as obras de drenagem, e um programa conjunto do Ministério da Agricultura, Pesca e Alimentação os erradicou em 1989.[53] No entanto, em 2012, um "rato gigante" foi morto em County Durham, com as autoridades suspeitando que o animal era, de fato, um ratão-de-banhado.[54]

Como alimento[editar | editar código-fonte]

Em 1997 e 1998, Louisiana tentou educar o público a consumir carne de ratão-de-banhado. Sua carne é mais magra, com menor teor de gordura e menor teor de colesterol em comparação com a carne moída.[55] Em um esforço para incentivar os louisianos a comer essa carne, várias receitas foram distribuídas aos moradores e publicadas na internet.[56] No entanto, o público ficou apreensivo com a ideia; quando perguntado em uma entrevista de 1997 ao The New York Times para especular sobre essa relutância, o Dr. Robert Thomas, diretor fundador do Centro Natural da Louisiana, disse: "Eu simplesmente não acho que as pessoas gostam de comer coisas que vêem mortas na autoestrada."[55]

A Marsh Dog, uma empresa estadunidense sediada em Baton Rouge, Louisiana, recebeu uma doação do Programa Nacional do Estuário Barataria-Terrebonne para estabelecer uma empresa que usa carne de ratão-de-banhado como alimentos para cães.[57] Em 2012, a Federação de Vida Selvagem da Louisiana reconheceu a Marsh Dog com o prêmio "Conservador Empresarial do Ano" por encontrar um uso para essa proteína eco-sustentável.[58] Uma solução ambientalmente correta reivindicada é o uso de carne de ratão-de-banhado para fazer guloseimas para cães.[59]

No Quirguistão e no Uzbequistão, os animais são criados em terrenos privados e vendidos nos mercados locais como "carne de um homem pobre".[60] Em 2016, no entanto, a carne estava sendo usada com sucesso no restaurante Krasnodar Bistro de Moscou, como parte do crescente movimento russo do localvore [en] e como uma mania foodie.[60] Aparece no menu como um hambúrguer, cachorro-quente, bolinhos ou envolto em folhas de repolho, com o sabor sendo algo entre peru e porco.[61]

Impactos ecológicos[editar | editar código-fonte]

Herbivoria e degradação do habitat[editar | editar código-fonte]

Ratão-de-banhado em zoológico de Zagreb

A herbivoria do ratão-de-banhado "reduz severamente a biomassa geral das zonas úmidas e pode levar à conversão de zonas úmidas em águas abertas.[40] Ao contrário de outros distúrbios comuns em pântanos, como incêndios e tempestades tropicais, que ocorrem uma ou poucas vezes por ano, o ratão-de-banhado se alimenta durante todo o ano, de modo que seus efeitos sobre o pântano são constantes. Além disso, o animal é tipicamente mais destrutivo no inverno do que na estação de crescimento, em grande parte devido à escassez de vegetação acima do solo; enquanto os ratões-de-banhado procuram por comida, eles desenterram redes de raízes e rizomas para comida.[43] Enquanto os ratões-de-banhado são os herbívoros mais comuns nos pântanos da Louisiana, eles não são os únicos. Os javalis (Sus scrofa), coelhos-do-pântano (Sylvilagus aquaticus), e ratos-almiscarados (Ondatra zibethicus) são menos comuns, mas os javalis estão aumentando nas zonas úmidas da Louisiana. Em áreas abertas à herbivoria dos ratões-de-banhado, foi encontrada 40% menos vegetação do que em áreas protegidas por cercas. Este número pode parecer insignificante e, de fato, a herbivoria por si só não é uma causa séria de perda de terra, mas quando a herbivoria foi combinada com uma perturbação adicional, como fogo, remoção de vegetação única ou remoção de vegetação dupla para simular uma tempestade tropical, o efeito dos distúrbios na vegetação foram muito amplificados.[40] Essencialmente, isso significa que, à medida que diferentes fatores foram somados, o resultado foi menos vegetação geral. Adicionar fertilizante a áreas abertas não promoveu o crescimento das plantas; em vez disso, os ratões-de-banhado se alimentaram mais nas áreas fertilizadas. O aumento da entrada de fertilizantes nos pântanos só aumenta a biomassa do ratão-de-banhado em vez da vegetação pretendida, portanto, aumentar a entrada de nutrientes não é recomendado.[40]

Zonas úmidas em geral são um recurso valioso tanto econômica como ambientalmente. Por exemplo, o United States Fish and Wildlife Service determina que as zonas úmidas cubram apenas 5% da superfície terrestre dos 48 Estados Unidos contíguos, mas sustentem 31% das espécies de plantas do país.[62] Esses sistemas muito biodiversos fornecem recursos, abrigo, locais de nidificação e locais de descanso (particularmente as zonas úmidas costeiras da Louisiana, como Grand Isle para aves migratórias) para uma ampla variedade de vidas selvagens. Os humanos também recebem muitos benefícios das zonas úmidas, como água mais limpa, proteção contra tempestades, recursos de petróleo e gás (especialmente na Costa do Golfo), redução de inundações e redução de resíduos químicos e biológicos.[62] Na Louisiana, a perda rápida de áreas úmidas ocorre devido a uma variedade de razões; em 2011, este estado perde uma área estimada do tamanho de um campo de futebol a cada hora.[63] O problema se tornou tão sério que o xerife da Paróquia de Jefferson, Harry Lee [en] usou atiradores de elite da SWAT contra os animais.[64]

Em 1998, o Departamento de Vida Selvagem e Pesca da Louisiana (LDWF) realizou a primeira pesquisa em toda a costa da Louisiana, financiada pela Lei de Planejamento, Proteção e Restauração de Zonas Húmidas Costeiras e intitulada Nutria Harvest and Wetland Demonstration Program, para avaliar a condição dos pântanos.[65] A pesquisa revelou através de levantamentos aéreos de transectos que os danos de herbivoria às zonas úmidas totalizaram aproximadamente 90 mil acres (42 492 ha). No ano seguinte, a LDWF realizou a mesma pesquisa e descobriu que a área danificada pela herbivoria aumentou para cerca de 105 mil acres (32 375 ha).[45] A LDWF determinou que as zonas úmidas afetadas por ratões-do-banhado diminuíram de um mínimo estimado de 80 mil acres (32 375 ha) de zonas úmidas da Louisiana na temporada 2002–2003 para cerca de 6 296 acres (2 548 ha) durante o período de 2010–2011.[66]

Reservatórios patogênicos e virais de doenças zoonóticas[editar | editar código-fonte]

Além dos danos ambientais diretos, os ratões-do-banhado são hospedeiros de um parasita nematoide da lombriga (Strongyloides myopotami) que pode infectar a pele de humanos, causando dermatites semelhantes à estrongiloidíase.[67] Em inglês, a condição também é chamada de "nutria itch".[68] Outros parasitas que esses animais podem hospedar são tênias, parasitas de fígado, e schistosoma. A contaminação do corpo d'água por ratões-do-banhado ocorre através da urina e fezes.[69] Nutria também hospeda pulgas, carrapatos e Mallophaga [en] (tipo de piolho).[70] Eles podem carregar várias doenças zoonóticas (doenças transmitidas de animais para humanos). Eles são reservatórios para salmonelose, o vírus da encefalomiocardite, chlamydia psittaci[71] e a bactéria resistente a antibióticos Aeromonas spp.[72] Outras doenças zoonóticas preocupantes são mycobacterium tuberculosis, septicemia, toxoplasmose e rickettsiose.[73] De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), os ratões-do-banhado carregam duas das oito doenças que preocupam os Estados Unidos, raiva e salmonelose.[74] É considerada uma espécie introduzida global e tem potencial para espalhar doenças para animais e humanos. Requer monitoramento preventivo para transmissão de doenças zoonóticas. Atualmente a imigração desses animais é monitorada para a destruição de habitats de pântanos, terras agrícolas, zonas úmidas e é medida em perda de habitat em acres.[75]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Lessa, E.; Ojeda, R.; Bidau, C.; Emmons, L. (2008). Myocastor coypus (em inglês). IUCN 2014. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2014 . Página visitada em 9 de novembro de 2014..
  2. a b «Ratão-do-banhado (Myocastor coypus)». Fauna Digital do Rio Grande do Sul. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  3. a b c Woods, C.A.; Kilpatrick, C.W. (2005). «Infraorder Hystricognathi». In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. Mammal Species of the World (em inglês) 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press. pp. 1538–1600. ISBN 978-0-8018-8221-0. OCLC 62265494 
  4. «Ratão-do-banhado é roedor adaptado para viver na água». G1. Consultado em 7 de outubro de 2022 
  5. «Myocastor coypus (coypu)». Animal Diversity Web, Museum of Zoology. University of Michigan. 1999 
  6. Woods, C. A. (1982). «The history and classification of South American Hystricognath rodents: reflections on the far away and long ago». In: Mares, M. A.; Genoways, H. H. Mammalian Biology in South America. Pittsburgh: University of Pittsburgh. pp. 377–392 
  7. a b Galewski, Thomas; Mauffrey, Jean-François; Leite, Yuri L. R.; Patton, James L.; Douzery, Emmanuel J. P. (2005). «Ecomorphological diversification among South American spiny rats (Rodentia; Echimyidae): a phylogenetic and chronological approach». Molecular Phylogenetics and Evolution. 34 (3): 601–615. PMID 15683932. doi:10.1016/j.ympev.2004.11.015 
  8. a b c Upham, Nathan S.; Patterson, Bruce D. (2012). «Diversification and biogeography of the Neotropical caviomorph lineage Octodontoidea (Rodentia: Hystricognathi)». Molecular Phylogenetics and Evolution. 63 (2): 417–429. PMID 22327013. doi:10.1016/j.ympev.2012.01.020 
  9. a b c Fabre, Pierre-Henri; Upham, Nathan S.; Emmons, Louise H.; Justy, Fabienne; Leite, Yuri L. R.; Loss, Ana Carolina; Orlando, Ludovic; Tilak, Marie-Ka; Patterson, Bruce D.; Douzery, Emmanuel J. P. (1 de março de 2017). «Mitogenomic Phylogeny, Diversification, and Biogeography of South American Spiny Rats». Molecular Biology and Evolution. 34 (3): 613–633. ISSN 0737-4038. PMID 28025278. doi:10.1093/molbev/msw261Acessível livremente  Lock-green.svg
  10. Taylor, K.; Grace, J.; Marx, B. (maio de 1997). «The effects of herbivory on neighbor interactions along a coastal marsh gradient». American Journal of Botany. 84 (5). 709 páginas. ISSN 0002-9122. JSTOR 2445907. PMID 21708623. doi:10.2307/2445907  Lock-green.svg
  11. LeBlanc, Dwight J. (1994). «Prevention and Control of Wildlife Damage – Nutria» (PDF). Animal and Plant Health Inspection Service. Cópia arquivada (PDF) em 3 de fevereiro de 2007 
  12. a b c «Living with Wildlife - Nutria». Consultado em 22 de março de 2019 
  13. Ca.Gov, Department of Fish and Wildlife. «California's Invaders:Nutria» 
  14. Bailly, Anatole (1 de janeiro de 1981). Abrégé du dictionnaire grec français. Paris: Hachette. ISBN 978-2010035289. OCLC 461974285 
  15. Bailly, Anatole. «Greek-french dictionary online». www.tabularium.be. Consultado em 24 de janeiro de 2017 
  16. Nutria Biology. Nutria.com. 2007. Consultado em 7 de outubro de 2022
  17. a b c d Carter, Jacoby (29 de janeiro de 2007). «Worldwide Distribution, Spread of, and Efforts to Eradicate the Nutria (Myocastor coypus) – South America». United States Geological Survey. Consultado em 4 de setembro de 2007 
  18. Woods, Charles A.; Contreras, Luis; Willner-Chapman, Gale; Whidden, Howard P. (1992). «Myocastor coypus» (PDF). Mammalian Species (398): 1–8. JSTOR 3504182. doi:10.2307/3504182. Cópia arquivada (PDF) em 8 de outubro de 2017 
  19. ITIS Report. «ITIS Standard Report: Myocastor». Consultado em 5 de setembro de 2007 
  20. ITIS Report. «ITIS Standard Report: Myopotamus». Consultado em 19 de dezembro de 2007 
  21. a b Loss, Ana; Moura, Raquel T.; Leite, Yuri L. R. (2014). «Unexpected phylogenetic relationships of the painted tree rat Callistomys pictus (Rodentia: Echimyidae)» (PDF). Natureza on Line. 12: 132–136 
  22. Fabre, Pierre-Henri; Galewski, Thomas; Tilak, Marie-ka; Douzery, Emmanuel J. P. (1 de março de 2013). «Diversification of South American spiny rats (Echimyidae): a multigene phylogenetic approach» (PDF). Zoologica Scripta (em inglês). 42 (2): 117–134. ISSN 1463-6409. doi:10.1111/j.1463-6409.2012.00572.x 
  23. Fabre, Pierre-Henri; Vilstrup, Julia T.; Raghavan, Maanasa; Der Sarkissian, Clio; Willerslev, Eske; Douzery, Emmanuel J. P.; Orlando, Ludovic (1 de julho de 2014). «Rodents of the Caribbean: origin and diversification of hutias unravelled by next-generation museomics». Biology Letters (em inglês). 10 (7). 20140266 páginas. ISSN 1744-9561. PMC 4126619Acessível livremente. PMID 25115033. doi:10.1098/rsbl.2014.0266 
  24. Upham, Nathan S.; Patterson, Bruce D. (2015). «Evolution of Caviomorph rodents: a complete phylogeny and timetree for living genera». In: Vassallo, Aldo Ivan; Antenucci, Daniel. Biology of caviomorph rodents: diversity and evolution. Buenos Aires: SAREM Series A, Mammalogical Research — Sociedad Argentina para el Estudio de los Mamíferos. pp. 63–120 
  25. Capel-Edwards, Maureen (1967). «Foot-and-mouth disease in Myocastor coypus». Journal of Comparative Pathology. 77 (2): 217–221. PMID 4291914. doi:10.1016/0021-9975(67)90014-X 
  26. Doncaster, C. P.; Micol, T. (1990). «Response by coypus to catastrophic events of cold and flooding». Ecography. 13 (2): 98–104. doi:10.1111/j.1600-0587.1990.tb00594.x 
  27. Hillemann, Howard H.; Gaynor, Alta I.; Stanley, Hugh P. (1958). «The genital systems of nutria(Myocastor coypus)». The Anatomical Record. 130 (3): 515–531. PMID 13559732. doi:10.1002/ar.1091300304 
  28. a b c d «national trappers». 2012–2021 
  29. «Myocastor coypus (Molina 1782) - Encyclopedia of Life». eol.org 
  30. Valentin, Fischer (17 de março de 2022). «Species-specific enamel differences in hardness and abrasion resistance between the permanent incisors of cattle and ever-growing incisors of nutria». PLOS ONE. 17 (3): e0265237. PMC 8929658Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 35298510 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1371/journal.pone.0265237Acessível livremente 
  31. «Species Profile: Castor canadensis – North American Beaver». Bella Vista Property Owners Association. Bella Vista, Arkansas. 5 de fevereiro de 2019. Consultado em 6 de outubro de 2019. They could be mistaken for a nutria, but nutria do not have the large flat paddle-shaped tail like beavers. 
  32. Nolfo-Clements, Lauren E. (setembro de 2009). «Nutria Survivorship, Movement Patterns, and Home Ranges». Southeastern Naturalist. 8 (3): 399–410. ISSN 1938-5412. doi:10.1656/058.008.0303 
  33. a b «Biology». Nutria. Louisiana Department of Wildlife and Fisheries. Consultado em 2 de março de 2014. Cópia arquivada em 22 de outubro de 2013 
  34. species and habitats, Washington Department of Fish and Wildlife (22 de abril de 2022). «Nutria Conflict». Consultado em 22 de abril de 2022 
  35. researched based wildlife damage management information, Internet center for wildlife damage management (22 de abril de 2022). «Nutria Biology» 
  36. Carter, Jacoby and Billy P. Leonard (2002). "A Review of the Literature on the Worldwide Distribution, Spread of, and Efforts to Eradicate the Coypu (Myocastor coypus)" Wildlife Society Bulletin 30(1): 162–175.
  37. Sheffels, Trevor Robert; Sytsma, Mark (dezembro de 2007). Report on Nutria Management and Research in the Pacific Northwest (Relatório). Center for Lakes and Reservoirs Publications and Presentations, Portland State University. Consultado em 24 de setembro de 2016 
  38. Montgomery, Jeff (2012), «Invasive nutria found in Kent County» (publicado em 19 de janeiro de 2012), The News Journal, delawareonline, consultado em 19 de janeiro de 2012, 'It was a surprise, frankly,' Steve Kendrot, a U.S. Department of Agriculture wildlife services program manager, said Wednesday. 'We didn't expect to find anything that far up.' 
  39. «History; Nutria Population Dynamics – A Timeline». Nutria.com. Louisiana Department of Wildlife and Fisheries. 2007. Consultado em 10 de outubro de 2011 
  40. a b c d McFalls, Tiffany B.; et al. (setembro de 2010). «Hurricanes, floods, levees, and nutria: vegetation responses to interacting disturbance and fertility regimes with implications for coastal wetland restoration». Journal of Coastal Research. 26 (5): 901–11. ISSN 1551-5036. doi:10.2112/JCOASTRES-D-09-00037.1 
  41. Hygnstrom, Scott E.; Timm, Robert M.; Larson, Gary E., eds. (1994). «Nutria». Internet Center for Wildlife Damage Management. Consultado em 2 de março de 2014. Arquivado do original em 7 de setembro de 2013 
  42. «Detail (Coypu)». Barcelona Zoo. Espanha: Barcelona City Council. Consultado em 2 de março de 2014. Arquivado do original em 26 de setembro de 2013 
  43. a b Carter, Jacoby; et al. (março de 1999). «Modeling the effects of nutria (Myocastor coypus) on wetland loss». Wetlands. 19 (1): 209–19. ISSN 1943-6246. doi:10.1007/BF03161750 Predefinição:Closed access
  44. Ford, Mark A.; Grace, James B. (1998). «Effects of vertebrate herbivores on soil processes, plant biomass, litter accumulation and soil elevation changes in a coastal marsh». Journal of Ecology. 86 (6): 974–982. doi:10.1046/j.1365-2745.1998.00314.xAcessível livremente 
  45. a b Jordan, Jillian; Mouton, E. «Coastwide Nutria Control Program 2010-2011» (PDF). Nutria.com. Louisiana Department of Wildlife and Fisheries. Consultado em 18 de outubro de 2011 
  46. Lyon, W. J.; Milliet, J. B. (2000). «Microbial Flora Associated with Louisiana Processed Frozen and Fresh Nutria (Myocastor coypus) Carcasses». Journal of Food Science. 65 (6): 1041–1045. doi:10.1111/j.1365-2621.2000.tb09414.x 
  47. a b National Wetlands Research Center (June 2000), Nutria, Eating Louisiana's Coast, United States Geological Survey
  48. Carter, Jacoby, and Billy P. Leonard (2002). "A Review of the Literature on the Worldwide Distribution, Spread Of, and Efforts to Eradicate the Coypu (Myocastor coypus)." JSTOR. N.p., Web. 2 de novembro de 2015.
  49. Nutria, Eating Louisiana's Coast (PDF) (Relatório). U.S. Geological Survey/National Wetlands Research Center. Junho de 2000. USGS FS-020-00. Consultado em 28 de março de 2016 
  50. Bernard, Shane K. (novembro de 2015). «Vol. 43, No. 3». M'sieu Ned's Rat? Reconsidering the Origin of Nutria in Louisiana. JSTOR. Avery Island, Louisiana.: The E. A. McIlhenny Collection, Louisiana Historical Association. JSTOR 4233862 
  51. a b Scarborough, Janet; Mouton, Edmond (30 de junho de 2007), Nutria Harvest Distribution 2006-2007 and a Survey of Nutria Herbivory Damage in Coastal Louisiana in 2007 (PDF), cópia arquivada (PDF) em 7 de janeiro de 2009 
  52. "A Plague of Aliens", fevereiro/março de 2003, National Wildlife, National Wildlife Federation, Laura Tangley, acessado em 8 de dezembro de 2006.
  53. Gosling, Morris (4 de março de 1989). «Extinction to Order». New Scientist. 121 (1564): 44–49 
  54. «Police To Investigate Man Who Killed 4ft Rat». Sky. Consultado em 14 de maio de 2012. Arquivado do original em 25 de abril de 2012 
  55. a b Randall, Morgan (30 de agosto de 2019). «Nutria a la' Orange». Consultado em 31 de março de 2022 
  56. Parola, Philippe (31 de março de 2022). «If you can't beat em' eat em'» 
  57. «Article 404 - Daily Comet - Thibodaux, LA». Daily Comet (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2017. Arquivado do original em 3 de agosto de 2016 
  58. «Louisiana Wildlife Federation». www.lawildlifefed.org (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2017. Arquivado do original em 29 de julho de 2016 
  59. Dodge, Victoria. «A rodent-like pest destroying the Louisiana coast finds new enemy in dog treat business». Lafayette Daily Advertiser. USA Today. Consultado em 7 de setembro de 2019 
  60. a b Walker, Shaun (18 de novembro de 2016). «Hot rat is so hot right now: Moscow falls for the rodent burger». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 19 de julho de 2017 
  61. «Rats! Rodent burger now the latest food craze in Moscow». The Straits Times. The Jakarta Post. 24 de novembro de 2016 
  62. a b «How do Wetlands Function and Why are they Valuable?». EPA. 2017. Consultado em 19 de outubro de 2011 
  63. Schleifstein, Mark (2 de junho de 2011). «Louisiana is losing a football field of wetlands an hour, new U.S. Geological Survey study says». The Times-Picayune. Consultado em 29 de novembro de 2011 
  64. Ross, Bob (1 de outubro de 2007). «Jefferson Parish Sheriff Harry Lee dies». New Orleans Times-Picayune (em inglês). Consultado em 12 de fevereiro de 2018. Arquivado do original em 11 de outubro de 2007 
  65. «Monitoring Plan: Project No. LA-02 Nutria Harvest and Wetland Restoration Demonstration Project» (PDF). 6 de maio de 1998. Consultado em 16 de outubro de 2011 
  66. «Program Updates». Nutria.com. Louisiana Department of Wildlife and Fisheries. 2007. Consultado em 18 de outubro de 2011 
  67. «Strongyloidiasis: Background, Pathophysiology, Etiology». 2 de fevereiro de 2019 – via eMedicine 
  68. Bonilla, Hector F. MD; Blanchard, Diane H. MD; Sanders, Richard MD (junho de 2000). «Nutria Itch». Vol. 136, No. 6: JAMA Dermatology. Archives of Dermatology. 136 (6): 804–805. PMID 10871960. doi:10.1001/archderm.136.6.804-a 
  69. Animal and Plant Health Inspection Service, U.S. Department of Agriculture (1 de abril de 2022). «Nutria conflicts with people» 
  70. Greenwood, Renetta (1 de abril de 2022). «Pacific Northwest Aquatic Invasive Species Profile, Nutria, Myocaster coypus» (PDF) 
  71. Howerth, E. W.; Reeves, A. J.; McElveen, M. R.; Austin, F. W. (julho de 1994). «Survey for Selected Diseases in Nutria (Myocastor coypus) from Louisiana». Journal of Wildlife Diseases (em inglês). 30 (3): 450–453. ISSN 0090-3558. PMID 7933295. doi:10.7589/0090-3558-30.3.450 
  72. Lim, Se Ra; Lee, Do-Hun; Park, Seon Young; Lee, Seungki; Kim, Hyo Yeon; Lee, Moo-Seung; Lee, Jung Ro; Han, Jee Eun; Kim, Hye Kwon; Kim, Ji Hyung (30 de julho de 2019). «Wild Nutria (Myocastor coypus) Is a Potential Reservoir of Carbapenem-Resistant and Zoonotic Aeromonas spp. in Korea». Microorganisms. 7 (8). 224 páginas. ISSN 2076-2607. PMC 6723217Acessível livremente. PMID 31366125. doi:10.3390/microorganisms7080224Acessível livremente 
  73. Lavelle, Michael J.; Kay, Shannon L.; Pepin, Kim M.; Grear, Daniel A.; Campa, Henry; VerCauteren, Kurt C. (dezembro de 2016). «Evaluating wildlife-cattle contact rates to improve the understanding of dynamics of bovine tuberculosis transmission in Michigan, USA». Preventive Veterinary Medicine. 135: 28–36. ISSN 0167-5877. PMID 27931926. doi:10.1016/j.prevetmed.2016.10.009 
  74. First-ever, CDC, USDA, DOI collaborative report lists top-priority zoonoses for U.S., Centers for Disease Control and Prevention (6 de maio de 2019). «*8 Zoonotic Diseases Shared Between Animals and People of Most Concern in the U.S.» 
  75. Nutria control Program, Louisiana Department of Wildlife and Fisheries (1 de abril de 2022). «Herbivory Damage and Harvest Maps» 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Sandro Bertolino, Aurelio Perrone, and Laura Gola "Effectiveness of coypu control in small Italian wetland areas" Wildlife Society Bulletin Volume 33, Issue 2 (junho de 2005) pp. 714–72.
  • Carter, Jacoby and Billy P. Leonard: "A Review of the Literature on the Worldwide Distribution, Spread of, and Efforts to Eradicate the Coypu (Myocastor coypus)" Wildlife Society Bulletin, Vol. 30, No. 1 (2002), pp. 162–175.
  • Carter, J., A.L. Foote, and L.A. Johnson-Randall. 1999. Modeling the effects of nutria (Myocastor coypus) on wetland loss. Wetlands 19(1):209-219
  • Lauren E. Nolfo-Clements: Seasonal variations in habitat availability, habitat selection, and movement patterns of Myocastor coypus on a subtropical freshwater floating marsh. (Dissertation) Tulane University. New Orleans. 2006. ISBN 0-542-60916-9
  • Sheffels, Trevor and Mark Systma. "Report on Nutria Management and Research in the Pacific Northwest" Center for Lakes and Reservoir Environmental Sciences and Resources, Portland State University. Dezembro de 2007. Disponível online: [1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Myocastor coypus
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Myocastor coypus
Wikcionário
O Wikcionário tem o verbete nútria.