Museu de Anatomia Veterinária da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Museu de Anatomia Veterinária
Museu de Anatomia Veterinária Prof. Dr. Plínio Pinto e Silva
Entrada do museum junto ao prédio da Faculdade de Medicina Veterinária da USP
Inauguração 1984 (32–33 anos)
Website http://mav.fmvz.usp.br/
Área 600 m²
Geografia
País  Brasil
Cidade São Paulo

O Museu de Anatomia Veterinária (MAV) é um museu aberto a visitação pública ligado à Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP, localizado na Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira[1].Seu nome oficial é "Museu de Anatomia Veterinária Prof. Dr. Plínio Pinto e Silva", dado em homenagem ao professor Plínio Pinto e Silva, médico veterinário e membro da Academia Paulista de Medicina Veterinária, pioneiro na obtenção do título de ''Livre Docente'' na Faculdade de Medicina Veterinária da USP.[2] O museu foi aberto à visitação em 1984 e apresenta peças preparadas, estudadas e colecionadas por professores, servidores e alunos da própria Faculdade.[3] Antes do museu ser aberto para visitação, as peças eram usadas por docentes da faculdade em suas aulas. Entre os anos de 2004 e 2008, o MAV ficou fechado para visitação para acompanhar a transferência de sede da FMVZ da USP dentro da própria Cidade Universitária.[4]

Acervo[editar | editar código-fonte]

Museum of Veterinary Anatomy (FMVZ USP) 07.jpg

O museu conta com um acervo com cerca de 2.000 exemplares,[5] dentre os quais incluem-se diversos animais taxidermizados, esqueletos e modelos didáticos de diversas espécies de animais. A maioria das peças é de mamíferos, com representantes aquáticos, voadores, marsupiais, carnívoros, roedores, equídeos, bovídeos, suídeos e primatas, incluindo até a espécie humana. Além de um enorme esqueleto de um elefante indiano, um dos destaques do acervo é o esqueleto da fêmea de rinoceronte conhecida por Cacareco, um dos animais que viviam no Zoológico da cidade de São Paulo e que se tornou famosa nas eleições municipais de outubro de 1959, quando recebeu cerca de 100 mil votos como forma de protesto.[6][7] À época, a eleição era realizada com cédulas de papel e os eleitores escreviam o nome de seu candidato de preferência.

A riqueza do acervo atrai não apenas visitantes de fora da universidade, mas também alunos da própria faculdade, que buscam por meio de projetos de extensão e monitoria um contato mais próximo com o ambiente universitário e o acervo do museu.

Exposições[editar | editar código-fonte]

  • Dimensões do corpo: da anatomia à microscopia[9]. Essa exposição pretende exibir detalhadamente as partes interna e externa dos animais, mas o destaque vai para o funcionamento de órgãos como coração, rins e fígado [10]

Visitação[editar | editar código-fonte]

O museu pode ser visitado de terças às sextas-feiras das 9 horas da manhã até às 5 horas da tarde e de sábados das 9 horas da manhã às duas horas da tarde. O ingresso custa, atualmente, 6 reais, sendo que estudantes podem adquirir meia-entrada.

O MAV é considerado um dos mais importantes do país e recebeu uma média de 7 mil e 600 pessoas nos últimos anos, sendo os grupos escolares correspondentes a cerca de 80% do total de visitantes, especialmente aqueles cursando o ensino médio.[8]

O local conta ainda com uma pequena loja na qual podem ser adquiridos itens como camisetas, bonés, canetas e miniaturas de animais, as quais o visitante pode levar como recordação.

Guia para professores[editar | editar código-fonte]

Em 17 de outubro de 2015, durante a Virada Científica da Universidade de São Paulo, foi lançado o Guia MAV para Professores - Ensino Fundamental 1. O objetivo desta publicação é destacar peças do acervo que podem ser usadas em salas de aula pelos professores do Ensino Fundamental 1. [11] O Guia conta com 58 páginas ilustradas e é distribuído a professores que participam dos treinamentos oferecidos pelo MAV.

Difusão[editar | editar código-fonte]

Em 2016, o museu promoveu em parceria com o Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão em Neuromatemática uma iniciativa para relicenciar abertamente imagens de seu acervo.[12]

Acervo permanente[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. SILVA, Mauricio Candido da (Maio de 2013). «O Museu de Anatomia Veterinária da FMVZ USP: Proposta e Análise de um Método Sistêmico e Modular de Planejamento e Ação.». São Paulo. Revista de Cultura e Extensão - USP. 9: 49-63 
  2. Academia Paulista de Medicina Veterinária: Patronos
  3. Revista Veja: Museu da Anatomia Veterinária da FMVZ da USP
  4. da Silva, Maurício Candido; Silvia, Julia Zitelli (2014). Perfil dos visitantes do Museu de Anatomia Veterinária da FMVZ/USP: Primeiros estudos (Tese). Brasília: Universidade de Brasília (UNB). Consultado em 4 de setembro de 2016 
  5. Universidade de São Paulo (ed.). «Museu de Anatomia Veterinária». Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo. Consultado em 4 de setembro de 2016 
  6. Zoo de São Paulo
  7. «Quando São Paulo elegeu um rinoceronte». R7 
  8. a b Cães e Gatos: Interesse pela Medicina Veterinária é despertado em Museus de Anatomia Animal
  9. SILVA, Mauricio Candido da. (january 2013). «The Museum of Veterinary Anatomy of The Facult y of Veterinary Medicine and Zootechny at University of São Paulo, Brazil: A Museum in motion.» (PDF). Newsletter ICOM’S International Committee For University Museums and Collections. p. 40-41  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  10. «Página do MAV no site oficial de Turismo da cidade de São Paulo». Site oficial de Turismo da cidade de São Paulo. Consultado em 4 de setembro de 2016 
  11. «MAV lança guia para utilização pedagógica de seu acervo». USP online. Consultado em 4 de setembro de 2016 
  12. "Museu de Anatomia Veterinária da USP divulga acervo na internet", Roberta Machado, Portal do Conselho Federal de Medicina Veterinária, 22 de setembro de 2016.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Museu de Anatomia Veterinária da FMVZ/USP