Escola de Engenharia de Lorena da Universidade de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Escola de Engenharia de Lorena
Universidade de São Paulo
EEL, EEL-USP
Universidade Universidade de São Paulo (USP)
Fundação 29 de abril de 1969 (47 anos)
Nomes anteriores Faculdade Municipal de Engenharia Química (Famenquil)
Faculdade de Engenharia Química de Lorena (Faenquil)
Fundação de Tecnologia Industrial (FTI)
Tipo de instituição Unidade de ensino, pesquisa e extensão
Professores 72
Diretor Renato de Figueiredo Jardim
Vice-diretor Carlos Alberto Moreira dos Santos
Graduação 1806
Pós-graduação 267
Localização Lorena, SP Brasil
Campus Área I – Campinho
Área II – Gleba AI-6
Mascote Mamute
Site site.eel.usp.br

A Escola de Engenharia de Lorena da Universidade de São Paulo, ou EEL, é uma unidade acadêmica da Universidade de São Paulo (USP) localizada na cidade de Lorena. A EEL surgiu da incorporação da Faenquil, ou Faculdade de Engenharia Quimíca de Lorena, pela USP, em 1996.[1]

A EEL oferece cursos de graduação em Engenharia Bioquímica, Engenharia de Materiais, Engenharia Química, Engenharia de Produção, Engenharia Ambiental, Engenharia Física e oferece também curso de ensino médio e técnico na área de química.

Objetivando formar novos pesquisadores e possibilitar a especialização aos profissionais de ensino superior, a EEL mantém programas de pós-graduação nas áreas de Biotecnologia Industrial (mestrado e doutorado), Engenharia Química (mestrado), Engenharia de Materiais (mestrado e doutorado), Engenharia da Qualidade (especialização), Matemática (especialização). Desenvolve atividades de pesquisa em áreas estratégicas para o desenvolvimento nacional como Biotecnologia Industrial, Engenharia Química, Meio Ambiente, Materiais Especiais, Qualidade e Química Fina, além do Mestrado Profissional em Projetos Educacionais.

Atualmente a EEL visando ao intercâmbio científico e tecnológico, mantém convênios e acordos de cooperação com diversas instituições nacionais e internacionais criando desta forma maior interação entre pesquisa e extensão.[2]

Histórico Cronológico[editar | editar código-fonte]

2011 - Novos Cursos de Graduação e mudança de nome de curso

Curso de Engenharia Ambiental, Engenharia Física e Engenharia de Produção.

O curso de graduação de Engenharia Industrial Química muda de nome, agora passa a ser Engenharia Química noturno.

2006 - Extinta Faenquil passa a constituir Escola de Engenharia de Lorena (EEL). - Resolução USP-5.341, de 21 de junho de 2006 -DOE -23 de junho de 2006.

O estado com DECRETO Nº 50.839, DE 29 DE MAIO DE 2006 - Regulamenta a Lei nº 11.814, de 23 de dezembro de 2004, que autoriza o Poder Executivo extinguir a Faculdade de Engenharia Química de Lorena - Faenquil, e transfere suas atividades para Universidade de São Paulo -USP.

2004 - DECRETO Nº 50.839, de 29 de maio de 2006/ Regulamenta a Lei nº 11.814, de 23 de dezembro de 2004, que autoriza o Poder Executivo a extinguir a Faculdade de Engenharia Química de Lorena - Faenquil, e dá providências correlatas

LEI Nº 11.814, de 23 de dezembro de 2004/ Publicação: Diário OficialVolume 114 - Número 242 Autoriza o Poder Executivo a extinguir a Faculdade de Engenharia Química de Lorena - Faenquil, e dá outras providências correlatas

Decreto Nº 48.797, de 16 de julho de 2004 Aprova as Alterações a serem introduzidas no regimento da Faculdade de Engenharia Química de Lorena

2003 - Reconhecimento dos Cursos de Graduação

Reconhecimento por três anos do Curso de Engenharia de Materiais pelo parecer CEE nº 409/2003 - homologado pela Portaria CEE GP de 1 de dezembro de 2003, Portaria 336/03, publicado no Diário Oficial de 2 de dezembro de 2003 - Seção I - pág. 15.

Reconhecimento por três anos do Curso de Engenharia Bioquímica pelo Parecer CEE nº 410/2003, homologado pela Portaria CEE GP de 1 de dezembro de 2003, Portaria 339/03, publicado no Diário Oficial de 1 de dezembro de 2003, Seção I, pág. 15.

2001 -Decreto Nº 46.338, de 3 de dezembro de 2001

Aprova o Regimento da Autarquia Especial Faculdade de Engenharia Química de Lorena - Faenquil

2000 - Início Doutorado em Biotecnologia Industrial

Aprovação pela CAPES em dezembro de 2000 do Curso de Doutorado em Biotecnologia Industrial. Em 2001 início das aulas regulares do Curso de Doutorado.

1998 - Novos Cursos de Graduação

Curso de Engenharia de Materiais (Autorizado a funcionar pelo Parecer 463/98 - DOU 28 de agosto de 1998) e Curso de Engenharia Bioquímica (Autorizado a funcionar pelo Parecer 464/98 - DOU 28 de agosto de 1998).

1998 - Decreto Nº 42.657, de 19 de dezembro de 199719/12/1997 Publicação: Diário Oficial v.107, n.245, 20 de dezembro de 1997

Aprova as alterações a serem introduzidas no Estatuto da Faculdade de Engenharia Química de Lorena - Faenquil

1996 - Especialização em Matemática

O curso de Pós-Graduação em Matemática "Lato-Sensu" foi aprovado pelo Conselho Estadual de Educação conforme D.O. de 20.04.96, Parecer 162/96 da Câmara do Ensino do 3º grau. De acordo com a Deliberação CEE 10/95 (artigo 2º, II) este Curso de especialização habilita professor a ser aprovado pelo CEE para o Magistério em cursos de graduação.

Decreto Nº 41.390, de 3 de dezembro de 199603/12/1996 Publicação: Diário Oficial v.106, n.232, 4 de dezembro de 1996 Aprova as alterações a serem introduzidas no Estatuto da Faculdade de Engenharia Química de Lorena - Faenquil

1995 - Aprovação Regimento da CGR

Aprovação do Regimento Interno da Congregação da Faenquil através RESOLUÇÃO N.º 005/95-CGR, de 25 de maio de 1995..

- Nova Estrutura

Os Centros passam a denominar-se Departamentos, ficando assim constituído: Departamento Básico, Departamento de Biotecnologia, Departamento de Engenharia de Materiais e Departamento de Engenharia Química.

- Reconhecimento do Colégio Técnico

Autorização de funcionamento do COTEL, pelo Parecer CEE n.657/95 DOE 2 de novembro de 1995.

1994 - Início das aulas do Curso de Pós-graduação "Lato sensu" em Engenharia da Qualidade O curso de especialização em engenharia da qualidade iniciou-se em 1994, destinado a fornecer subsídios técnicos aos Gerentes da Qualidade, Produção, Desenvolvimento, para uma melhor tomada de decisão.

- Início das aulas do Programa de pós em Biotecnologia Início das aulas regulares do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Industrial - Curso de Mestrado.

Decreto Nº 39.702, de 16 de dezembro de 1994 16 de dezembro de 1994 Publicação: Diário Oficial v.104, n.234, 17 de dezembro de 1994 Aprova o Estatuto da Faculdade de Engenharia Química de Lorena-Faenquil

1993 - Início das aulas do Colégio Técnico

Início de aulas regulares do Colégio Técnico de Lorena, COTEL

-Foi recomendado pela CAPES o Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia Industrial com o curso de mestrado.

Decreto Nº 36.674, de 22 de abril de 199322/04/1993 Publicação: Diário Oficial v.103, n.74, 23 de abril de 1993

Altera a redação do artigo 4º do Decreto nº 33.873, de 27 de setembro de 1991

1992 - Constituição da 1ª CEPE

Constituir o Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - (CEPE), para assessorar a Direção da Faenquil, nas suas decisões, até a aprovação e implantação do Estatuto da Instituição, através de PORTARIA N.º 008/92-DGE.

- Constituição das unidades da Faenquil

Através da Portaria N.º 051/92-DGE de 9 de outubro de 1992, os Centros de Ensino e Pesquisa da Faenquil são constituídos de unidades que são as seguintes: Centro Básico: Unidade de Matemática,.2 - Unidade de Química, Unidade de Ciências Humanas, Unidade de Ciências Aplicadas;Centro de Engenharia Química: Unidade de Química Fina, Unidade de Reatores, Unidade de Energia, Unidade de Processos Orgânicos e inorgânicos; Centro de Biotecnologia: Unidade de Biorreatores e Plantas Piloto, Unidade de Processos Fermentativos, Unidade de Química de Lignocelulósicos, Unidade de Bioquímica e Genética; Centro de Engenharia de Materiais: Unidade de Análise e Caracterização, Unidade de Supercondutividade Aplicada e Engenharia Criogênica, Unidade de Processos Metalúrgicos, Unidade de Projetos e Tecnologia.

A Diretoria da Autarquia é constituída de duas unidade de apoio às suas atividades que são as seguintes: Divisão de Administração, Divisão de Ensino.

1991 - Incorporação e Transformação para uma Autarquia do Estado de São Paulo

A Faenquil foi incorporada ao Sistema Estadual de Ensino Superior do Estado de São Paulo sob a forma de Autarquia de Regime Especial, através da Lei 7392/91 regulamentada pelo Decreto 33.873/91.

Fundação de Tecnologia Industrial é extinta. E a Instituição passa a denominar-se Faculdade de Engenharia Química de Lorena com a seguinte estruturação:

-Centro Básico

-Centro de Engenharia Química

-Centro de Biotecnologia

-Centro de Engenharia de Materiais

-Colégio Técnico de Lorena

-Administração Geral.

Decreto Nº 33.873, de 27 de setembro de 199127/09/1991 Publicação: Diário Oficial v.101, n.185, 1 de outubro de 1991

Dispõe sobre a incorporação da Faculdade de Engenharia Química de Lorena - Faenquil, ao Sistema Estadual de Ensino Superior como autarquia de regime especial

Lei Nº 7.392, de 7 de julho de 199107/07/1991 Veja a ementa Publicação: Diário Oficial v.101, n.126, 9 de julho de 1991

Autoriza o Poder Executivo a incorporar a Faculdade de Engenharia Química de Lorena - Faenquil, ao Sistema Estadual de Ensino Superior.

1990 - Crise Econômica

-Os convênios com os órgãos de financiamento (FUNAT, MIC, MCT, FINEP, FIPEC, CNPq, etc) rendiam à FTI os recursos necessários à manutenção das suas unidades. A partir de 01.01.90 os convênios não puderam ser renovados, por determinação do Tribunal de Contas da União. Assim inviabilizava totalmente o prosseguimento das atividades de ensino e pesquisa.

-Collor de Mello, assumindo a Presidência, lança novas medidas da política econômica que inviabilizaram definitivamente as atividades de desenvolvimento tecnológico da FTI.

1988 - Implantação do Programa de Pós-Graduação de Engenharia. de Materiais

Implantação do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Materiais, coordenado pelo Centro de Materiais Refratários, CEMAR, (atual DEMAR) em nível de mestrado e doutorado.

1987 - Inauguração do Centro de Biotecnologia e Química

Em agosto, inauguração oficial do CENTRO DE BIOTECNOLOGIA E QUÌMICA pelo Exmo. Ministro da Ciência e Tecnologia, Dr. Renato Archer.

- Descentralização administrativa da FTI, dessa forma as unidades anteriormente denominadas Divisões passaram a ser chamadas de Centros:

- Divisão de Biotecnologia e Química - DBIQ passou a ser Centro de Biotecnologia e Química - CEBIQ (sediado em Lorena,SP)

- Divisão de Materiais Refratários - DMAR passou a ser - Centro de Refratários (sediado em Lorena,SP)

- Faculdade de Engenharia Química de Lorena (sediado em Lorena,SP)

- Centro de Energia Tropical - CETROP (sediado em Belo Horizonte)

- Centro de Estudos Técnico-Econômico - CENET (sediado no Rio de Janeiro).

1983 - Integração ao Ministério da Indústria e Comércio

A FTI se integra ao SISTEMA DE TECNOLOGIA INDUSTRIAL do Ministério da Industria e Comércio, MIC. Definição das áreas de atuação como: Biotecnologia, Fármacos, Química Fina e Materiais Refratários.

Início da transferência da ÁREA DE BIOTECNOLOGIA do Rio de Janeiro para Lorena, envolvendo recursos humanos e equipamentos. A área de Pesquisa foi instalada provisoriamente em laboratórios na sede da Av. Capitão Messias Ribeiro.

1982 - Reconhecimento do curso de Engenharia Química Industrial

Curso de Engenharia Industrial Química, período noturno, reconhecido pelo Parecer 352/82, DOU 1 de setembro de 1982. Parecer nº 419 do Conselho Federal de Educação, aprovado em 6 de agosto de 1982.

1981 - Programa Nacional do Álcool

Participação da FTI no Programa Nacional do Álcool, com o desenvolvimento de projetos e proporcionando recursos humanos especializados através dos " Cursos de Especialização de Operação e Gerência de Produção em usinas Alcooleiras".

1980 - Criação do Departamento de Biotecnologia

Criação do DEPARTAMENTO DE BIOTECNOLOGIA da FTI no Rio de Janeiro no prédio do INT - Instituto Nacional de Tecnologia e do DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO EXPERIMENTAL em Lorena para suporte às atividades de P&D realizadas.

- Criação do Curso de Engenharia Química

Extinto " Curso Superior de Tecnologia em Análises Químicas" com remanejamento de suas vagas para o curso de "Engenharia Industrial Química" e "Engenharia Química" que continuam até a presente data. Parecer nº 1.245 do Conselho Federal de Educação, aprovada em 7 de novembro de 1980.

1979 - Mundança para o atual prédio no Campus I

Transferência da Faenquil para o complexo, atual Campus I. Continuam algumas atividades no Prédio da Capitão Messias Ribeiro.

De 1978 a 1979, foi implantada a USINA PILOTO com capacidade de produção de 5.000l/dia de etanol de cana-de-acúcar no Campus de Desenvolvimento Experimental da Fundação de Tecnologia Industrial em Lorena (atual Campus I). Esta usina foi a primeira Unidade Piloto no Brasil para desenvolvimento da tecnologia de álcool a nível industrial como combustível alternativo.

1978 - Projeto Nióbio

Também em 1978 uma equipe técnica oriunda da UNICAMP implantou na FTI o Projeto Nióbio, com o apoio da STI/MIC, diversas empresas e da própria UNICAMP. Inicialmente ficou instalado nas dependências da FTI na Av. Capitão Messias Ribeiro, Lorena, SP.

O Grupo Peixoto de Castro doou à Prefeitura uma área no Polo Urbo Industrial, em Lorena, SP, onde foi cedida uma Gleba de 117.000 m² para instalação do Projeto Nióbio, atualmente Campus II.

- Fundação de Tecnologia Industrial - 1ºUsina Piloto de Álcool do Brasil O então Ministério da Indústria e Comércio assumiu o controle da fundação mantenedora da Faculdade, que passou a denominar-se Fundação de Tecnologia Industrial (FTI), ficando subordinada à coordenação da Secretaria de Tecnologia Industrial (STI/MIC). Continuando a FTI como entidade mantenedora Faenquil.

Portaria Ministerial, n.73 de 7 de abril de 1978 - Homologação do novo estatuto da Instituição mantenedora mudando a denominação de Fundação Centro Vale de Ensino e Pesquisa Química Industrial para Fundação de Tecnologia Industrial - foro na Capital Federal, ficando a partir de então sob supervisão do Ministério da Indústria e Comércio.

1977 - Primeiras aulas

Início das primeiras aulas no complexo, atualmente Campus I.O Curso de Engenharia de Operação, de 3 anos é transformado no Curso de Engenharia Industrial Modalidade Química, de 5 anos de duração, Parecer n.31866/77 do CFE. Curso de Engenharia Química, parecer nº 3.186 do Conselho Federal de Educação em 11/1//1977 e reconhecido pelo Decreto n. 79.066/76 - DOU 3 de janeiro de 1977.

1976 - Reconhecida pelo CFE

Reconhecimento dos Cursos: Engenharia Química, Engenharia de Operação, Modalidade Química e Formação de Tecnólogos Químicos, Modalidade, Análise Química Industrial. Parecer nº 3.775 do Conselho Federal de Educação, aprovado em 10 de novembro de 1976. (DOU 192/nov/1976 - pág.257).

- Reconhecimento da Faenquil

A Faenquil foi reconhecida pelo Decreto Lei n. 79.066 de 30 de dezembro de 1976, homologando o parecer n.37.775/76 do CFE. (publicado D. O. U. em 3 de janeiro de 1977).

1972 - Construção dos Pilotos Industriais

O Conselho Estadual de Tecnologia do Governo do Estado de São Paulo doa verba para início da construção dos pilotos industriais, atual Campus I.

1971 - Surge a Faenquil

Devido à expansão de suas atividades, a autarquia, em 1971, foi transformada na Fundação Centro Vale de Ensino e Pesquisa em Química Industrial. Recebe todo o patrimônio e acervo da FAMENQUIL. A partir de então, a FAMENQUIL passou a ser chamada de Faculdade de Engenharia Química de Lorena, Faenquil.

1970 - Autorização para funcionamento I

A Faenquil foi autorizada a funcionar pelo Conselho Federal de Educação, através do Parecer n. 137 e do Decreto Lei n.66.986 do Presidente da República em 31 de julho de 1970.

- Primeiros Cursos.

A FAMENQUIL, fica autorizada a funcionar pelo Conselho Estadual de Educação - CEE, através de Parecer n.137/79 e do decreto Lei. N. 66.986 do Presidente da República em 31 de julho de 1970. A FAMENQUIL iniciou suas atividades em 3 cursos: -Curso Superior de Tecnologia em Análise Química - Curso Engenharia Química - Curso de Engenharia de Operação

1969- Nasce a FAMENQUIL.

Através da Lei Municipal n° 687, de 29.04.69, a Prefeitura de Lorena criou a Faculdade Municipal de Engenharia Química, FAMENQUIL, sob a forma de autarquia. A FAMENQUIL nasceu dos esforços de um grupo de engenheiros da Fábrica Presidente Vargas, de Piquete, SP, liderados pelo Major Eng. Químico do Exército Luiz Sylvio Teixeira Leite.

Referências

  1. «Faenquil já foi autarquia da prefeitura de Lorena (SP)». Folha de S.Paulo. 14 de maio de 2003. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  2. «Indicadores importantes que caracterizam as Unidades da USP, distribuídas por Campus, em 2014» (PDF). Anuário Estatístico da USP. Universidade de São Paulo. 2014. Consultado em 11 de fevereiro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Website oficial (em português e em inglês)

Ícone de esboço Este artigo sobre educação ou sobre um educador é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.