Festa do Livro da Universidade de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
21a Festa do Livro da USP, em novembro de 2019.

A Festa do Livro da Universidade de São Paulo (USP) é uma feira literária realizada anualmente, desde 1999, pela Editora da Universidade de São Paulo.[1] Considerado tradicional, o evento é conhecido por sua política de exigir desconto mínimo de 50% para todos os livros vendidos.[2][3][4][5]

História[editar | editar código-fonte]

As doze primeiras edições da Festa ocorreram no "vão" da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

Idealizada por Plinio Martins Filho, professor e então presidente da Edusp, a primeira edição da Festa do Livro da USP foi realizada em 1999 na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Inicialmente, pretendia-se fazer uma aproximação entre as editoras e a universidade, exigindo-se que as editoras participantes tivessem em seus catálogos livros presentes nas bibliografias dos cursos da universidade. Por haver um "convite", e não uma inscrição para o evento, surgiu a denominação "Festa". Já era obrigatório haver descontos de no mínimo 50%. Algumas edições depois, editoras de orientação não universitária passaram a também participar da Festa.[6]

Com o crescimento do número de editoras participantes (de 31 em 1999 a 145 em 2011) e de público, a partir da décima terceira edição o evento passou a ser realizado na Escola Politécnica da USP.[7] Em 2015, a Festa foi realocada para um local próximo ao Centro de Práticas Esportivas da USP.[6] Na sua vigésima edição, em 2018, mais de 200 editoras participaram do evento.[1][8]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Entrada da 21a Festa do Livro da USP.

Em 2019, tratando da crise do mercado editorial no Brasil, Vitor Tavares, presidente da Câmara Brasileira do Livro, criticou a Festa do Livro da USP e outros eventos que oferecem grandes descontos, afirmando: "Lógico que, como consumidor, eu vou comprar o mais barato, mas temos de encontrar caminhos que possibilitem a sobrevivência da indústria."[4] Por outro lado, muitas editoras vêem tais eventos como algo positivo: Gerson Ramos, da editora Planeta, afirmou que as feiras “são uma oportunidade de o leitor encontrar os títulos que procura”.[9]

Referências

  1. a b Abdo, Humberto (22 de novembro de 2018). «Festa do Livro da USP chega à 20ª edição com mais de 200 editoras». O Estado de São Paulo. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  2. Moreno, Ana Carolina (9 de dezembro de 2015). «Cosac Naify ganha local nobre em sua última Festa do Livro da USP». G1. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  3. «Poli recebe a 15ª Festa do Livro da USP». Catraca Livre. 12 de novembro de 2013. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  4. a b Botacini, Guilherme (28 de setembro de 2019). «Disputas por preço geram distorções no mercado do livro». Folha de S. Paulo. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  5. «Festa do Livro da USP». Folha de S. Paulo. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  6. a b Calabria, Sofia (21 de novembro de 2018). «20 anos de festa». Edusp. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  7. «Festa do Livro da USP começa amanhã com descontos de até 80%». UOL. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  8. «Os bastidores da Festa do Livro da USP». PublishNews. 11 de novembro de 2019. Consultado em 22 de novembro de 2019 
  9. «Festa do Livro da USP começa com grandes descontos». IstoÉ. 28 de novembro de 2018. Consultado em 22 de novembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]