Curso de Ciências Moleculares

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Curso de Ciências Moleculares
CCM, CM
Logo oficial
Universidade Universidade de São Paulo
Fundação 5 de julho de 1991 (28 anos)
Comissão Diretora
  • Carlos Eduardo Winter
  • Fabio Rodrigues
  • Kaline Rabelo Coutinho
  • Marie-Anne Van Sluys
  • Nelson Mugayar Kuhl[1]
Localização São Paulo, SPBrasil
Campus Cidade Universitária da USP
Site cecm.usp.br

O Curso de Ciências Moleculares, também conhecido como CCM ou CM, é uma opção de graduação da Universidade de São Paulo voltada para alunos que desejam fazer da pesquisa científica sua atividade profissional.[2] Sua ementa curricular tem como prioridades a liberdade acadêmica, a interdisciplinaridade e, principalmente, a multidisciplinaridade. O curso ficava anteriormente sediado no Favo 22 das Colmeias,[3] mas hoje é sediado no Centro de Pesquisa e Inovação (Inova USP), no campus Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira.[4]

A ideia por trás do curso surgiu de discussões no gabinete do então vice-reitor Roberto Lobo nas quais, segundo ele, debatia-se a "[necessidade de] desmontar a rígida estrutura curricular [dos] cursos centrados nos departamentos".[5] Sua data oficial de criação — à época nomeado Curso Experimental de Ciências Moleculares — pode ser considerada 5 de julho de 1991, quando a Resolução CoG (Conselho de Graduação) n.º 3836, de 3 de julho do mesmo ano, foi oficialmente publicada na edição do Diário Oficial do Estado daquele dia.[6] Entretanto, seu reconhecimento pelo então Ministério da Educação e do Desporto só veio a acontecer com a Portaria n.º 613, de 13 de junho de 1996, publicada no Diário Oficial da União (DOU) do dia seguinte.[7]

Ingresso[editar | editar código-fonte]

O curso possui um próprio processo seletivo dentro da universidade, diferentemente dos outros cursos nos quais os estudantes ingressam através de um exame vestibular preparado pela FUVEST.[8] Qualquer aluno regularmente matriculado na USP pode se inscrever, mas é comum que os mais bem-colocados no vestibular recebam um convite para o processo seletivo.[9]

Seu processo seletivo, que costuma ocorrer no fim do primeiro semestre, consiste em uma prova escrita de conhecimentos gerais e uma dinâmica de grupo, a partir do qual são selecionados 25 alunos anualmente[10] para uma turma que se iniciará no segundo semestre.[11] Na prova escrita é feito um teste discursivo de matemática, física, química, biologia e inglês; enquanto na dinâmica de grupo ocorre uma mesa-redonda com os concorrentes, geralmente na primeira semana de julho.[12]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Ao contrário dos demais cursos da USP, o curso de ciências moleculares não está vinculado a nenhum outro departamento ou faculdade, mas sim diretamente à Pró-reitoria de Graduação. Nesse sentido, ele mantém certo grau de independência das demais unidades universitárias, embora conte com os recursos já existentes destas, como laboratórios e o corpo docente que ministra as disciplinas do ciclo básico.[13]

O curso, com duração prevista de quatro anos, é dividido em dois ciclos: os alunos ingressantes têm aulas de biologia, física, química, matemática e computação nos dois primeiros anos, conhecidos como ciclo básico; nos dois anos finais, conhecidos como ciclo avançado, os alunos fazem pesquisa e montam uma grade com disciplinas oferecidas em qualquer unidade da USP.[14] O aluno aprovado pode desistir a qualquer momento de sua matrícula no curso, pelo que retornará ao seu instituto de origem.[15]

Referências

  1. «Professores». Curso de Ciências Moleculares. Universidade de São Paulo. Consultado em 13 de julho de 2019 
  2. Bentivegna, Elise (15 de fevereiro de 2013). «Fábrica de gênios?». Faculdade Cásper Líbero. Consultado em 13 de julho de 2019. O curso nasceu com a pretensão de formar profissionais capazes de interpretar as linguagens das ciências estudadas e integrá-las dentro do campo científico ou do mercado. 
  3. «Curso de Ciências Moleculares, na USP, forma pesquisadores há 20 anos». Globo Universidade. Globo.com. 5 de agosto de 2011. Consultado em 13 de julho de 2019. Localização: Favo 22 das Colméias 
  4. Marques, Júlia (10 de outubro de 2018). «Prédio da USP reunirá 4 grupos de pesquisas inovadoras - Educação». Estadão. Grupo Estado. Consultado em 11 de julho de 2019. O curso de Ciências Moleculares – voltado a alunos de graduação com interesse em pesquisa – também ocupará o prédio. 
  5. Lobo, Roberto (22 de abril de 2014). «Curso de Ciências Moleculares nunca foi pensado para abrigar 'gênios'». Estadão. Grupo Estado. Consultado em 15 de julho de 2019. O curso se originou de discussões ocorridas ainda em meu gabinete de vice-reitor, nas quais nos preocupávamos com [...] [a necessidade de] desmontar a rígida estrutura curricular de nossos cursos centrados nos departamentos. 
  6. «RESOLUÇÃO CoG Nº 3836, DE 03 DE JULHO DE 1991». Normas USP. Universidade de São Paulo. Consultado em 18 de julho de 2019. D.O.E.: 05/07/1991 [...] RESOLUÇÃO CoG Nº 3836, DE 03 DE JULHO DE 1991 [...] Baixa o Regulamento do Curso Experimental de Ciências Moleculares. 
  7. «Página 24 da Seção 1 do Diário Oficial da União (DOU) de 14 de Junho de 1996». Seção 1. Imprensa Nacional. Diário Oficial da União: 24. 14 de junho de 1996. ISSN 1676-2339. Consultado em 18 de julho de 2019. SEXTA-FEIRA, 14 JUN 1996 [...] PORTARIA Nº 613, DE 13 DE JUNHO DE 1996 [...] Ministério da Educação e do Desporto resolve [...] reconhecer o curso de Ciências Moleculares. 
  8. Moreno, Ana Carolina (10 de fevereiro de 2014). «Conheça o curso de graduação da USP que não oferece vagas na Fuvest». G1. Globo.com. Consultado em 12 de julho de 2019 
  9. Hueck, Karin (31 de outubro de 2016). «Um Nobel na USP?». Superinteressante. Grupo Abril. Consultado em 14 de julho de 2019. [...] é comum que os mais bem classificados no vestibular recebam uma cartinha de convocação. 
  10. Matias, Lisandra (27 de abril de 2018). «Conheça o "curso secreto" da USP». Guia do Estudante. Grupo Abril. Consultado em 11 de julho de 2019. Qualquer aluno [...] pode concorrer às 25 vagas oferecidas anualmente [...] ao fim do primeiro semestre. É preciso passar por uma [...] prova de conhecimentos gerais e uma [...] dinâmica de grupo. 
  11. Harnik, Simone (14 de novembro de 2006). «Curso propõe diálogo entre ciências». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de julho de 2019. As aulas começam no segundo semestre. 
  12. Felitti, Chico (14 de julho de 2013). «Todo ano, melhores da Fuvest recebem convite para tentar curso "secreto" da USP». Revista da Folha. "Folha de S.Paulo". Consultado em 15 de julho de 2019. A primeira fase, de perguntas discursivas, restringiu-se às quatro matérias que formam a grade [biologia, química, física e matemática], mais inglês. A segunda fase –uma mesa-redonda com os concorrentes– é na primeira semana de julho. 
  13. Piza, Antonio Fernando Ribeiro de Toledo (6 de março de 2017). «Curso de Ciências Moleculares: uma singularidade nas colmeias». Revista Brasileira de Ensino de Física. 39 (3). ISSN 1806-1117. doi:10.1590/1806-9126-rbef-2016-0298. Consultado em 13 de julho de 2019 
  14. Santos, Bárbara Ferreira (21 de abril de 2014). «Alunos reclamam de falta de transparência em curso da USP». Estadão. Grupo Estado. Consultado em 15 de julho de 2019. Os selecionados têm aulas de Biologia, Física, Matemática, Química e Computação nos dois primeiros anos. Nos dois anos finais, fazem uma pesquisa e montam sua grade, [... podendo] escolher disciplinas em qualquer unidade da USP. 
  15. Soares, Luis (16 de agosto de 2013). «Estudantes rebatem matéria sobre curso de Ciências Moleculares». Pragmatismo Político. Consultado em 11 de julho de 2019. [...] existe uma garantia de que os aprovados poderão seguir suas carreiras originalmente escolhidas no vestibular, caso não estejam interessados na proposta do CCM, ou não se adaptem à experiência. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]