Ecologia humana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde agosto de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2015)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

O ramo científico da ecologia humana tem como objeto de estudo a relação do ser humano com o seu ambiente natural.

De constituição física bastante desvantajosa, o ser humano (Homo sapiens), por meio da cultura, adotou, e levou às últimas conseqüências, a estratégia de adaptar o meio ambiente ao seu corpo. Logo, assim, sobreviver, até agora e em todos os ambientes terrestres do planeta, sem adaptações corporais que levassem sequer à formação de outras sub-espécies ou mesmo de raças.

Os elementos do meio ambiente original assim manipulados passaram então também a integrar o meio ambiente dos seres humanos e dos outros elementos sujeitos aos efeitos da manipulação. O meio ambiente humano combina, assim, tanto os elementos naturais (orgânicos e inorgânicos) quanto os culturais que dão suporte à vida humana nos diversos ambientes em que ela se desenvolve e pode ser observado em diferentes escalas espaciais: do quintal de uma casa até à biosfera como um todo.

O meio ambiente humano pode ser mais ou menos favorável à manutenção da saúde humana, ou seja, à normalidade das funções orgânicas, físicas ou mentais necessárias para a sobrevivência e reprodução dos indivíduos. Há, contudo, um limite mínimo de salubridade que é aquele que possibilita a sobrevivência de uma quantidade mínima de indivíduos até a idade reprodutiva e a sua reprodução numa taxa suficiente para repôr os indivíduos mortos. Abaixo desse limite mínimo de salubridade, a espécie está fadada à extinção. Esse limite mínimo é bastante inferior aos padrões de conforto (entendido como bem-estar material) atualmente considerados civilizados. A questão intergeracional impõe, contudo, um limite máximo ao conforto usufruído por uma dada geração humana, pois este não pode ser obtido às custas dos meios necessários para a manutenção de um meio ambiente sadio para as gerações futuras.

Podemos assim definir o meio ambiente humano saudável como aquele que permite a sobrevivência por tempo indeterminado da espécie humana e, ao mesmo tempo, satisfaz, no maior grau possível, as necessidades de cada indivíduo humano, proporcionando-lhe a oportunidade de viver uma vida digna. Essa definição inclui tanto a dimensão física (o limite mínimo físico de salubridade e máximo de conforto), quanto a cultural (a necessidade de respeito a cada indivíduo humano, evitando um cinismo estatístico, e a concepção de bem de cada cultura) de um meio ambiente saudável. É, portanto, uma definição relativamente aberta e que deverá ser especificada para cada grupo cultural por meio do embate político.

Quais as causas do desflorestação: usura ou expansão urbana?

Campo de estudo da ecologia humana[editar | editar código-fonte]

Desde o surgimento da ecologia, e o posterior aparecimento da ecologia humana, existe uma questão central dessa disciplina. Qual é o escopo, ou, a que ciência pertence a ecologia humana? Várias ciências reivindicam propriedade sobre a ecologia humana. A biologia, com o estudo das cadeias tróficas e o ser humano, por exemplo, a geografia humana, com as dispersões populacionais e os estudos migratórios, a sociologia, através da pesquisa social-metabólica das comunidades humanas, a antropologia, com os estudos adaptativos-culturais da raça humana e a psicologia, através das pesquisas que relacionam o meio-ambiente e o comportamento humano. De fato a ecologia humana é uma ciência transdisciplinar, que toca todos esses campos e exige, para uma pesquisa séria, uma cuidadosa escolha do objeto de estudo e a escolha da, ou das, metodologias e disciplinas envolvidas na pesquisa. Sem dúvida, a ecologia humana é uma ciência nova, que tem ainda, como uma caixa de pandora, muito a dar para evolução da ciência humana, contribuindo com as bases teóricas do desenvolvimento sustentável e apontando limites e perspectivas que o homem precisa ter no seu processo evolutivo no planeta Terra.

Principais cientistas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

"Zonas mortas" regiões do mar pobres em oxigênio. Os círculos vermelhos mostram a localização e o tamanho de muitas zonas mortas. Preto mostram zonas mortas de tamanho desconhecido.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Avila-Pires, Fernando de. Princípios da ecologia humana. Porto Alegre, RGS, Ed da UFRGS/ Brasília, CNPQ, 1983

Forattini, Oswaldo Paulo. Ecologia, epidemiologia e sociedade. SP, Artes médicas; EDUSP, 1992

Marques, Juracy. Ecologia da Alma. Petrolina, PE, Franciscana, 2012.

Morán, Emílio F. A ecologia humana das populações da Amazônia. Petrópolis, RJ, Vozes, 1990

Overhage, Paul. Ecologia humana, a tragédia do poluição. Petrópolis, RJ, Vozes, 1970

Pierson, Donald (org). Estudos de ecologia humana. Leituras de sociologia e antropologia social. SP, Martins, 1970

Vieira, Liszt; Bredariol,Celso Cidadania e política ambiental. RJ, Record, 2006 Google Livros Jul. 2011