Psicobiologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A psicologia biológica, também conhecida como Neurociência Comportamental, [1] biopsicologia ou Psicobiologia [2] é a aplicação dos princípios da biologia para o estudo fisiológico, genético, e dos mecanismos do desenvolvimento que afetam o comportamento, dos seres humanos e de outros animais. [3] É tipicamente investigada ao nível de neurônios, neurotransmissores, hormônios do sistema nervoso central e dos processos evolutivos e de desenvolvimento que fundamentam o comportamento normal e anormal.[2] Muitas vezes, os experimentos em neurociência comportamental envolvem modelos animais (como ratos, camundongos e primatas não humanos) que têm implicações para a melhor compreensão da patologia humana e, portanto, contribuem para prática baseada em evidência. [4]

História[editar | editar código-fonte]

A neurociência comportamental como disciplina científica surgiu a partir de uma variedade de tradições científicas e filosóficas nos séculos XVIII e XIX. Na filosofia, pessoas como René Descartes propuseram modelos baseados na física para explicar o comportamento animal e humano. Descartes, por exemplo, sugeriu que o glândula pineal seria o ponto de ligação entre a mente e o corpo. Descartes também elaborou uma teoria pneumática em que os de fluidos corporais poderiam explicar reflexos e outros comportamentos motores. Esta teoria foi inspirada enquanto caminhava por entre estátuas em um jardim em Paris [5].

Outros filósofos também ajudaram a dar à luz a Neurociência comportamental. Um dos primeiros livros no novo campo, Os Princípios da Psicologia por William James (1890), argumenta que o estudo científico da psicologia deveria ser fundamentada em uma ampla compreensão da biologia:

James, como muitos dos primeiros psicólogos, teve uma formação considerável em fisiologia. Os próprios surgimentos da psicologia e da neurociência comportamental como ciências podem ser rastreadas desde o surgimento da fisiologia e da anatomia, particularmente neuroanatomia [7]. Os trabalhos influentes de Claude Bernard, Charles Bell e William Harvey ajudaram a convencer a comunidade científica que dado confiáveis poderiam ser obtidos a partir de indivíduos vivos.

A questão que parece surgir continuamente é o que é a conexão entre a mente eo corpo. O debate é formalmente conhecido como o problema mente-corpo. Existem duas grandes escolas de pensamento que tentam resolver o problema mente-corpo; monismo e dualismo.[5] Platão e Aristóteles são dois dos vários filósofos que participaram neste debate. Platão acreditavam que o cérebro era o lugar onde todos os pensamentos e processos mentais acontecem. Em contraste, Aristóteles acreditava que o cérebro servia ao propósito de arrefecimento das emoções derivadas do coração. [5] O problema mente-corpo foi um trampolim para tentar entender a conexão entre a mente e o corpo.

Outro debate surgido foi sobre a localização da função ou especialização funcional (cérebro) versus equipotencialidade que desempenharam um papel significativo no desenvolvimento da neurociência comportamental. Como resultado da especialização funcional, muitas pessoas famosas, dentro das ciências psicológicas têm tirado várias conclusões diferentes. Wilder Penfield foi capaz de desenvolver um mapa do córtex cerebral através do estudo pacientes epiléticos, juntamente com Rassmussen. A investigação sobre a localização da função levou neurocientista comportamental para uma melhor compreensão de quais partes do cérebro controlam o comportamento. Este é melhor exemplificada através do estudo de caso de Phineas Gage.

O termo "Psicobiologia" tem sido usado em uma variedade de contextos, ressaltando a importância da biologia, que é a disciplina que estuda orgânico, neural e modificações celulares no comportamento, a plasticidade em neurociência e doenças biológicos em todos os aspectos, além disso, biologia concentra e analisa o comportamento e todos os assuntos que está preocupado com, a partir de um ponto de vista científico. Neste contexto, a psicologia ajuda como uma disciplina complementar, mas importante nas ciências neurobiológicos. O papel da psicologia na estas questões é a de uma ferramenta social que faz o backup do principal ou ciência biológica mais forte. O termo "Psicobiologia" foi usado pela primeira vez no seu sentido moderno por Cavaleiro Dunlap em seu livro Um esboço de Psicobiologia (1914). [8] Dunlap foi também o fundador e editor-chefe da revista Psicobiologia. No anúncio de jornal que, Dunlap escreve que o jornal vai publicar pesquisas "... sobre a interconexão das funções mentais e fisiológicos", que descreve o campo de neurociência comportamental, mesmo em seu sentido moderno.[8]

Referências

  1. Breedlove, Watson, Rosenzweig , "Psicologia Biológica: Uma introdução a Neurociência Comportamental e Cognitiva, 6/e, ISBN 978-0-87893-705-9, p. 2
  2. a b [1], BRANDÃO, Marcus Lira - As bases biológicas do comportamento: introdução à neurociência. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária, 2004. 223p. ilus. ISBN 85-12-40630-5
  3. [2], SOUZA, Marlene Cabral de; GOMES, Claudia. Neurociência e o déficit intelectual: aportes para a ação pedagógica. Rev. psicopedag., São Paulo , v. 32, n. 97, 2015 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-84862015000100011&lng=pt&nrm=iso>. acessos em 26 dez. 2015.
  4. [3], EL DIB, R. P. - EL DIB, Regina Paolucci. Como praticar a medicina baseada em evidências. J Vasc Bras, v. 6, n. 01, 2007.
  5. a b c Carlson, Neil (2007). Physiology of Behavior (9th Ed.) Allyn and Bacon [S.l.] pp. 11–14. ISBN 0-205-46724-5. 
  6. James, William (1950/1890). Os Princípios da Psicologia, Vol. 1 Dover Publications, Inc. [S.l.] pp. 4–5. ISBN 0-486-20381-6. 
  7. Shepherd, Gordon M. (1991). Foundations of the Neuron Doctrine Oxford University Press [S.l.] ISBN 0-19-506491-7. 
  8. a b Dewsbury, Donald (1991). «Psychobiology». American Psychologist [S.l.: s.n.] 46: 198–205. doi:10.1037/0003-066x.46.3.198.