Donald Olding Hebb

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Donald Olding Hebb
Nascimento 22 de julho de 1904
Chester, Nova Scotia, Canadá
Morte 20 de agosto de 1985 (81 anos)
Chester, Nova Scotia, Canadá
Residência Canadá,
Estados Unidos
Nacionalidade canadense
Alma mater Dalhousie University,
McGill University,
Harvard University
Ocupação Psicólogo
Principais trabalhos Teoria hebbiana
Prêmios Fellow of the Royal Society[1]

Donald Olding Hebb (19041985) foi um psicólogo canadense influente na área de neuropsicologia, na qual procurou entender como a função dos neurônios contribuía para processos psicológicos como a memória e o aprendizado. Ele é mais conhecido por sua teoria hebbiana do aprendizado, que ele introduziu em sua obra clássica de 1949, The Organization of Behavior (A Organização do Comportamento).[2] Ele foi descrito como o pai da neuropsicologia e das redes neurais.[3] Uma pesquisa da revista General Psychology, publicada em 2002, classificou Hebb como o 19º psicólogo mais citado do século XX.[4] Suas opiniões sobre o aprendizado descrevem o comportamento e o pensamento em termos de função cerebral, explicando processos cognitivos em termos de conexões entre neurônios. Hebb doutorou-se na Universidade de Harvard nos Estados Unidos em 1936.

Pesquisas em privação sensorial[editar | editar código-fonte]

Prisioneiros na Base Naval de Guantanamo - Uso de Privação sensorial (2006)

O nome de Donald O. Hebb[5]esta ligado às pesquisas psicológicas que determinaram os efeitos do uso de privação sensorial e outros métodos que mais tarde vieram a fazer parte das técnicas de tortura desenvolvidas sob supervisão da CIA.Como Ewen Cameron, Hebb está também ligado à Universidade McGill no Canadá. Os resultados das pesquisas de Donald Hebb aparecem mais tarde como no caso das fotos de prisioneiros encapuzados, com óculos escurecidos e luvas grossas, ou em posições bizarras, na Prisão americana de Guantánamo e Prisão de Abu Ghraib sob comando americano. Do estudos de Hebb resultaram tais técnicas vistas como tortura. Hebb é visto como o precursor dos estudos que foram feitos no infame Projeto MKULTRA, na Universidade McGill, Canadá.

Naomi Klein[6] afirma em seu livro A Doutrina do Choque: a Ascensão do Capitalismo de Desastre[7] de que a pesquisa de Ewen Cameron no Instituto Allan Memorial e sua contribuição para o MKULTRA não eram sobre o controle da mente e lavagem cerebral, mas sim "como criar um sistema de base científica para a extração de informações de "diante de resistência." Ou seja, como criar técnicas eficazes de quebrar a resistência de um individuo - ou seja " Como aprimorar técnicas de tortura".

Ela cita o pesquisador e historiador Alfred W. McCoy[8]:"Com seus excessos bizarros, as experiências de Cameron, com base no avanço anterior de Donald O. Hebb, lançou as bases científicas para dois estágios método de tortura psicológica da CIA, afirma Alfred W. McCoy.[9][10][11]

Donald Hebb, falando em um simpósio na Universidade de Harvard sobre privação sensorial em junho de 1958, Hebb comentou:[12]

O trabalho que temos feito na Universidade McGill,[13] começou, na verdade, com o problema da lavagem cerebral. Nós não fomos autorizados a dizê-lo na primeira publicação .... "Lavagem cerebral" foi um termo que veio um pouco mais tarde, aplicado a procedimentos chineses. Nós não sabíamos quais os procedimentos russos, mas parecia que eles estavam produzindo algumas mudanças peculiares de atitude. Como? Um fator foi possível o isolamento de percepção. E nos concentramos nisso..

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Milner, P. M.; Milner, B. (1996). «Donald Olding Hebb. 22 July 1904-20 August 1985». Biographical Memoirs of Fellows of the Royal Society. 42: 192–204. doi:10.1098/rsbm.1996.0012 
  2. Hebb, Donald (1949). The Organization of Behavior. [S.l.: s.n.] 
  3. Didier, Jean-Pierre (2010). Rethinking Physical and Rehabilitation Medicine: New Technologies Induce New Learning Strategies. [S.l.]: Springer 
  4. «Eminent psychologists of the 20th century». http://www.apa.org (em inglês). Consultado em 21 de março de 2018. 
  5. Jean-Pierre Didier, Emmanuel Bigand. Rethinking Physical and Rehabilitation Medicine: New Technologies Induce New Learning Strategies.He was also part of the now revealed secret agency that tested volunteered solitary confinement prisonersPutting them through tests that can cause madness and delusion that makes humans love inanimate objects and imagining fake objects/scenarios. Springer, 2010. ISBN 978-2-8178-0033-2.
  6. C-SPAN.org: Words Naomi Klein | Video | C-SPAN.org
  7. Naomi Klein: War, Terror, Catastrophe: Profiting From 'Disaster Capitalism' | Naomi Klein
  8. Alfred W. McCoy: History - People - Faculty - Alfred W. McCoy
  9. Salon.com: The 13 people who made torture possible - Salon.com
  10. Democracy Now!: Professor McCoy Exposes the History of CIA Interrogation, From the Cold War to the War on Terror | Democracy Now!
  11. TomDispatch: Alfred McCoy | Authors | TomDispatch
  12. Solomon, P., Kubzansky, Philip E., Leiderman, P. Herbert, Mendelson, Jack H., Trumbull, Richard, & Wexler, Donald , Eds. (1961). Sensory Deprivation: A Symposium Held at Harvard Medical School. Cambridge, MA, Harvard University Press.
  13. mcgilldaily.com: The McGill Daily » Arthur Porter