Epigenética do comportamento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A epigenética comportamental é o campo de estudo que examina o papel da epigenética na formação do comportamento animal (incluindo humano).[1] Ela busca explicar como a criação molda a natureza,[2] em que natureza se refere à hereditariedade biológica[3] e criação se refere a praticamente tudo que ocorre durante a vida (por exemplo, experiência social, dieta e nutrição e exposição a toxinas).[4] A epigenética comportamental tenta fornecer uma estrutura para a compreensão de como a expressão dos genes é influenciada pelas experiências e pelo ambiente[5] para produzir diferenças individuais no comportamento,[6] cognição,[2] personalidade[7] e saúde mental.[8][9]

A regulação epigenética da expressão gênica envolve outras mudanças além da sequência do DNA e inclui mudanças nas histonas (proteínas em torno das quais o DNA é envolvido) e metilação do DNA, além de modificações pós-transcricionais por RNAs não codificantes.[10][4][11] Essas mudanças epigenéticas podem influenciar o crescimento dos neurônios no cérebro em desenvolvimento[12], bem como modificar a atividade dos neurônios no cérebro adulto.[13][14] Juntas, essas mudanças epigenéticas na estrutura e função dos neurônios podem ter uma influência marcante no comportamento de um organismo.[1]

Plano de fundo[editar | editar código-fonte]

Em biologia, e especificamente na genética, epigenética é o estudo de mudanças hereditárias na atividade do gene que não são causadas por mudanças na sequência do DNA; o termo também pode ser usado para descrever o estudo de alterações estáveis de longo prazo no potencial de transcrição de uma célula que não são necessariamente hereditárias.[15][16]

Exemplos de mecanismos que produzem tais mudanças são a metilação do DNA[17] e a modificação das histonas,[18] cada um dos quais altera a forma como os genes são expressos sem alterar a sequência de DNA subjacente. A expressão do gene pode ser controlada por meio da ação de proteínas repressoras que se ligam às regiões silenciadoras do DNA.

As modificações do epigenoma não alteram o DNA.

A metilação do DNA "desliga" um gene – resulta na incapacidade da informação genética de ser lida do DNA; remover o marcador de metila pode ativar o gene de volta.[19][20]

A epigenética tem uma forte influência no desenvolvimento de um organismo e pode alterar a expressão de características individuais.[11] Mudanças epigenéticas ocorrem não apenas no feto em desenvolvimento, mas também em indivíduos ao longo da vida humana.[4][21] Como algumas modificações epigenéticas podem ser passadas de uma geração para a próxima,[22] as gerações subsequentes podem ser afetadas pelas mudanças epigenéticas que ocorreram nos pais.[22]

Descoberta[editar | editar código-fonte]

O primeiro exemplo documentado de epigenética afetando o comportamento foi fornecido por Michael Meaney e Moshe Szyf.[23] Enquanto trabalhavam na Universidade McGill em Montreal em 2004, eles descobriram que o tipo e a quantidade de cuidados que uma rata mãe fornece nas primeiras semanas da infância da prole determina como o rato filhote responde ao estresse mais tarde na vida.[4] Essa sensibilidade ao estresse foi associada a uma regulação negativa na expressão do receptor de glicocorticoide no cérebro. Por sua vez, essa regulação negativa foi considerada uma consequência da extensão da metilação na região promotora do gene do receptor de glicocorticoide.[1] Imediatamente após o nascimento, Meaney e Szyf descobriram que os grupos metil reprimem o gene do receptor de glicocorticoide em todos os filhotes de ratos, tornando o gene incapaz de se desenrolar da histona para ser transcrito, causando uma diminuição na resposta ao estresse. Descobriu-se que os comportamentos cuidadores da mãe rata estimulam a ativação das vias de sinalização de estresse que removem os grupos metil do DNA. Isso libera o gene firmemente enrolado, expondo-o para transcrição. O gene glicocorticoide é ativado, resultando em resposta reduzida ao estresse. Filhotes de ratos que recebem uma criação com menos cuidados maternos são mais sensíveis ao estresse ao longo de sua vida.[23]

Pesquisa em epigenética na psicologia[editar | editar código-fonte]

Personalidade[editar | editar código-fonte]

A interação com o ambiente, tanto pré-natal quanto pós-natal, influencia a modulação dos genes no desenvolvimento sináptico e na neuroplasticidade; em consequência, traços de personalidade são influenciados em suas dimensões de temperamento e caráter através da determinação epigenética;[24][25] Um exemplo é a regulação de polimorfismos gênicos envolvidos no metabolismo da serotonina e dopamina, neurotransmissores que modulam diferenças de personalidade.[26] Segundo C. Robert Cloninger, novas pesquisas "sugerem que a habilidade do caráter humano de autorregular a emoção pode estar relacionada à capacidade humana de autorregulação da expressão gênica, que pode ser cultivada por autoconsciência aprimorada", e há correlação de que RNA longos não-codificantes (lncRNAs) estão envolvidos em modificações epigenéticas associadas ao caráter.[24]

Ansiedade e propensão ao risco[editar | editar código-fonte]

Gêmeos monozigóticos são gêmeos idênticos. Os estudos com gêmeos ajudam a revelar diferenças epigenéticas relacionadas a vários aspectos da psicologia.

Em um pequeno estudo clínico em humanos publicado em 2008,[27] diferenças epigenéticas foram associadas a diferenças na propensão ao risco e reações ao estresse em gêmeos monozigóticos.[28] O estudo identificou gêmeos com caminhos de vida diferentes, em que um dos gêmeos exibia comportamentos de risco e o outro exibia comportamentos avessos ao risco. Diferenças epigenéticas na metilação do DNA das ilhas CpG proximais ao gene DLX1 se correlacionaram com o comportamento diferente.[28] Os autores do estudo dos gêmeos observaram que, apesar das associações entre os marcadores epigenéticos e as diferenças nos traços de personalidade, a epigenética não pode prever processos complexos de tomada de decisão, como a seleção de carreira.[28]

Estresse[editar | editar código-fonte]

Estudos em animais e humanos encontraram correlações entre cuidados inadequados durante a infância e mudanças epigenéticas que se correlacionam com deficiências de longo prazo resultantes da negligência.[29][30][31]

Estudos em ratos mostraram correlações entre o cuidado materno em termos de lambedura dos filhos e alterações epigenéticas.[29] Um alto nível de lambidas resulta em uma redução de longo prazo na resposta ao estresse, conforme medido comportamental e bioquimicamente em elementos do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA). Além disso, a metilação diminuída do DNA do gene do receptor de glicocorticóide foi encontrada na prole que experimentou um alto nível de lambedura; o receptor de glicorticoide desempenha um papel fundamental na regulação do HPA.[29] O oposto é encontrado na prole que experimentou baixos níveis de lambidas e, quando os filhotes são trocados, as alterações epigenéticas são revertidas. Esta pesquisa fornece evidências para um mecanismo epigenético subjacente.[29] Suporte adicional vem de experimentos com a mesma configuração, usando drogas que podem aumentar ou diminuir a metilação.[30] Finalmente, as variações epigenéticas no cuidado parental podem ser transmitidas de uma geração para a outra, da mãe para a prole feminina. As fêmeas que receberam maior cuidado dos pais (ou seja, lambidas intensas) tornaram-se mães que se envolveram em lambidas intensas e os filhos que receberam menos lambidas tornaram-se mães que lamberam menos.[29]

Em humanos, um pequeno estudo de pesquisa clínica mostrou a relação entre a exposição pré-natal ao humor materno e a expressão genética, resultando em maior reatividade ao estresse na prole.[4] Três grupos de bebês foram examinados: aqueles nascidos de mães medicadas para depressão com inibidores da recaptação da serotonina; aqueles que nasceram de mães deprimidas que não receberam tratamento para depressão; e aqueles nascidos de mães não deprimidas. A exposição pré-natal ao humor deprimido/ansioso foi associada ao aumento da metilação do DNA no gene do receptor de glicocorticoide e ao aumento da reatividade ao estresse do eixo HPA.[29] Os achados foram independentes do fato de as mães estarem sendo tratadas farmacologicamente para depressão ou não.[29]

Pesquisas recentes também mostraram a relação da metilação do receptor de glicocorticoide materno e a atividade neural materna em resposta às interações mãe-bebê em vídeo. O acompanhamento longitudinal desses bebês será importante para compreender o impacto do cuidado precoce nesta população de alto risco na epigenética e no comportamento infantil.[32]

Psicoterapia[editar | editar código-fonte]

Uma revisão de 2020 levantou 13 estudos de acompanhamento que mostraram que intervenções preventivas e de psicoterapia produziam alterações epigenéticas, e o crescente aumento de pesquisas indica uma atuação condizente com a afirmação de Eric Kandel de que "na medida em que a psicoterapia é bem-sucedida em provocar mudanças substantivas no comportamento, ela o faz produzindo alterações em expressão de gene"; ainda que incipiente sua aplicação, é especulado que a epigenética tem papel explicativo na formação de resiliência e numa possível "prevenção transgeracional", em que, pelo mesmo mecanismo mas de efeito oposto ao de traumas, são transmitidos os marcadores benéficos resultantes da terapia.[33]

Cognição[editar | editar código-fonte]

Aprendizagem e memória[editar | editar código-fonte]

Uma revisão de 2010 discute o papel da metilação do DNA na formação e armazenamento da memória, mas os mecanismos precisos que envolvem a função neuronal, memória e reversão da metilação permanecem obscuros.[34]

Estudos em roedores constataram que o ambiente exerce influência nas mudanças epigenéticas relacionadas à cognição, em termos de aprendizagem e memória;[4] enriquecimento de estimulação ambiental se correlacionou com o aumento da acetilação das histonas e a verificação pela administração de inibidores de histona desacetilase induziu o surgimento de dendritos, um aumento do número de sinapses e restabeleceu o comportamento de aprendizagem e o acesso a memórias de longo prazo.[1][35] A pesquisa também vinculou o aprendizado e a formação da memória de longo prazo a mudanças epigenéticas reversíveis no hipocampo e no córtex de animais com cérebros funcionando normalmente e não danificados.[1][36] Em estudos humanos, cérebros post-mortem de pacientes com Alzheimer mostram níveis aumentados de histona desacetilase[37][38]

Psicopatologia e saúde mental[editar | editar código-fonte]

O caráter multifatorial e poligênico dos distúrbios mentais envolve uma inter-relação entre genética, epigenética e ambiente, o que inclui ativação e supressão de genes por outros genes reguladores.[39] Estudos mais comumente realizados para seu rastreio são o de genes candidatos e o estudo de associação de epigenoma completo (EWAS, epigenome-wide association study).[40] Há grande associação de que adversidades pré-natais e da infância inicial, como maus tratos, exerçam influências sobre o desenvolvimento de psicopatologias, havendo ainda indícios para um potencial de transmissão intergeracional dos marcadores epigenéticos de indivíduos traumatizados.[40][41][42]

Dependência de drogas[editar | editar código-fonte]

Cascata de sinalização no núcleo accumbens que resulta em dependência de psicoestimulantes

Este diagrama descreve os eventos de sinalização no centro de recompensa do cérebro que são induzidos pela exposição crônica a altas doses de psicoestimulantes que aumentam a concentração de dopamina sináptica, como anfetamina, metanfetamina, and feniletilamina. Em seguida à coliberação de dopamina e glutamato por tais psicoestimulantes,[43][44] receptores pós-sinápticos para esses neurotransmissores desencadeiam eventos sinalizatórios internos através de uma via adenilato ciclase e uma via cálcio-dependente que em última instância resulta na fosforilação aumentada da CREB.[43][45][46] CREB fosforilada aumenta níveis de ΔFosB, o que por sua vez reprime o gene c-Fos com a ajuda de correpressores;[43][47][48] A repressão de c-Fos atua como um interruptor molecular que permite o acúmulo de ΔFosB no neurônio.[49] Uma forma altamente estável (fosforilada) de ΔFosB, uma que persiste em neurônios por 1–2 meses, lentamente se acumula após repetida exposição a estimulantes em alta dose por meio desse processo.[47][48] ΔFosB funciona como "uma das proteínas de controle mestre" que produzem alterações estruturais no cérebro relacionadas ao vício, e sob acumulação suficiente, com o auxílio de seus alvos descendentes (ex., NF-κB), ela induz um estado de dependência.[47][48]

As influências ambientais e epigenéticas parecem trabalhar juntas para aumentar o risco de adicção.[50] Por exemplo, foi demonstrado que o estresse ambiental aumenta o risco de abuso de substâncias.[51] Na tentativa de lidar com o estresse, o álcool e as drogas podem ser usados como escape.[52] Uma vez que o abuso de substâncias começa, entretanto, as alterações epigenéticas podem exacerbar ainda mais as mudanças biológicas e comportamentais associadas ao vício.[50]

Mesmo o abuso de substâncias em curto prazo pode produzir mudanças epigenéticas de longa duração no cérebro de roedores,[50] por meio da metilação do DNA e modificação das histonas.[18] Modificações epigenéticas foram observadas em estudos em roedores envolvendo etanol, nicotina, cocaína, anfetamina, metanfetamina e opiáceos.[4] Especificamente, essas mudanças epigenéticas modificam a expressão gênica, o que por sua vez aumenta a vulnerabilidade de um indivíduo a se envolver em overdose repetida de substâncias no futuro. Por sua vez, o aumento do abuso de substâncias resulta em mudanças epigenéticas ainda maiores em vários componentes do sistema de recompensa de um roedor[50] (por exemplo, no núcleo accumbens[53]). Consequentemente, surge um ciclo em que as mudanças em áreas do sistema de recompensa contribuem para as mudanças neurais e comportamentais de longa duração associadas ao aumento da probabilidade de dependência, manutenção da dependência e recaída.[50] Em humanos, o consumo de álcool demonstrou produzir alterações epigenéticas que contribuem para o aumento da fissura pelo álcool. Como tal, as modificações epigenéticas podem desempenhar um papel na progressão da ingestão controlada para a perda de controle do consumo de álcool.[54] Essas alterações podem ser de longo prazo, como é evidenciado em fumantes que ainda possuem alterações epigenéticas relacionadas à nicotina dez anos após a cessação.[55] Portanto, modificações epigenéticas[50] podem ser responsáveis por algumas das mudanças comportamentais geralmente associadas ao vício. Isso inclui: hábitos repetitivos que aumentam o risco de doenças e problemas pessoais e sociais; necessidade de gratificação imediata; altas taxas de recaída após o tratamento; e a sensação de perda de controle.[56]

Evidência para alterações epigenéticas relacionadas vieram de estudos em humanos envolvendo álcool,[57] nicotina e abuso de opiáceos. As evidências de alterações epigenéticas decorrentes do abuso de anfetaminas e cocaína derivam de estudos em animais. Em animais, alterações epigenéticas relacionadas a drogas em pais também mostraram afetar negativamente a prole em termos de memória operacional espacial mais pobre, atenção reduzida e volume cerebral diminuído.[58]

Transtornos alimentares e obesidade[editar | editar código-fonte]

As mudanças epigenéticas podem ajudar a facilitar o desenvolvimento e a manutenção dos transtornos alimentares por meio de influências no ambiente inicial e ao longo da vida.[21] Mudanças epigenéticas pré-natais devido a estresse maternal, comportamento e dieta podem predispor a prole posteriormente a ansiedade aumentada e persistente e transtornos de ansiedade. Esses problemas de ansiedade podem precipitar o aparecimento de distúrbios alimentares e obesidade e persistir mesmo após a recuperação dos distúrbios alimentares.[59]

As diferenças epigenéticas que se acumulam ao longo da vida podem ser responsáveis pelas diferenças incongruentes nos transtornos alimentares observados em gêmeos monozigóticos. Na puberdade, os hormônios sexuais podem exercer mudanças epigenéticas (via metilação do DNA) na expressão gênica, sendo responsáveis por taxas mais altas de transtornos alimentares em homens em comparação com mulheres. Em geral, a epigenética contribui para comportamentos de autocontrole desregulados e persistentes relacionados ao desejo de compulsão alimentar.[21]

Esquizofrenia[editar | editar código-fonte]

Alterações epigenéticas, incluindo hipometilação de genes glutamatérgicos (ou seja, do gene NR3B da subunidade do receptor NMDA e o promotor do gene GRIA2 da subunidade do receptor AMPA) nos cérebros humanos pós-mortem de esquizofrênicos estão associadas a níveis elevados do neurotransmissor glutamato.[60] Como o glutamato é o neurotransmissor excitatório mais prevalente e rápido, níveis elevados podem resultar em episódios psicóticos relacionados à esquizofrenia. Alterações epigenéticas que afetam um maior número de genes foram detectadas em homens com esquizofrenia em comparação com mulheres com a doença.[61]

Estudos populacionais estabeleceram uma forte associação ligando a esquizofrenia em crianças nascidas de pais mais velhos.[62][63] Especificamente, crianças nascidas de pais com mais de 35 anos têm uma probabilidade três vezes maior de desenvolver esquizofrenia.[63] Foi demonstrado que disfunção epigenética em células espermáticas masculinas humanas, afetando vários genes, aumenta com a idade. Isso fornece uma possível explicação para o aumento das taxas da doença em homens.[61][63] Para este fim, toxinas[61][63] (por exemplo, poluentes do ar) mostraram aumentar a diferenciação epigenética. Animais expostos ao ar ambiente de usinas siderúrgicas e rodovias apresentam mudanças epigenéticas drásticas que persistem após a remoção da exposição.[64] Portanto, são prováveis alterações epigenéticas semelhantes em pais humanos mais velhos.[63] Os estudos da esquizofrenia fornecem evidências de que o debate natureza versus criação no campo da psicopatologia deve ser reavaliado para acomodar o conceito de que os genes e o ambiente trabalham em conjunto. Como tal, muitos outros fatores ambientais (por exemplo, deficiências nutricionais e uso de cannabis) foram propostos para o aumento da suscetibilidade de transtornos psicóticos como a esquizofrenia via epigenética.[63]

Transtorno bipolar[editar | editar código-fonte]

As evidências de modificações epigenéticas para o transtorno bipolar não são claras.[65] Um estudo descobriu a hipometilação de um promotor de gene de uma enzima do lobo pré-frontal (isto é, catecol-O-metiltransferase ligada à membrana, ou COMT) em amostras de cérebro post-mortem de indivíduos com transtorno bipolar. COMT é uma enzima que metaboliza dopamina na sinapse. Essas descobertas sugerem que a hipometilação do promotor resulta na superexpressão da enzima. Por sua vez, isso resulta no aumento da degradação dos níveis de dopamina no cérebro. Esses achados fornecem evidências de que a modificação epigenética no lobo pré-frontal é um fator de risco para o transtorno bipolar.[66] No entanto, um segundo estudo não encontrou diferenças epigenéticas em cérebros post-mortem de indivíduos bipolares.[67]

Transtorno depressivo maior[editar | editar código-fonte]

As causas do transtorno depressivo maior (TDM) são mal compreendidas do ponto de vista da neurociência.[68] As mudanças epigenéticas que levam a mudanças na expressão do receptor de glicocorticoide e seu efeito no sistema de estresse HPA discutido acima, também foram aplicadas às tentativas de compreender o TDM.[69]

Muito do trabalho em modelos animais se concentrou na regulação negativa indireta do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) por meio da superativação do eixo do estresse.[70][71] Estudos em vários modelos de depressão em roedores, frequentemente envolvendo indução de estresse, também encontraram modulação epigenética direta do BDNF.[72]

Psicopatia[editar | editar código-fonte]

A epigenética pode ser relevante para aspectos do comportamento psicopático por meio da metilação e modificação das histonas.[73] Esses processos são hereditários, mas também podem ser influenciados por fatores ambientais, como tabagismo e abuso.[74] A epigenética pode ser um dos mecanismos pelos quais o ambiente pode impactar a expressão do genoma.[75] Estudos também ligaram a metilação de genes associados à nicotina e dependência de álcool em mulheres, TDAH e abuso de drogas.[76][77][78] É provável que a regulação epigenética, bem como o perfil de metilação, desempenhem um papel cada vez mais importante no estudo do jogo entre o ambiente e a genética dos psicopatas.[79]

Suicídio[editar | editar código-fonte]

Um estudo do cérebro de 24 suicidas, 12 dos quais tinham história de abuso infantil e 12 não, encontrou níveis reduzidos de receptor de gligocorticoides em vítimas de abuso infantil e alterações epigenéticas associadas.[80]

Insetos sociais[editar | editar código-fonte]

Diversos estudos indicam a metilação da citosina do DNA ligada ao comportamento social de insetos, como abelhas e formigas. Nas abelhas, quando a abelha cuidadora muda de suas tarefas na colmeia ao ambiente de fora, no forrageamento, as marcas de metilação da citosina estão mudando. Quando uma abelha forrageira foi revertida para as funções de cuidadora, as marcas de metilação da citosina também foram revertidas.[81] O knockdown de DNMT3 nas larvas mudou a operária para o fenótipo de rainha.[82] Rainha e operária são duas castas distintas com morfologia, comportamento e fisiologia diferentes. Estudos em silenciamento do DNMT3 também indicaram que a metilação do DNA pode regular o splicing alternativo do gene e a maturação do pré-mRNA.[83]

Limitações e direção futura[editar | editar código-fonte]

Muitos pesquisadores contribuem com informações para o Human Epigenome Consortium.[84] O objetivo de pesquisas futuras é reprogramar mudanças epigenéticas para ajudar no vício, doença mental, mudanças relacionadas à idade,[2] declínio da memória e outros problemas.[1] No entanto, o grande volume de dados baseados em consórcio torna a análise difícil.[2] A maioria dos estudos também se concentra em um gene.[85] Na verdade, muitos genes e interações entre eles provavelmente contribuem para diferenças individuais de personalidade, comportamento e saúde.[86] Como os cientistas sociais costumam trabalhar com muitas variáveis, determinar o número de genes afetados também apresenta desafios metodológicos. Mais colaboração entre pesquisadores médicos, geneticistas e cientistas sociais tem sido defendida para aumentar o conhecimento neste campo de estudo.[87]

O acesso limitado ao tecido cerebral humano representa um desafio para a realização de pesquisas em humanos.[2] Ainda não saber se as mudanças epigenéticas no sangue e nos tecidos (não cerebrais) são paralelas às modificações no cérebro, coloca ainda mais confiança na pesquisa do cérebro.[84] Embora alguns estudos epigenéticos tenham traduzido achados de animais para humanos,[80] alguns pesquisadores alertam sobre a extrapolação dos estudos com animais para humanos.[1] Uma visão observa que quando os estudos com animais não consideram como os componentes subcelulares e celulares, órgãos e todo o indivíduo interagem com as influências do meio ambiente, os resultados são muito redutores para explicar o comportamento.[86]

Alguns pesquisadores observam que as perspectivas epigenéticas provavelmente serão incorporadas aos tratamentos farmacológicos.[8] Outros alertam que mais pesquisas são necessárias, pois as drogas são conhecidas por modificar a atividade de vários genes e podem, portanto, causar efeitos colaterais graves.[1] No entanto, o objetivo final é encontrar padrões de mudanças epigenéticas que podem ser direcionados para tratar doenças mentais e reverter os efeitos dos estressores da infância, por exemplo. Se esses padrões tratáveis eventualmente se tornarem bem estabelecidos, a incapacidade de acessar cérebros em humanos vivos para identificá-los representa um obstáculo ao tratamento farmacológico.[84] Pesquisas futuras também podem enfocar as mudanças epigenéticas que medeiam o impacto da psicoterapia na personalidade e no comportamento.[29]

A maioria das pesquisas epigenéticas é correlacional; simplesmente estabelece associações. Mais pesquisas experimentais são necessárias para ajudar a estabelecer a causalidade.[88] A falta de recursos também limitou o número de estudos intergeracionais.[2] Portanto, o avanço dos estudos longitudinais[89] e multigeracionais, dependentes da experiência, será fundamental para uma maior compreensão do papel da epigenética na psicologia.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h Miller G (julho de 2010). «Epigenetics. The seductive allure of behavioral epigenetics». Science. 329: 24–7. Bibcode:2010Sci...329...24M. PMID 20595592. doi:10.1126/science.329.5987.24 
  2. a b c d e f Powledge T (2011). «Behavioral epigenetics: How nurture shapes nature». BioScience. 61: 588–592. doi:10.1525/bio.2011.61.8.4Acessível livremente  Parâmetro desconhecido |doi-access= ignorado (ajuda)
  3. Children and Their Development, Second Canadian Edition with MyDevelopmentLab. Toronto: Pearson Education Canada. 2011. ISBN 978-0-13-255770-2 
  4. a b c d e f g Moore, David S. (2015). The Developing Genome: An Introduction to Behavioral Epigenetics 1st ed. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-992234-5 
  5. a b Champagne FA, Mashoodh R (2012). «Genes in context: Gene-environment interplay and the origins of individual differences in behaviour». Current Directions in Psychological Science. 18: 127–131. doi:10.1111/j.1467-8721.2009.01622.x 
  6. Zhang TY, Meaney MJ (2010). «Epigenetics and the environmental regulation of the genome and its function». Annual Review of Psychology. 61: 439–66, C1-3. PMID 19958180. doi:10.1146/annurev.psych.60.110707.163625 
  7. Bagot RC, Meaney MJ (agosto de 2010). «Epigenetics and the biological basis of gene x environment interactions». Journal of the American Academy of Child and Adolescent Psychiatry. 49: 752–71. PMID 20643310. doi:10.1016/j.jaac.2010.06.001 
  8. a b Stuffrein-Roberts S, Joyce PR, Kennedy MA (fevereiro de 2008). «Role of epigenetics in mental disorders». The Australian and New Zealand Journal of Psychiatry. 42: 97–107. PMID 18197504. doi:10.1080/00048670701787495 
  9. Mill J, Tang T, Kaminsky Z, Khare T, Yazdanpanah S, Bouchard L, Jia P, Assadzadeh A, Flanagan J, Schumacher A, Wang SC, Petronis A (março de 2008). «Epigenomic profiling reveals DNA-methylation changes associated with major psychosis». American Journal of Human Genetics. 82: 696–711. PMC 2427301Acessível livremente. PMID 18319075. doi:10.1016/j.ajhg.2008.01.008 
  10. Rana, Ajay Kumar (24 de janeiro de 2018). «Crime investigation through DNA methylation analysis: methods and applications in forensics». Egyptian Journal of Forensic Sciences. 8. doi:10.1186/s41935-018-0042-1Acessível livremente  Parâmetro desconhecido |doi-access= ignorado (ajuda)
  11. a b Pennisi E (agosto de 2001). «Behind the scenes of gene expression». Science. 293: 1064–7. PMID 11498570. doi:10.1126/science.293.5532.1064 
  12. Juliandi B, Abematsu M, Nakashima K (agosto de 2010). «Epigenetic regulation in neural stem cell differentiation». Development, Growth & Differentiation. 52: 493–504. PMID 20608952. doi:10.1111/j.1440-169X.2010.01175.x 
  13. Ma DK, Marchetto MC, Guo JU, Ming GL, Gage FH, Song H (novembro de 2010). «Epigenetic choreographers of neurogenesis in the adult mammalian brain». Nature Neuroscience. 13: 1338–44. PMC 3324277Acessível livremente. PMID 20975758. doi:10.1038/nn.2672 
  14. Sun J, Sun J, Ming GL, Song H (março de 2011). «Epigenetic regulation of neurogenesis in the adult mammalian brain». The European Journal of Neuroscience. 33: 1087–93. PMC 3076719Acessível livremente. PMID 21395852. doi:10.1111/j.1460-9568.2011.07607.x 
  15. Bird A (maio de 2007). «Perceptions of epigenetics». Nature. 447: 396–8. Bibcode:2007Natur.447..396B. PMID 17522671. doi:10.1038/nature05913 
  16. «Overview of the Roadmap Epigenomics Project» 
  17. Mehler MF (dezembro de 2008). «Epigenetic principles and mechanisms underlying nervous system functions in health and disease». Progress in Neurobiology. 86: 305–41. PMC 2636693Acessível livremente. PMID 18940229. doi:10.1016/j.pneurobio.2008.10.001 
  18. a b Maze I, Nestler EJ (janeiro de 2011). «The epigenetic landscape of addiction». Annals of the New York Academy of Sciences. 1216: 99–113. Bibcode:2011NYASA1216...99M. PMC 3071632Acessível livremente. PMID 21272014. doi:10.1111/j.1749-6632.2010.05893.x 
  19. Reik W (maio de 2007). «Stability and flexibility of epigenetic gene regulation in mammalian development». Nature. 447: 425–32. Bibcode:2007Natur.447..425R. PMID 17522676. doi:10.1038/nature05918 
  20. Gottesman II, Hanson DR (2005). «Human development: biological and genetic processes». Annual Review of Psychology. 56: 263–86. PMID 15709936. doi:10.1146/annurev.psych.56.091103.070208 
  21. a b c Campbell IC, Mill J, Uher R, Schmidt U (janeiro de 2011). «Eating disorders, gene-environment interactions and epigenetics». Neuroscience and Biobehavioral Reviews. 35: 784–93. PMID 20888360. doi:10.1016/j.neubiorev.2010.09.012 
  22. a b Goto T, Monk M (junho de 1998). «Regulation of X-chromosome inactivation in development in mice and humans». Microbiology and Molecular Biology Reviews. 62: 362–78. PMC 98919Acessível livremente. PMID 9618446. doi:10.1128/MMBR.62.2.362-378.1998 
  23. a b Weaver IC, Cervoni N, Champagne FA, D'Alessio AC, Sharma S, Seckl JR, Dymov S, Szyf M, Meaney MJ (agosto de 2004). «Epigenetic programming by maternal behavior». Nature Neuroscience. 7: 847–54. PMID 15220929. doi:10.1038/nn1276 
  24. a b Cloninger, C. Robert (20 de fevereiro de 2020). «Genetics of personality disorders». In: Geddes, John R.; Andreasen, Nancy C. New Oxford Textbook of Psychiatry (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press 
  25. Depue, Richard A.; Fu, Yu (1 de outubro de 2012). «Neurobiology and Neurochemistry of Temperament in Adults». In: Zentner, Marcel; Shiner, Rebecca L. Handbook of Temperament (em inglês). [S.l.]: Guilford Press 
  26. Cloninger, C. Robert (2 de abril de 2007). «Genetics». In: Oldham, John M.; Skodol, Andrew E.; Bender, Donna S. The American Psychiatric Publishing Textbook of Personality Disorders (em inglês). [S.l.]: American Psychiatric Pub 
  27. Kaminsky Z, Petronis A, Wang SC, Levine B, Ghaffar O, Floden D, Feinstein A (fevereiro de 2008). «Epigenetics of personality traits: an illustrative study of identical twins discordant for risk-taking behavior». Twin Research and Human Genetics. 11: 1–11. PMID 18251670. doi:10.1375/twin.11.1.1 
  28. a b c Kaminsky Z, Petronis A, Wang SC, Levine B, Ghaffar O, Floden D, Feinstein A (fevereiro de 2008). «Epigenetics of personality traits: an illustrative study of identical twins discordant for risk-taking behavior». Twin Research and Human Genetics. 11: 1–11. PMID 18251670. doi:10.1375/twin.11.1.1 
  29. a b c d e f g h Masterpasqua F (2009). «Psychology and epigenetics». Review of General Psychology. 13: 194–201. doi:10.1037/a0016301 
  30. a b Szyf M, McGowan P, Meaney MJ (janeiro de 2008). «The social environment and the epigenome». Environmental and Molecular Mutagenesis. 49: 46–60. PMID 18095330. doi:10.1002/em.20357 
  31. González-Pardo H, Pérez Álvarez M (fevereiro de 2013). «Epigenetics and its implications for Psychology». Psicothema. 25: 3–12. PMID 23336536. doi:10.7334/psicothema2012.327 
  32. Schechter DS, Moser DA, Giacobino A, Stenz L, Gex-Fabry M, Adouan W, Cordero MI, Suardi F, Manini A, Sancho-Rossignol A, Merminod G, Aue T, Ansermet F, Dayer AG, Rusconi-Serpa S. (epub maio de 29, 2015) Methylation of NR3C1 is related to maternal PTSD, parenting stress and maternal medial prefrontal cortical activity in response to child separation among mothers with histories of violence exposure. Frontiers in Psychology. http://journal.frontiersin.org/article/10.3389/fpsyg.2015.00690/abstract
  33. Schiele, Miriam A.; Gottschalk, Michael G.; Domschke, Katharina (1 de abril de 2020). «The applied implications of epigenetics in anxiety, affective and stress-related disorders - A review and synthesis on psychosocial stress, psychotherapy and prevention». Clinical Psychology Review (em inglês) (101830). ISSN 0272-7358. doi:10.1016/j.cpr.2020.101830. Consultado em 10 de fevereiro de 2021 
  34. Day JJ, Sweatt JD (novembro de 2010). «DNA methylation and memory formation». Nature Neuroscience. 13: 1319–23. PMC 3130618Acessível livremente. PMID 20975755. doi:10.1038/nn.2666 
  35. Fischer A, Sananbenesi F, Wang X, Dobbin M, Tsai LH (maio de 2007). «Recovery of learning and memory is associated with chromatin remodelling». Nature. 447: 178–82. Bibcode:2007Natur.447..178F. PMID 17468743. doi:10.1038/nature05772 
  36. Gupta S, Kim SY, Artis S, Molfese DL, Schumacher A, Sweatt JD, Paylor RE, Lubin FD (março de 2010). «Histone methylation regulates memory formation». The Journal of Neuroscience. 30: 3589–99. PMC 2859898Acessível livremente. PMID 20219993. doi:10.1523/JNEUROSCI.3732-09.2010 
  37. Gräff J, Rei D, Guan JS, Wang WY, Seo J, Hennig KM, Nieland TJ, Fass DM, Kao PF, Kahn M, Su SC, Samiei A, Joseph N, Haggarty SJ, Delalle I, Tsai LH (março de 2012). «An epigenetic blockade of cognitive functions in the neurodegenerating brain». Nature. 483: 222–6. Bibcode:2012Natur.483..222G. PMC 3498952Acessível livremente. PMID 22388814. doi:10.1038/nature10849 
  38. Peleg S, Sananbenesi F, Zovoilis A, Burkhardt S, Bahari-Javan S, Agis-Balboa RC, Cota P, Wittnam JL, Gogol-Doering A, Opitz L, Salinas-Riester G, Dettenhofer M, Kang H, Farinelli L, Chen W, Fischer A (maio de 2010). «Altered histone acetylation is associated with age-dependent memory impairment in mice». Science. 328: 753–6. Bibcode:2010Sci...328..753P. PMID 20448184. doi:10.1126/science.1186088 
  39. Fries, Gabriel R. (2020). «Genética e Epigenética dos Transtornos Psiquiátricos». In: Quevedo, João; Izquierdo, Ivan. Neurobiologia dos Transtornos Psiquiátricos. [S.l.]: Artmed Editora 
  40. a b Brown, Mindy; Conradt, Elizabeth; Crowell, Sheila E. (2020). «Epigenetic Foundations of Emotional Dysregulation». In: Beauchaine, Theodore P.; Crowell, Sheila Elizabeth. The Oxford Handbook of Emotion Dysregulation (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press 
  41. Provenzi, Livio; Montirosso, Rosario (12 de novembro de 2020). Developmental Human Behavioral Epigenetics: Principles, Methods, Evidence, and Future Directions (em inglês). [S.l.]: Academic Press 
  42. O'Donnell, Kieran J.; Meaney, Michael J. (7 de maio de 2020). «Epigenetics, Development, and Psychopathology». Annual Review of Clinical Psychology (em inglês) (1): 327–350. ISSN 1548-5943. doi:10.1146/annurev-clinpsy-050718-095530. Consultado em 10 de fevereiro de 2021 
  43. a b c Renthal W, Nestler EJ (setembro de 2009). «Chromatin regulation in drug addiction and depression». Dialogues in Clinical Neuroscience. 11 (3): 257–268. PMC 2834246Acessível livremente. PMID 19877494. [Psychostimulants] increase cAMP levels in striatum, which activates protein kinase A (PKA) and leads to phosphorylation of its targets. This includes the cAMP response element binding protein (CREB), the phosphorylation of which induces its association with the histone acetyltransferase, CREB binding protein (CBP) to acetylate histones and facilitate gene activation. This is known to occur on many genes including fosB and c-fos in response to psychostimulant exposure. ΔFosB is also upregulated by chronic psychostimulant treatments, and is known to activate certain genes (eg, cdk5) and repress others (eg, c-fos) where it recruits HDAC1 as a corepressor. ... Chronic exposure to psychostimulants increases glutamatergic [signaling] from the prefrontal cortex to the NAc. Glutamatergic signaling elevates Ca2+ levels in NAc postsynaptic elements where it activates CaMK (calcium/calmodulin protein kinases) signaling, which, in addition to phosphorylating CREB, also phosphorylates HDAC5. 
    Figure 2: Psychostimulant-induced signaling events
  44. Broussard JI (janeiro de 2012). «Co-transmission of dopamine and glutamate». The Journal of General Physiology. 139 (1): 93–96. PMC 3250102Acessível livremente. PMID 22200950. doi:10.1085/jgp.201110659. Coincident and convergent input often induces plasticity on a postsynaptic neuron. The NAc integrates processed information about the environment from basolateral amygdala, hippocampus, and prefrontal cortex (PFC), as well as projections from midbrain dopamine neurons. Previous studies have demonstrated how dopamine modulates this integrative process. For example, high frequency stimulation potentiates hippocampal inputs to the NAc while simultaneously depressing PFC synapses (Goto and Grace, 2005). The converse was also shown to be true; stimulation at PFC potentiates PFC–NAc synapses but depresses hippocampal–NAc synapses. In light of the new functional evidence of midbrain dopamine/glutamate co-transmission (references above), new experiments of NAc function will have to test whether midbrain glutamatergic inputs bias or filter either limbic or cortical inputs to guide goal-directed behavior. 
  45. Kanehisa Laboratories (10 de outubro de 2014). «Amphetamine – Homo sapiens (human)». KEGG Pathway. Consultado em 31 de outubro de 2014. Most addictive drugs increase extracellular concentrations of dopamine (DA) in nucleus accumbens (NAc) and medial prefrontal cortex (mPFC), projection areas of mesocorticolimbic DA neurons and key components of the "brain reward circuit". Amphetamine achieves this elevation in extracellular levels of DA by promoting efflux from synaptic terminals. ... Chronic exposure to amphetamine induces a unique transcription factor delta FosB, which plays an essential role in long-term adaptive changes in the brain. 
  46. Cadet JL, Brannock C, Jayanthi S, Krasnova IN (2015). «Transcriptional and epigenetic substrates of methamphetamine addiction and withdrawal: evidence from a long-access self-administration model in the rat». Molecular Neurobiology. 51 (2): 696–717. PMC 4359351Acessível livremente. PMID 24939695. doi:10.1007/s12035-014-8776-8. Figure 1 
  47. a b c Robison AJ, Nestler EJ (novembro de 2011). «Transcriptional and epigenetic mechanisms of addiction». Nature Reviews Neuroscience. 12 (11): 623–637. PMC 3272277Acessível livremente. PMID 21989194. doi:10.1038/nrn3111. ΔFosB serves as one of the master control proteins governing this structural plasticity. ... ΔFosB also represses G9a expression, leading to reduced repressive histone methylation at the cdk5 gene. The net result is gene activation and increased CDK5 expression. ... In contrast, ΔFosB binds to the c-fos gene and recruits several co-repressors, including HDAC1 (histone deacetylase 1) and SIRT 1 (sirtuin 1). ... The net result is c-fos gene repression. 
    Figure 4: Epigenetic basis of drug regulation of gene expression
  48. a b c Nestler EJ (dezembro de 2012). «Transcriptional mechanisms of drug addiction». Clinical Psychopharmacology and Neuroscience. 10 (3): 136–143. PMC 3569166Acessível livremente. PMID 23430970. doi:10.9758/cpn.2012.10.3.136. The 35-37 kD ΔFosB isoforms accumulate with chronic drug exposure due to their extraordinarily long half-lives. ... As a result of its stability, the ΔFosB protein persists in neurons for at least several weeks after cessation of drug exposure. ... ΔFosB overexpression in nucleus accumbens induces NFκB ... In contrast, the ability of ΔFosB to repress the c-Fos gene occurs in concert with the recruitment of a histone deacetylase and presumably several other repressive proteins such as a repressive histone methyltransferase 
  49. Nestler EJ (outubro de 2008). «Transcriptional mechanisms of addiction: Role of ΔFosB». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences. 363 (1507): 3245–3255. PMC 2607320Acessível livremente. PMID 18640924. doi:10.1098/rstb.2008.0067. Recent evidence has shown that ΔFosB also represses the c-fos gene that helps create the molecular switch—from the induction of several short-lived Fos family proteins after acute drug exposure to the predominant accumulation of ΔFosB after chronic drug exposure 
  50. a b c d e f Wong CC, Mill J, Fernandes C (março de 2011). «Drugs and addiction: an introduction to epigenetics». Addiction. 106: 480–9. PMID 21205049. doi:10.1111/j.1360-0443.2010.03321.x 
  51. Andersen SL, Teicher MH (abril de 2009). «Desperately driven and no brakes: developmental stress exposure and subsequent risk for substance abuse». Neuroscience and Biobehavioral Reviews. 33: 516–24. PMC 2688959Acessível livremente. PMID 18938197. doi:10.1016/j.neubiorev.2008.09.009 
  52. «Coping». The Handbook of Stress Science: Biology, Psychology, and Health. New York: Springer Publishing Company. 2010. 223 páginas. ISBN 978-0-8261-1471-6 
  53. Renthal W, Nestler EJ (agosto de 2008). «Epigenetic mechanisms in drug addiction». Trends in Molecular Medicine. 14: 341–50. PMC 2753378Acessível livremente. PMID 18635399. doi:10.1016/j.molmed.2008.06.004 
  54. Naassila M (2011). «Abstracts of ESBRA 2011, European Society for Biomedical Research on Alcoholism. Vienna, Austria. September 4–7, 2011». Alcohol and Alcoholism. 46 Suppl 1: i1-63. PMID 21863600. doi:10.1093/alcalc/agr085Acessível livremente  Parâmetro desconhecido |doi-access= ignorado (ajuda)
  55. Launay JM, Del Pino M, Chironi G, Callebert J, Peoc'h K, Mégnien JL, Mallet J, Simon A, Rendu F (2009). «Smoking induces long-lasting effects through a monoamine-oxidase epigenetic regulation». PLOS ONE. 4: e7959. Bibcode:2009PLoSO...4.7959L. PMC 2775922Acessível livremente. PMID 19956754. doi:10.1371/journal.pone.0007959 
  56. Marlatt GA, Baer JS, Donovan DM, Kivlahan DR (1988). «Addictive behaviors: etiology and treatment». Annual Review of Psychology. 39: 223–52. PMID 3278676. doi:10.1146/annurev.ps.39.020188.001255 
  57. Bönsch D, Lenz B, Reulbach U, Kornhuber J, Bleich S (dezembro de 2004). «Homocysteine associated genomic DNA hypermethylation in patients with chronic alcoholism». Journal of Neural Transmission. 111: 1611–6. PMID 15565495. doi:10.1007/s00702-004-0232-x 
  58. He F, Lidow IA, Lidow MS (2006). «Consequences of paternal cocaine exposure in mice». Neurotoxicology and Teratology. 28: 198–209. PMID 16458479. doi:10.1016/j.ntt.2005.12.003 
  59. Raney TJ, Thornton LM, Berrettini W, Brandt H, Crawford S, Fichter MM, Halmi KA, Johnson C, Kaplan AS, LaVia M, Mitchell J, Rotondo A, Strober M, Woodside DB, Kaye WH, Bulik CM (maio de 2008). «Influence of overanxious disorder of childhood on the expression of anorexia nervosa». The International Journal of Eating Disorders. 41: 326–32. PMID 18213688. doi:10.1002/eat.20508 
  60. «Epigenetics in Psychiatry». Epigenetic Aspects of Chronic Diseases. Berlin: Springer. 2011. pp. 163–174. ISBN 978-1-84882-643-4 
  61. a b c Abdolmaleky HM, Thiagalingam S, Wilcox M (2005). «Genetics and epigenetics in major psychiatric disorders: dilemmas, achievements, applications, and future scope». American Journal of Pharmacogenomics. 5: 149–60. PMID 15952869. doi:10.2165/00129785-200505030-00002 
  62. Malaspina D, Harlap S, Fennig S, Heiman D, Nahon D, Feldman D, Susser ES (abril de 2001). «Advancing paternal age and the risk of schizophrenia». Archives of General Psychiatry. 58: 361–7. PMID 11296097. doi:10.1001/archpsyc.58.4.361Acessível livremente  Parâmetro desconhecido |doi-access= ignorado (ajuda)
  63. a b c d e f Rutten BP, Mill J (novembro de 2009). «Epigenetic mediation of environmental influences in major psychotic disorders». Schizophrenia Bulletin. 35: 1045–56. PMC 2762629Acessível livremente. PMID 19783603. doi:10.1093/schbul/sbp104 
  64. Yauk C, Polyzos A, Rowan-Carroll A, Somers CM, Godschalk RW, Van Schooten FJ, Berndt ML, Pogribny IP, Koturbash I, Williams A, Douglas GR, Kovalchuk O (janeiro de 2008). «Germ-line mutations, DNA damage, and global hypermethylation in mice exposed to particulate air pollution in an urban/industrial location». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 105: 605–10. Bibcode:2008PNAS..105..605Y. PMC 2206583Acessível livremente. PMID 18195365. doi:10.1073/pnas.0705896105 
  65. McGowan PO, Kato T (janeiro de 2008). «Epigenetics in mood disorders». Environmental Health and Preventive Medicine. 13: 16–24. PMC 2698240Acessível livremente. PMID 19568875. doi:10.1007/s12199-007-0002-0 
  66. Abdolmaleky HM, Cheng KH, Faraone SV, Wilcox M, Glatt SJ, Gao F, Smith CL, Shafa R, Aeali B, Carnevale J, Pan H, Papageorgis P, Ponte JF, Sivaraman V, Tsuang MT, Thiagalingam S (novembro de 2006). «Hypomethylation of MB-COMT promoter is a major risk factor for schizophrenia and bipolar disorder». Human Molecular Genetics. 15: 3132–45. PMC 2799943Acessível livremente. PMID 16984965. doi:10.1093/hmg/ddl253 
  67. Dempster EL, Mill J, Craig IW, Collier DA (2006). «The quantification of COMT mRNA in post mortem cerebellum tissue: diagnosis, genotype, methylation and expression». BMC Medical Genetics. 7. 10 páginas. PMC 1456954Acessível livremente. PMID 16483362. doi:10.1186/1471-2350-7-10 
  68. Massart R, Mongeau R, Lanfumey L (setembro de 2012). «Beyond the monoaminergic hypothesis: neuroplasticity and epigenetic changes in a transgenic mouse model of depression». Philosophical Transactions of the Royal Society of London. Series B, Biological Sciences. 367: 2485–94. PMC 3405682Acessível livremente. PMID 22826347. doi:10.1098/rstb.2012.0212 
  69. Pariante CM, Lightman SL (setembro de 2008). «The HPA axis in major depression: classical theories and new developments». Trends in Neurosciences. 31: 464–8. PMID 18675469. doi:10.1016/j.tins.2008.06.006 
  70. Tsankova NM, Berton O, Renthal W, Kumar A, Neve RL, Nestler EJ (abril de 2006). «Sustained hippocampal chromatin regulation in a mouse model of depression and antidepressant action». Nature Neuroscience. 9: 519–25. PMID 16501568. doi:10.1038/nn1659 
  71. Gray JD, Milner TA, McEwen BS (junho de 2013). «Dynamic plasticity: the role of glucocorticoids, brain-derived neurotrophic factor and other trophic factors». Neuroscience. 239: 214–27. PMC 3743657Acessível livremente. PMID 22922121. doi:10.1016/j.neuroscience.2012.08.034 
  72. Hunter RG (2012). «Epigenetic effects of stress and corticosteroids in the brain». Frontiers in Cellular Neuroscience. 6. 18 páginas. PMC 3329877Acessível livremente. PMID 22529779. doi:10.3389/fncel.2012.00018 
  73. Jiang Y, Langley B, Lubin FD, Renthal W, Wood MA, Yasui DH, Kumar A, Nestler EJ, Akbarian S, Beckel-Mitchener AC (novembro de 2008). «Epigenetics in the nervous system». The Journal of Neuroscience. 28: 11753–9. PMC 3844836Acessível livremente. PMID 19005036. doi:10.1523/JNEUROSCI.3797-08.2008 
  74. Philibert RA, Beach SR, Gunter TD, Brody GH, Madan A, Gerrard M (março de 2010). «The effect of smoking on MAOA promoter methylation in DNA prepared from lymphoblasts and whole blood». American Journal of Medical Genetics Part B. 153B: 619–28. PMC 3694401Acessível livremente. PMID 19777560. doi:10.1002/ajmg.b.31031 
  75. Philibert RA, Sandhu H, Hollenbeck N, Gunter T, Adams W, Madan A (julho de 2008). «The relationship of 5HTT (SLC6A4) methylation and genotype on mRNA expression and liability to major depression and alcohol dependence in subjects from the Iowa Adoption Studies». American Journal of Medical Genetics Part B. 147B: 543–9. PMC 3643119Acessível livremente. PMID 17987668. doi:10.1002/ajmg.b.30657 
  76. Philibert RA, Gunter TD, Beach SR, Brody GH, Madan A (julho de 2008). «MAOA methylation is associated with nicotine and alcohol dependence in women». American Journal of Medical Genetics Part B. 147B: 565–70. PMC 3685146Acessível livremente. PMID 18454435. doi:10.1002/ajmg.b.30778 
  77. Bodnar RJ (dezembro de 2010). «Endogenous opiates and behavior: 2009». Peptides. 31: 2325–59. PMC 2693002Acessível livremente. PMID 20875476. doi:10.1016/j.peptides.2010.09.016 
  78. Mill J, Petronis A (outubro de 2008). «Pre- and peri-natal environmental risks for attention-deficit hyperactivity disorder (ADHD): the potential role of epigenetic processes in mediating susceptibility». Journal of Child Psychology and Psychiatry, and Allied Disciplines. 49: 1020–30. PMID 18492038. doi:10.1111/j.1469-7610.2008.01909.x 
  79. Gunter TD, Vaughn MG, Philibert RA (2010). «Behavioral genetics in antisocial spectrum disorders and psychopathy: a review of the recent literature». Behavioral Sciences & the Law. 28: 148–73. PMID 20422643. doi:10.1002/bsl.923 
  80. a b McGowan PO, Sasaki A, D'Alessio AC, Dymov S, Labonté B, Szyf M, Turecki G, Meaney MJ (março de 2009). «Epigenetic regulation of the glucocorticoid receptor in human brain associates with childhood abuse». Nature Neuroscience. 12: 342–8. PMC 2944040Acessível livremente. PMID 19234457. doi:10.1038/nn.2270 
  81. Herb BR, Wolschin F, Hansen KD, Aryee MJ, Langmead B, Irizarry R, Amdam GV, Feinberg AP (outubro de 2012). «Reversible switching between epigenetic states in honeybee behavioral subcastes». Nature Neuroscience. 15: 1371–3. PMC 3518384Acessível livremente. PMID 22983211. doi:10.1038/nn.3218 
  82. Kucharski R, Maleszka J, Foret S, Maleszka R (março de 2008). «Nutritional control of reproductive status in honeybees via DNA methylation». Science. 319: 1827–30. Bibcode:2008Sci...319.1827K. PMID 18339900. doi:10.1126/science.1153069 
  83. Li-Byarlay H, Li Y, Stroud H, Feng S, Newman TC, Kaneda M, Hou KK, Worley KC, Elsik CG, Wickline SA, Jacobsen SE, Ma J, Robinson GE (julho de 2013). «RNA interference knockdown of DNA methyl-transferase 3 affects gene alternative splicing in the honey bee». Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 110: 12750–5. Bibcode:2013PNAS..11012750L. PMC 3732956Acessível livremente. PMID 23852726. doi:10.1073/pnas.1310735110 
  84. a b c Albert PR (novembro de 2010). «Epigenetics in mental illness: hope or hype?». Journal of Psychiatry & Neuroscience. 35: 366–8. PMC 2964366Acessível livremente. PMID 20964959. doi:10.1503/jpn.100148 
  85. «Genetic epidemiology of stress and gene by stress interaction». The Handbook of Stress Science: Biology, Psychology, and Health. New York: Springer Publishing Company. 2010. pp. 78–85. ISBN 978-0-8261-1471-6 
  86. a b Kalant H (maio de 2010). «What neurobiology cannot tell us about addiction». Addiction. 105: 780–9. PMID 19919596. doi:10.1111/j.1360-0443.2009.02739.x 
  87. «Family influences on children's well being: potential roles of molecular genetics and epigenetics». Biosocial Foundations of Family Processes (National Symposium on Family Issues). Berlin: Springer. 2010. pp. 181–204. ISBN 978-1-4419-7360-3 
  88. Dempster EL, Pidsley R, Schalkwyk LC, Owens S, Georgiades A, Kane F, Kalidindi S, Picchioni M, Kravariti E, Toulopoulou T, Murray RM, Mill J (dezembro de 2011). «Disease-associated epigenetic changes in monozygotic twins discordant for schizophrenia and bipolar disorder». Human Molecular Genetics. 20: 4786–96. PMC 3221539Acessível livremente. PMID 21908516. doi:10.1093/hmg/ddr416 
  89. «Family influences on children's well being: potential roles of molecular genetics and epigenetics». Biosocial Foundations of Family Processes (National Symposium on Family Issues). Berlin: Springer. 2010. pp. 181–204. ISBN 978-1-4419-7360-3 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Legenda de imagem[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]