Núcleo accumbens

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Núcleo accumbens é a área 34 de Brodmann e parte da via dopaminérgica mesolímbica. Recebe impulsos dopaminérgicos da área ventral tegmental (VTA).

Núcleo accumbens, abreviado como NAc, (do latim Nucleus accumbens septi, núcleo encostado à divisória/septo) é uma parte da via de recompensa, gerando prazer, impulsividade e comportamento maternal. Está localizado na cabeça do núcleo caudado, anterior ao putâmen e lateralmente ao septo pelúcido (origem de seu nome).[1]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O núcleo accumbens pode ser dividido funcionalmente em duas partes: núcleo e córtex. O núcleo projecta eferências ao globo pálido e substância nigra e produz principalmente GABA. O córtex envia eferências para área tegmental ventral, hipotálamo e amígdala. O núcleo accumbens recebe aferências do córtex pré-frontal de associação, amígdala basolateral e neurônios dopaminérgicos situados na área tegmental ventral (VTA), sendo central na via mesolímbica.[2]

Função[editar | editar código-fonte]

O prazer tinha uma função de aumentar as probabilidades de sobrevivência como comer comidas calóricas, dormir bem, aprender habilidades, conseguir apoio social e fazer sexo. Esse prazer também aumentava a motivação para repetir essas atividades até estar saciado. Atualmente, pode ser estimulado por qualquer atividade prazerosa mesmo sem função de sobrevivência, como jogos, músicas, filmes, livros e danças, sendo especialmente superativado por drogas como anfetaminas e heroína. É uma das principais áreas responsáveis pela adicção química e física. [3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Malenka RC, Nestler EJ, Hyman SE (2009). Sydor A, Brown RY, ed. Molecular Neuropharmacology: A Foundation for Clinical Neuroscience (2nd ed.). New York: McGraw-Hill Medical. pp. 147–148, 367, 376. ISBN 9780071481274.
  2. Carlson, Neil R. Physiology of Behavior. 11th ed. Boston: Pearson, 2013. Print.
  3. Olsen CM (December 2011). "Natural rewards, neuroplasticity, and non-drug addictions". Neuropharmacology 61 (7): 1109–1122.