Amígdala cerebelosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Localização das amígdalas no cérebro

As amígdalas (português europeu) ou amídalas (português brasileiro) cerebelosas (grc. άμύγδαλον= amêndoa) são grupos de neurônios que, juntos, formam uma massa esferoide de substância cinzenta com cerca de dois centímetros de diâmetro, chamada no pólo temporal do hemisfério cerebral de grande parte dos vertebrados, incluindo o homem.

Esta região do cérebro faz parte do sistema límbico e é um importante centro regulador do comportamento sexual, do comportamento agressivo, respostas emocionais e da reatividade a estímulos biologicamente relevantes.[1] Este conjunto nuclear é também importante para os conteúdos emocionais das nossas memórias. A ablação bilateral da amígdala cerebelosa origina a Síndrome de Kluver-Bucy, caracterizada pela ausência de respostas agressivas, pela cortesia exagerada, oralidade e pela hipersexualidade.

Funções[editar | editar código-fonte]

A amígdala é uma estrutura cerebral altamente implicada na manifestação de reações emocionais e na aprendizagem de conteúdo emocionalmente relevante. Esta estrutura apresenta um relativo dimorfismo sexual e está relacionada com a manifestação de comportamentos sociais. Há crescentes evidências apoiando a função da amígdala como uma das regiões cerebrais mais importantes para a ocorrência do comportamento agressivo em humano[2].

Imagens adicionais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Anatomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Cabral, João Carlos Centurion; Patrice de Souza Tavares; Rosa M. M. de Almeida. (2016). "Reciprocal effects between dominance and anger: A systematic review". Neuroscience & Biobehavioral Reviews 71: 761–771. DOI:10.1016/j.neubiorev.2016.10.021.
  2. de Almeida, Rosa M; Cabral, J C; Narvaes, R. . "Behavioural, hormonal and neurobiological mechanisms of aggressive behaviour in human and nonhuman primates". Physiology & Behavior. DOI:10.1016/j.physbeh.2015.02.053. Visitado em 05/04/2015.