Globo pálido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Partes do cérebro relacionadas com os trajetos do globo pálido.
Gânglios da base (putamen, núcleo caudato e globo pálido) e áreas vizinhas.

O globo pálido (do latim Globus pallidus) também chamado de paleoestriado é uma estrutura sub-cortical do cérebro que integra o telencéfalo. Junto com o subtálamo forma o sistema extrapiramidal, parte importante na coordenação motora.

É o principal elemento do sistema dos núcleos da base, e uma das partes do encéfalo que evoluiu mais cedo. Possuem importante função na aquisição e manutenção de informações (aprendizagem) e no processamento de emoções.[1]

Seus neurônios são longos e com muitos dendritos e coberto com axônios com densa mielina que lhe dão a cor pálida característica.[2]

Função[editar | editar código-fonte]

Sua principal função é a de controle de movimentos voluntários subconscientes. Sua principal fonte de aferências vêm do corpo estriado. Seus principais receptores são para GABA, glutamato e dopamina. [3]

Patologias[editar | editar código-fonte]

Está associado com doenças que prejudicam o controle de movimentos como parkinsonismos, síndrome de Tourette, transtorno bipolar, a doença de Huntington, o mal de Parkinson e outras doenças degenerativas.

Referências

  1. Camargo, B; Della Sera, L; Camargo, M.(1981) Participacion del núcleo entopeduncular (globo pálido interno) en los procesos de aprendizaje. Rev. méd. Panamá;6(3):221-32, 1981.
  2. Fox, C.A., Andrade, A.N. Du Qui, I.J., Rafols, J.A. (1974) The primate globus pallidus. A Golgi and electron microscopic study. J. Hirnforsch. 15: 75-93
  3. http://www.scholarpedia.org/article/Basal_ganglia