Psicologia esportiva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde Fevereiro de 2008).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

A psicologia do esporte (desporto) ainda é uma ciência muito recente. Nas faculdades de Educação Física ela já tem um tratamento diferenciado até com aulas específicas, mas ela ainda não é tratada como deveria ser nas faculdades de psicologia, que deveriam ter pelo menos uma disciplina opcional que dessem uma melhor noção do que esse tipo de psicólogo faz.

Hoje os psicólogos nessa área ainda encontram problemas, poucos livros e má remuneração.

Para executar esse trabalho, é importante que o profissional tenha a formação de psicólogo e posteriormente faça um curso de extensão.

Essa visão do ser que pratica o esporte, é muito importante para não se utilizar a psicologia limitadamente como ciência do comportamento. Muito mais do que isso, a psicologia pretende desenvolver e discutir com os atletas todas outras áreas de sua vida: Valores pessoais, motivações e percepções. Um atleta completo não é só um homem em seu perfeito estado físico. Como ser humano, ele é um conjunto de corpo e mente.

O esporte abre as portas para inseguranças, medos, ansiedades, estresses, agressões humanas e somatizações. Outra questão presente na vida do esportista é a aposentadoria, pois essa é uma carreira de curta duração. Por essas e por outras, o atleta vive na fronteira do desequilíbrio emocional.

O trabalho do psicólogo é fazer com que o atleta busque o equilíbrio, tanto físico quanto mental. O psicólogo do esporte trabalha no sentido de desenvolver no atleta maior percepção de seu corpo e mente. Os resultados são muitos, como aumento da concentração durante jogos, diminuição do estresse, automatização de cuidados básicos, velocidade de raciocínio para melhores respostas durante o jogo, entre outras.

Hoje as faculdades de Educação Física têm aulas voltadas para a Psicologia do Esporte. No entanto, são raras as faculdades de Psicologia que aprofundam os estudos na área. Mesmo com formação insuficiente, profissionais licenciados em Psicologia podem exercer a função de psicólogos do esporte. As faculdades de Educação Física, têm na sua grade aulas de Psicologia do Esporte à vinte anos, e nos cursos de Psicologia não existe nem a divulgação do assunto. Os psicólogos do esporte podem assumir diversos papéis, como educador, disseminando o conhecimento; como pesquisador, com interesse nas descobertas; e como clínico, para ajudar os atletas a desenvolverem estratégias psicológicas que os levem ao alto rendimento esportivo.

Segundo Regina Brandão, esses psicólogos que resolvem atuar com clínicos, devem diagnosticar e tratar psicopatias, dar e interpretar testes, fornecer serviços à comissão técnica, aos dirigentes e aos familiares dos atletas. É obrigação do psicólogo ter uma formação apropriada, rigorosa, feita por cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado.

Suzy Fleury, também reconhecida psicóloga do esporte, fala que além de contribuir para a performance de atletas, se deve trabalhar para transformá-los em pessoas mais realizadas e felizes. Mais do que atletas, pessoas melhores. Ela explica um pouco as teorias que norteiam seu trabalho: • Teoria da Inteligência Emocional, que trata do papel que as emoções desempenham e diz que eles são muito mais importantes do que se acreditava anteriormente no sucesso individual e, como consequência, na vitória coletiva; • Teoria Psiconeuroimunológica, que estuda a relação entre mente / cérebro / sistema de defesa do organismo, que defende que a mente e o corpo estão intrinsecamente ligados e a sua interação exerce uma profunda influência sobre a saúde e a doença; • Teoria Psiconeuromuscular e Teoria Simbólica do Aprendizado, com diversos estudos sobre quanto mais prática mental melhor a performance na classe.

“Quem quer que esteja fisicamente bem preparado, pode fazer coisas incríveis com seu corpo. Mas quem junta a um corpo em forma uma cabeça bem cuidada, é capaz de feitos excepcionais.” (Alexander Popov, melhor nadador da Olimpíada de 1996)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Machado, Afonso António (2006). Psicologia do esporte: da educação física escolar ao treinamento esportivo. São Paulo: Guanabara Koogan.
  • Rubio, Kátia (Org) (2000). Psicologia do Esporte – Interfaces, pesquisa e intervenção.
  • Rubio, Kátia (Org) (2000). Encontros e Desencontros: Descobrindo a Psicologia do Esporte. São Paulo: CRP-SP.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]