Martin Seligman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Martin Seligman
Nome nativo Martin E. P. Seligman
Nascimento 12 de agosto de 1942 (76 anos)
Albany
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade de Princeton, Universidade da Pensilvânia
Ocupação psicólogo, jogador de bridge, escritor, professor universitário
Prêmios Bolsa Guggenheim, Joseph Zubin Award, Prêmio APA por Destacadas Contribuições Científicas para a Psicologia, Doctor honoris causa pela Universidade Complutense de Madri
Empregador Universidade da Pensilvânia

Martin Seligman (12 de agosto de 1942) é psicólogo estadunidense. Professor da Universidade da Pensilvânia, Psicólogo, Ex-Presidente da Associação Americana de Psicologia. Autor de contribuição significativa na área de Psicologia positiva.

Psicologia positiva[editar | editar código-fonte]

Seligman desenvolveu, com Christopher Peterson, a contraparte 'positiva' do Manual de Diagnóstico e Estatística das Desordens Mentais (DSM). Em lugar de focar no que deu errado, Pontos fortes e Virtudes do Caráter olha para o que deu certo. Pesquisando entre várias culturas através dos milênios, extraíram uma lista de virtudes que têm sido altamente valorizadas desde a China e Índia antigas, em Grécia e Roma, e até as culturas ocidentais modernas. Sua lista inclui seis virtudes do caráter: sabedoria/conhecimento, coragem, humanidade, justiça, temperança e transcendência. Cada uma delas tem de três a cinco subdivisões; por exemplo, temperança inclui perdão, humildade, prudência e autorregulação[1]. Não há, para os autores, uma hierarquia para as seis virtudes.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Os experimentos e a teoria do "Desamparo aprendido", que notabilizaram o psicólogo[2], foram amplamente criticados por sofrimento excessivo infligido a animais, especificamente a aplicação de choques elétricos em cães, a intervalos aleatórios, até que o animal atinja um estado de total impotência, tornando-se incapaz de agir para escapar dos choques mesmo quando é dado a ele a oportunidade para tal.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «"Character strengths in the United Kingdom: The VIA Inventory of strengths"» (PDF). Personality and Individual Differences 43 (2): 341–351. doi:doi:10.1016/j.paid.2006.12.004 Verifique |doi= (ajuda). Consultado em 12 de setembro de 2014 
  2. Bryant Welch. «www.huffingtonpost.com/bryant-welch/fort-hood-a-harbinger-of_b_356318.html». Huffington Post