Geolinguística

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A geolinguística é um campo interdisciplinar compartilhado pela linguística e a geografia. É também conhecida com os nomes de geografia linguística e geografia das línguas. A geolinguística ocupa-se de estudar as línguas no seu contexto geográfico. Portanto, o seu campo de estudo é amplo e abrange tanto a dialectologia regional como a demolinguística e a dialectologia da percepção, entre outras orientações. Até finais dos anos 1960, as pesquisas geolinguísticas desenvolviam-se principalmente no seio da linguística, tradicionalmente sob a etiqueta de dialectologia. Os anos 1970 e 80 trouxeram uma refundação interdisciplinar da geolinguística com a colaboração de especialistas procedentes da politologia, o direito, a antropologia, a sociolinguística e, sobretudo, da geografia cultural.

As principais tarefas da geolinguística são a identificação e descrição de áreas linguísticas (domínios linguísticos, áreas dialectais etc.), a análise das dinâmicas geográficas das suas variações internas, estimar a importância territorial das línguas e das suas variedades em diferentes escalas (local, regional, nacional, continental, mundial), analisar as dinâmicas territoriais das línguas e das suas variedades (evolução demolinguística, territórios onde são faladas, dinâmicas de expansão e retrocesso territorial), estudar situações de conflito territorial causado pelas diferenças linguísticas, conhecer as representações que as pessoas têm dos espaços linguísticos, das suas falas e da sua dinâmica territorial.

Orientações ou polos da Geolinguística[editar | editar código-fonte]

Podemos agrupar as diferentes linhas de trabalho da geolinguística actual nas seguintes grandes orientações:

Geolinguística estrutural ou variacional[editar | editar código-fonte]

Agrupa o campo tradicionalmente ocupado pela geografia linguística e a dialectologia regional. Esta orientação da geolinguística centra-se no estudo da variação linguística no plano espacial. A maioria dos trabalhos da geolinguística variacional interessam-se pela identificação das regiões linguísticas das línguas, quer dizer, da delimitação e estruturação das áreas dialectais. Outro interesse central é a difusão das inovações linguísticas pelo espaço.

Demolinguística[editar | editar código-fonte]

Os demolinguística, também conhecidos como demografia linguística, é uma disciplina relativamente nova e ainda pouco compreendidos. Seu tema é a análise estatística da população (o seu tamanho, estrutura e concentração geográfica ou dispersão) a partir de um ponto de vista linguístico, a partir do nível de conhecimento e utilização das línguas faladas. Isto é, que quantifica que conhece e / ou utilizar uma variedade linguística específica e em que contextos.

A abordagem quantitativa que adota essa linha de pesquisa é contar o número de falantes, principalmente com base em censos oficiais que incluem questões linguísticas e de estudos ou pesquisas amostrais sociolinguísticos.

A demografia linguística é dividido em dois desigualmente desenvolvido, mas igualmente necessárias para aplicação em aspectos de planejamento linguagem: a dimensão descritiva e um estudo prospectivo. O aspecto descritivo é observar principalmente os desenvolvimentos recentes, tais como o estado de conhecimento e uso de línguas em um determinado momento. Nesse aspecto todos os estudos e derivada da análise do inquérito e as censo promovido por organizações internacionais estão incluídos. A projeção prospectivo natureza acrescenta conhecimento e uso da linguagem como prever a importância que terá as características demográficas e linguísticas básicas da população no futuro das línguas. O trabalho do nosso grupo é parte deste último aspecto original e inovadora.

Em termos de metodologia, o nosso grupo tem desenvolvido um programa de computador DMLX demolinguistic de projeções, em colaboração com o Professor David Sankoff, da Universidade de Ottawa. DMLX para prever os níveis de competência e uso linguístico da população. Neste programa foram incorporadas modelos matemáticos de processos linguísticos envolvidos na reprodução de uma linguagem: a transmissão intergeracional, escolaridade e integração dos imigrantes. Entre os anos de 2003-2007, este modelo tem sido aplicado com sucesso para as seis comunidades oficialmente bilíngue do Estado espanhol e também para o Reino Unido e Irlanda. A partir de 2008 está trabalhando para estender sua aplicação para línguas minoritárias da Europa.

Linguística

Divisões
Fonética | Pragmática | Fonologia | Morfologia | Sintaxe | Semântica | Lexicologia | Estilística
Tipos de linguística
Antropológica | Cognitiva | Gerativa | Comparativa | Aplicada | Geolinguística | Computacional | Histórica | Neurolinguística | Política linguística | Psicolinguística | Sociolinguística
Artigos relacionados
Preconceito linguístico | Análise do discurso | Aquisição da linguagem | Línguas A e B | Sistema de escrita | Ciência cognitiva | Estruturalismo | Etimologia | Caso gramatical | Figura de linguagem
Família de línguas | Filologia | Internetês | Lista de linguistas | Gramática | Língua de Sinais | Alfabeto | Eurodicautom | Língua e cultura | Semiótica
Atos da fala |

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.