Endósporo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido (desde abril de 2008). Ajude e colabore com a tradução.
Variação na morfologia dos endosporos. (1, 4) Endosporo central, (2, 3, 5) Endosporo terminal, (6) Endosporo lateral

Endósporo é uma estrutura dormente, dura, e não reprodutiva produzida por um número pequeno de bactérias do grupo Firmicutes. A função primária da maioria dos endósporos é garantir a sobrevivência da bactéria por períodos de estresse ambiental. Eles são portanto resistentes a radiação ultravioleta e gama, seca, lisozima, temperatura, fome, e desinfetantes químicos. Endósporos são comumente encontrados no solo e na água, onde sobrevivem por longos períodos. Algumas bactérias produzem exósporos ou cistos, em vez de endósporos.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Diferente dos eucariotos, que geralmentes produzem esporos para fins reprodutivos, bactérias produzem um único endósporo internamente. O esporo é envolvido externamente por um revestimento delgado conhecido como exospório, que por sua vez recobre a capa do esporo [1]. A capa do esporo possui características bioquímicas que respondem pela resistência do endósporo a várias moléculas tóxicas e agentes físicos [1] e também pode conter enzimas envolvidas na germinação. O córtex está localizado internamente à capa do esporo e é formado por camadas de peptidoglicano[1]. Abaixo do córtex há o núcleo do esporo, formado por estruturas celulares normais como parede celular, citoplasma, DNA[1] e ribosomos, mas é metabolicamente inativo.

Até 15% do peso seco do endósporo consiste em dipicolinato de cálcio dentro do núcleo do esporo, que assim estabilizaria o DNA. O ácido dipicolínico seria responsável pela resistência do esporo ao calor e o cálcio auxiliaria na resistência ao calor e agentes oxidantes. Entretanto, foram isolados mutantes resistentes ao calor que carecem de ácido dipicolínico, sugerindo a ação de outros mecanismos na contribuição da resistência ao calor [2].

Posição[editar | editar código-fonte]

A posição do endósporo difere entre espécies bacterianas e é útil na identificação. Os tipos principais de localização do endósporo na célula são: terminal, subterminal e central. Endósporos terminais são vistos nos pólos das células, enquanto endósporos centrais estão mais ou menos no meio. Endósporos subterminais são aqueles entre esses dois extremos, geralmente vistos longe o suficiente dos pólos, mas próximos o suficiente do centro de forma a não serem considerados terminais nem centrais. Endósporos laterais são vistos ocasionalmente.

Exemplos de bactérias que têm endósporos terminais incluem Clostridium tetani, o patógeno causador do tétano. Bactérias possuidoras de endósporo centralmente posicionado incluem Bacillus cereus e aquelas possuidoras de endósporo subterminal incluem Bacillus subtilis. Às vezes, o endósporo pode ser tão grande que a célula pode estar esticada em torno do endósporo, isso é típico de Clostridium tetani.

Visualizar endósporos no microscópio ótico pode ser difícil devido à impermeabilidade da parede do mesmo a corantes e marcadores. Enquanto o restante de uma célula bacteriana pode ser corado, o endósporo permanece incolor. Para resolver isto, é utilizada uma técnica de coloração especial chamada coloração de Moeller, que permite ao endósporo corar-se em vermelho, enquanto o restante da célula fica azul. Outra técnica de coloração para endósporos é a coloração de Schaffer-Fulton, que cora endósporos em verde e corpos bacterianos em vermelho.

Importância[editar | editar código-fonte]

Sendo um modelo simplificado de diferenciação celular, os detalhes moleculares da formação do endósporo foram extensivamente estudados, especialmente no organismo modelo Bacillus subtilis. Esses estudos contribuiram muito para o entendimento da regulação da expressão gênica, dos fatores de transcrição e das subunidades tipo fator sigma da RNA polimerase.

Endósporos da bactéria Bacillus anthracis foram usados nos ataques com carbúnculo nos Estados Unidos da América em 2001. O pó encontrado em cartas postais contaminadas era composto de endósporos extracelulares de antraz. A inalação, ingestão ou contaminação cutânea por esses endósporos, que foram chamados pelo termo tecnicamente incorreto "esporos", levou a várias mortes.

Bactérias formadoras de endósporos[editar | editar código-fonte]

Exemplos de gêneros bacterianos formadores de endósporo:

Referências

  1. a b c d Laporta, M. Z. (2007). «Microbiologia - Atividades práticas» (PDF). Consultado em 18 de março de 2010. Arquivado do original (PDF) em 31 de março de 2010 
  2. Prescott, L. (1993). Microbiology, Wm. C. Brown Publishers, ISBN 0-697-01372-3.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Endósporo

(em inglês)