Nuvem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Nuvens)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Nuvem (desambiguação).
Nuvens Altocumulus (vista por baixo)

Nuvem (do latim nubes) é um conjunto visível de partículas diminutas de gelo ou água em seu estado líquido ou ainda de ambos ao mesmo tempo (mistas), que se encontram em suspensão na atmosfera, após terem se condensado ou liquefeito em virtude de fenómenos atmosféricos. A nuvem pode também conter partículas de água líquida ou de gelo em maiores dimensões e partículas procedentes, por exemplo, de vapores industriais, de fumaças ou de poeiras.

As nuvens apresentam diversas formas, que variam dependendo essencialmente da natureza, dimensões, número e distribuição espacial das partículas que a constituem e das correntes de ventos atmosféricos. A forma e cor da nuvem depende da intensidade e da cor da luz que a nuvem recebe, bem como das posições relativas ocupadas pelo observador e da fonte de luz (sol, lua, raios) em relação à nuvem.

O estudo das nuvens é chamado nefologia e seu catálogo de classificações é definido pelo Atlas Internacional das Nuvens, regulado atualmente pela Organização Meteorológica Mundial.[1]

Tabela de classificação cruzada
A tabela a seguir é muito ampla. Ele se baseia em vários métodos de classificação de nuvens, tanto formais quanto informais, usados em diferentes níveis da homosfera da Terra por várias autoridades citadas.[2][3][4][5][6] Apesar de algumas diferenças na nomenclatura, os esquemas de classificação vistos neste artigo podem ser combinados usando uma classificação cruzada informal de formas físicas e níveis de altitude para derivar os 10 gêneros troposféricos, o nevoeiro e a neblina que se formam no nível da superfície, e vários outros principais tipos acima da troposfera. O gênero cumulus inclui quatro espécies que indicam o tamanho vertical e a estrutura que pode afetar as formas e os níveis. Esta tabela não deve ser vista como uma classificação estrita ou singular, mas como uma ilustração de como os vários tipos principais de nuvens estão relacionados entre si e definidos por meio de uma gama completa de níveis de altitude da superfície da Terra até a "borda do espaço".

Formas e alturas Estratiformes
não convectivas
Cirriformes
principalmentes não convectivas
Estratocumuliformes
convectivas limitadas
Cumuliformes
livremente convectivas
Cumulonimbiformes
convectivas fortes
Extremamente altas Nuvens mesosféricas polares e Noctilucente
Muito altas Nuvem estratosférica polar Cirriforme Lenticular
Altas Cirrostratus Cirrus Cirrocumulus
Médias Altostratus Altocumulus
Baixas Stratus Stratocumulus Cumulus humilis ou Cumulus fractus
Desenvolvimento vertical médio ou multi-nível Nimbostratus Cumulus
Grandes desenvolvimentas vertical Cumulus congestus Cumulonimbus
Nível da superfície Nevoeiro ou Neblina

História da ciência das nuvens e sua nomenclatura[editar | editar código-fonte]

Aristóteles[editar | editar código-fonte]

Estudos de nuvens antigas não foram feitos isoladamente, mas foram observados em combinação com outros elementos climáticos e até mesmo outras ciências naturais. Por volta de 340 a.C, o filósofo grego Aristóteles escreveu Meteorologia, obra que representava a soma do conhecimento da época sobre as ciências naturais, incluindo o tempo e o clima. Pela primeira vez, a precipitação e as nuvens de onde vinha a precipitação foram chamadas de meteoros, que se originou da palavra grega meteoros, que significa 'alto no céu'. Dessa palavra surgiu o termo moderno meteorologia, o estudo das nuvens e do clima. A Meteorologia se baseava na intuição e na observação simples, mas não no que hoje é considerado o método científico. No entanto, foi o primeiro trabalho conhecido que tentou tratar uma ampla gama de tópicos meteorológicos de forma sistemática, especialmente o ciclo hidrológico.[7]

Primeira classificação abrangente[editar | editar código-fonte]

Após séculos de teorias especulativas sobre a formação e o comportamento das nuvens, os primeiros estudos verdadeiramente científicos foram realizados por Luke Howard na Inglaterra e Jean-Baptiste Lamarck na França. Howard era um observador metódico com um forte embasamento na língua latina, e usou sua experiência para classificar os vários tipos de nuvens troposféricas durante 1802. Ele acreditava que as formas mutáveis ​​de nuvens no céu poderiam abrir a chave para a previsão do tempo. Lamarck havia trabalhado de forma independente na classificação de nuvens no mesmo ano e surgiu com um esquema de nomenclatura diferente que não impressionou nem mesmo em seu país natal, a França, porque usava nomes franceses incomuns para os tipos de nuvem. Seu sistema de nomenclatura incluía 12 categorias de nuvens, com nomes como (traduzido do francês) nuvens nebulosas, nuvens manchadas e nuvens semelhantes a vassouras. Em contraste, Howard usou o latim universalmente aceito, que pegou rapidamente depois de ser publicado em 1803.[8] Como um sinal da popularidade do esquema de nomenclatura, o dramaturgo e poeta alemão Johann Wolfgang von Goethe compôs quatro poemas sobre nuvens, dedicando-os a Howard. Uma elaboração do sistema de Howard foi finalmente adotada formalmente pela Conferência Meteorológica Internacional em 1891.[8] Este sistema cobria apenas os tipos de nuvens troposféricas, mas a descoberta de nuvens acima da troposfera durante o final do século 19 eventualmente levou à criação de esquemas de classificação separados usando nomes comuns para essas nuvens muito altas, que ainda eram amplamente semelhantes a algumas formas de nuvem identificadas na troposfera.[6]

Constituição das nuvens[editar | editar código-fonte]

Clouds Pirenópolis 039.jpg

As nuvens são constituídas por gotículas de água condensada, oriunda da evaporação da água na superfície do planeta, ou cristais de gelo que se formam em torno de núcleos microscópicos, geralmente de poeira suspensa na atmosfera.

Após formadas, as nuvens podem ser transportadas pelo vento, tanto no sentido ascendente quanto descendente. Quando a nuvem é forçada a se elevar ocorre um resfriamento e as gotículas de água podem ser total ou parcialmente congeladas. Quando os ventos forçam a nuvem para baixo ela pode se dissipar pela evaporação das gotículas de água. A constituição da nuvem depende, então, de sua temperatura e altitude, podendo ser constituídas por gotículas de água e cristais de gelo ou, exclusivamente, por cristais de gelo em suspensão no ar úmido.

Formação de nuvens na homosfera[editar | editar código-fonte]

Nuvens cumulus em maio

As nuvens terrestres podem ser encontradas em quase toda a homosfera, que inclui a troposfera, a estratosfera e a mesosfera. Dentro dessas camadas da atmosfera, o ar pode se tornar saturado como resultado de ser resfriado ao seu ponto de orvalho ou por ter adicionado umidade de uma fonte adjacente.[9] Neste último caso, a saturação ocorre quando o ponto de orvalho é elevado à temperatura do ar ambiente.

Nuvens formacao.jpg

Resfriamento adiabático[editar | editar código-fonte]

O resfriamento adiabático ocorre quando um ou mais dos três agentes de elevação possíveis - convectivo, ciclônico / frontal ou orográfico - fazem com que uma parcela de ar contendo vapor d'água invisível suba e resfrie até seu ponto de orvalho, a temperatura na qual o ar se torna saturado. O principal mecanismo por trás desse processo é o resfriamento adiabático.[10] À medida que o ar é resfriado até seu ponto de orvalho e fica saturado, o vapor d'água normalmente se condensa para formar gotas de nuvem. Essa condensação normalmente ocorre em núcleos de condensação de nuvem, como partículas de sal ou poeira, que são pequenas o suficiente para serem mantidas no alto pela circulação normal do ar.[11][12]

Animação da evolução da nuvem de cumulus humilis para cumulonimbus capillatus

Um agente é o movimento convectivo do ar para cima, causado pelo aquecimento solar diurno ao nível da superfície.[11] A instabilidade da massa de ar permite a formação de nuvens cumuliformes que podem produzir chuvas se o ar for suficientemente úmido.[13] Em ocasiões moderadamente raras, a elevação convectiva pode ser poderosa o suficiente para penetrar na tropopausa e empurrar o topo da nuvem para a estratosfera.[14]

A sustentação frontal e ciclônica ocorre quando o ar estável é forçado para cima nas frentes climáticas e em torno dos centros de baixa pressão por um processo denominado convergência.[15] Frentes quentes associadas a ciclones extratropicais tendem a gerar nuvens principalmente cirriformes e estratiformes em uma área ampla, a menos que a massa de ar quente que se aproxima seja instável, caso em que cúmulos congestos ou nuvens cúmulos-nimbos geralmente estão embutidos na principal camada de nuvens precipitantes.[16] As frentes frias geralmente se movem mais rapidamente e geram uma linha mais estreita de nuvens, que são principalmente estratocumuliformes, cumuliformes ou cumulonimbiformes, dependendo da estabilidade da massa de ar quente logo à frente da frente.[17]

O crepúsculo da noite com vento reforçado pelo ângulo do Sol pode imitar visualmente um tornado resultante de elevação orográfica

Uma terceira fonte de sustentação é a circulação do vento, forçando o ar sobre uma barreira física, como uma montanha (elevação orográfica).[11] Se o ar é geralmente estável, nada mais do que nuvens lenticulares se formam. No entanto, se o ar ficar suficientemente úmido e instável, podem ocorrer chuvas orográficas ou trovoadas.[18]

Resfriamento não adiabático[editar | editar código-fonte]

Junto com o resfriamento adiabático que requer um agente de elevação, existem três mecanismos não-adiabáticos principais para baixar a temperatura do ar até seu ponto de orvalho. O resfriamento condutivo, radiativo e evaporativo não requer mecanismo de levantamento e pode causar condensação no nível da superfície, resultando na formação de nevoeiro. [19][20][21]

Adicionando umidade ao ar[editar | editar código-fonte]

Várias fontes principais de vapor d'água podem ser adicionadas ao ar como forma de atingir a saturação sem qualquer processo de resfriamento: água ou solo úmido,[22][9][23] precipitação ou virga,[24] e transpiração das plantas [25]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Quanto ao aspecto[editar | editar código-fonte]

  • Estratiformes - nuvens de desenvolvimento horizontal, cobrindo grande área; apresentam pouca espessura; dão origem a precipitação de caráter leve e contínuo.
  • Estratocumuliformes - nuvens de desenvolvimento horizontal, sob a forma de rolos ou ondulações.
  • Cumuliformes e cumulonimbiformes - nuvens de desenvolvimento vertical, em grande extensão; surgem isoladas; dão origem a precipitação forte, em pancadas e localizadas.[2]
  • Cirriformes - nuvens de desenvolvimento horizontal. São fibrosas, de aspecto frágil e ocupam as altas atmosferas. São formadas por cristais de gelo minúsculos e não dão origem a precipitação; porém elas são fortes indicativos de precipitação.

Quanto à constituição[editar | editar código-fonte]

  • Sólidas - Podendo conter gelo até mesmo de tamanho elevado, chegando a pesar 1 tonelada, se em nuvens chamadas de negras ou tremulas.
  • Líquidas - constituídas basicamente por gotículas de água.
  • Mistas - constituídas tanto por gotículas de água quanto cristais de gelo.

Quanto ao estágio (altura)[editar | editar código-fonte]

{{Artigo principal|prefixo=Ver também|Mapa meteorológico De acordo com o Atlas Internacional de Nuvens da OMM (Organização Meteorológica Mundial) existem três estágios ou grupo de alturas de nuvens:

  • Altas - base acima de 6 km de altura - constituídas por nuvens sólidas.
  • Médias - base entre 2 a 4 km de altura nos pólos, entre 2 a 7 km em latitudes médias, e entre 2 a 8 km no equador - podendo ser nuvens líquidas ou mistas.
  • Baixas - base até 2 km de altura - constituídas de nuvens líquidas. Nuvens baixas a médias verticalmente desenvolvidas podem alcançar altitudes de cerca de 3 km.

Classificação de nuvens[editar | editar código-fonte]

Classificação da nuvem troposférica por altitude de ocorrência: os gêneros de múltiplos níveis e verticais não limitados a um único nível de altitude incluem nimbostratus, cumulonimbus e algumas das espécies maiores de cumulus.

Altas: Cirriformes, estratocumuliformes e estratiformes[editar | editar código-fonte]

Nuvens cirrus ao final da tarde.
  • Cirrus (Ci): aspecto delicado, sedoso ou fibroso, cor branca brilhante. Ficam a 8 mil metros de altitude, numa temperatura a 0 °C. Por isso são constituídas de microscópicos cristais de gelo.
  • Cirrocumulus (Cc): delgadas, agrupam-se num padrão regular. São compostas de elementos extremamente pequenos e em forma de grãos e rugas. Servem para indicar a base de corrente de jato e turbulência.
  • Cirrostratus (Cs): em forma de um véu quase transparente, fino e esbranquiçado, que não oculta o sol ou a lua, e por isso dão origem ao fenômeno de halo (fotometeoro). Se localizam logo abaixo dos Cirrus e também são formados por cristais de gelo.

Médias: Estratiformes e estratocumuliformes[editar | editar código-fonte]

  • Altostratus (As): camadas cinzentas ou azuladas, muitas vezes associadas a altocumulus; são compostas de gotículas superesfriadas e cristais de gelo; não formam halo pois encobrem o sol de modo a "filtrar" sua luz; dão origem à precipitação leve e contínua.
  • Altocumulus (Ac): lençol ou camada de nuvens brancas ou cinzentas, tendo geralmente sombras próprias. Constituem o chamado "céu encarneirado".
Wolkenstockwerke.png Cirro
Alto
Strato
Nimbo

Baixas: Estratiformes e estratocumuliformes[editar | editar código-fonte]

  • Stratus (St): muito baixas, em camadas uniformes e suaves, cor cinza; coladas à superfície é o nevoeiro; apresenta topo uniforme (ar estável) e produz chuvisco (garoa). Quando se apresentam fraccionadas são chamadas fractostratus (Fs).
  • Stratocumulus (Sc): lençol contínuo ou descontínuo, de cor cinza ou esbranquiçada, tendo sempre partes escuras. Quando em voo, há turbulência dentro da nuvem.

Desenvolvimento vertical médio: Estratiformes e cumuliformes[editar | editar código-fonte]

  • Nimbostratus (Ns): aspecto amorfo, base difusa e baixa, muito espessa, escura ou cinzenta; produz precipitação intermitente e mais ou menos intensa.
  • Cumulus (Cu): contornos bem definidos, assemelham-se a couve-flor; máxima frequência sobre a terra de dia e sobre a água de noite. Podem ser orográficas ou térmicas (convectivas); apresentam precipitação em forma de pancadas; correntes convectivas. Quando se apresentam fraccionadas são chamadas fractocumulus (Fc) que são alturas baixas . As muito desenvolvidas são chamadas cumulus congestus que são grande desenvolvimento vertical. É sinal de bom tempo.

Grande desenvolvimento vertical: Cumulonimbiformes[editar | editar código-fonte]

  • Cumulonimbus (Cb): nuvem de trovoada; base entre 600 e 2000 m, com topos chegando a 12 e 15 km de altura, sendo a média entre 4 e 9 km; são formadas por gotas d'água, cristais de gelo, gotas superesfriadas, flocos de neve e granizo. Se apresentarem forma de bigorna, são Cumulonimbus Incus: o topo apresenta expansão horizontal devido aos ventos superiores, lembrando a forma de uma bigorna de ferreiro, e é formado por cristais de gelo, sendo nuvens do tipo Cirrostratus (Cs).

Extraterrestre[editar | editar código-fonte]

A cobertura de nuvens foi vista na maioria dos outros planetas do Sistema Solar. As nuvens espessas de Vênus são compostas de dióxido de enxofre (devido à atividade vulcânica) e parecem ser quase inteiramente estratiformes.[26] Eles são dispostos em três camadas principais em altitudes de 45 a 65 km que obscurecem a superfície do planeta e podem produzir virga. Nenhum tipo cumuliforme incorporado foi identificado, mas as formações de ondas estratocumuliformes quebradas às vezes são vistas na camada superior, revelando nuvens de camadas mais contínuas por baixo.[27] Em Marte, noctilucente, cirrus, cirrocumulus e stratocumulus compostos de água gelada foram detectados principalmente perto dos pólos.[28][29] Névoa gelada também foi detectada em Marte.[30]

Tanto Júpiter quanto Saturno têm um conjunto externo de nuvens cirriformes composto de amônia,[31][32] uma camada de neblina estratiforme intermediária feita de hidrossulfeto de amônio e um conjunto interno de nuvens de água cúmulos.[33][34] Cumulonimbus incorporados são conhecidos por existirem perto da Grande Mancha Vermelha em Júpiter.[35][36] Os mesmos tipos de categoria podem ser encontrados cobrindo Urano e Netuno, mas são todos compostos de metano.[37][38][39][40][41][42] A lua de Saturno, Titã, tem cirros que se acredita serem compostos principalmente de metano.[43][44] A missão Saturno Cassini-Huygens descobriu evidências de nuvens estratosféricas polares[45] e um ciclo de metano em Titã, incluindo lagos perto dos pólos e canais fluviais na superfície da lua.[46]

Alguns planetas fora do Sistema Solar são conhecidos por terem nuvens atmosféricas. Em outubro de 2013, a detecção de nuvens opticamente espessas de alta altitude na atmosfera do exoplaneta Kepler-7b foi anunciada,[47][48] e, em dezembro de 2013, nas atmosferas de GJ 436 b e GJ 1214 b.[49][50][51][52]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem o portal:

Referências

  1. Kington, J. A. (1968). «A Historical Review of Cloud Study». Weather (em inglês). 23 (9): 349–356. ISSN 1477-8696. doi:10.1002/j.1477-8696.1968.tb03084.x 
  2. a b E.C. Barrett and C.K. Grant (1976). «The identification of cloud types in LANDSAT MSS images» (em inglês). NASA. Consultado em 22 de agosto de 2012 
  3. World Meteorological Organization, ed. (2017). «Definitions, International Cloud Atlas» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  4. World Meteorological Organization, ed. (2017). «Cloud Identification Guide, International Cloud Atlas» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2020 
  5. de Valk, Paul; van Westhrenen, Rudolf; Carbajal Henken, Cintia (2010). «Automated CB and TCU detection using radar and satellite data: from research to application» (PDF) (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021. Arquivado do original (PDF) em 16 de novembro de 2011 
  6. a b World Meteorological Organization, ed. (2017). «Upper atmospheric clouds, International Cloud Atlas» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  7. Frisinger, H. Howard (1972). «Aristotle and his Meteorologica». Bulletin of the American Meteorological Society. 53. 634 páginas. ISSN 1520-0477. doi:10.1175/1520-0477(1972)053<0634:AAH>2.0.CO;2 
  8. a b World Meteorological Organization, ed. (1975). International Cloud Atlas, preface to the 1939 edition (em inglês). I. [S.l.: s.n.] pp. IX–XIII. ISBN 978-92-63-10407-6. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  9. a b van den Hurk, Bart; Blyth, Eleanor (2008). «Global maps of Local Land-Atmosphere coupling» (PDF). KNMI. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Arquivado do original (PDF) em 25 de fevereiro de 2009 
  10. Nave, R. «Adiabatic Process» (em inglês). gsu.edu. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  11. a b c Elementary Meteorology Online (2013). «Humidity, Saturation, and Stability» (em inglês). vsc.edu. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 2 de maio de 2014 
  12. Horstmeyer, Steve (2008). «Cloud Drops, Rain Drops» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  13. Freud, E.; Rosenfeld, D. (2012). «Linear relation between convective cloud drop number concentration and depth for rain initiation». Journal of Geophysical Research. 117 D2 ed. pp. n/a. Bibcode:2012JGRD..117.2207F. doi:10.1029/2011JD016457 
  14. Long, Michael J.; Hanks, Howard H.; Beebe, Robert G. (junho de 1965). «TROPOPAUSE PENETRATIONS BY CUMULONIMBUS CLOUDS» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  15. Elementary Meteorology Online (2013). «Lifting Along Frontal Boundaries» (em inglês). vsc.edu. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  16. «Mackerel sky». Weather Online (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  17. Grenci, Lee M.; Nese, Jon M. (2001). A World of Weather: Fundamentals of Meteorology: A Text / Laboratory Manual (em inglês) 3 ed. [S.l.]: Kendall/Hunt Publishing Company. pp. 207–212. ISBN 978-0-7872-7716-1. OCLC 51160155 
  18. Pidwirny, M. (2006). «Cloud Formation Processes». Fundamentals of Physical Geography (em inglês). Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2008 
  19. Ackerman, p. 109
  20. Glossary of Meteorology (2009). «Radiational cooling» (em inglês). American Meteorological Society. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 12 de maio de 2011 
  21. Fovell, Robert (2004). «Approaches to saturation» (PDF) (em inglês). University of California in Los Angeles. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Arquivado do original (PDF) em 25 de fevereiro de 2009 
  22. Pearce, Robert Penrose (2002). Meteorology at the Millennium (em inglês). [S.l.]: Academic Press. p. 66. ISBN 978-0-12-548035-2 
  23. JetStream (2008). «Air Masses» (em inglês). National Weather Service. Arquivado do original em 24 de dezembro de 2008 
  24. National Weather Service Office, Spokane, Washington. «Virga and Dry Thunderstorms» (em inglês). National Oceanic and Atmospheric Administration. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  25. Reiley, H. Edward; Shry, Carroll L. (2002). Introductory horticulture (em inglês). [S.l.]: Cengage Learning. p. 40. ISBN 978-0-7668-1567-4 
  26. Bougher, Stephen Wesley; Phillips, Roger (1997). Venus II: Geology, Geophysics, Atmosphere, and Solar Wind Environment (em inglês). [S.l.]: University of Arizona Press. pp. 127–129. ISBN 978-0-8165-1830-2 
  27. Shiga, David. «Mysterious waves seen in Venus's clouds». New Scientist (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  28. SPACE.com staff (28 de agosto de 2006). «Mars Clouds Higher Than Any on Earth». SPACE.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  29. «Clouds Move Across Mars Horizon». Phoenix Photographs (em inglês). National Aeronautics and Space Administration. 19 de setembro de 2008. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  30. «NASA SP-441: Viking Orbiter Views of Mars» (em inglês). National Aeronautics and Space Administration. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  31. Phillips, Tony (20 de maio de 2010). «Big Mystery: Jupiter Loses a Stripe». Nasa Headline News – 2010 (em inglês). National Aeronautics and Space Administration. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  32. Dougherty, Michele; Esposito, Larry (novembro de 2009). Saturn from Cassini-Huygens (em inglês) 1 ed. [S.l.]: Springer. p. 118. ISBN 978-1-4020-9216-9. OCLC 527635272 
  33. Ingersoll, A.P.; Dowling, T.E.; Gierasch, P.J; Orton, G.S.; Read, P.L.; Sanchez-Lavega, A.; Showman, A.P.; Simon-Miller, A.A.; Vasavada, A.R. «Dynamics of Jupiter's Atmosphere» (PDF) (em inglês). Lunar & Planetary Institute. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  34. Monterrey Institute for Research in Astronomy (11 de agosto de 2006). «Saturn» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  35. «Thunderheads on Jupiter». Jet Propulsion Laboratory (em inglês). National Aeronautics and Space Administration. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  36. Minard, Anne. «Mysterious Cyclones Seen at Both of Saturn's Poles». National Geographic News (em inglês). National Geographic. Consultado em 28 de janeiro de 2021 [ligação inativa] 
  37. Taylor Redd, Nola. «Neptune's Atmosphere: Composition, Climate, & Weather». Space.com (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  38. Boyle, Rebecca (18 de outubro de 2012). «Check Out The Most Richly Detailed Image Ever Taken of Uranus». Popular Science (em inglês) 
  39. Irwin, Patrick (Julho de 2003). Giant Planets of Our Solar System: Atmospheres, Composition, and Structure (em inglês) 1 ed. [S.l.: s.n.] p. 115. ISBN 978-3-540-00681-7 
  40. «Uranus» (em inglês). Scholastic. Consultado em 28 de janeiro de 2021. Arquivado do original em 2 de setembro de 2011 
  41. Lunine, Jonathan I. (setembro de 1993). «The Atmospheres of Uranus and Neptune». Annual Review of Astronomy and Astrophysics. 31. pp. 217–263. Bibcode:1993ARA&A..31..217L. doi:10.1146/annurev.aa.31.090193.001245 
  42. Tanton, Elkins; Linda, T. (2006). Uranus, Neptune, Pluto, and the Outer Solar System (em inglês). New York: Chelsea House. pp. 79–83. ISBN 978-0-8160-5197-7 
  43. Coustenis, Athéna; Taylor, F.W. (2008). Titan: Exploring an Earthlike World (em inglês). [S.l.]: World Scientific. pp. 154–155. ISBN 978-981-270-501-3 
  44. «Surprise Hidden in Titan's Smog: Cirrus-Like Clouds». Mission News (em inglês). National Aeronautics and Space Administration. 3 de fevereiro de 2011. Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  45. Zubritsky, Elizabeth (2016). «NASA Scientists find impossible cloud on titan» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  46. National Aeronautics and Space Administration (2008). «NASA Confirms Liquid Lake on Saturn Moon, Cassini Mission News» (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  47. Chu, Jennifer (2 de outubro de 2013). «Scientists generate first map of clouds on an exoplanet». MIT (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  48. Demory, B. O.; De Wit, J.; Lewis, N.; Fortney, J.; Zsom, A.; Seager, S.; Knutson, H.; Heng, K.; Madhusudhan, N.; Gillon, M.; Barclay, T.; Desert, J. M.; Parmentier, V.; Cowan, N. B. (2013). «Inference of Inhomogeneous Clouds in an Exoplanet Atmosphere». The Astrophysical Journal (em inglês). 776 (2). pp. L25. Bibcode:2013ApJ...776L..25D. arXiv:1309.7894Acessível livremente. doi:10.1088/2041-8205/776/2/L25 
  49. Harrington, J.D; Weaver, Donna; Villard, Ray (31 de dezembro de 2013). «Release 13-383 – NASA's Hubble Sees Cloudy Super-Worlds With Chance for More Clouds». NASA (em inglês). Consultado em 28 de janeiro de 2021 
  50. Moses, J. (2014). «Extrasolar planets: Cloudy with a chance of dustballs». Nature. 505 7481 ed. pp. 31–32. Bibcode:2014Natur.505...31M. PMID 24380949. doi:10.1038/505031a 
  51. Knutson, H. A.; Benneke, B. R.; Deming, D.; Homeier, D. (2014). «A featureless transmission spectrum for the Neptune-mass exoplanet GJ 436b» 7481 ed. Nature. 505: 66–68. Bibcode:2014Natur.505...66K. PMID 24380953. arXiv:1401.3350Acessível livremente. doi:10.1038/nature12887 
  52. Kreidberg, L.; Bean, J. L.; Désert, J. M.; Benneke, B. R.; Deming, D.; Stevenson, K. B.; Seager, S.; Berta-Thompson, Z.; Seifahrt, A.; Homeier, D. (2014). «Clouds in the atmosphere of the super-Earth exoplanet GJ 1214b». Nature. 505 7481 ed. pp. 69–72. Bibcode:2014Natur.505...69K. PMID 24380954. arXiv:1401.0022Acessível livremente. doi:10.1038/nature12888 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons