Volodymyr Zelensky

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Volodymyr Zelensky
Володимир Зеленський
Volodymyr Zelensky
Володимир Зеленський
6.º Presidente da Ucrânia
Período 20 de maio de 2019
a atualidade
Primeiro-ministro Volodymyr Borysovych (2016–19)
Oleksiy Honcharuk (2019–20)
Denys Shmyhal (2020–presente)
Antecessor(a) Petro Poroshenko
Dados pessoais
Nome completo Volodymyr Olexandrovytch Zelensky[a]
Nascimento 25 de janeiro de 1978 (44 anos)[5]
Kryvyi Rih, República Socialista Soviética da Ucrânia[6]
Progenitores Mãe: Rimma Zelenska[11]
Pai: Oleksandr (Aleksandr) Zelensky[11]
Alma mater Universidade Nacional Econômica de Kiev[7]
Esposa Olena Zelenska (desde 2003)[8]
Filhos 2[12]
Partido Servo do Povo[9]
Religião Judaísmo[10]
Ocupação Político, ator, roteirista e diretor[5]
Residência Palácio Mariyinsky
Assinatura Assinatura de Volodymyr Zelensky

Volodymyr Olexandrovytch Zelensky[3][4] (em ucraniano: Володимир Олександрович Зеленський;[13] Krivoi Roh, 25 de janeiro de 1978) é um político, ator, roteirista, comediante e produtor/diretor cinematográfico ucraniano. É o atual presidente da Ucrânia, cargo para o qual foi empossado em 20 de maio de 2019.[6][5]

Zelensky nasceu e cresceu em Kryvyi Rih, uma região localizada no sudeste da Ucrânia.[14] Concluiu a graduação em direito pelo Instituto de Economia de Kryvyi Rih, mas não exerceu funções jurídicas. Ainda na juventude iniciou sua carreira como comediante e fundou o grupo Kvartal95, que produziu filmes, desenhos e programas de televisão como a série Servo do Povo, onde Zelensky faz o papel de presidente da Ucrânia.[15][16] A série durou de 2015 a 2018 e foi extremamente popular.[17] Em março de 2018, integrantes do Kvartal95 registraram um partido político com o mesmo nome do programa.[18]

Em dezembro de 2018, Zelensky anunciou sua candidatura para a eleição presidencial ucraniana de 2019. Zelensky apresentou uma plataforma de campanha sobretudo antissistema.[19] No segundo turno, derrotou o presidente Petro Poroshenko, alcançando 73% dos votos.[20] Na presidência, defendeu o governo eletrônico e a união entre as populações falantes de russo e ucraniano do país. Utilizou as redes sociais como seu principal meio de comunicação, principalmente o Instagram.[21] Seu partido obteve uma vitória esmagadora nas eleições antecipadas do legislativo que ocorreram logo após sua posse.[22]

Durante seu governo, Zelensky propôs reformas em diversas áreas, incluindo agrária, eleitoral, política e judicial. Entre as medidas promulgadas, extinguiu a imunidade legal dos membros do Conselho Supremo da Ucrânia[23] e introduziu a possibilidade de convocação de referendos.[24] Também sancionou uma legislação alegadamente para desoligarquiar o país.[25] Zelensky prometeu acabar com a Guerra Russo-Ucraniana e tentou dialogar com o presidente russo Vladimir Putin.[26] No entanto, houve uma escalada de tensões com a Rússia que culminou em uma invasão em fevereiro de 2022. O gerenciamento de Zelensky durante a ofensiva militar rendeu-lhe ampla admiração internacional, tendo sido descrito como um símbolo da resistência ucraniana.[27][28]

Juventude, família e educação

Zelensky e sua esposa Olena, em 2021

Volodymyr Oleksandrovych Zelensky é filho de um casal de judeus.[29] Nasceu em 25 de janeiro de 1978 na cidade de Kryvyi Rih, então parte da República Socialista Soviética da Ucrânia.[30] Seu pai, Oleksandr Zelensky, é um matemático e professor, além de responsável pelo departamento de cibernética do Instituto de Economia de Kryvyi Rih. Sua mãe, Rymma Zelenska, era engenheira.[31] Seu avô paterno, Semyon (Simon) Ivanovych Zelensky, serviu no Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial; o pai de Semyon e três irmãos foram mortos no Holocausto.[32] Além de Semyon, uma avó de Zelensky escapou dos nazistas ao ser evacuada para o Cazaquistão.[33]

Zelensky referiu que cresceu em uma "família judia soviética comum", não muito religiosa, eis que a religião era reprimida pela União Soviética.[33] Quando era criança, sua família se mudou para a cidade de Erdenet, na Mongólia, diante de compromissos profissionais de Oleksandr.[34] Ali a família permaneceu durante quatro anos e Zelensky aprendeu a língua mongol, embora posteriormente afirmou que, por conta da falta de prática, não sabia mais pronunciar nenhuma palavra em mongol.[31] Também é um falante nativo de russo, assim como muitos moradores da região de Dnipropetrovsk, e atingiu fluência em ucraniano e inglês.[34]

Após quatro anos na Mongólia, Zelensky e sua família retornaram para Kryvyi Rih, onde ingressou no ensino primário.[34] Durante a juventude, tinha a aspiração de ser guarda fronteiriço; posteriormente, desejava seguir carreira diplomática.[31] Aos 16 anos, foi aprovado no Teste de Inglês como uma Língua Estrangeira e recebeu uma bolsa de estudos para estudar em Israel, mas seu pai não permitiu a mudança para aquele país.[35] Em 1995, matriculou-se no Instituto de Economia de Kryvyi Rih e graduou-se em Direito por esta instituição em 2000.[36] Zelensky não exerceu nenhuma atividade jurídica.[31]

Em 2003, Zelensky se casou com Olena Zelenska. Ambos eram colegas de escola em Kryvyi Rih, embora só se conheceram durante a universidade. Relacionaram-se durante oito anos antes do casamento.[37] Tiveram dois filhos: Oleksandra, nascida em julho de 2004, e Kyrylo, nascido em janeiro de 2013.[38]

Em 2021, a Pandora Papers revelou uma rede de empresas offshore fundada e mantida por Zelensky e pessoas próximas. Entre as disposições financeiras estavam pelo menos dez empresas que lhe pagaram dividendos (cujo montante permanecia desconhecido) após a sua chegada à presidência. Através destas empresas, mantinha a propriedade de bens imobiliários de luxo no centro de Londres.[39] Zelensky alegou que fez isso para evitar que os seus programas de TV satíricos fossem "influenciados pela política" e enfatizou que nem ele nem qualquer membro do Kvartal95 estava envolvido com lavagem de dinheiro.[40]

Carreira no entretenimento

Zelesnsky (ao centro) em uma performance do Kvartal 95, em 2018

Aos 17 anos de idade, Zelensky ingressou em uma equipe da Klub Vesyólykh i Nakhódchivykh (KVN), traduzido em língua portuguesa para "Clube das Pessoas Divertidas e Inventivas". Trata-se de uma competição de humor criada em 1961 em que seus participantes são geralmente estudantes universitários.[31][41] Sua equipe venceu a competição em 1997 e, no mesmo ano, criou sua própria equipe, a Kvartal 95. De 1998 a 2003, o Kvartal 95 atuou na liga principal da KVN, levando os membros da equipe a passarem muito tempo em Moscou e a realizarem excursões nos antigos países soviéticos. Em 2003, a Kvartal 95 começou a produzir programas televisivos para o canal de TV ucraniano 1+1 e, em 2005, a equipe mudou-se para o canal ucraniano Inter.[31][42]

Em 2008, Zelensky estrelou o longa-metragem Love in the Big City e sua sequência Love in the Big City 2. Nos anos a seguir, participou dos filmes Office Romance. Our Time (2011), Rzhevsky Versus Napoleon (2012), Love in the Big City 3 (2014) e 8 First Dates (2012, 2015 e 2016).[42] De 2010 a 2012, integrou o conselho administrativo e ocupou o cargo de produtor-geral do canal de televisão Inter.[43]

Em 2014, Zelensky manifestou-se contrariamente à intenção do Ministério da Cultura ucraniano de banir artistas russos do país.[44] A partir de 2015, os ucranianos começaram a banir obras culturais da Rússia.[45] Em 2015, os russos baniram o filme Love in the Big City 2, estrelado por Zelensky.[46] Quando a mídia ucraniana relatou que a Kvartal 95 havia doado recursos financeiros ao exército do país, alguns políticos russos demandaram a proibição de suas obras na Rússia.[47]

Em 2015, Zelensky se tornou a estrela da série de televisão O Servo do Povo, interpretando o papel de presidente da Ucrânia.[43][48] Seu personagem era um professor de história do ensino médio na casa dos 30 anos que ganhou a eleição presidencial depois que um vídeo viral o mostrou fazendo um discurso contra a corrupção do governo ucraniano.[49][50] A série tornou-se o programa com maior audiência do país.[31]

Campanha presidencial de 2019

Zelensky e o presidente Petro Poroshenko em 19 de abril de 2019

Em março de 2018, membros do Kvartal95 registram o Servo do Povo como um partido político.[51] No mesmo ano, Zelensky tinha em torno de 10% das intenções de votos para a eleição presidencial de 2019.[52] Em 31 de dezembro de 2018, no especial de final de ano do canal 1+1, anunciou sua candidatura à presidência.[53] Sua campanha foi quase que inteiramente virtual, através das redes sociais,[54] evitando engajar-se em entrevistas com jornalistas.[55] Zelensky rapidamente assumiu a liderança nas pesquisas de opinião.[52]

A ascendência de Zelensky nas pesquisas foi fruto da rejeição às elites e aos políticos, vistos por boa parte da população como incapazes de superar as dificuldades econômicas e os escândalos de corrupção.[56][57][58][59] Além de cultivar a imagem de ousider, defendeu a renovação da política e o combate à corrupção.[60][61] Afirmou que buscaria diminuir a burocracia,[62] promover a meritocracia na escolha dos cargos governamentais,[52] despolitizar o Poder Judiciário[63] e eliminar o foro privilegiado dos deputados, juízes e do presidente.[52] Propôs ainda estipular a realização de referendos[52] e afirmou que não seria candidato à reeleição.[64]

Mapa com os resultados do segundo turno

Na política externa, Zelensky externou o desejo de terminar com a guerra com a Rússia,[65] assim como a retirada das forças militares russas no país e de exigir uma compensação pelos conflitos.[66] Zelensky prometeu manter a aproximação com o mundo ocidental[66] e defendeu a entrada da Ucrânia na União Europeia (UE) e na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).[52] Não obstante, preferia que ambas as questões fossem decididas em um referendo.[67]

No primeiro turno, no final de março, Zelensky recebeu 30,2% dos votos, superando o presidente Petro Poroshenko, que atingiu 15,9%, e Iúlia Timochenko, com 13,4%.[68] O presidente Poroshenko então buscou explorar a inexperiência política de Zelensky, afirmando que seria o único capaz de enfrentar a Rússia e garantir a integridade territorial ucraniana.[52] Também foi questionada sua ligação com o oligarca bilionário Ihor Kolomoyskyi.[34]

Zelensky foi eleito presidente em 21 de abril, derrotando Poroshenko com facilidade. Em uma votação com participação de 62,8% dos eleitores, alcançou 13,5 milhões de votos, ou 73,22%, ante os 4,5 milhões de votos do presidente incumbente, correspondente a 24,45%.[69] Zelensky venceu em quase todas as regiões, salvo em Lviv; nas demais, atingiu 60% em Kiev, 70% na região de Kiev, 86% em Kharkiv e 89% em Luhansk.[70] Em seu discurso de vitória, declarou: "Embora eu ainda não seja presidente, posso falar como cidadão da Ucrânia: a todos os países da antiga União Soviética, olhe para nós. Tudo é possível."[71]

Presidente da Ucrânia

Posse e primeiros dias

Cerimônia de posse de Zelensky na presidência ucraniana

Zelensky foi empossado como presidente da Ucrânia em 20 de maio de 2019. Tornou-se o presidente mais jovem da história do país,[72] o primeiro judeu[nota 1] e o sexto desde sua independência.[73][74] Em seu discurso de posse, anunciou a dissolução do Parlamento (Verkhovna Rada) e convocação de eleições legislativas antecipadas.[75] Na formação de seu governo, escolheu Andriy Bohdan como seu assessor mais importante; Bohdan era funcionário do controverso bilionário Ihor Kolomoyskyi.[76] Antigos membros do Kvartal95 foram nomeados para cargos-chave.[76] Ivan Bakanov, ex-CEO do grupo, foi designado para a chefia do Serviço de Segurança.[77]

Na primeira semana de governo, o Parlamento rejeitou sua proposta de alterar a legislação eleitoral. Zelensky propunha mudar o sistema de maioria simples para o de representação proporcional, com lista fechada, além de reduzir a cláusula de barreira de 5% para 3%. A proposta necessitava de 226 votos (metade dos 450 deputados), mas alcançou apenas 92 votos a favor.[78] Em junho, os parlamentares rejeitaram outras duas propostas do presidente: a remoção dos ministros das Relações Exteriores e da Defesa e do chefe do Serviço de Segurança[79] e a responsabilização criminal por atos de enriquecimento ilícito.[80]

Em julho de 2019, o Servo do Povo, partido do presidente, venceu as eleições legislativas, conquistando a primeira maioria absoluta na história política da Ucrânia. O partido recebeu 43% dos votos válidos, elegendo 254 deputados. O partido Plataforma de Oposição - pela Vida ficou em um distante segundo lugar, com 13% dos votos e 43 cadeiras. Os partidos liderados por Yulia Tymoshenko e Poroshenko tiveram 8% dos votos cada e elegeram 26 e 25 parlamentares, respetivamente. A revista The Economist pontuou que os resultados refletiam o desgosto dos eleitores com sua elite dominante e deram fôlego às reformas defendidas por Zelensky.[22][81]

Política doméstica

Reformas eleitoral e política

O presidente Zelensky introduziu uma agenda reformista que incluiu alterações nos processos eleitorais e políticos. Em setembro de 2019, sancionou mudanças na legislação sobre o impeachment presidencial. O jornalista Mikhail Minakov considerou que as modificações tornaram "impossível" remover um presidente do cargo.[23] Em dezembro, o Parlamento aprovou o código eleitoral proposto por Zelensky. As normas estabeleceram um sistema de votação por representação proporcional com listas partidárias abertas para eleições parlamentares e locais. Também eliminou o voto distrital e estabeleceu cota de gênero de 40% para parlamentares mulheres, que naquele momento detinham 20% das cadeiras.[82]

Em setembro de 2019, Zelensky sancionou a emenda à Constituição que extinguiu o foro privilegiado de parlamentares. As normas existentes impediam a detenção ou responsabilização dos deputados sem o consentimento do Parlamento. A falta de autorização parlamentar impedia investigações de deputados mesmo em face de claras evidências de cometimento de crimes. A proposta já havia sido apoiada pelo presidente anterior, Poroshenko, que a apresentou em 2017.[83] Durante a campanha, Zelensky comprometeu-se ainda a eliminar o foro privilegiado de juízes e do presidente,[84] mas a ideia não avançou.[23]

Em 2021, Zelensky sancionou a introdução dos referendos a nível nacional. De acordo com a nova legislação, um referendo poderia ser convocado para decidir temas de importância nacional, incluindo mudanças no território do país. Não poderia debater questões que violassem a Constituição, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, a Convenção Europeia dos Direitos Humanos e a independência e a soberania da Ucrânia.[24]

Relações com a imprensa

Zelensky durante entrevista

O partido Servo do Povo propôs reformas nas leis de mídia com a intenção de aumentar a concorrência e afrouxar o domínio dos oligarcas ucranianos nas emissoras de televisão e de rádio. Os críticos alegaram que a proposta poderia aumentar o risco de censura pois a previsão de responsabilização criminal pela distribuição de desinformação poderia ser má utilizada.[85][86] Zelensky defendeu a necessidade de combater notícias falsas e a propaganda russa – para tanto, propôs impedir que cidadãos russos possuíssem ou financiassem veículos midiáticos.[87]

Entre 10 e 11 de outubro de 2019, Zelensky realizou a mais longa entrevista coletiva da história mundial, com duração de 14 horas. O recorde foi registrado no Guinness Book e superou o previamente estabelecido por Alexander Lukashenko. O presidente respondeu a cerca de 500 perguntas, formuladas por 300 jornalistas.[88][89]

Durante seu mandato, Zelensky impôs sanções a veículos midiáticos pró-Rússia. Em 2021, baniu os canais 112 Ukraine, NewsOne e ZIK, que pertenciam a Taras Kozak e Viktor Medvedchuk, aliado de Putin. As restrições incluíram bloqueio de ativos, prevenção de saídas de capital para fora do país, suspensão de obrigações econômicas e financeiras e revogação das licenças de concessão.[90][91] Zelensky defendeu as ações como sendo necessárias para evitar a "agressão russa" e a desinformação, mas reconheceu que sanções contra veículos de imprensa eram uma "decisão difícil para qualquer governo, exceto um autoritário."[92]

Reforma agrária

Uma das metas de Zelensky em seu primeiro ano como presidente era a reforma agrária.[93] Em 2001, foi sancionada a proibição da venda de terras agrícolas, sob o argumento de que era necessário regulamentar o mercado e impedir que fosse tomado por estrangeiros. A moratória foi prorrogada nos anos seguintes. Seus apoiadores argumentavam que a proibição evitava a monopolização do mercado e garantia a autonomia nacional, enquanto seus opositores previam um considerável aumento dos investimentos com seu término. A União Europeia manifestou apoio à abertura do mercado.[94] No entanto, as pesquisas de opinião indicaram que a ampla maioria da população a rejeitava.[95][96] A proposta ocasionou protestos violentos,[97] inclusive no Parlamento, que presenciou uma luta entre deputados durante o debate sobre a matéria.[98]

Em maio de 2021, Zelensky sancionou a reforma agrária. O texto permitiu a compra e a venda de terras agrícolas, desde que entre pessoas físicas ou jurídicas ucranianas, nomeadamente os cidadãos, as entidades jurídicas, as comunidades territoriais (uma espécie de unidade administrativa) e o Estado.[99] Foram impostas limitações sobre o domínio da propriedade: um único indivíduo não poderia possuir mais de 35% das terras agrícolas de uma comunidade territorial, 8% de um oblast ou 0,5% do território nacional. Apenas um referendo poderia permitir a atuação de cidadãos e empresas estrangeiras no mercado.[100] Zelensky defendeu a nova legislação referindo que esta devolvia às comunidades o direito de dispor sobre suas terras.[101] A reforma agrária, juntamente com a bancária, era um dos requisitos para a concessão de um empréstimo pelo Fundo Monetário Internacional.[102]

Pandemia de COVID-19

Zelensky foi vacinado contra a COVID-19 em março de 2021

Diante da pandemia de COVID-19, Zelensky determinou a introdução da quarentena e medidas de distanciamento social e de uso de máscaras. O presidente defendeu as ações como forma de salvaguardar as vidas e a economia.[103] O modo de combater a pandemia foi semelhante ao adotado nos demais países europeus.[104] Zelensky recusou-se a comprar a vacina russa Sputnik V, dizendo que sua efetividade não foi comprovada.[105] O presidente foi vacinado com a vacina Oxford-AstraZeneca e incentivou a população a também ser imunizada, como forma de "nos permitir viver sem restrições novamente."[106] No entanto, o ritmo da imunização era um dos menores da região, com metade dos habitantes recusando a vacina.[107] Apenas 36% dos ucranianos estava completamente imunizado em fevereiro de 2022 e,[108] na mesma época, o país havia registrado 112 mil mortos pela doença.[109]

Reforma judicial

Zelenesky prometeu promover reformas no Poder Judiciário, visando garantir sua independência e o Estado de Direito, bem como combater a corrupção. As demandas para a concretização de tal reforma possuíam apoio do eleitorado e dos parceiros internacionais do país.[110][111] Em novembro de 2019, sancionou uma lei modificando o processo de escolha dos membros da Alta Comissão de Qualificações Judiciais, responsável pela seleção de juízes e condução de processos disciplinares. Também reduziu o salário e o número de membros da Suprema Corte, de 200 para 100 magistrados.[112][113] Foi formada ainda uma comissão junto ao Conselho Superior de Justiça para lidar com questões disciplinares envolvendo os integrantes da Suprema Corte e demais cortes superiores. A comissão poderia fiscalizar as atividades dos juízes e seus rendimentos e ativos financeiros. O Tribunal Constitucional anulou os efeitos da legislação pois julgou que suas disposições feriam a independência judicial.[114]

Em março de 2021, Zelensky revogou a nomeação de dois magistrados da Corte Constitucional, inclusive a de Oleksandr Tupytsky, o presidente do tribunal que ocupava o cargo desde 2013. Tupytsky havia sido implicado em um escândalo de corrupção, com gravações que demonstrariam seu suposto envolvimento em esquemas de corrupção. Ainda assim, a autoridade do presidente para remover-lhe do cargo foi questionada.[115] Nos meses anteriores, Zelensky e o Tribunal Constitucional estavam em conflito diante da decisão da corte de revogar normas que visavam impedir a corrupção de funcionários públicos.[116][117] O impasse envolvendo o Poder Judiciário manteve-se nos meses seguintes e o presidente afirmou que continuaria tentando reformá-lo.[118] Em julho, Zelensky sancionou a criação de um painel independente responsável pela nomeação de juízes.[119][120]

Lei sobre a desoligarquização

Zelensky durante reunião com a liderança do Conselho Supremo da Ucrânia

Em junho de 2021, Zelensky apresentou ao Parlamento uma versão inicial de um projeto de lei sobre a desoligarquização. O texto propunha proibir a participação de oligarcas nos processos de privatização de grandes empresas e obrigá-los a declarar seus bens. Igualmente, não poderiam contribuir monetariamente para apoiar partidos políticos.[121][122] Zelensky afirmou que o objetivo final de sua presidência era "destruir a ordem oligárquica tradicional" e a substituir por um sistema mais junto.[123][124] O The Guardian registrou, entretanto, que a ligação entre o presidente e oligarcas era controversa. Desde seu ingresso na política, Zelensky foi questionado por suas relações com o bilionário Igor Kolomoisky, dono do canal de TV em que trabalhava. A oposição alegou que o bilionário transferiu, entre 2012 a 2016, 41 milhões de dólares a Zelensky e pessoas próximas. Na mesma época da propositura do projeto de lei, auditores da União Europeia atestaram que a corrupção permanecia generalizada na Ucrânia.[125]

Em outubro de 2021, o projeto de lei sobre a desoligarquização foi aprovado. No dia anterior, o assessor e amigo de Zelensky, Serhiy Shefir, sobreviveu a uma tentativa de assassinato. O governo alegou que a tentativa poderia estar relacionada com a reforma proposta pelo presidente.[126][127] Em novembro, sancionou o projeto e, ao fazê-lo, declarou: "Democracia é lei e igualdade. Sancionei uma lei antioligárquica que muda radicalmente a relação entre o grande capital e os políticos. Agora todos os atores econômicos serão iguais perante a lei e não poderão comprar privilégios políticos para si. Não vamos permitir que infrinjam a lei!"[25]

Outras medidas

Zelensky endossou o plano de legalizar os jogos de azar na Ucrânia.[128] Quando os legisladores fracassaram em regular a indústria, o presidente ordenou o fechamento de todas as casas de jogos.[129] Em agosto de 2020, o Parlamento aprovou a legalização dos jogos de azar por 248 votos a 95 e Zelensky sancionou a medida logo a seguir.[130]

Em janeiro de 2020, Zelensky foi criticado por realizar uma viagem secreta para Omã, a qual aparentemente era uma mescla de férias pessoais e assuntos de governo. A presidência da Ucrânia alegou que a viagem foi paga pelo próprio governo, o que não o impediu de ser criticado pela falta de transparência, a qual foi comparada com uma viagem de Petro Poroshenko às Maldivas. Na época, Zelensky criticou Poroshenko.[131][132]

Política externa

Conflito de Donbas

Zelensky na região de Donetsk

Ainda antes de iniciar sua presidência, Zelensky afirmou que tentaria acabar com a guerra no Leste da Ucrânia negociando diretamente com a Rússia, argumentando que os líderes da República Popular de Donetsk e da República Popular de Luhansk eram "marionetes" da Rússia e, portanto, não faria sentido dialogar com eles.[133][134] Não descartou convocar um referendo para decidir a questão.[134] Afirmou que era contrário à concessão de um "status especial" para Donbass e que não anistiaria os militares da DPR e da LPR.[135] Quanto ao presidente russo Vladimir Putin, classificou-o como um "inimigo" e declarou que a "fronteira é a única coisa que a Rússia e a Ucrânia possuem em comum."[136][137]

Em junho de 2019, Zelensky nomeou o ex-presidente Leonid Kuchma como representante no Grupo de Contato Trilateral sobre a Ucrânia, responsável por buscar um acordo sobre o conflito.[138] Em julho, teve sua primeira conversa telefônica com Putin, durante a qual instou o líder russo a ingressar em negociações mediadas por países europeus.[139] Em outubro, Zelensky anunciou um acordo preliminar com os separatistas, segundo o qual o governo ucraniano respeitaria as eleições realizadas nas regiões em troca da retirada das tropas não declaradas da Rússia. O acordo foi fortemente criticado por políticos e pela população. Os opositores observaram que as eleições realizadas em Donbas provavelmente não seriam livres e justas e que seria impossível garantir que os russos cumprissem com o acordo. Zelensky defendeu o acordo afirmando que as eleições só seriam realizadas com a retirada das tropas russas.[140]

O início da retirada das tropas ucranianas e dos separatistas na região de Donbas teve início em outubro de 2019.[141] Nos meses seguintes, a retirada de tropas foi continuada e houve a troca de prisioneiros de guerra entre os ucranianos e os separatistas.[142] A pandemia de COVID-19 deteriorou as condições de vida na zona de conflito e combates aumentaram em março de 2020, com dezenove civis mortos, mais do que nos cinco meses anteriores combinados.[143] Em julho, um cessar-fogo foi declarado após a vigésima nona tentativa.[144] Zelensky admitiu que o processo de pacificação estava mais lento que o esperado, mas alegou que existia uma alta chance de encerrar a guerra ainda em 2020.[145]

União Europeia e OTAN

Zelensky com Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN, em 2019

Em fevereiro de 2019, a Constituição da Ucrânia foi emendada para estabelecer o ingresso na União Europeia e na Organização do Tratado do Atlântico Norte como "objetivos estratégicos".[146] Anteriormente, a entrada na UE foi considerada uma meta a longo prazo, conforme previsão do ex-presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, que estimou em 2016 que o ingresso da Ucrânia na organização só ocorreria em 20-25 anos.[147] Após ser empossado, Zelensky empreendeu esforços para que este fim fosse atingido. Em julho de 2020, Zelensky ratificou a participação do país no Triângulo de Lublin, uma aliança regional com a Lituânia e a Polônia que visa apoiar a integração ucraniana na UE.[148] Em 2021, a União Europeia reconheceu que existiam "perspectivas" para a adesão da Ucrânia.[149]

Em 2020, a OTAN reconheceu a Ucrânia como um país parceiro de oportunidade aprimoradas, permitindo o aprofundamento da cooperação com seus países membros.[150] Em setembro, Zelensky aprovou a nova Estratégia de Segurança Nacional da Ucrânia, estabelecendo as bases para uma parceria com a OTAN, com o objetivo final de aderir a organização.[151] Em junho de 2021, as forças armadas da Ucrânia e da OTAN realizaram exercícios navais conjuntos no Mar Negro.[152]

Escândalo Trump-Ucrânia de 2019

Ver artigo principal: Escândalo Trump-Ucrânia de 2019

Em setembro de 2019, a imprensa norte-americana relatou que o presidente Donald Trump impediu a transferência de 400 milhões de dólares à Ucrânia, a título de ajuda militar, a fim de pressionar Zelensky a investigar supostas irregularidades de Joe Biden e seu filho Hunter Biden, que integrou o conselho da empresa ucraniana de gás natural Burisma Holdings.[153][154] Trump e Zelensky haviam se comunicado em julho de 2019, por meio de um telefonema, no qual o presidente norte-americano afirmou: "[...] Outra coisa, há muita conversa sobre o filho de Biden, de que Biden parou a acusação e muitas pessoas querem descobrir mais sobre isso, então o que você puder fazer com o procurador-geral seria ótimo. Biden se gabou de ter parado a promotoria, então se você puder investigar. Parece horrível pra mim."[155] O telefonema causou um escândalo político nos Estados Unidos e gerou o primeiro impeachment de Trump.[156] Zelensky negou ter sido pressionado por Trump e declarou que não desejava interferir em uma eleição estrangeira.[157]

Crise russo-ucraniana desde 2021

Zelensky e o presidente Joe Biden na Casa Branca, em 2021

Em abril de 2021, em resposta ao aumento da presença militar da Rússia na fronteira, Zelensky conversou com o presidente norte-americano Joe Biden e instou os membros da OTAN a acelerarem o pedido de adesão da Ucrânia.[158] Em novembro, acusou a Rússia e o oligarca ucraniano Rinat Akhmetov de apoiar um plano para derrubar seu governo.[159] Nos meses a seguir, a Rússia aumentou consideravelmente a quantidade de tropas nas fronteiras com a Ucrânia. Em dezembro, foi estimado que existiam 70 mil soldados russos estacionados na região;[160] em fevereiro, o número mais que dobrou, para aproximadamente 150 mil, de acordo com estimativa dos EUA.[161] O governo dos EUA alertou que a Rússia buscava invadir a Ucrânia; os russos, entretanto, garantiam que tratava-se meramente de um exercício militar com Belarus.[162]

Em meados de janeiro de 2022, Zelensky tentou acalmar a população de seu país, afirmando que os ucranianos não deveriam entrar em pânico e apelou aos meios de comunicação para serem "métodos de informação em massa e não histeria em massa."[163] Zelensky pediu ao Ocidente que não criasse um "pânico" em seu país sobre uma possível invasão russa, acrescentando que os constantes avisos de uma ameaça "iminente" de invasão estavam colocando em risco a economia da Ucrânia.[164] Quando o presidente Biden tornou a repetir o aviso de que a invasão era "iminente", Zelensky afirmou que o homólogo norte-americano estava criando um pânico desnecessário.[165]

Nas primeiras horas de 24 de fevereiro, pouco antes do início da invasão russa, Zelensky gravou um discurso aos cidadãos da Ucrânia e da Rússia. Em parte do discurso, falou em russo ao povo da Rússia, apelando para que pressionem a liderança do seu país a evitar a guerra. Também refutou as alegações do governo russo sobre a presença de neonazistas no governo ucraniano e afirmou que não tinha intenções de atacar a região de Donbas, destacando suas conexões pessoais com a área.[166]

Invasão russa em 2022

Zelensky em 25 de fevereiro de 2022 em Kiev, no segundo dia da invasão russa à Ucrânia

Na manhã de 24 de fevereiro, Putin anunciou que a Rússia estava iniciando uma "operação militar especial" em Donbas. Mísseis russos atingiram vários alvos militares na Ucrânia, e Zelensky declarou lei marcial.[167] Zelensky também informou que as relações diplomáticas com a Rússia estavam sendo rompidas e,[168] no final do dia, decretou uma mobilização geral.[169] Zelensky alegou que seus serviços de inteligência o identificaram como o principal alvo da invasão, declarando: "o inimigo me marcou como alvo número um; minha família como alvo número dois. Eles querem destruir a Ucrânia politicamente destruindo o chefe de Estado."[170] Nos dias seguintes, sobreviveu a três tentativas de assassinato: duas perpetradas pelo Grupo Wagner e a uma pelo Kadyrovtsy.[171]

Nas primeiras horas de 26 de fevereiro, durante o ataque mais significativo das tropas russas à capital Kiev, o governo dos Estados Unidos e o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan instaram Zelensky a evacuar para um local mais seguro, e ambos ofereceram assistência para tal esforço. O presidente ucraniano recusou as ofertas e optou por permanecer em Kiev com suas forças de defesa, dizendo que "a luta é aqui [em Kiev]; preciso de munição, não de uma carona."[172][173][174]

Zelensky em abril de 2022

No início da invasão, o serviço de inteligência norte-americano estimou que Kiev passaria ao controle dos russos em 96 horas.[175] Putin também esperava uma ação militar rápida que resultasse na rendição da Ucrânia.[176][177] No entanto, a resistência das Forças Armadas e da população civil ucranianas surpreendeu os russos[178][179] e os aliados da OTAN, além de sancionarem economicamente a Rússia, providenciaram auxílio militar, financeiro e humanitário à Ucrânia.[180] A OTAN se negou a intervir diretamente, apesar dos pedidos de Zelensky para que estabelecesse uma zona de exclusão aérea sobre seu país.[181]

Zelensky ganhou reconhecimento mundial como um líder de guerra durante a invasão russa; o historiador Andrew Roberts comparou-o a Winston Churchill.[182][183][184] A Harvard Political Review escreveu que Zelensky "aproveitou o poder das mídias sociais para se tornar o primeiro líder de guerra verdadeiramente online da história, ignorando os guardiões tradicionais enquanto usa a internet para alcançar as pessoas."[185] Zelensky foi classificado ainda como um "herói nacional" ou "herói global" por outros comentaristas, incluindo em publicações de The Hill,[186] Deutsche Welle,[182] Der Spiegel,[187] USA Today[188] e The Forward.[189] O nível de apoio ao presidente entre os ucranianos foi auferido em 91% em 28 de fevereiro;[190] antigos políticos críticos ao governo elogiaram sua atuação durante a invasão.[191][174]

Notas

  1. Como o primeiro-ministro Volodymyr Borysovych Groysman também era judeu, a Ucrânia se tornou o segundo país do mundo a ter tanto o chefe de Estado como o chefe de governo devotos daquela religião. Até então, apenas os líderes de Israel eram simultaneamente judeus.[73]
  1. Também como Vladimir Alexandrovitch Zelenski.[1][2][3][4]

Referências

  1. «Ator Volodymyr Zelenskiy eleito presidente». A Bola. 22 de abril de 2019. Consultado em 2 de maio de 2019 
  2. «Eleição presidencial na Ucrânia tem comediante como favorito e incógnita sobre a vizinha Rússia». G1. 30 de março de 2019. Consultado em 25 de fevereiro de 2022 
  3. a b Yuliya Talmazan (25 de fevereiro de 2019). «Comedian Volodymyr Zelenskiy leads polls in Ukraine's presidential race» (em inglês). NBC News. Consultado em 25 de fevereiro de 2022 
  4. a b «Zelenski e Poroshenko disputarão 2º turno na Ucrânia, segundo pesquisas». Uol. 31 de março de 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  5. a b c «Meet the comedian who could soon be president of Ukraine» (em inglês). Gulf News Europe. 1 de abril de 2019. Consultado em 2 de abril de 2019 
  6. a b Leonid Bershidsky (10 de janeiro de 2019). «This Comedy Star Wants to Be Ukraine's Donald Trump» (em inglês). Bloomberg. Consultado em 2 de abril de 2019 
  7. Jackie Fox (1 de abril de 2019). «Who is the Ukrainian comedian running for president?» (em inglês). RTE. Consultado em 25 de fevereiro de 2022 
  8. «Profiles of three frontrunners of Ukraine's presidential election». Xinhua. 29 de março de 2019. Consultado em 2 de abril de 2019 
  9. «Volodymyr Zelensky, o ator de comédia que pode vir a ser presidente da Ucrânia». MadreMedia / AFP. Sapo24. 30 de março de 2019. Consultado em 2 de abril de 2019 
  10. «'Como eu poderia ser nazista?', questiona presidente judeu da Ucrânia». UOL. 24 de fevereiro de 2022 
  11. a b «Biết gì về diễn viên hài dẫn đầu bầu cử Ukraine?». PhaPluat. 2 de abril de 2019. Consultado em 2 de abril de 2019 
  12. «Profiles of Ukrainian presidential race frontrunners». Russian News Agency. 27 de março de 2019. Consultado em 2 de abril de 2019 
  13. «Зеленський Володимир Олександрович». 2019ua. 2019. Consultado em 6 de março de 2022. Cópia arquivada em 2 de abril de 2019 
  14. Gillian Brockell (25 de fevereiro de 2022). «Putin says he'll 'denazify' Ukraine. Its Jewish president lost family in the Holocaust.». The Washington Post. Consultado em 6 de março de 2022 
  15. «Volodymyr Zelensky on track to win first round in Ukraine poll». Financial Times. 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  16. «Security Clearances, Nipsey Hussle, April Fools': Your Monday Evening Briefing». The New York Times. 1 de abril de 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  17. Richard Godwin (4 de março de 2022). «Servant of the People review: Ukrainian president Volodymyr Zelensky's sitcom feels like a revelation». Evening Standard. Consultado em 6 de março de 2022 
  18. Tom Hitchenor (28 de fevereiro de 2022). «Ukraine President went from comedy TV star who voiced Paddington Bear to wartime leader». Northants. Consultado em 6 de março de 2022 
  19. Kateryna Odarchenko (5 de novembro de 2020). «Ukraine's Presidents, Power Elites, and the Country's Evolution». Wilson Center. Consultado em 6 de março de 2022 
  20. Matthew S. Schwartz (22 de abril de 2022). «Comedian Wins Ukrainian Presidency In Landslide». National Public Radio. Consultado em 6 de março de 2022 
  21. Joanna Hosa e Andrew Wilson (25 de setembro de 2019). «Zelensky unchained: What Ukraine's new political order means for its future – European Council on Foreign Relations». European Council of Foreign Relations. Consultado em 6 de março de 2022 
  22. a b «Volodymyr Zelensky clears the old elite out of parliament». The Economist. 27 de julho de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  23. a b c Mykhailo Minakov (9 de setembro de 2019). «Zelenskyy's Government and the Challenge for Checks and Balances». Woodrow Wilson International Center for Scholars. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  24. a b «Zelensky signs law on referendum». UK Inform. 8 de abril de 2021. Consultado em 6 de março de 2022 
  25. a b «Zelensky signs law on oligarchs». UK Inform. 6 de novembro de 2021. Consultado em 5 de março de 2022 
  26. Orysia Lutsevych (16 de novembro de 2021). «Ukraine still backs Zelenskyy despite slow progress». Chatham House. Consultado em 6 de março de 2022 
  27. Orysia Lutsevych (2 de março de 2022). «Ukraine war: what are Russia's strategic aims and how effectively are they achieving them?». The Conversation. Consultado em 6 de março de 2022 
  28. «Volodymyr Zelensky's appeal lies in his service to Ukrainians above all else». The Conversation. 2 de março de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  29. Eldad Beck (31 de março de 2019). «Jewish Ukrainian actor leads country's presidential race» (em inglês). Israel Hayom. Consultado em 2 de abril de 2019 
  30. Andrew Higgins (25 de abril de 2019). «Ukraine's Newly Elected President Is Jewish. So Is Its Prime Minister. Not All Jews There Are Pleased.» (em inglês). The New York Times. Consultado em 26 de fevereiro de 2022 
  31. a b c d e f g Alexandra Machado e Ana Kotowicz (24 de fevereiro de 2022). «Zelensky, o comediante que se tornou Presidente da Ucrânia e que agora luta contra Putin». Observador. Consultado em 26 de fevereiro de 2022 
  32. «Know more about Ukraine President Volodymyr Zelenskyy». Times of India. 26 de fevereiro de 2022. Consultado em 26 de fevereiro de 2022 
  33. a b Gillian Brockell (25 de fevereiro de 2022). «Putin says he'll 'denazify' Ukraine. Its Jewish president lost family in the Holocaust.». The Washington Post. Consultado em 26 de fevereiro de 2022 
  34. a b c d Michael Ray (25 de fevereiro de 2022). «Volodymyr Zelensky». Encyclopædia Britannica. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  35. «Зеленський: Якщо мене оберуть президентом, спочатку будуть поливати брудом, потім – поважати, а потім – плакати, коли піду». Gordonua. 6 de fevereiro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  36. «Volodymyr Zelenskyy — All About The Ukraine President, A Former Comedian Who Is Now Fighting Russia». ABP News Bureau. 26 de fevereiro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  37. «Meet Ukraine's First Lady: who is Olena Zelenska and what does she do». 112 Agency. 20 de maio de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2022 
  38. Abigail Angorkor Adjei (25 de fevereiro de 2022). «Volodymyr Zelenskyy children: Meet Aleksandra and Kiril». Ghanafuo. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  39. «Revealed: 'anti-oligarch' Ukrainian president's offshore connections». The Guardian. 3 de outubro de 2021. Consultado em 2 de abril de 2019 
  40. «Зеленський заявив, що не займався відмиванням грошей, хоча офшори використовував». Pravda. 2 de março de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  41. Lara Keay (26 de fevereiro de 2022). «Ukraine invasion: Who is President Volodymyr Zelenskyy - Russia's 'number one target'?». Sky News. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  42. a b «Зеленский Владимир». liga. 2 de janeiro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  43. a b «Зеленський заявив про рішення йти у президенти (відео)». Unian. 1 de janeiro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  44. «Зеленский намерен требовать отставки Минкультуры Украины». Sevas. 21 de fevereiro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  45. «Ukraine bans 38 Russian 'hate' books amid culture war». BBC. 11 de agosto de 2015. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  46. «"Нічна варта", "Кохання у великому місті 2": у Держкіно назвали нові заборонені фільми». Ukrayinska Pravda. 17 de janeiro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  47. «СК проверит, финансировал ли Зеленский украинскую армию». Komsomolskaya Pravda. 6 de fevereiro de 2016. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  48. Andrew E. Kramer (16 de março de 2019). «He Played a President on Ukrainian TV. Now He Wants the Real Thing.». The New York Times. Consultado em 2 de abril de 2019 
  49. Katherine Jacobsen (13 de dezembro de 2016). «How a Fictional President Is Helping Ukrainians Rethink Their Absurd Politics». Foreign Policy. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  50. «ANTES DE SE TORNAR LÍDER DA UCRÂNIA, VOLODYMYR ZELENSKY INTERPRETOU PRESIDENTE EM SÉRIE». Uol. Aventuras na História. 26 de fevereiro de 2016. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  51. «Зеленський: Партія "Слуга народу" йде в політику». Ukrayinska Pravda. 25 de outubro de 2018. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  52. a b c d e f g «Volodymyr Zelenskiy». Barcelona Centre for International Affairs. 31 de janeiro de 2022. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  53. «Actor Volodymyr Zelenskiy Says He'll Run For Ukrainian Presidency». Radio Free Europe. 2 de janeiro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  54. Adrian Karatnycky (24 de abril de 2019). «The World Just Witnessed the First Entirely Virtual Presidential Campaign». Politico. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  55. Tamila Varshalomidze (16 de abril de 2019). «Ukraine media demands access to runoff frontrunner Zelenskyy». Al Jazeera. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  56. «Comediante vence 1º turno da eleição presidencial na Ucrânia». Agência France-Presse. Correio Braziliense. 1 de abril de 2019. Consultado em 25 de fevereiro de 2022 
  57. Igor Gielow (29 de março de 2019). «Onda antipolítica leva humorista a ser o favorito à presidência da Ucrânia». Folha de S. Paulo. Consultado em 25 de fevereiro de 2022 
  58. «Comediante lidera pesquisa eleitoral para presidente da Ucrânia». Folha de S. Paulo. 8 de fevereiro de 2019. Consultado em 25 de fevereiro de 2022 
  59. Nadjejda Vicente (29 de março de 2019). «Ucranianos vão às urnas para escolher entre velha e nova política». UOL. Consultado em 25 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 2 de abril de 2019 
  60. Igor Gielow (1 de abril de 2019). «Comediante confirma favoritismo e enfrenta presidente na Ucrânia». Folha de S. Paulo. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  61. Peter Dickinson (24 de abril de 2019). «Why a Comedian Won Ukraine's Presidency in a Landslide». Foreign Affairs. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  62. Konstantin Ash e Miroslav Shapovalov (1 de maio de 2019). «How Ukraine's new president broke down a historic divide». The Washington Post. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  63. Ben Hall, Roman Olearchyk e Max Seddon (21 de outubro de 2019). «Ukraine: why Volodymyr Zelensky is pursuing a disruptive agenda». Financial Times. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  64. «How Volodymyr Zelenskiy beat Petro Poroshenko in Ukraine». Deutsche Welle. 24 de abril de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  65. Claude Forthomme (23 de abril de 2019). «Zelensky: The Promises of Ukraine's New President». Impakter. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  66. a b «Volodymyr Zelenskiy: Quem é o humorista que venceu a Presidência da Ucrânia». BBC. 21 de abril de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  67. Taras Kuzio (12 de março de 2019). «Ukrainian politicians continue to lie in Brussels – and to their voters». New Eastern Europe. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  68. «Вибори Президента України 2019». Comissão Central de Eleições. 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 1 de abril de 2019 
  69. «Вибори Президента України 2019». Comissão Central de Eleições. 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  70. «Ukraine election: Comedian Zelensky wins presidency by landslide». BBC. 22 de abril de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  71. «Comediante Volodymyr Zelenskiy é eleito presidente da Ucrânia». G1. 21 de abril de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  72. «Ukraine takes leap into the unknown with new president Zelensky». France24. 22 de abril de 2019. Consultado em 1 de março de 2022 
  73. a b Cnaan Liphschiz (22 de abril de 2019). «Zelensky win makes Ukraine 1st country outside Israel with Jewish PM, president». Times of Israel. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  74. Oleksandr Marusiak (23 de outubro de 2020). «Calendar Paradox of Ukrainian Presidents' Terms in Office: Good Constitution, Bad Mathematics». Forum for Ukrainian Studies. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  75. «Na posse, novo presidente da Ucrânia dissolve Parlamento e antecipa eleições». Deutsche Welle. G1. 20 de maio de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  76. a b «Зе!Банкова. Кого Зеленський призначив в Адміністрацію президента». Українська правда. 22 de maio de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  77. «Zelensky's childhood friend appointed SBU's first deputy chief (Document)». Unian. 22 de maio de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  78. «Ukrainian parliament rejects Zelensky's proposal to change election system». Uawire. 23 de maio de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  79. «Рада отказала Зеленскому в увольнении двух министров и главы СБУ. Ни один из его законопроектов не рассмотрен». Meduza. 6 de junho de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  80. «Рада відмовилась розглядати законопроект Зеленського про відповідальність за незаконне збагачення». Unian. 6 de junho de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  81. «Результати виборів». Pravda. 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  82. Oksana Grytsenko (19 de dezembro de 2019). «Updated: Parliament adopts Electoral Code with new voting rules». Kyiv Post. Consultado em 27 de fevereiro de 2022. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2022 
  83. «Ukraine's MPs Cancelled Parliamentary Immunity. Why Is This Dangerous?». Hromadske. 4 de setembro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  84. Patrick Reevell (25 de setembro de 2019). «What to know about Volodymyr Zelenskiy, the comedian-turned president of Ukraine». ABC News. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  85. «Voice of America: Journalists see censorship in Ukraine's proposed media laws». Voice of America. Kyiv Post. 6 de fevereiro de 2020. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  86. «Journalists See Specter of Censorship in Ukraine's Proposed Media Laws». Voice of America. 5 de fevereiro de 2020. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  87. Denys Krasnikov (10 de novembro de 2019). «Zelensky orders creation of law regulating media». Kyiv Post. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  88. «Presidente da Ucrânia bate recorde com entrevista de 14 horas». Terra. 11 de outubro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  89. «Ukrainian president Volodymyr Zelensky holds record-breaking 14-hour press conference». Euronews. 11 de outubro de 2019. Consultado em 27 de fevereiro de 2022 
  90. «Ukraine: Zelenskiy bans three opposition TV stations». Deutsche Welle. 3 de fevereiro de 2021. Consultado em 6 de março de 2022 
  91. «ЗЕЛЕНСЬКИЙ ЗАБЛОКУВАВ КАНАЛИ МЕДВЕДЧУКА: РНБО НАКЛАЛА САНКЦІЇ». Pravda. 2 de fevereiro de 2021. Consultado em 6 de março de 2022 
  92. Peter Dickinson (5 de fevereiro de 2021). «Analysis: Ukraine bans Kremlin-linked TV channels». Atlantic Council. Consultado em 6 de março de 2022 
  93. «Цього року ми проведемо земельну реформу – президент». Українська правда. 8 de agosto de 2019. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  94. Anselmo Heidrich (27 de dezembro de 2019). «A Reforma do Mercado de Terras na Ucrânia». Ceiri News. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  95. «Більшість проти відкриття ринку землі - опитування». BBC News. 8 de outubro de 2019. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  96. «Лише 20% українців підтримують відкриття ринку землі». Agri-gator. 12 de novembro de 2019. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  97. Daniel Harries (19 de dezembro de 2019). «Violent clashes in Kiev as land reform bill divides Ukraine». CGTN. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  98. «Brawl erupts in Ukraine parliament over controversial land reform». France-24. 6 de fevereiro de 2020. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  99. «Zelensky signs a bill on the transfer of farmland from the state to the communal property into law in public». Kyiv Post. 24 de abril de 2021. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  100. «Ukraine moves toward historical land market reform as bill opening sales adopted in first reading». Euromaidan Press. 13 de novembro de 2019. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  101. «Zelensky enacts law to launch farmland market in Ukraine». Farmlandgrab. 24 de maio de 2021. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  102. «Ukraine parliament adopts 'historic' land reform bill». AFP. Yahoo News. 31 de março de 2020. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  103. «Zelensky: Social distancing, mask regime must be observed». Kyiv Post. 8 de junho de 2020. Consultado em 1 de março de 2022 
  104. «Ukraine: Background, Conflict with Russia, and U.S. Policy» (PDF). Congressional Research Service. 5 de outubro de 2021. Consultado em 1 de março de 2022 
  105. «Ukraine to never register Russia's Sputnik V vaccine, health minister says». Russian News Agency. 5 de março de 2021. Consultado em 1 de março de 2022 
  106. Yuras Karmanau e Mrstylav Chernov (2 de março de 2021). «Ukraine's leader gets vaccine shot to dispel public doubts». Associated Press. ABC News. Consultado em 1 de março de 2022 
  107. Kateryna Odarchenko (30 de novembro de 2021). «Vaccine Hesitancy in Ukraine: The Sign of a Crisis in Governance?». Wilson Center. Consultado em 1 de março de 2022 
  108. «Share of people vaccinated against COVID-19». Our World in Data. 28 de fevereiro de 2022. Consultado em 1 de março de 2022 
  109. «Coronavirus World Map: Tracking the Global Outbreak». The New York Times. 1 de março de 2022. Consultado em 1 de março de 2022 
  110. Mykhailo Zhernakov e Nestor Barchuk (11 de outubro de 2022). «Ukraine's President Zelenskyy must prove he is serious about judicial reform». Atlantic Council. Consultado em 1 de março de 2022 
  111. Katya Gorchinskaya (31 de março de 2019). «Why Ukrainians want to elect a comedian as president». Al-Jazeera. Consultado em 1 de março de 2022 
  112. «Zelensky signs law on judicial reform». UK Inform. 4 de novembro de 2019. Consultado em 1 de março de 2022 
  113. Oleg Sukhov (5 de novembro de 2019). «Zelensky signs judicial reform bill into law». Kyiv Post. Consultado em 1 de março de 2022 
  114. Andrii Nekoliak (24 de março de 2020). «Ukraine's Presidents and the Judiciary: An Uneasy Relationship». Verfassungsblog. Consultado em 1 de março de 2022 
  115. «Two wrongs won't make a right: fixing Ukraine's constitutional court». Zentrum Liberale Moderne. 13 de abril de 2021. Consultado em 1 de março de 2022 
  116. Illia Ponomarenko (27 de março de 2021). «Zelensky fires notorious Constitutional Court head Tupytsky». Kyiv Post. Consultado em 1 de março de 2022 
  117. Roman Olearchyk (27 de março de 2021). «Ukraine's president ousts two judges for being threats to national security». Financial Times. Consultado em 1 de março de 2022 
  118. Halyna Chyzhyk (14 de setembro de 2021). «Ukraine's Zelenskyy vows to fight for judicial reform». Atlantic Council. Consultado em 1 de março de 2022 
  119. Yuras Karmanau (29 de junho de 2021). «Ukrainian parliament approves key judicial reform bill». Associated Press. Wane. Consultado em 1 de março de 2022 
  120. Sławomir Matuszak (16 de julho de 2021). «Ukraine: an important step towards judicial reform». Centre for Eastern Studies. Consultado em 1 de março de 2022 
  121. «Zelensky proposes banning oligarchs from participating in large-scale privatization». UK Inform. 3 de junho de 2021. Consultado em 5 de março de 2022 
  122. Roman Olearchyk (3 de junho de 2021). «Ukrainian president steps up fight to end the country's oligarchic system». Financial Times. Consultado em 5 de março de 2022 
  123. Volodymyr Zelenskyy (18 de maio de 2021). «President Zelenskyy: Deoligarchization is the key to Ukraine's future success». Atlantic Council. Consultado em 5 de março de 2022 
  124. Jonah Fisher (21 de maio de 2021). «Zelensky v oligarchs: Ukraine president targets super-rich». BBC. Consultado em 5 de março de 2022 
  125. Luke Harding, Elena Loginova e Aubrey Belford (3 de outubro de 2021). «Revealed: 'anti-oligarch' Ukrainian president's offshore connections». The Guardian. Consultado em 5 de março de 2022 
  126. Pavel Polityuk e Natalia Zinets (23 de setembro de 2021). «Ukrainian lawmakers pass law on oligarchs after assassination attempt». Reuters. Consultado em 5 de março de 2022 
  127. «Ukraine leader's aide survives assassination attempt». BBC. 22 de setembro de 2021. Consultado em 5 de março de 2022 
  128. «Ukraine's government endorses bill to legalize gambling». Unian. 30 de setembro de 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  129. «Forbes: Zelensky cracks down on illegal gambling». Forbes. Kyiv Post. 20 de dezembro de 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  130. Daniel O'Boyle (11 de agosto de 2020). «Gambling legalised in Ukraine as Zelensky signs act into law». iGB. Consultado em 6 de março de 2022 
  131. «Зеленський без зайвих анонсів гайнув в Оман "на зустрічі на найвищому рівні"». Pravda. 5 de janeiro de 2020. Consultado em 6 de março de 2022 
  132. Євген Солонина (6 de janeiro de 2020). «Зеленський в Омані. Експерти говорять про кризу комунікації президента». Pravda. Consultado em 6 de março de 2022 
  133. Kenneth Rapoza (16 de setembro de 2019). «Ukraine's New President Zelensky Hints At Peace With Russia». Forbes. Consultado em 6 de março de 2022 
  134. a b «Зеленський про війну на Донбасі: Хоч з чортом лисим готовий домовитися». Pravda. 26 de dezembro de 2018. Consultado em 6 de março de 2022 
  135. «Владимир Зеленский: Нам выгодно распустить Раду, но будем думать и поступать по закону». RBC. 18 de abril de 2018. Consultado em 6 de março de 2022 
  136. Tom Parfitt (19 de abril de 2019). «Ukraine poll leader Volodymyr Zelensky sees Putin as an enemy». Times. Consultado em 6 de março de 2022 
  137. «Zelensky: Border only "common" thing between Ukraine, Russia». Unian. 2 de maio de 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  138. «Ukraine's Zelensky appoints Leonid Kravchuk head of delegation to Contact group on Donbass». Tass. 30 de julho de 2020. Consultado em 6 de março de 2022 
  139. Henry Foy (11 de julho de 2020). «Putin and Zelensky hold first discussion with talks on conflict, prisoner swap». Financial Times. Consultado em 6 de março de 2022 
  140. «Ukraine conflict: Anger as Zelensky agrees vote deal in east». BBC. 2 de outubro de 2020. Consultado em 6 de março de 2022 
  141. «Ukraine conflict: Front-line troops begin pullout». BBC. 29 de outubro de 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  142. «Ucrânia e separatistas pró-russos trocam os últimos prisioneiros de guerra». Diário de Notícias. 29 de dezembro de 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  143. Lily Hyde (20 de abril de 2020). «COVID-19 turns the clock back on the war in Ukraine, as needs grow». The New Humanitarian. Consultado em 6 de março de 2022 
  144. «Two Ukrainian soldiers injured in booby-trap blast in Donbas». Unian. 25 de agosto de 2020. Consultado em 6 de março de 2022 
  145. «Volodymyr Zelenskyy: 'high chance' of ending war in Ukraine 'this year'». Euronews. 25 de agosto de 2020. Consultado em 6 de março de 2022 
  146. «Ukraine Amends Constitution to Cement EU, NATO Course». Agence France-Presse. VOA News. 7 de fevereiro de 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  147. «Juncker Says Ukraine Not Likely To Join EU, NATO For 20-25 Years». Radio Free Europe. 4 de março de 2016. Consultado em 6 de março de 2022 
  148. Ana Kotowicz (28 de fevereiro de 2022). «Zelensky assina pedido formal de adesão à União Europeia e pede rapidez. E agora?». Observador. Consultado em 6 de março de 2022 
  149. «Конституційна криза, корупція, олігархи: Європарламент опублікував доповідь по Україні». Slovoidilo. 12 de fevereiro de 2021. Consultado em 6 de março de 2022 
  150. Paulo Fernando de Barros (13 de junho de 2020). «A OTAN reconhece a Ucrânia como parceiro de oportunidades aprimoradas». Dunapress. Consultado em 6 de março de 2022 
  151. Hanna Duggal (25 de janeiro de 2022). «Infographic: Military capabilities of Russia and Ukraine». Al Jazeera. Consultado em 6 de março de 2022 
  152. Yuras Karmanau (28 de junho de 2021). «Ukraine, NATO launch joint Black Sea drills». Associated Press. Consultado em 6 de março de 2022 
  153. Lydia Tomkiw (27 de setembro de 2019). «How the Ukraine Scandal Looks in Ukraine». Slate. Consultado em 6 de março de 2022 
  154. Kenneth P. Vogel e Iuliia Mendel (1 de maio de 2019). «Biden Faces Conflict of Interest Questions That Are Being Promoted by Trump and Allies». The New York Times. Consultado em 6 de março de 2022 
  155. «Trump pediu à Ucrânia para investigar filho de Biden, mostra transcrição de conversa». Jornal do Comércio. 25 de setembro de 2019. Consultado em 6 de março de 2022 
  156. Gabby Orr, Sara Murray e Steve Contorno (28 de fevereiro de 2022). «Trump mantém elogios a Putin e chama presidente ucraniano de "corajoso"». CNN Brasil. Consultado em 6 de março de 2022 
  157. Tara Law (25 de setembro de 2019). «'Nobody Pushed Me.' Ukrainian President Denies Trump Pressured Him to Investigate Biden's Son». Time. Consultado em 6 de março de 2022 
  158. Olga Shylenko (8 de abril de 2021). «Ukraine's Zelensky on frontline as Merkel urges Putin to pull back troops». CTVNews. Consultado em 6 de março de 2022 
  159. «Zelensky warns Ukraine 'entirely prepared' if Russia attacks». France 24. 26 de novembro de 2021. Consultado em 6 de março de 2022 
  160. «Nova tensão militar com Ucrânia não gera apoio entre russos». O Povo. 12 de dezembro de 2021. Consultado em 6 de março de 2022 
  161. Kevin Liptak (16 de fevereiro de 2022). «EUA dizem que Rússia adicionou 7.000 soldados à fronteira com a Ucrânia». CNN Brasil. Consultado em 6 de março de 2022 
  162. Igor Gielow (3 de fevereiro de 2022). «EUA acusam Rússia de preparar vídeo fake para justificar invasão da Ucrânia». Folha de S. Paulo. Consultado em 6 de março de 2022 
  163. «'Big hype': Zelenskyy urges restraint amid risk of Russian invasion». Daily Sabah. 20 de janeiro de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  164. John Haltiwanger (28 de janeiro de 2022). «Volodymyr Zelensky accuses the West of causing 'panic' with warnings of a Russian invasion that hurts the Ukrainian economy». Business Insider. Consultado em 6 de março de 2022 
  165. Bill Bostock (28 de janeiro de 2022). «Ukraine's president told Biden to 'calm down' Russian invasion warnings, saying he was creating unwanted panic: report». Yahoo News. Consultado em 6 de março de 2022 
  166. Dominic Cruz Bustillos (24 de fevereiro de 2022). «Full Translation: Ukrainian President Volodymyr Zelenskyy's Feb. 23 Speech». Lawfare. Consultado em 6 de março de 2022 
  167. «Ukraine conflict: Russian forces attack from three sides». BBC. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  168. «Ucrânia rompe as relações diplomáticas com a Rússia, anuncia Zelensky». AFP. Uol. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  169. «Zelensky decreta mobilização geral da população para combater invasão». Notícias ao Minuto. 24 de fevereiro de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  170. Tamires Vitorio (25 de fevereiro de 2022). «Presidente da Ucrânia afirma ser "alvo número 1" de ataque da Rússia». Money Times. Consultado em 6 de março de 2022 
  171. Manveen Rana (3 de março de 2022). «Volodymyr Zelensky survives three assassination attempts in days». The Times. Consultado em 6 de março de 2022 
  172. Shane Harris, Ellen Francis e Robyn Dixon (25 de fevereiro de 2022). «U.S. stands ready to evacuate Zelensky, Russia's 'No. 1 target'». The Washington Post. Consultado em 6 de março de 2022 
  173. Yuras Karmanau; Jim Heintz; Vladimir Isachenkov; Dasha Litvinova (25 de fevereiro de 2022). «Street fighting begins in Kyiv; people urged to seek shelter». Associated Press. Consultado em 6 de março de 2022 
  174. a b Luke Harding (26 de fevereiro de 2022). «Volodymyr Zelenskiy stands defiant in face of Russian attack». The Guardian. Consultado em 6 de março de 2022 
  175. Neveed Jamali, David Brennan e Tom O'Connor (24 de fevereiro de 2022). «Exclusive: U.S. Expects Kyiv to Fall in Days as Ukraine Source Warns of Encirclement». News Week. Consultado em 6 de março de 2022 
  176. Sumathi Bala (2 de março de 2022). «Russia frustrated with pace of Ukraine invasion, expected country to capitulate, says military analyst». CNBC News. Consultado em 6 de março de 2022 
  177. «Report: Putin caught off guard, lost touch with reality». Israel Yahom. 1 de março de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  178. «Russia's firepower dwarfs Ukraine, but the invaders are facing tough resistance». ABC. 25 de fevereiro de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  179. Justin McCurry, Samantha Lock e Luke Harding (6 de março de 2022). «Russia targeting cities as strength of Ukraine's resistance 'continues to surprise', UK says». The Guardian. Consultado em 6 de março de 2022 
  180. «As Russia Pounds Ukraine, NATO Countries Rush In Javelins and Stingers». The New York Times. 4 de março de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  181. Courtney McBride (4 de março de 2022). «U.S., NATO Reject Intervening in Ukraine». The Wall Street Journal. Consultado em 6 de março de 2022 
  182. a b «Ukraine's Volodymyr Zelenskyy: From comedian to national hero». Deutsche Welle. 26 de fevereiro de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  183. «Actor-turned-president Zelensky grows on stage as Ukraine's war-time leader». AFP. Times of Israel. 27 de fevereiro de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  184. John Daniszewski (26 de fevereiro de 2022). «Zelenskyy's unlikely journey, from comedy to wartime leader». Associated Press. Consultado em 6 de março de 2022 
  185. Eamon O’Cearuil (3 de março de 2022). «Glory to You, President Zelenskyy». Harvard Political Review. Consultado em 6 de março de 2022 
  186. Ian Swanson (27 de fevereiro de 2022). «Zelensky emerges as global hero in Ukraine battle against Russia». The Hill. Consultado em 6 de março de 2022 
  187. Christina Hebel (28 de fevereiro de 2022). «Ukrainian President Zelenskyy Standing Tall in the Face of Danger». Der Spiegel. Consultado em 6 de março de 2022 
  188. Carli Pierson (26 de fevereiro de 2022). «'I need ammunition, not a ride': Zelenskyy is the hero his country needs as Russia invades». USA Today. Consultado em 6 de março de 2022 
  189. Rabbi Irwin Zeplowitz (28 de fevereiro de 2022). «Volodymyr Zelenskyy reminds us what a Jewish hero looks like». The Forward. Consultado em 6 de março de 2022 
  190. «Majority of Ukrainians believe they will win against Russia - poll». The Jerusalem Post. 28 de fevereiro de 2022. Consultado em 6 de março de 2022 
  191. Stephen Mulvey (26 de fevereiro de 2022). «Ukraine's Volodymyr Zelensky: The comedian president who is rising to the moment». BBC News. Consultado em 6 de março de 2022