Albert Lutuli

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Albert Lutuli
Lutuli, quando jovem.
Nome completo Albert John Mvumbi Luthuli
Nascimento c. 1898
Rodésia do Sul
Morte 21 de julho de 1967 (69 anos)
KwaDukuza
Nacionalidade Sul-africano
Etnia zulu
Ocupação Professor, religioso e político
Prémios Nobel prize medal.svg Nobel da Paz (1960)
Cargo Presidente do CNA

Albert John Mvumbi Lutuli[nota 1] (Rodésia do Sul, c. 1898KwaDukuza, 21 de Julho de 1967) foi um professor, líder religioso e político da África do Sul, ativista anti-apartheid, presidiu o Congresso Nacional Africano (CNA) de 1952 até sua morte.

Foi laureado com o Nobel da Paz de 1961, por sua luta não-violenta contra o regime sul-africano.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Lutuli nasceu perto de Bulawayo, no território do atual Zimbabwe, numa missão da Igreja Adventista do Sétimo Dia; seu pai morreu quando ainda era bebê.[1]

Foram morar então com um tio, Martin Luthuli, que então era o chefe numa missão cristã zulu da Reserva Umvoti, próximo a Groutville.[1]

Graças ao empenho de sua mãe, Lutuli pôde estudar no Ohlange Institute, onde ficou dois períodos, transferindo-se depois para o colégio interno missionário metodista em Edendale, onde em 1917 formou-se como professor.[2]

Em seguida foi lecionar na região montanhosa de Natal, até que em 1920 recebeu uma bolsa do governo para faculdade de magistério no Adams College High School, após o qual foi nomeado seu secretário e, depois, diretor.[2] Teve que exercer esses cargos para poder auxiliar financeiramente a mãe, recusando uma bolsa para a Universidade de Fort Hare.[1]

Em 1928 tornou-se secretário da African Teacher's Association e em 1933 seu presidente.[2]

Em 1935 aceitou a pressão dos anciãos de sua tribo, tornando-se chefe da Reserva Groutville.[1]

Durante muitos anos foi um pregador leigo, membro de várias congregações cristãs e parte da executiva do Christian Council of South Africa.[2]

Com a morte de John Dube em 1946, Lutuli candidata-se à sua sucessão, procurando dotar o Native's Representative Council de maior coerência nas ações, até então dividida em disputas internas. É derrotado, contudo, por Selby Msimang; quando a instituição já estava quase acabada, em 1948, Lutuli é feito seu presidente.[1]

Estátua em homenagem a Lutuli.

Ainda em 1948 passou nove meses nos Estados Unidos, numa série de palestras financiadas por duas organizações religiosas.[2]

Em 1951, com apoio da Liga da Juventude do Congresso Nacional Africano, começa a ter repercussão nacional no âmbito do CNA. Seu apoio à Campanha de Desafio, em 1952, fez o governo obrigá-lo a demitir-se da função de chefe. Em resposta publica seu manifesto pacifista "O Caminho da Liberdade é a Via Crucis"[nota 2][1] Neste ano foi eleito presidente-geral do CNA.[3]

A partir de 1953 Lutuli foi condenado pelo regime racista instalado desde 1948 ao confinamento domiciliar.[3]

Em 1955 recebeu, durante o Congresso do Povo, a mais alta condecoração do CNA - o Isitwalandwe Seaparankoe.[3]

Por sugerir um dia nacional de lamentação pelo Massacre de Sharpeville e haver queimado publicamente o passe obrigatório, num gesto simbólico de desobediência civil às leis segregacionistas, Lutuli foi condenado em 1960 no Julgamento por Traição a seis meses de prisão, tendo em seguida a pena suspensa.[3]

Lutuli, em Oslo, 1961.

Mesmo sofrendo pena de restrição, foi autorizado a sair do país para que, em dezembro de 1961, fosse até Oslo receber o Prêmio Nobel da Paz, numa situação que o jornal Die Transvaler qualificou como um "inexplicável fenômeno patológico" por parte do parlamento norueguês.[1] Na premiação Lutuli compareceu usando o tradicional chapéu de chefe tribal, e surpreendeu a plateia, ao final, cantando Nkosi Sikelel' iAfrika e, no dia seguinte, os jovens diante do paço municipal, atirando-lhes bolas de neve.[2]

Mesmo com a oposição de Nelson Mandela, defendeu o ingresso de não-negros no CNA, que se deu em 1954 com a criação do Congresso do Povo;[4] em sua presidência proibiu que a instituição adotasse a resistência armada ao regime; com o massacre de Sharpeville, contudo, deu carta-branca a Mandela para que este criasse um braço armado, desde que não houvesse vinculação com o Congresso, o que ocorreu com a criação do Umkhonto we Sizwe, em 1961.[5]

Lutuli morreu, aos 69 anos, atropelado por um trem, cuja aproximação não ouvira, em sua aldeia natal de Groutville,[2] em episódio não inteiramente esclarecido.[1]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

Notas

  1. A grafia do nome seria Luthuli, com "h", como o próprio biografado publicou em sua autobiografia; entretanto, a grafia sem o "h" era por ele preferida.[1]
  2. Uma livre tradução para: "The Road to Freedom is via the Cross"

Referências

  1. a b c d e f g h i South African History Online. «Chief Albert John Luthuli». SAHO. Consultado em 3 de março de 2012 
  2. a b c d e f g ZAbra (janeiro de 2007). «Albert John Lutuli». zar.co.za. Consultado em 3 de março de 2012 
  3. a b c d Nelson Mandela (2010). Conversas que tive comigo (em português). primeira ed. Rio de Janeiro. [S.l.]: Rocco. p. 401-402. 415 páginas. ISBN 9788532526076 
  4. Coleen Degnan-Veness (2007). Nelson Mandela. [S.l.]: Pearson Educational / Penguin Books. 45 páginas. ISBN 9781405852098 
  5. Mandela (2010), op. cit., pág. 90


Precedido por
Philip Noel-Baker
Nobel da Paz
1960
Sucedido por
Dag Hammarskjöld
Precedido por
James Moroka
Presidente do CNA
1952 — 1967
Sucedido por
Oliver Tambo