Saltar para o conteúdo

Saif al-Islam Muammar Al-Gaddafi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saif al-Islam Muammar Al-Gaddafi
سيف الإسلام معمر القذافي
Saif al-Islam Muammar Al-Gaddafi
Gaddafi em 2021
Nome completo Saif al-Islam Muammar Al-Gaddafi
Nascimento 25 de junho de 1972 (52 anos)
Trípoli
Nacionalidade  Líbia
Ocupação engenheiro, político
Página oficial
GDF

Saif al-Islam Muammar Gaddafi (em árabe: سيف الإسلام معمر القذافي; nascido em 25 de junho de 1972) é uma figura política líbia. Ele é o segundo filho do falecido líder líbio Muammar Gaddafi e sua segunda esposa Safia Farkash. Ele fazia parte do círculo íntimo de seu pai, desempenhando relações públicas e papéis diplomáticos em seu nome.[1] Ele rejeitou publicamente a oferta de seu pai do segundo posto mais alto do país e não ocupou nenhum cargo oficial no governo. De acordo com funcionários do Departamento de Estado americano em Trípoli, durante o reinado de seu pai, ele foi a segunda pessoa mais amplamente reconhecida na Líbia, sendo às vezes o primeiro-ministro "de fato",[2] e foi mencionado como um possível sucessor, embora tenha rejeitado isso.[3] Um mandado de prisão foi emitido contra ele em 27 de junho de 2011 pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) por acusações de crimes contra a humanidade contra o povo líbio, por matar e perseguir civis, nos termos dos Artigos 7(1)(a) e 7(1)(h) do Estatuto de Roma.

Gaddafi foi capturado no sul da Líbia pela milícia Zintan em 19 de novembro de 2011, após o fim da Guerra Civil Líbia, e levado de avião para Zintan. Ele foi condenado à morte em 28 de julho de 2015 por um tribunal de Trípoli por crimes durante a guerra civil, em um julgamento amplamente criticado realizado à revelia. Ele permaneceu sob custódia das autoridades independentes de facto de Zintan.  Em 10 de junho de 2017, ele foi libertado da prisão em Zintan,[4] de acordo com um comunicado do Batalhão Abu Bakr al-Siddiq.[5] Mais tarde no mesmo mês, sua anistia total foi declarada pelo governo baseado em Tobruk liderado por Khalifa Haftar.[6] Em dezembro de 2019, Gaddafi permanece procurado[7] com mandado de prisão do TPI por crimes contra a humanidade.[8]

Corrida presidencial de 2021

[editar | editar código-fonte]

Gaddafi anunciou em 22 de março de 2018 de Túnis que concorrerá ao cargo de presidente nas próximas eleições gerais da Líbia no âmbito da Frente Popular para a Libertação da Líbia (FPLL). Ayman Abu Ras, porta-voz do partido, disse que Gaddafi desejava se concentrar em um programa de "reforma", ou seja, projetos de reconstrução.[9][10]

Referências

  1. «Inside Gaddafi's inner circle». Al Jazeera. 27 de fevereiro de 2011. Consultado em 20 de junho de 2011 
  2. McLean, Alan; Shane, Scott; Tse, Archie (28 de novembro de 2010). «A Selection From the Cache of Diplomatic Dispatches». New York Times 
  3. «The Politics of Blackmail». Newsweek. 13 de setembro de 2008. Consultado em 9 de agosto de 2008. Cópia arquivada em 19 de maio de 2009 
  4. «Libya trial: Gaddafi son sentenced to death over war crimes». BBC. BBC. 28 de julho de 2015. Consultado em 28 de julho de 2015 
  5. «Saif al-Islam Gaddafi freed from prison in Zintan». Al Jazeera. 11 de junho de 2017 
  6. Xypolia, Ilia (3 de julho de 2017). «News of Saif al-Islam's release: regional politics fuels rumour mill in Libya». News24. Consultado em 3 de julho de 2017 
  7. "Décimo quinto relatório do procurador do Tribunal Penal Internacional para o Conselho de Segurança das Nações Unidas nos termos da UNSCR 1970 (2011)" (PDF)
  8. "Situação na Jamahiriya Árabe Líbia - Público - Mandado de Detenção de Saif Al-Islam Gaddafi" (PDF)
  9. Crilly, Rob (20 de março de 2018). «Gaddafi's son Saif 'to run for Libyan president' in 2018 elections». The Telegraph 
  10. «Saif al-Islam Gaddafi to run for Libya president». Middle East Eye (em inglês)