Riad al-Asaad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Riad al-Asaad
رياض موسى الأسعد
Nascimento 1961
?
País Síria
Força Síria Força Aérea Síria (1980-2011)
Exército Livre Sírio (2011-presente)
Anos em serviço 1980 - presente
Hierarquia Coronel[1]
Batalhas/Guerras Guerra Civil Síria

Riad Mousa al-Asaad (pronúncia árabe: [rijɑːdˤ muːsa ɐlʔæsʕæd]; em árabe: رياض موسى الأسعد, nascido em 1961) é um militar sírio, que serviu como comandante do Exército Livre da Síria.[2] Ele foi, por 30 anos, coronel da Força Aérea da Síria, até desertar em julho de 2011.[3]

Al-Asaad anunciou formalmente que estava desertando a causa do Partido Baath sírio, liderado pela família Assad, em 4 de julho de 2011, e, junto com outros oficiais desertores, fundou o chamado Exército Livre da Síria, em 29 de julho de 2011, para iniciar uma luta armada convencional contra o governo sírio do presidente Bashar al-Assad. Ele então foi para a província de Hatay, na Turquia, onde tomou abrigo e proteção do Exército daquele país.[4] Segundo Riad, a família dele e de outras lideranças rebeldes dentro da Síria vem sofrendo represálias, por causa das ações deles, por parte das forças do regime.[5]

Em uma entrevista para o jornal Voz da Rússia, feita em agosto de 2012, al-Asaad disse que o governo sírio havia tentado mata-lo diversas vezes e, por esse motivo, ele aceitou a proteção dos serviços de inteligência turco. O coronel Kasim Saaduddin, outro oficial desertor e membro do Exército Livre, disse que Riad al-Asaad não exerce controle total e direto sobre as forças armadas da oposição, o que o próprio Riad negou.[1]

Em 22 de setembro de 2012, as forças rebeldes do Exército Livre Sírio (ELS) anunciaram que estavam mudando seu posto de comando da Turquia para "áreas libertadas" dentro do território da Síria.[6] A informação não foi confirmada.[7]

Em 25 de março de 2013, Riad al-Asaad foi vítima de uma explosão de um carro-boma próximo a cidade de Mayadin, no leste da Síria. Ele foi levado então para a Turquia para receber tratamento médico.[8][9] Foi reportado também que uma parte de sua perna direita foi amputada.[10]

Referências

  1. a b «Political Resolution on the Crisis in Syria is Impossible». Turkish Weekly. 10 de agosto de 2012. Consultado em 20 de abril de 2013 
  2. Sen, Ashish. «U.N. veto called green light for Assad». Washington Times. Consultado em 6 de outubro de 2011 
  3. Sly, Liz (25 de setembro de 2011). «In Syria, defectors form dissident army in sign uprising may be entering new phase». Washington Post. Consultado em 6 de outubro de 2011 
  4. «العقيد المنشق رياض الأسعد: الحرب هي الخيار الوحيد للإطاحة بالرئيس السوري» (em Arabic). صحيفة العرب - قطر [Al-Arab Qatar]. 8 de outubro de 2011. Consultado em 2 de agosto de 2012 
  5. Families of Syrian rebels killed in their homes, says UN. Página acessada em 20 de abril de 2013.
  6. Syria rebels to reorganise, lead from front: general
  7. Rebel army moves command centre inside Syria to organise fractured forces
  8. «'I want to die': Free Syria Army chief cries out after losing his leg». Al Arabiya. Consultado em 26 de março de 2013 
  9. «Syria rebel commander Riad al-Asaad wounded by blast». BBC. Consultado em 20 de abril de 2013 
  10. "Free Syrian Army leader wounded in bomb attack". Página acessada em 20 de abril de 2013.