Abdullah Senussi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Abdullah Senussi (5 de dezembro de 1949 - 29 de agosto de 2011) foi o cunhado do coronel Muammar Gaddafi, o ex-líder líbio. Ele era casado com a irmã de Gaddafi. [1]

De acordo com The Guardian, ele possuia uma reputação de brutalidade desde 1970. Durante a década de 1980, foi chefe de segurança interna na Líbia, numa altura em que muitos opositores de Gaddafi foram mortos. Mais tarde, foi o chefe da inteligência militar, mas não está claro se ele realmente possuía uma patente oficial. Em 1999, foi condenado à revelia na França por seu papel em um atentado a bomba em 1989 a um avião de passageiros que sobrevoava sobre o Níger, que resultou na morte de 170 pessoas. Os líbios acreditam que foi o responsável por massacrar 1.200 prisioneiros na prisão de Abu Salim em 1996. Também supõe-se por estar trás de um suposto plano para assassinar em 2003 o príncipe herdeiro Abdullah da Arábia Saudita. [1]

Os telegramas da embaixada dos EUA na Líbia descrevem-o como sendo um confidente de Gaddafi, que faz com que "muitos de seus arranjos médicos". Durante a Guerra Civil na Líbia em 2011, foi acusado de orquestrar os assassinatos na cidade de Benghazi e de recrutar mercenários estrangeiros. Acredita-se que possuisse interesses econômicos na Líbia.[1]

Em 16 de Maio de 2011, o promotor do Tribunal Penal Internacional anunciou que está buscando um mandado de prisão para Abdullah Senussi sob a acusação de crimes contra a humanidade.[2]

Em 30 de Agosto de 2011, houve relatos de que o filho de Senussi, Mohammad[3] , e o filho do Coronel Gaddafi, Khamis, foram mortos durante confrontos com os rebeldes em Tarhuna.[4] Em outubro, a TV Arrai, uma rede pró-Gaddafi na Síria confirmou que Mohammad Senussi e Khamis Gaddafi haviam sido mortos em 29 de agosto.[5] Enquanto alguns acreditam que Senussi foi morto em Sirte em 20 de outubro [6] , o Ministro das Relações Exteriores do Níger, Mohammad Bazoum, disse à Reuters que ele fugiu para o Níger.[7]

Referências

  1. a b c Black, Ian (22 February 2011). "Gaddafi's confidant is Abdullah Senussi, a brutal right-hand man". The Guardian (London [s.n.]). Consult. 22 February 2011. 
  2. Gray-Block, Aaron (16 May 2011). "ICC prosecutor seeks arrest warrant for Gaddafi" [S.l.: s.n.] Reuters. Consult. 18 October 2011. 
  3. "Libya conflict: Bani Walid siege talks 'have failed'". BBC News [S.l.: s.n.] 4 September 2011. Consult. 18 October 2011. 
  4. "Is Gadhafi's Son Actually Dead?". International Business Times [S.l.: s.n.] 30 August 2011. Consult. 18 October 2011. 
  5. "TV station mourns death of Gaddafi's son Khamis in Libya" Reuters [S.l.] 2011-10-17. Consult. 2011-10-20. 
  6. Moni Basu and Matt Smith (2011-10-20). "Gadhafi killed in crossfire after capture, Libyan PM says" CNN [S.l.] Consult. 2011-10-20. 
  7. http://af.reuters.com/article/commoditiesNews/idAFL5E7LK66L20111020