Guerra suja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Guerra suja (em castelhano: Guerra sucia) refere-se a um tipo de ação repressiva conduzida pela polícia secreta ou pelos militares de um regime contra adversários políticos armados ou desarmados, e até mesmo contra a população em geral, em que são utilizados todo tipo de ações de terrorismo de Estado (violações de direitos humanos, guerra psicológica, contrainsurgência, etc.). Este tipo de "guerra", que exige principalmente operações "policiais", inclui tipicamente a repressão violenta (sequestros, torturas, assassinatos, desaparecimentos forçados, dentre outros) contra civis.[1] A Real Academia Española descreve guerra sucia como um "conjunto de ações que se situam a margem da legalidade e combatem um determinado grupo social ou político".[2]

Embora originalmente associado à ditadura militar na Argentina de 1976 a 1983,[3] o termo tem sido usado para descrever as ações das várias ditaduras latino-americanas[4] e até para descrever as ações de governos democraticamente eleitos, como de Alberto Fujimori no Peru. [5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. dirty war - WordNet
  2. guerra sucia - Real Academia Española
  3. DAVID KOHUT, OLGA VILELLA. Historical Dictionary of the Dirty Wars. Rowman & Littlefield Publishers
  4. Ruiz Guerra, Rubén. Entre la memoria y la justicia: experiencias latinoamericanas sobre guerra sucia y defensa de derechos humanos. UNAM, 2005. ISBN 9703229972.
  5. Bao, Ricardo Melgar; Bosque Lastra, María Teresa. Perú contemporáneo: el espejo de las identidades. Cidade do México: UNAM, 1993, página 102. ISBN 9683634885.