Processo de Reorganização Nacional

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)



República Argentina
Argentina
Flag of Argentina.svg
1976 – 1983 Flag of Argentina.svg
Flag Brasão
Bandeira da Argentina Brasão de armas da Argentina
Lema nacional
En Unión y Libertad
(Espanhol: "Em União e Liberdade")
Hino nacional
Himno Nacional Argentino


Localização de Argentina
Extensão territorial da Argentina
Continente América
Região América do Sul
Capital Buenos Aires
Língua oficial Espanhol
Religião Catolicismo
Governo República constitucional presidencialista sob uma ditadura militar
Presidente
 • 1976-1981 Jorge Rafael Videla
 • 1981 Roberto Eduardo Viola
 • 1981 Carlos Alberto Lacoste
 • 1981-1982 Leopoldo Galtieri
 • 1982 Alfredo Oscar Saint-Jean
 • 1982-1983 Reynaldo Bignone
Período histórico Guerra Fria
 • 24 de março de 1976 Golpe de Estado na Argentina em 1976
 • 10 de dezembro de 1983 Retorno à democracia
Área 2 780 400 km²
Moeda Peso argentino

Processo de Reorganização Nacional é a autodenominação da ditadura que se instalou na Argentina, após o golpe de estado levado efeito em 24 de março de 1976, orquestrado pelos líderes das três forças armadas e que pôs fim ao governo de Isabelita Perón, instalando no poder uma junta militar constituída pelos comandantes das três Forças Armadas: Jorge Rafael Videla (Exército), Emilio Massera (Marinha) e Orlando Agosti (Força Aérea). Na sequência, Jorge Videla assumiria de facto a presidência da República.

O Processo, que perdurou até 10 de dezembro de 1983, foi caracterizado por violência política e perseguição aos opositores, tanto das facções da esquerda quanto do movimento peronista.

O governo militar seguidor ideológico do fascismo[1] sequestrou, torturou e assassinou milhares de dissidentes e suspeitos políticos, incluindo médicos e advogados que ofereciam apoio profissional aos perseguidos, e estabeleceu centros clandestinos de detenção para executar tais tarefas de guerra suja.[2] Aproximadamente 30 mil pessoas foram assassinadas pelo regime militar, sendo contabilizados como "desaparecidos".[3]

A derrota argentina frente ao Reino Unido, na Guerra das Malvinas, marca a fase final do período. Eleições democráticas foram realizadas meses depois.

Referências

  1. Alex Henderson (10 de fevereiro de 2015). «Here are 7 fascist regimes enthusiastically supported by America]». Raw Story. Consultado em 5 de agosto de 2019  (em inglês).
  2. «List of Argentinian Repressors during the Dirty War». Derechos.org. Consultado em 5 de agosto de 2019  (em inglês).
  3. «Report on the situation of human rights in Argentina». Comissão Interamericana de Direitos Humanos. 11 de abril de 1980. Consultado em 5 de agosto de 2019  (em inglês).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a Argentina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.