Giorgia Meloni

Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Giorgia Meloni
Giorgia Meloni em 2022
88.º Primeira-ministra de Itália
Período 22 de outubro de 2022 até a atualidade
Presidente Sergio Mattarella
Antecessor(a) Mario Draghi
Presidente do Partido Fratelli d'Italia
Período 8 de março de 2014 até a atualidade
Antecessor(a) Ignazio La Russa
Presidente do Partido Conservador e Reformista Europeu
Período 29 de setembro de 2020 até a atualidade
Antecessor(a) Jan Zahradil
Deputada na Câmara dos deputados de Itália
Período 28 de abril de 2006 até a atualidade
Ministra da Juventude da Itália
Período 8 de maio de 2008 até
16 de novembro de 2011
Antecessor(a) Giovanna Melandri
Sucessor(a) Andrea Riccardi
Primeiro-Ministro Silvio Berlusconi
Dados pessoais
Nascimento 15 de janeiro de 1977 (45 anos)
Roma, Itália
Nacionalidade italiana
Companheiro Andrea Giambruno
Filhos 1
Partido Fratelli d'Italia
Religião Católica Romana
Profissão política

Giorgia Meloni (Roma, 15 de janeiro de 1977) é uma jornalista e política italiana que atua como primeira-ministra da Itália desde 22 de outubro de 2022, a primeira mulher a ocupar esse cargo. Deputada na Câmara dos Deputados desde 2006, dirige o partido político Fratelli d'Italia (FdI) desde 2014 e é presidente do Partido Conservador e Reformista Europeu desde 2020.

Em 1992, Meloni juntou-se à Frente da Juventude, a ala juvenil do Movimento Social Italiano (MSI). Mais tarde, tornou-se a líder nacional da Ação Estudantil , o movimento estudantil da Aliança Nacional (AN). Foi conselheira da Província de Roma de 1998 a 2002. Em 2008, foi nomeada Ministra italiana da Juventude no quarto governo de Berlusconi, cargo que ocupou até 2011. Em 2012, co-fundou o FdI, sucessora legal da AN, e tornou-se sua presidente em 2014. Participou sem sucesso nas eleições para o Parlamento Europeu em 2014 e nas eleições municipais de Roma em 2016. Após as eleições gerais italianas de 2018, liderou o FdI na oposição durante toda a 18ª legislatura italiana. O FdI cresceu na popularidade nas pesquisas de opinião, particularmente durante a gestão da pandemia de COVID-19 na Itália pelo governo de Draghi, um governo de unidade nacional no qual o Fratelli d'Italia era o único partido da oposição. Após a queda do governo Draghi, o FdI venceu as eleições gerais italianas de 2022.

Nacionalista de direita, as suas posições políticas foram descritas como de extrema direita, ao qual rejeita essa categorização. Descreve-se como cristã católica e conservadora de direita, e tem como lema "Deus, Pátria e Família". Opõe ao aborto, eutanásia, casamento entre pessoas do mesmo sexo e paternidade LGBT, dizendo que as famílias são chefiadas exclusivamente por pares masculino-feminino. O seu discurso inclui críticas ao globalismo e à retórica feminista. É contra o acolhimento de migrantes não cristãos e ao multiculturalismo, Meloni apoia um bloqueio naval para deter a imigração e culpa o neocolonialismo como a causa por de trás da crise migratória europeia. Fiel apoiante da OTAN, mantém visões eurocéticas em relação à União Europeia.

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Giorgia Meloni nasceu em Roma, em 1977. Seu pai era originário da Sardenha e a sua mãe da Sicília. Segundo Meloni, quando estava grávida dela, sua mãe, enfrentando dificuldades financeiras e já em um relacionamento deteriorado com o pai, programou-se para interromper a gravidez, mas desistiu do aborto pouco antes dos exames clínicos. Quando tinha onze anos de idade, seu pai, um conselheiro fiscal, abandonou a família, indo morar nas Ilhas Canárias, na Espanha. Após um incêndio na casa, que ela e sua irmã acidentalmente causaram, mudou-se com a mãe e a irmã para a Garbatella, bairro popular e da classe trabalhadora de Roma. Conta que teve uma infância "com dinheiro contado", mas que "apesar da ausência do meu pai, tive uma família que me dava todo o amor necessário".[1][2][3]

Em 1992, aos 15 anos de idade, juntou-se à Frente Juvenil, a ala jovem do Movimento Social Italiano-Direita Nacional (MSI). Nestes anos fundou a coordenação estudantil Gli antenati (Os ancestrais), que participou do protesto contra a reforma da educação pública promovido pela ministra Rosa Russo Iervolino. Em 1996, ela tornou-se a líder nacional da Azione Studentesca, o movimento estudantil da Alleanza Nazionale a herdeira de direita do MSI, representando esse movimento no Fórum de Associações de Estudantes estabelecido pelo Ministério da Educação italiano. No mesmo ano, ela se formou no Instituto Amerigo Vespucci.[4]

Durante esses anos, ela também trabalhou como babysitter, garçonete e bartender no Piper Club, uma das casas noturnas mais famosas de Roma.[5]

Obteve o diploma do ensino médio em línguas no Instituto "Amerigo Vespucci" de Roma, com a nota final de 60/60.[6]

Em 1998, depois de vencer as eleições primárias, foi eleita conselheira provincial da província de Roma, ocupando esse cargo até 2002. Em 2000 foi eleita diretora nacional e em 2004 foi a primeira mulher presidente da Ação Juvenil, a ala jovem do partido.[7]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Retrato de Giorgia Meloni para a Câmara dos Deputados em 2006.

Ministra da Juventude[editar | editar código-fonte]

Nas eleições gerais de 2006, Meloni foi eleita para a Câmara dos Deputados italiana; posteriormente, ela tornou-se a mais jovem vice-presidente da Câmara.[1]

Em 2008, ela foi nomeada ministra de Políticas para a Juventude no quarto gabinete liderado pelo magnata da mídia Silvio Berlusconi, cargo que ocupou até 16 de novembro de 2011, quando o primeiro foi forçado a renunciar ao cargo de primeiro-ministro a meio de uma crise financeira e vários protestos públicos. Ela foi a ministra mais jovem de todos os tempos na história da República Italiana.[8] Em agosto de 2008, Meloni convidou atletas italianos para boicotar a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim em protesto contra a política chinesa implementada em relação ao Tibete; no entanto, esta declaração foi criticada por Berlusconi e pelo ministro das Relações Exteriores, Franco Frattini.[9]

Em 2009, o seu partido fundiu-se com o Forza Italia, e ela assumiu a presidência da seção juvenil do partido. No mesmo ano, ela votou a favor do decreto-lei contra a eutanásia.[10] Em novembro de 2012, ela anunciou a sua candidatura para contestar a liderança do partido Povo da Liberdade contra Angelino Alfano, em oposição ao apoio do partido ao Gabinete Monti. Após o cancelamento das primárias, ela juntou-se aos seus colegas políticos Ignazio La Russa e Guido Crosetto para definir uma política anti-Monti, pedindo a renovação dentro do partido e criticando a liderança de Silvio Berlusconi.[11][12]

Presidente do Fratelli d'italia[editar | editar código-fonte]

Giorgia Meloni com Guido Crosetto durante um comício do Fratelli d'Italia em 2014.

Em dezembro de 2012, Meloni, La Russa e Crosetto fundaram um novo movimento político, Fratelli d'italia (FdI), cujo nome vem da letra do Hino Nacional Italiano.[13] Na eleição geral de fevereiro de 2013, ela candidatou-se como parte da coalizão de centro-direita de Berlusconi e recebeu 2,0% dos votos e 9 cadeiras na câmara dos deputados.[14] Meloni foi reeleita para a câmara dos Deputados pela Lombardia e posteriormente foi nomeada a líder do partido na Câmara, cargo que ocupou até 2014, quando renunciou para dedicar-se ao partido. Ela foi sucedida por Fabio Rampelli.[15]

Em março de 2014 ela tornou-se presidente do Fratelli d'italia e em abril foi nomeada para as eleições europeias de 2014, mas o seu partido obteve apenas 3,7% dos votos, não ultrapassando o limite de 4%, e portanto, não tornou-se deputada do Parlamento Europeu, apesar de receber 348 700 votos.[16]

Em agosto de 2014, o partido de Giorgia Meloni utilizou uma fotografia de Oliviero Toscani sem informar o autor que, ao tomar conhecimento do ocorrido, apresentou queixa. Originalmente tomada em favor de diferentes tipos de famílias, descontextualizada tornou-se parte de um manifesto de adoção anti-gay. Além disso, o mesmo fotógrafo definiu o póster como homofóbico.[17]

Como presidente do partido, ela decidiu formar a aliança com a Lega Nord de Matteo Salvini, lançando várias campanhas políticas com ele contra o governo de centro-esquerda de Matteo Renzi, colocando a FdI em posições eurocéticas e populistas.[18] A 4 de novembro de 2015, ela fundou a Nossa Terra - Italianos com Giorgia Meloni, um comité político conservador em apoio às suas campanhas. Nossa Terra era uma organização paralela à FdI e visava ampliar a base popular do partido.[19] A 30 de janeiro de 2016 ela participou do Family Day, uma manifestação anti-direitos LGBT, declarando-se contra a adoção de crianças por casais LGBT. No mesmo Dia da Família, Meloni anunciou que estava grávida; sua filha Ginevra nasceu a 16 de setembro.[20]

Em 2016, na eleição municipal em Roma, Meloni concorreu à prefeitura com o apoio de Nos com Salvini, mas em oposição ao candidato apoiado pela Forza Italia de Berlusconi. Meloni obteve 20,6% dos votos, quase o dobro do candidato da FI, mas não se classificou para o segundo turno, enquanto a FdI obteve convincentes 12,3%.[21] Durante o referendo constitucional de dezembro do mesmo ano sobre a reforma promovida pelo governo de Renzi, Meloni fundou o comité "Não, Obrigado" e participou de vários debates na televisão, incluindo um contra o primeiro-ministro Renzi. Quando o "Não" ganhou com quase 60% dos votos, Meloni convocou eleições antecipadas, e quando Renzi renunciou, ela manteve a confiança no próximo governo liderado por Paolo Gentiloni.[22][23] Um ano mais tarde, nos dias 2 e 3 de dezembro de 2017, em Trieste , o congresso do Fratelli d'italia viu a reeleição de Meloni como presidente do partido, bem como a renovação da logomarca do partido.[24]

Durante a campanha eleitoral para as eleições políticas italianas de 2018, Giorgia Meloni anunciou um protesto contra o museu egípcio de Turim, acusando-o de ter organizado uma campanha promocional dirigida a pessoas de religião islâmica e discriminatória contra os cristãos.[25] Durante o protesto, que decorreu sob o museu, o diretor Christian Greco foi falar com Meloni e explicou que a iniciativa não tem uma conotação anti-italiano, como era apenas uma maneira de promover a cultura egípcia entre as pessoas.[26][27]

Meloni com Matteo Salvini e Silvio Berlusconi em 2018.

Nas eleições gerais de 2018, o Fratelli d'italia fez parte da coligação de centro-direita, com a Forza Italia de Berlusconi, a Liga de Salvini e os Nós Com a Itália de Raffaele Fitto. O partido de Meloni obteve 4,4% dos votos e mais de três vezes os assentos conquistados em 2013. Ela foi eleita para a Câmara dos Deputados pelo círculo eleitoral uninominal de Latina com 41% dos votos.[28] A aliança de centro-direita, na qual a Liga emergiu como a principal força política, ganhou uma pluralidade de assentos na Câmara dos Deputados; no entanto, nenhum grupo político ou partido obteve uma maioria absoluta, resultando em um parlamento suspenso.[29][30]

Em outubro de 2018, por meio do Twitter, Giorgia Meloni "atacou" um colégio de Pescheria Borromeo, pois, segundo ela, "havia sido eliminada a carne de porco para dar lugar ao cuscuz, comida típica do norte da África", julgando injusto para "os filhos dos italianos". A este ataque, o jornalista Selvaggia Lucarelli afirma que "o cuscuz está disponível uma vez por mês ", considerando a polémica de Meloni inútil e extrema.[31]

Em novembro de 2018, Giorgia Meloni propôs restaurar o feriado nacional de 4 de novembro (aniversário da vitória da Grande Guerra) afirmando que " é um feriado muito mais unificador do que outros feriados que hoje são feriados nacionais", considerando que o 25 de abril e o 2 de junho, respetivamente o Dia da Libertação do Nazi-Fascismo e o Dia da República, seriam em vez "mais dois dias divisionistas".[32]

Na frente da política externa, Meloni fortaleceu a visão pró-EUA do seu partido, abrindo uma linha de comunicação entre o Fratelli d'Italia e o Partido Republicano do presidente Donald Trump.[33] A 5 de fevereiro ela foi a única italiana a participar do principal evento dos conservadores americanos, o "Café da Manhã de Oração Nacional" em Washington.[34] A abordagem aos Estados Unidos não a impediu de assumir posições cautelosas por ocasião de crises importantes na política internacional, como a morte numa operação dos EUA do general iraniano Qasem Soleimani, ocorrida no Iraque perto de Bagdá a 3 de janeiro de 2020, após o qual o secretário do Fratelli d'Italia pediu cautela e desaceleração, enquanto o aliado Matteo Salvini declarou que aprovava totalmente a ação de Washington.[35]

Giorgia Meloni discursando na presidência da república.

Em outubro de 2019, o seu discurso num comício de direita em Roma, onde deixou bastante clara os seus princípios "Somos pessoas, não códigos, e vamos defender nossa identidade. Eu sou Giorgia: sou mulher, sou mãe, sou italiana, sou cristã […]. Tenho vergonha de um Estado que nada faz pelas famílias italianas. Tenho vergonha de um Estado que defende os direitos dos homossexuais […]. Um Estado justo cuida dos mais fracos, daqueles que não podem defender-se".[36] Ela falou contra a paternidade do mesmo sexo, tornou-se viral nas plataformas da mídia social italiana e tornou-se objeto de muitas paródias.[37] Ela é contra qualquer lei que reconheça parcerias civis ou casamentos gays e é contra uma lei anti-homofobia, declarando que na Itália não há homofobia.[38] Devido a este tipo de declarações é muitas vezes considerada como xenófoba.[39]

Durante a emergência ligada à explosão da pandemia de COVID-19 na Itália, Giorgia Meloni chamou repetidamente o governo Conte de "inadequado para administrar a emergência" e o atacou duramente várias vezes para definir a atitude "criminosa".[40][41]

A 7 de março de 2020, assina com os dirigentes da Lega Nord e da Forza Italia a desconfiança do Ministro da Justiça, Alfonso Bonafede.[42]

A 19 de fevereiro de 2021, o professor universitário de Siena, Giovanni Gozzini, insultou Meloni caracterizando-a com nomes vulgares de numa rádio: o presidente Sergio Mattarella e o primeiro-ministro Mario Draghi ligaram para Meloni para condenar o professor que foi suspenso pelo conselho da universidade e expressar a sua solidariedade pelos insultos obscenos, que recebeu.[43][44]

Nos dias 9 e 10 de outubro de 2021, esteve reunida com Santiago Abascal e André Ventura em Madrid, no evento Viva 21 organizado pelo Vox.[45][46][47] Os três lideres partidários concordaram com a importância da existência de fronteiras seguras para a proteção dos povos da União Europeia, o respeito pelas soberanias nacionais, e a defesa da família, da cultura da vida, e na liberdade dos pais para a escolha na educação dos filhos.[48] No final do dia 10 discursou no evento destacando, que “a identidade é o principal inimigo da corrente globalista”.[48] "Tudo que nos identifica está sendo atacado (…), mas não vamos permitir".[48] Além disso reafirmou o seu compromisso com a defesa do Estado de Direito na Iberosfera contra a ameaça do comunismo.[48] Meloni assinou a 'Carta de Madrid' patrocinada por Abascal em outubro de 2020 e que já foi assinada por mais de 8.000 pessoas de mais de 20 países, e que aspira a unir os defensores da liberdade contra o totalitarismo da esquerda nos dois lados do Atlântico.[48] Meloni, Abascal e André Ventura comprometeram-se a lançar um fórum de colaboração de patriotas do sul da Europa com semelhanças em termos de identidade, história, costumes, valores e vocação geopolítica com o objetivo de dar um impulso alternativo ao projeto europeu.[48]

Meloni venceu a eleição legislativa de 2022 com o Fratelli d'Italia recebendo a maior bancada em uma coligação de centro-direita e, dessa maneira, tornou-se a sucessora de Mario Draghi.[49] O chefe da coligação de centro-esquerda, admitiu a derrota logo após as pesquisas à boca da urna.[50] Os líderes partidários Viktor Orbán da Hungria, Mateusz Morawiecki da Polônia, a britânica Liz Truss, a francesa Marine Le Pen, André Ventura de Portugal e Santigo Abascal do Reino de Espanha, felicitaram Meloni.[51][52]

Primeira-Ministra de Itália[editar | editar código-fonte]

Formação do governo[editar | editar código-fonte]

Meloni aceitando a tarefa de formar um novo governo

Imediatamente após a primeira reunião da nova legislatura, as tensões começaram a crescer dentro da coalizão de centro-direita. A 13 de outubro, Berlusconi recusou-se a apoiar Ignazio La Russ, a candidatura do FdI a Presidente do Senado da República. Ele conseguiu ser eleito com 116 votos em 206 na primeira volta, graças ao apoio dos partidos da oposição à coligação de centro-direita.[53][54][55] As tensões aumentaram ainda mais, em particular entre Berlusconi e Meloni, a quem Berlusconi descreveu como "condescendente e arrogante" e "ofensivo" em uma série de notas escritas no Senado.[56][57] Nos dias seguintes, após reuniões entre os líderes dos partidos, as tensões diminuíram e os partidos da coligação de centro-direita chegaram a um acordo sobre a formação do novo gabinete.[58]

A 20 de outubro, começaram oficialmente as consultas entre o presidente Sergio Mattarella e os partidos. No dia seguinte, delegados da FdI, da Liga, da FI e da Civics of Italy, anunciaram a Mattarella que haviam chegado a um acordo para formar um governo de coligação com Meloni como primeira-ministra.[59][60] À tarde, Mattarella convocou Meloni ao Palácio Quirinal, pedindo-lhe para formar um novo governo.[61] Aceitou a tarefa e no mesmo dia anunciou a composição do seu governo, que foi oficialmente empossado a 22 de outubro.[62][63] Giorgia Meloni é a primeira mulher a ocupar o cargo de primeira-ministra.[64][65][66]

A 25 de outubro, Meloni fez o seu primeiro discurso oficial como primeira-ministra na Câmara dos Deputados, antes do voto da moção de confiança do governo.[67][68][69] Durante o seu discurso, enfatizou o peso de ser a primeira mulher a servir como chefe do governo italiano.[70] Agradeceu a várias mulheres italianas, incluindo Tina Anselmi, Samantha Cristoforetti, Grazia Deledda, Oriana Fallaci, Nilde Iotti, Rita Levi-Montalcini e Maria Montessori, que ela disse, "com as tábuas de seus próprios exemplos, construiu a escada que hoje me permite subir e quebrar o pesado teto de vidro colocado sobre as nossas cabeças".[71][72] O governo ganhou o voto de confiança com 235 votos a favor e 154 contra, com 5 abstenções de grupos autónomos menores.[73][74] A 26 de outubro, o governo ganhou o voto de confiança também no Senado com 115 votos contra 79, com 5 abstenções.[75][76] O governo ganhou o voto de confiança com uma maioria confortável em ambas as casas.[77][78][79]

Posse[editar | editar código-fonte]

A 31 de outubro, o governo nomeou vários vice-ministros e subsecretários.[80] Foi elaborado um decreto referente ao COVID-19, com a retirada completa do Passe Verde e a reintegração de médicos não vacinados ao serviço.[81]

Posições políticas[editar | editar código-fonte]

Meloni tem posições conservadoras. Ela define-se como "um soldado com uma missão, a batalha contra o pensamento único, em defesa da família, do cristianismo e da pátria" e como "mulher, mãe, italiana e cristã". Apesar de ter dito que tem orgulho de ser mulher, não se considera feminista.[82][83]

Ela declara-se contrária ao crime de tortura do sistema jurídico italiano,[84][85] considerando que este "impede os agentes de fazerem seu trabalho " e propõe, de facto, a sua abolição. Também é contrária à lei Mancino (lei que contrasta racismo e fascismo), propondo a sua abolição.[86][87][88] É também a favor da remoção do pacto orçamentário europeu da constituição italiana, mas opôs-se à remoção de um orçamento equilibrado.[89]

Meloni afirma a existência da “ideologia de género” e opõe-se à divulgação dos estudos de género nas escolas, atacando as medidas de conscientização das escolas junto da comunidade LGBT (que têm a função de prevenir a discriminação relacionada à orientação sexual e identidade de género), porque, na sua opinião, eles não iriam lutar contra a discriminação sexual, mas dariam aos jovens "uma interpretação enganosa da sua identidade sexual".[90][91] Ela defende a existência da "teoria de género", que é uma crença nascida em meados da década de 1990 nos círculos do Opus Dei, para condenar qualquer posição social diferente da conservadora Igreja Católica, opondo-se aos estudos de género.[92][93][94][95]

Ela apoia a existência da "conspiração Kalergi", que é uma crença de que há um projeto de migração em massa planejado pela África para a Itália, para a destruição do povo italiano. Em mensagem no Twitter, Meloni afirmou que teria provas da existência de uma "substituição étnica" na Itália, alegando que, em 2015, 100 mil italianos deixaram o país em busca de uma vida melhor no exterior, muitos deles jovens, enquanto que 153 mil imigrantes entraram na Itália no mesmo ano, "na esmagadora maioria homens africanos".[96][97][98][99] Sendo assim, a respeito das políticas de migração, é contrária ao ius soli (quando a pessoa adquire a nacionalidade do local onde nasce),[100][101][102][103] alegando que "A cidadania italiana não pode em caso algum ser um automatismo: deve ser merecida e concedida apenas àqueles que amam e respeitam a nossa cultura e identidade" e que "Enquanto a esquerda prioriza o ius soli, nós defendemos o princípio do ius sanguinis".[83] Opõe-se firmemente a acolher os migrantes[104][105] e a uma sociedade multicultural, argumentando que está em andamento um esquema para “desconstruir a nossa sociedade e privar-nos da nossa identidade”.[106] É a favor do bloqueio naval no Mediterrâneo[107][108][109] e da criminalização do fundamentalismo islâmico.[110][111][112] Por essas e outras razões, ela também foi frequentemente acusada de xenofobia[113][114][115] e islamofobia.[116][117][118]

Em fevereiro de 2020, Meloni atacou, através do Twitter, as aulas de educação sexual de um colégio em Bolonha, porque para ela tratava-se de uma “ditadura de gênero” e que os alunos haviam sido “obrigados a sofrer propaganda ideológica”.[119] A diretora do Liceu, entretanto, explicou que na realidade a obrigação não foi imposta pela direção ou pelos professores, mas que foi uma iniciativa espontânea dos próprios alunos decidida através das assembleias estudantis democráticas. Essa versão também foi confirmada pelos representantes docentes que acrescentaram ainda que “ as atividades foram variadas, em temas como educação sexual para cada orientação sexual, identidade de gênero, sexismo nas escolas e feminismo”.[120]

Meloni falando no CPAC de 2022

Também opõe-se fortemente ao casamento homossexual,[121][122] às uniões civis gays,[123] à adoção por casais gays[124][125] e também às medidas para combater e prevenir a homofobia- transfobia (considerando que "Os homossexuais não são discriminados").[126][127][128] Apesar disso, durante a campanha de 2022, Meloni repetidamente negou as acusações de que pretende reverter a legislação sobre os direitos dos homossexuais (em 2016, a Itália aprovou a união civil entre pessoas do mesmo sexo),[129] bem como negou querer alterar a lei sobre aborto.[130]

Entre os seus principais projetos de lei estão: a eleição direta do Presidente da República, regras para limitar a disseminação do jogo, a abolição dos senadores vitalícios e o teto de impostos da Constituição.[131] Ela também se opõe firmemente à legalização da cannabis light,[132] à eutanásia[133][134] e à mãe de aluguer, propondo para este último caso uma lei para torná-lo um "crime universal", que também puniria os cidadãos italianos que usam este mecanismo no exterior.[135][136]

Na esfera econômica, Meloni defende uma menor interferência do Estado na economia, argumentando que "A riqueza é feita pelos trabalhadores e pelas empresas, o Estado deve permitir que eles a produzam" e que o objetivo do seu governo será "não atrapalhar quem produz".[137] Meloni também defende a redução dos impostos sobre o trabalho, a sustentação do poder de compra das famílias e a eliminação por parte das empresas de "todos aqueles bônus inúteis que alimentam o assistencialismo populista, mas não produzem desenvolvimento". Também advoga a simplificação da burocracia, uma justiça segura e rápida, uma infraestrutura moderna, a segurança e a legalidade, citando-os como meios para tirar a Itália da estagnação econômica. Também defende uma nova política industrial "que favoreça as empresas que contratam, que geram emprego, e valorizem nossas marcas, uma riqueza inestimável porque o mundo está faminto de produtos "Made in Italy".[138]

Em relação à comunidade italiana no exterior, afirmou que "Não importa quão longe estejam os nossos italianos no mundo, onde quer que estejam são e permanecem parte da nossa comunidade". No tocante à nacionalidade italiana, defende a manutenção do princípio do ius sanguinis, bem como defende acolher os cidadãos italianos que vivem no exterior e que queiram morar na Itália e incentivar a "imigração de retorno". Também defende que sejam reabertos os prazos para as pessoas que tiveram que renunciar à nacionalidade italiana, "como por exemplo quando não era permitido ter dois passaportes". Na esfera cultural, Meloni defende promover a língua e a cultura italianas no exterior, "defendendo os símbolos da nossa história e do nosso passado das loucuras da cultura do cancelamento".[139]

Por ocasião da conferência Deus, Honra, País: Presidente Ronald Reagan, Papa João Paulo II e a Liberdade das Nações, organizada em Roma, a 3 de fevereiro de 2020, numa ampla rede de organizações conservadoras, Meloni indicou que duas das suas referências culturais fundamentais são Ronald Reagan e o Papa São João Paulo II, a quem o evento foi batizado, elogiando o impulso de fundir "a democracia nacional dentro do princípio da soberania popular", típica da ideologia do presidente americano, assim como a intensificação do vínculo com as raízes cristãs da Europa, próprias da ação do pontífice polaco.[140]

Em outubro de 2021, na sequência de algumas acusações derivadas de uma investigação jornalística por Fanpage.it,[141] declarou que no ADN do Fratelli d'Italia, partido político do qual é presidente, não há nostalgia ao fascismo, racismo, antissemitismo,[142] e nem espaço para atitudes ambíguas sobre antissemitismo, racismo e nazismo.[143] Quando tinha 19 anos idade, Meloni elogiou Benito Mussolini, afirmando que "Mussolini foi um bom político" e que "tudo o que ele fez foi pela Itália". Todavia, ao entrar no Parlamento italiano, alterou seu discurso, dizendo que Mussolini "cometeu diversos erros, como as leis raciais, a entrada na guerra e o sistema autoritário" e que "Historicamente, produziu muito também, mas isso não o salva".[144]

A 27 de fevereiro de 2022, participou no Conservative Political Action Conference (CPAC), nos Estados Unidos da América.[145] No seu discurso, passou uma mensagem de reforço de um modo de pensamento conservador transatlântico.[146] Abordou a situação crítica na Europa Oriental, dando total apoio à Ucrânia e reafirmando a unidade do mundo ocidental diante da tirania.[146]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Meloni tem uma filha, Ginevra, com o companheiro Andrea Giambruno, mas não é casada.[147] Ficou bastante conhecida num discurso de 2019 em um comício em Roma, onde disse: "Eu sou Giorgia. Sou mulher, sou mãe, sou italiana, sou cristã".[148][149] Em setembro de 2022, ela adotou o slogan "Deus, Pátria e Família".[150]

Referências

  1. a b «Biografia». Giorgia Meloni (em italiano). Consultado em 31 de março de 2021. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  2. «Giorgia Meloni desponta para assumir o poder na Itália entre pós-fascismo e neofascismo». Folha de S. Paulo. Consultado em 22 de novembro de 2022 
  3. «Quem é Giorgia Meloni, a líder de extrema direita que deve ser a primeira mulher a governar a Itália». O Globo. Consultado em 22 de novembro de 2022 
  4. «Governo Italiano - Biografia del ministro Giorgia Meloni». www.sitiarcheologici.palazzochigi.it. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  5. «Meloni, da barman a tata.. a ministro: "Ho fatto tutti i lavori e ne sono fiera" |». Blitz quotidiano (em italiano). 17 de janeiro de 2013. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  6. «Romana, classe '77, politica, giornalista e leader di FdI: ecco la biografia di Giorgia Meloni». L'Occhio (em italiano). 15 de janeiro de 2019. Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  7. Guerzoni, Monica (17 de janeiro de 2013). «Giorgia Meloni : «Io militante ventenne e i Lego con la figlia di Fiorello»». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  8. «Giorgia Meloni - Ultime notizie su Giorgia Meloni - Argomenti del Sole 24 Ore». Argomenti Argomenti del Sole 24 Ore (em italiano). 5 de novembro de 2017. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  9. «Giorgia Meloni a Tatanka: "Ho chiesto un gesto, non di non gareggiare"». l'Occidentale (em italiano). 6 de agosto de 2008. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  10. «La Meloni: "Caro Fini, ecco perché non ti seguo"». ilGiornale.it (em italiano). 8 de fevereiro de 2009. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  11. Sala, Alessandro (29 de novembro de 2012). «Pdl, primarie in fumo. La rabbia dei giovani». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  12. «Crosetto e Meloni dal Pdl a 'Fratelli d'Italia':trattativa con La Russa su nome e simbolo». la Repubblica (em italiano). 20 de dezembro de 2012. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  13. «Archivio Corriere della Sera». archivio.corriere.it. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  14. «Le elezioni». Dipartimento per gli affari interni e territoriali (em italiano). 25 de novembro de 2016. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  15. «E' Fabio Rampelli il nuovo capogruppo di Fratelli d'Italia - Alleanza Nazionale - Sito ufficiale di Fratelli d'Italia - Alleanza Nazionale». web.archive.org. 14 de julho de 2014. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  16. «Europee, Bonafè (Pd) è la più votata. Elette Mussolini, Picierno e Matera». Corriere della Sera (em italiano). 26 de maio de 2014. Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  17. «Oliviero Toscani denuncia FdI: "Usata una mia foto per manifesto omofobo" - ArticoloTre | ArticoloTre - Quotidiano online indipendente e di inchiesta». 29 de outubro de 2016. Consultado em 30 de março de 2021. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2016 
  18. «Matteo Salvini e la nuova mappa della destra, fra Giorgia Meloni e Roberto Maroni». Formiche.net (em italiano). 2 de março de 2018. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  19. Curridori, Francesco (4 de novembro de 2015). «Nasce Terra nostra, parte il derby a destra tra Fini e Meloni». ilGiornale.it (em italiano). Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  20. https://www.ilsussidiario.net/redazione (16 de setembro de 2016). «GIORGIA MELONI MAMMA / È nata la figlia Ginevra: FdI saluta la nuova "sorellina d'Italia" (oggi, 16 settembre 2016)». IlSussidiario.net (em italiano). Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  21. «Comune di Roma - Lazio - Elezioni Comunali - Risultati - Ballottaggio - 5 giugno 2016». la Repubblica.it. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 31 de março de 2021 
  22. «Il governo Gentiloni ha giurato, ministri confermati tranne Giannini. Alfano agli Esteri. Minniti all'Interno. Boschi sottosegretario». la Repubblica (em italiano). 12 de dezembro de 2016. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  23. «L'ascesa di Paolo Gentiloni, dalla Margherita alla Farnesina». la Repubblica (em italiano). 31 de outubro de 2014. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  24. Stefanoni, Franco (12 de março de 2017). «Fratelli d'Italia: via An e Msi dal simbolo. Entra Santanchè: «Tornata a casa mia»». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  25. «Meloni attacca il direttore del museo egizio, ma lui risponde: «Il Museo è della città. Voi invece ci usate per fini politici»». Video: ultime notizie - Corriere TV (em italiano). Consultado em 30 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  26. «Musei, perché è così difficile essere Christian Greco in Italia». Il Sole 24 ORE (em italiano). 12 de fevereiro de 2018. Consultado em 30 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  27. «Torino, il direttore dell'Egizio "bacchetta" Meloni per gli sconti agli arabi: "Il museo è di tutti"». la Repubblica (em italiano). 9 de fevereiro de 2018. Consultado em 30 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  28. «Dipartimento per gli Affari Interni e Territoriali». elezionistorico.interno.gov.it. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  29. «Elezioni politiche: vincono M5s e Lega. Crollo del Partito democratico. Centrodestra prima coalizione. Il Carroccio sorpassa Forza Italia». la Repubblica (em italiano). 4 de março de 2018. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  30. Sala, Alessandro (3 de abril de 2018). «Elezioni 2018: M5S primo partito, nel centrodestra la Lega supera FI». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  31. «L'assurda polemica Meloni-Lucarelli:cous cous al posto del maiale a scuola» (em italiano). Consultado em 30 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  32. «Meloni lancia l'offensiva patriottica di Fdi: "Il 4 novembre torni festa nazionale, il 25 aprile è divisivo" - la Repubblica». www.repubblica.it. Consultado em 30 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  33. «Geopolitica, finanza, classe dirigente: l'agenda strategica dell'Italia». Osservatorio Globalizzazione (em italiano). 27 de maio de 2020. Consultado em 12 de abril de 2021 
  34. Geopolitica, Pingback:; finanza; Globalizzazione, classe dirigente: l'agenda strategica dell'Italia-Osservatorio (2 de julho de 2020). «Fratelli d'Italia: le ragioni di un'ascesa». Osservatorio Globalizzazione (em italiano). Consultado em 12 de abril de 2021 
  35. «Salvini: grazie Trump per averlo eliminato. Meloni: no a tifo da stadio». Il Sole 24 ORE (em italiano). Consultado em 12 de abril de 2021 
  36. Polizzi, Mariana. «Giorgia Meloni, la donna forte de la política italiana». El País Digital (em espanhol). Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  37. TG24, Sky. «'Io sono Giorgia', virale il remix del discorso di Meloni. VIDEO». tg24.sky.it (em italiano). Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  38. «"Gli omosessuali in Italia? Non sono discriminati": Meloni e Salvini in piazza contro la legge sull'omofobia minimizzano le aggressioni». Il Fatto Quotidiano (em italiano). 16 de julho de 2020. Consultado em 30 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  39. «La xenofobia nella campagna elettorale italiana». Human Rights Watch (em italiano). 28 de fevereiro de 2018. Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  40. «Coronavirus, Meloni su La7: "Giuseppe Conte è un criminale, ha responsabilità gravissime". Myrta Merlino la riprende. E lei rettifica». Il Fatto Quotidiano. 5 de março de 2020. Consultado em 12 de abril de 2021 
  41. «Coronavirus e Governo, Giorgia Meloni durissima contro Giuseppe Conte: "È un criminale"». www.iltempo.it. Consultado em 12 de abril de 2021 
  42. Meli, Maria Teresa (5 de julho de 2020). «Il centrodestra sfiducia Bonafede. E Renzi tiene alta la tensione». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 12 de abril de 2021 
  43. «'Vacca e scrofa', docente insulta Meloni. Poi le scuse - Politica». Agenzia ANSA (em italiano). 20 de fevereiro de 2021. Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  44. colla (23 de fevereiro de 2021). «Gozzini sospeso da università Siena per insulti a Meloni». Adnkronos. Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  45. «José Ortega Lara romperá su silencio con Santiago Abascal en el 'Viva 21' de Vox». ELMUNDO (em espanhol). 9 de outubro de 2021. Consultado em 11 de outubro de 2021 
  46. Wołczyk, Małgorzata (10 de outubro de 2021). «Wielkie spotkanie hiszpańskiej partii Vox. Pokazano wystąpienia Kaczyńskiego i Morawieckiego». Do Rzeczy (em polaco). Consultado em 11 de outubro de 2021 
  47. «Ue, Giorgia Meloni oggi e domani a Madrid per partecipare alla convention nazionale di Vox». Secolo d'Italia (em italiano). 9 de outubro de 2021. Consultado em 11 de outubro de 2021 
  48. a b c d e f «Abascal, Meloni y Ventura pondrán en marcha un foro en defensa de la 'Europa del Sur' frente a la amenaza de los burócratas de Bruselas». La Gaceta de la Iberosfera (em espanhol). 10 de outubro de 2021. Consultado em 11 de outubro de 2021 
  49. Balmer, Crispian (20 de setembro de 2022). «Italy's conservative alliance in lockstep, ready to govern, says Meloni». Reuters (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2022 
  50. Reuters (25 de setembro de 2022). «Italy's centre-left Democratic Party concedes election defeat». Reuters (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2022 
  51. Welle (www.dw.com), Deutsche. «Italy election: Meloni says center-right bloc has 'clear' mandate | DW | 26.09.2022». DW.COM (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2022 
  52. Gomes, Cátia Bruno, José Carlos Duarte, João Francisco. «Em direto/ Portugal espera que novo governo italiano cumpra obrigações face à UE». Observador. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  53. «Far-right veteran elected Italian Senate speaker». web.archive.org. 22 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  54. «Who is the far-right veteran elected Italian Senate speaker?». The Local Italy (em inglês). 13 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  55. «Brothers of Italy politician who collects fascist relics elected senate speaker». the Guardian (em inglês). 13 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  56. «Berlusconi calls Meloni arrogant in written notes in Senate - English». ANSA.it (em inglês). 14 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  57. Rome, Tom Kington. «Silvio Berlusconi undercuts Italian coalition by labelling Meloni arrogant» (em inglês). ISSN 0140-0460. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  58. «Italy Meloni: Far-right leader agrees to form government». BBC News (em inglês). 21 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  59. «Quirinal Palace». Wikipedia (em inglês). 24 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  60. Horowitz, Jason (21 de outubro de 2022). «Giorgia Meloni Gets Go-Ahead for New Italian Government». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  61. «Italy Meloni: Far-right leader agrees to form government». BBC News (em inglês). 21 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  62. «Il governo Meloni giura oggi al Quirinale». RaiNews (em italiano). Consultado em 24 de outubro de 2022 
  63. TG24, Sky. «Nuovo governo, le ultime news del 21 ottobre». tg24.sky.it (em italiano). Consultado em 24 de outubro de 2022 
  64. Amante, Angelo; Weir, Keith (21 de outubro de 2022). «Meloni takes charge as PM as Italy swings to the right». Reuters (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2022 
  65. News, A. B. C. «Presidential palace says Giorgia Meloni forms government, giving Italy first far-right-led coalition since World War II». ABC News (em inglês). Consultado em 24 de outubro de 2022 
  66. «Far-right Meloni set to become Italy's first woman PM». France 24 (em inglês). 21 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  67. «Governo Meloni, ecco il timing: l'incarico, il giuramento, la fiducia e la Legge di Bilancio». www.ilmessaggero.it (em italiano). 21 de outubro de 2022. Consultado em 27 de outubro de 2022 
  68. «Dall'incarico alla manovra, il timing - Politica». Agenzia ANSA (em italiano). 21 de outubro de 2022. Consultado em 27 de outubro de 2022 
  69. «Meloni alla Camera, diretta video voto di fiducia al governo: cosa ha detto nella replica la presidente del Consiglio». web.archive.org. 26 de outubro de 2022. Consultado em 27 de outubro de 2022 
  70. «Meloni alla Camera, l'applauso al suo arrivo e l'abbraccio di Salvini». Video: ultime notizie - Corriere TV (em italiano). Consultado em 27 de outubro de 2022 
  71. Adnkronos (25 de outubro de 2022). «Governo, da Iotti a Cristoforetti: le donne che "hanno osato" citate da Meloni». Adnkronos. Consultado em 27 de outubro de 2022 
  72. «Meloni citazionista: da Steve Jobs a Giovanni Paolo II, tutti i riferimenti del suo discorso». www.ilfoglio.it (em italiano). Consultado em 27 de outubro de 2022 
  73. «Dall'incarico alla manovra, il timing - Politica». Agenzia ANSA (em italiano). 21 de outubro de 2022. Consultado em 27 de outubro de 2022 
  74. «Meloni al Senato, diretta video voto di fiducia al governo: cosa ha detto nella replica la presidente del Consiglio». Money.it (em italiano). 26 de outubro de 2022. Consultado em 27 de outubro de 2022 
  75. «Fiducia a Meloni: 'Tetto al contante salirà' 'Italia senza visione, ora la mia ricetta' - Politica». Agenzia ANSA (em italiano). 26 de outubro de 2022. Consultado em 27 de outubro de 2022 
  76. TG24, Sky. «Governo Meloni, le ultime notizie: oggi voto di fiducia al Senato». tg24.sky.it (em italiano). Consultado em 27 de outubro de 2022 
  77. «Meloni alla Camera, diretta video voto di fiducia al governo: cosa ha detto nella replica la presidente del Consiglio». web.archive.org. 26 de outubro de 2022. Consultado em 1 de novembro de 2022 
  78. «Fiducia a Meloni: 'Tetto al contante salirà' 'Italia senza visione, ora la mia ricetta' - Politica». Agenzia ANSA (em italiano). 26 de outubro de 2022. Consultado em 1 de novembro de 2022 
  79. TG24, Sky. «Governo Meloni, le ultime notizie: oggi voto di fiducia al Senato». tg24.sky.it (em italiano). Consultado em 1 de novembro de 2022 
  80. Piccolillo, Virginia (31 de outubro de 2022). «I sottosegretari: Sgarbi alla Cultura, alla Difesa Rauti. Ci sono Fazzolari e Borgonzoni I nomi». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 1 de novembro de 2022 
  81. TG24, Sky. «Nuovo governo Meloni, le ultime notizie di oggi 31 ottobre». tg24.sky.it (em italiano). Consultado em 1 de novembro de 2022 
  82. «Giorgia Meloni por Giorgia Meloni: cómo se ve y qué piensa la líder italiana del momento». Consultado em 5 de outubro de 2022 
  83. a b Quem é Giorgia Meloni, a provável próxima premiê da Itália
  84. «Giorgia Meloni (FdI): "Il reato di tortura impedisce agli agenti di fare il proprio lavoro"». TPI (em italiano). 12 de julho de 2018. Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  85. «Meloni shock: «Il reato di tortura impedisce alla Polizia di lavorare». La risposta di Ilaria Cucchi». Rolling Stone Italia (em italiano). 12 de julho de 2018. Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  86. «FdI favorevole ad abrogazione legge Mancino. Condividiamo parole Ministro Fontana». Giorgia Meloni (em italiano). 4 de agosto de 2018. Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  87. Franchini, Fabio (3 de agosto de 2018). «Meloni plaude a Fontana: "Fratelli d'Italia favorevole ad abrogare la legge Mancino"». ilGiornale.it (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  88. ASI, Redazione (4 de agosto de 2018). «Legge. Mancino, Meloni: "FDI favorevole ad abrogazione. Condividiamo parole Ministro Fontana"». Agenzia Stampa Italia (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  89. Parla il leader di Fratelli D'Italia, Giorgia Meloni: 'Se andrò al Governo cambierò la Costituzione' (em italiano), consultado em 28 de março de 2021 
  90. «La discriminazione non si combatte con la diffusione della teoria gender nelle scuole». Giorgia Meloni (em italiano). 24 de junho de 2015. Consultado em 28 de março de 2021 
  91. «Scuola, Meloni a Giannini: Teoria del gender non è lotta alla discriminazione». Fratelli d'Italia (em italiano). 24 de junho de 2015. Consultado em 28 de março de 2021 
  92. «Teoria gender, l'ira della Giannini: "Basta con questa truffa culturale, pronti a denunciare" - la Repubblica». www.repubblica.it. Consultado em 30 de março de 2021 
  93. «La discriminazione non si combatte con la diffusione della teoria gender nelle scuole». Giorgia Meloni (em italiano). 24 de junho de 2015. Consultado em 30 de março de 2021 
  94. «Meloni, FdI: contro l'ideologia gender presenti al raduno sulla famiglia». Secolo d'Italia (em italiano). 10 de junho de 2015. Consultado em 30 de março de 2021 
  95. «Scuola, Meloni a Giannini: Teoria del gender non è lotta alla discriminazione». Fratelli d'Italia (em italiano). 24 de junho de 2015. Consultado em 30 de março de 2021 
  96. Drogo, Giovanni. «Giorgia Meloni contro il terribile Piano Kalergi | nextQuotidiano». Consultado em 30 de março de 2021 
  97. «Giorgia Meloni e il piano segreto per portare immigrati in Italia» (em italiano). Consultado em 30 de março de 2021 
  98. Bernasconi, Francesca (19 de junho de 2019). «Meloni: "Soros complice di piano per destrutturare la società"». ilGiornale.it (em italiano). Consultado em 30 de março de 2021 
  99. «Sui migranti Meloni rispolvera la teoria del complotto: un disegno di Soros contro l'Europa». Globalist (em italiano). Consultado em 30 de março de 2021 
  100. «"Ius soli? Pronti alla barricate". La Meloni dichiara guerra al governo». www.iltempo.it. Consultado em 28 de março de 2021 
  101. «Immigrazione, Meloni: Da FdI barricate contro ius soli». Fratelli d'Italia (em italiano). 27 de setembro de 2019. Consultado em 28 de março de 2021 
  102. «Ius culturae, Meloni: "Inganno verso italiani, pronti a batterci in Parlamento"». ilGiornale.it (em italiano). 18 de novembro de 2019. Consultado em 28 de março de 2021 
  103. Redazione (29 de setembro de 2019). «Ius culturae, Meloni lancia la raccolta firme per bloccare la legge. Morani (Pd): «Farla ora è un errore»». Open. Consultado em 28 de março de 2021 
  104. «Meloni (Fratelli d'Italia): "Sbarchi risultato abolizione reato clandestinità" - Stranieri in Italia». 4 de maio de 2014. Consultado em 28 de março de 2021 
  105. Bassi, Cristina (16 de outubro de 2016). «E la Meloni suona la carica: «Pronti a scendere in piazza»». ilGiornale.it (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021 
  106. «Giorgia Meloni: C'è un piano per destrutturare la nostra società attraverso i migranti» (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021 
  107. «Allarme dei servizi: ventimila migranti in arrivo. Meloni (Fdi): "Subito blocco navale"». www.iltempo.it. Consultado em 28 de março de 2021 
  108. «ONU». Secolo d'Italia (em italiano). 2 de janeiro de 2017. Consultado em 28 de março de 2021 
  109. «Migranti, Meloni smaschera le bugie del ministro Trenta: «Il blocco navale si può fare» (video)». Secolo d'Italia (em italiano). 18 de julho de 2019. Consultado em 28 de março de 2021 
  110. «Proposta FdI per introdurre in Italia il reato di integralismo islamico». Giorgia Meloni (em italiano). 6 de julho de 2016. Consultado em 28 de março de 2021 
  111. «FdI propone istituzione del reato di 'estremismo islamico'». www.lagazzettadelmezzogiorno.it. Consultado em 28 de março de 2021 
  112. «FdI chiede reato 'estremismo islamico' - Politica». ANSA.it (em italiano). 6 de julho de 2016. Consultado em 28 de março de 2021 
  113. «Meloni la xenofoba: "Non abbiamo monitorato gli immigrati, ma ora lo facciamo per Covid-19"». Globalist (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021 
  114. «La xenofobia nella campagna elettorale italiana». Human Rights Watch (em italiano). 28 de fevereiro de 2018. Consultado em 28 de março de 2021 
  115. Q, di F. «Elezioni, Amnesty: "Italia intrisa d'odio e razzismo. 95% delle frasi xenofobe dal centrodestra". Salvini in vetta, Meloni 2a - Il Fatto Quotidiano». Consultado em 28 de março de 2021 
  116. «Giorgia Meloni con la scimitarra verbale: "La conversione è uno dei metodi del terrorismo islamico"». Globalist (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021 
  117. «L'islamofobia della Meloni e i commenti degli italiani». Istanbul, Europa (em italiano). 6 de janeiro de 2018. Consultado em 28 de março de 2021 
  118. «Meloni usa l'attentato di Londra per alimentare l'islamofobia sovranista». Globalist (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021 
  119. https://mobile.twitter.com/giorgiameloni/status/1228399980936925185
  120. Dummy, Davide (15 de fevereiro de 2020). «Giorgia Meloni: «Studenti obbligati a seguire lezioni LGBT», ma le hanno scelte loro». NEG Zone (em italiano). Consultado em 30 de março de 2021 
  121. «Unioni civili, Meloni: No a matrimonio tra persone stesso sesso e adozioni gay...». Fratelli d'Italia (em italiano). 26 de maio de 2015. Consultado em 28 de março de 2021 
  122. «Le Sfide per l'Italia». Fratelli d'Italia (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021 
  123. «Giorgia Meloni a #corrierelive:». Corriere della Sera (em italiano). 12 de maio de 2016. Consultado em 28 de março de 2021 
  124. «Meloni e le adozioni per i gay: «E' solo un loro capriccio»». Il Secolo XIX (em italiano). 13 de maio de 2019. Consultado em 28 de março de 2021 
  125. «Elezioni regionali 2020. Fratelli d'Italia con lo slogan "Dio Patria Famiglia" vuole diventare il terzo partito». RavennaNotizie.it (em italiano). 21 de dezembro de 2019. Consultado em 28 de março de 2021 
  126. Alex, di Agenzia Vista; Jakhnagiev, er. «"Gli omosessuali in Italia? Non sono discriminati": Meloni e Salvini in piazza contro la legge sull'omofobia minimizzano le aggressioni - Il Fatto Quotidiano». Consultado em 28 de março de 2021 
  127. Sofia, di Alberto. «Legge sull'omotransfobia, centrodestra protesta in Aula con cartelli e bavagli. Dissidenti di Forza Italia votano a favore: "Diciamo sì con orgoglio" - Il Fatto Quotidiano». Consultado em 28 de março de 2021 
  128. «Meloni contro la legge Zan: "Proposta di legge profondamente sbagliata"». Interris.it (em italiano). 14 de julho de 2020. Consultado em 28 de março de 2021 
  129. «Itália aprova lei que legaliza união homossexual». Consultado em 5 de outubro de 2022  Texto "g1.globo.com" ignorado (ajuda)
  130. «Eleições na Itália: Qual é a posição de Giorgia Meloni de direita na Europa, imigração e questões LGBT?». Consultado em 5 de outubro de 2022  Texto "g7.news/" ignorado (ajuda)
  131. «Atti presentati in Parlamento da On. Giorgia MELONI - OpenParlamento». parlamento18.openpolis.it. Consultado em 28 de março de 2021 
  132. «Manovra, Meloni: FdI si batterà per cancellare folle norma su cannabis che M5s difende a spada tratta». Fratelli d'Italia (em italiano). 16 de dezembro de 2019. Consultado em 28 de março de 2021 
  133. «Eutanasia: Meloni, 'sentenza Consulta doppia sconfitta'». www.iltempo.it. Consultado em 28 de março de 2021 
  134. «Meloni: "Continueremo la battaglia per il diritto alla vita"». Secolo d'Italia (em italiano). 26 de setembro de 2019. Consultado em 28 de março de 2021 
  135. «La proposta di legge di Meloni: Utero in affitto diventi reato universale, anche all'estero» (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021 
  136. «Giorgia Meloni: GPA (Gravidanza per Altri) reato universale». Fai Informazione - Social News (em italiano). 23 de setembro de 2020. Consultado em 28 de março de 2021 
  137. «Governo, Meloni: "L'obiettivo è non disturbare chi vuole creare ricchezza"». Consultado em 5 de outubro de 2022 
  138. «O que pensa Giorgia Meloni, premiê eleita da Itália — leia entrevista exclusiva à EXAME». Consultado em 5 de outubro de 2022 
  139. Giorgia Meloni (Fratelli d'Italia) fala sobre os italianos (e descendentes) no exterior. Youtube. 26 de setembro de 2022. Em cena em dur: 02.14. Consultado em 5 de outubro de 2022 
  140. Geopolitica, Pingback:; finanza; Globalizzazione, classe dirigente: l'agenda strategica dell'Italia-Osservatorio (2 de julho de 2020). «Fratelli d'Italia: le ragioni di un'ascesa». Osservatorio Globalizzazione (em italiano). Consultado em 28 de março de 2021 
  141. “Abbiamo le lavatrici per fare il black”: così il big di Fdi vuole finanziare la campagna elettorale di Milano (em italiano), consultado em 11 de outubro de 2021 
  142. Caro, Paola Di (10 de setembro de 2021). «Meloni: «Con me non c'è posto per i nostalgici del fascismo. La sinistra li usa come utili idioti»». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 11 de outubro de 2021 
  143. «Meloni: "In Fratelli d'Italia non c'è spazio per antisemitismo e razzismo"». Tgcom24 (em italiano). Consultado em 11 de outubro de 2021 
  144. «Quem é Giorgia Meloni, primeira mulher a governar a Itália». Consultado em 5 de outubro de 2022 
  145. «FdI: da domani Meloni in Usa per intervenire al Cpac 2022 - Ultima Ora». Agenzia ANSA (em italiano). 23 de fevereiro de 2022. Consultado em 12 de julho de 2022 
  146. a b Party, E. C. R. (16 de maio de 2022). «A mission of European Conservatives to CPAC, where the old continent meets the new one». www.euractiv.com (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2022 
  147. politica, Redazione (16 de setembro de 2016). «Ginevra, "sorellina d'Italia": è nata la bambina di Giorgia Meloni». Corriere della Sera (em italiano). Consultado em 30 de dezembro de 2020 
  148. Pietromarchi, Virginia. «Who is Italy's leadership hopeful Giorgia Meloni?». www.aljazeera.com (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2022 
  149. «'Woman, mother, Christian' guides Italian far-right to brink of power». www.euractiv.com (em inglês). 10 de agosto de 2022. Consultado em 27 de setembro de 2022 
  150. «Italy votes as far-right Meloni looks for victory». BBC News (em inglês). 25 de setembro de 2022. Consultado em 27 de setembro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedida por
Mario Draghi
Primeira-ministra de Itália
2022 - presente
Sucedida por
Incumbente