Francesco Crispi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Francesco Crispi
Francesco Crispi
Primeiro-ministro da Itália
Período 1º - 29 de Julho de 1887
até 6 de Fevereiro de 1891

2º - 15 de Dezembro de 1893
até 10 de Março de 1896

Antecessor(a) 1º - Agostino Depretis

2º - Giovanni Giolitti

Sucessor(a) 1º - Antonio Starabba

2º - Antonio Starabba

Dados pessoais
Nascimento 4 de Outubro de 1818
Sicilia
Morte 12 de Agosto de 1901
Nápoles

Francesco Crispi (Ribera, 4 de Outubro de 1818Nápoles, 12 de Agosto de 1901) foi um político italiano.[1] Ocupou o cargo de primeiro-ministro da Itália. Governante do Risorgimento, foi um dos organizadores da Revolução de 1848 e foi o maior defensor da Expedição dos Mil, em que participou.

Vida[editar | editar código-fonte]

Ele estava entre os principais protagonistas do Risorgimento, amigo próximo e apoiador de Giuseppe Mazzini e Giuseppe Garibaldi e um dos arquitetos da unificação italiana em 1860.[2]

Inicialmente convertido aos monarquismos ideais em 1864, nunca deixa de ser anticlerical e hostil ao papado, após a unificação da Itália foi quatro vezes presidente do Conselho, a partir de 1887 a 1891 e de 1893 a 1896.[1][3][4] No primeiro período, ele também foi ministro dos Negócios Estrangeiros e Ministro do Interior, também na segunda-ministro do Interior. Ele foi o primeiro do Sul de Itália a se tornar primeiro-ministro.

Na política externa, ele cultivou a amizade com Alemanha e quase sempre a hostilidade à França.

Originalmente um iluminado patriota italiano e democrata liberal, ele se tornou um belicoso primeiro-ministro autoritário e aliado e admirador de Bismarck. Ele foi infatigável em incitar a hostilidade contra a França.[5] Sua carreira terminou em meio à controvérsia e ao fracasso: ele se envolveu em um grande escândalo bancário e caiu do poder em 1896 após a perda devastadora da Batalha de Adwa, que repeliu as ambições coloniais da Itália sobre a Etiópia.

Devido a seu estilo e políticas autoritárias, Crispi é frequentemente considerado um homem forte e visto como um precursor do ditador fascista Benito Mussolini.[2][6]

Seu principal adversário político era Giovanni Giolitti que substitui no comando do país.

Publicações[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Francesco Crispi

Referências

  1. a b Lintner, Valerio (2004). A Traveller's History of Italy (em inglês). Northampton: Interlink Books. p. 180 
  2. a b Nation-building in 19th-century Italy: the case of Francesco Crispi, Christopher Duggan, History Today, February 1, 2002
  3. The Historian (em inglês). [S.l.]: Historical Association. 1990. p. 3 
  4. The Encyclopedia Americana (em inglês). 15. Danbury: Grolier Incorporated. 1999. p. 588 
  5. Elizabeth Brett White (1917). The Foreign Policy of Francesco Crispi. [S.l.]: Ph D dissertation U of Wisconsin--Madison. p. 75 
  6. The Randolph Churchill of Italy, by David Gilmour, The Spectator, June 1, 2002 (Review of Francesco Crispi, 1818-1901: From Nation to Nationalism, by Christopher Duggan)

Precedido por
Agostino Depretis
Primeiro-ministro da Itália
1887 - 1891
Sucedido por
Antonio di Rudinì
Precedido por
Giovanni Giolitti
Primeiro-ministro da Itália
1893 - 1896
Sucedido por
Antonio di Rudinì
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.