Lev Gumilev

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lev Gumilev
Lev Gumiljov (1934)
Nascimento 1 de Outubro de 1912
São Petersburgo, Império Russo
Morte 15 de junho de 1992 (79 anos)
São Petersburgo, Rússia
Sepultamento Nikolskoe Cemetery of Alexander Nevsky Lavra
Cidadania Império Russo, Rússia bolchevique, União Soviética, Rússia
Progenitores
Alma mater
Ocupação antropólogo, geógrafo, historiador, poeta, tradutor, escritor, filósofo, etnologista
Prêmios
  • Medalha "Pela vitória sobre a Alemanha na Grande Guerra Patriótica 1941-1945"
  • Ordem da Guerra Patriótica, 2.ª classe
  • Medalha "Pela captura de Berlim"
  • Medalha do Jubileu "Vinte Anos de Vitória na Grande Guerra Patriótica 1941–1945"
  • Medalha Comemorativa do 30.º Aniversário da Vitória na Grande Guerra Patriótica de 1941-1945
  • Medalha Comemorativa do 40.º Aniversário da Vitória na Grande Guerra Patriótica de 1941-1945
Empregador Russian Museum of Ethnography, Hermitage, Universidade Estatal de São Petersburgo, Escola de pós-graduação para roteiristas e diretores de cinema


Lev Nikolayevich Gumilev (em russo: Лев Никола́евич Гумилёв; 1 de outubro de 1912, São Petersburgo - 15 de junho de 1992, São Petersburgo) foi um historiador, etnólogo, antropólogo e tradutor soviético do persa. Ele tinha uma reputação por suas teorias altamente não ortodoxas de etnogênese e filosofia da história. Ele foi um expoente do eurasianismo.

Vida[editar | editar código-fonte]

Seus pais, os dois poetas proeminentes Nikolay Gumilev e Anna Akhmatova, divorciaram-se quando Lev tinha 7 anos, e seu pai foi executado pela Cheka, a polícia secreta bolchevique, quando Lev tinha apenas 9 anos. Lev passou a maior parte de sua juventude, de 1938 a 1956, em campos de trabalhos forçados soviéticos. Ele foi preso pelo NKVD em 1935 e solto, mas novamente preso e condenado a cinco anos em 1938. Depois de cumprir a pena, ele se alistou no Exército Vermelho e participou da Batalha de Berlim de 1945. No entanto, ele foi preso novamente em 1949 e condenado a dez anos em campos de prisioneiros. Com o objetivo de garantir sua libertação, Akhmatova publicou um ditirambo para Joseph Stalin, que não ajudou a libertar Lev, embora possivelmente tenha evitado sua própria prisão. A polícia secreta soviética já havia preparado uma ordem de prisão, mas Stalin decidiu não assiná-la. As relações entre Lev e sua mãe tornaram-se tensas, pois ele a culpava por não ajudá-lo o suficiente. Ela descreveu seus sentimentos sobre a prisão de Lev e o período de repressões políticas em Requiem (publicado em 1963). 

Um jovem Lev com seus pais em 1913

Após a morte de Stalin em 1953, Gumilev ingressou no Museu Hermitage, cujo diretor, Mikhail Artamonov, ele viria a apreciar como seu mentor. Sob a orientação de Artamonov, ele se interessou pelos estudos cazares e pelos povos das estepes em geral. Nas décadas de 1950 e 1960, ele participou de várias expedições ao Delta do Volga e ao norte do Cáucaso. Ele propôs um sítio arqueológico para Samandar, bem como a teoria da transgressão do Cáspio, em colaboração com o geólogo Alexander Alyoksin, como uma das razões para o declínio Khazar. Em 1960, ele começou a dar palestras na Universidade de Leningrado. Dois anos depois, ele defendeu sua tese de doutorado sobre os antigos turcos. A partir da década de 1960, trabalhou no Instituto de Geografia, onde defenderia outra tese de doutorado, desta vez em geografia.

Ideias[editar | editar código-fonte]

De acordo com suas teorias pan-asiáticas, ele apoiou os movimentos nacionais dos tártaros, cazaques e outros povos turcos, além dos mongóis e outros asiáticos orientais. Sem surpresa, os ensinamentos de Gumilev gozaram de imensa popularidade nos países da Ásia Central.[1] Em Cazã, por exemplo, um monumento a ele foi erguido em agosto de 2005.

O historiador Mark Bassin escreve que Gumilev "não era um teórico confiável ... [e] suas hipóteses estão cheias de inconsistências, mal-entendidos e aplicações erradas dos conceitos que ele pegou emprestado", mas que, embora sua teoria social seja completamente problemática e carece de qualquer tipo de autoridade científica ou intelectual, suas idéias são importantes para entender na medida em que suas teorias de etnos, etnogênese e passionarismo (entre outros conceitos) foram maciçamente influentes e tiveram impacto significativo em uma variedade de contextos soviéticos e pós-soviéticos.[1]

Crítica[editar | editar código-fonte]

Vários pesquisadores, como Vadim Rossman,[2] John Klier,[3] Victor Yasmann,[4][5] Victor Schnirelmann,[6] e Mikhail Tripolsky descrevem as visões de Gumilev como anti-semitas.[7] De acordo com esses autores, Gumilev não estendeu esse ecumenismo etnológico aos judeus medievais, que ele considerava uma classe urbana internacional parasitária que dominou os cazares e sujeitou os primeiros eslavos orientais ao "jugo khazar". Esta última frase ele adaptou do termo tradicional "Jugo Tártaro" para a dominação mongol da Rússia medieval, um termo que Gumilev rejeitou por não considerar a conquista mongol como um evento necessariamente negativo. Em particular, ele afirmou que os radhanitas foram fundamentais na exploração do povo eslavo oriental e exerceram influência indevida no cenário sócio-político e econômico do início da Idade Média. Gumilev sustentou que a cultura judaica era mercantil por natureza e existia fora e em oposição ao seu meio ambiente. De acordo com essa visão, os judeus compartilham uma forma específica de pensar, e isso está associado às normas morais do judaísmo. De acordo com Gumilev, os judeus medievais também não portavam armas, mas travavam guerras por procuradores ou mercenários.[8][9]

Referências

  1. a b Bassin, Mark (2016). The Gumilev mystique : biopolitics, Eurasianism, and the construction of community in modern Russia. Ithaca: [s.n.] ISBN 978-1-5017-0339-3. OCLC 945976904 
  2. Rossman, Vadim, et al. Russian Intellectual Antisemitism in the Post Communist Era (Studies in Antisemitism Series). Univ. of Nebraska Press, 2005
  3. Klier, John. "The Myth of the Khazars and Intellectual Antisemitism in Russia, 1970s–1990s". The Slavonic and East European Review, Volume 83, Number 4, 1 October 2005, pp. 779–781(3).
  4. Yasmann, Victor. "The Rise of the Eurasians". The Eurasian Politician Issue 4 (August 2001) Radio Free Europe, 1992
  5. Yasmann, Victor. "Red Religion:An Ideology of Neo-Messianic Russian Fundamentalism" Demoktratizat: The Journal of Post-Soviet Democratization. Volume 1, No. 2. p. 26.
  6. Shnirelman, Victor A. "The Story of a Euphemism: The Khazars in Russian Nationalist Literature." The World of the Khazars: New Perspectives. Brill, 2007. p. 353-372
  7. Malakhov, Vladimir. "Racism and Migrants". (Trans. Mischa Gabowitsch.) Neprikosnovennij Zapas, 2003
  8. Tripolsky, Mihail. ОБ ИЗВРАЩЕНИИ ИСТОРИИ: Хазарский каганат, евреи и судьба России
  9. Rossman, Vadim. The Ethnic Community and Its Enemies: Russian Intellectual Antisemitism in the Post-Communist Era Arquivado 2005-09-21 no Wayback Machine