Assexualidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Assexual)

Assexualidade ou espectro assexual é a falta total, parcial ou condicional de atração sexual a qualquer pessoa, independente do sexo biológico ou gênero.[1]

Assexuais tendem em sua maioria a apresentar pouco ou inexistente interesse nas atividades sexuais humanas.[2][3][4] Assexualidade é considerada uma orientação sexual,[5][6][7] sendo também parte do "A" da sigla LGBTQIA+.[8]

Embora tal sexualidade abranja também um amplo espectro de subidentidades assexuais conhecido como área cinza ou assexualidade cinza, do qual fazem parte a demissexualidade e sapiossexualidade, duas das mais conhecidas atualmente, quando falamos de assexualidade em seu sentido mais literal, nos referimos à assexualidade estrita e/ou plena, isto é, a pura falta total de desejo sexual.[9][10]

Definição, identidade e relacionamentos[editar | editar código-fonte]

Assexualidade às vezes é chamada de ace (uma abreviação fonética de "assexual"[11]), enquanto a comunidade às vezes é chamada de comunidade ace, por pesquisadores ou assexuais.[12][13] Como existe uma variação significativa entre as pessoas que se identificam como assexuais, a assexualidade pode abranger definições amplas.[14] Os pesquisadores geralmente definem a assexualidade como a falta de atração sexual ou a falta de interesse sexual,[7][15][16] mas suas definições variam; eles podem usar o termo "para se referir a indivíduos com desejo ou atração sexual baixa ou ausente, comportamentos sexuais baixos ou ausentes, parcerias não sexuais exclusivamente românticas ou uma combinação de desejos e comportamentos sexuais ausentes".[7][17] A autoidentificação como assexual também pode ser um fator determinante.[17]

A Asexual Visibility and Education Network define um assexual como "alguém que não sente atração sexual" e declarou, "outra pequena minoria se considerará assexual por um breve período de tempo enquanto explora e questiona sua própria sexualidade" e que "não existe um teste decisivo para determinar se alguém é assexuado. Assexualidade é como qualquer outra identidade - em sua essência, é apenas uma palavra que as pessoas usam para se ajudar a se descobrir. Se a qualquer momento alguém achar a palavra assexuada útil para se descrever, nós o encorajamos a usá-la enquanto fizer sentido."[18]

Pessoas assexuais, embora não tenham atração sexual por nenhum gênero, podem se envolver em relacionamentos puramente românticos, enquanto outros não podem.[7][19] Existem indivíduos com identificação assexual que relatam sentir atração sexual, mas não a inclinação de agir de acordo porque não têm nenhum desejo verdadeiro ou necessidade de se envolver em atividades sexuais ou não sexuais (abraços, mãos dadas, etc.), enquanto outros assexuais se envolvem em carícias ou outras atividades físicas não sexuais.[20][21][15][14] Alguns assexuais participam de atividades sexuais por curiosidade.[15] Alguns podem se masturbar como uma forma solitária de alívio , enquanto outros não sentem necessidade de fazê-lo.[14][22][23]

No que diz respeito à atividade sexual em particular, a necessidade ou desejo de masturbação é comumente referido como impulso sexual pelos assexuais e eles o dissociam da atração sexual e de ser sexual; os assexuais que se masturbam geralmente consideram isso um produto normal do corpo humano e não um sinal de sexualidade latente, e podem nem mesmo achar isso prazeroso.[15][24] Alguns homens assexuais não conseguem ter uma ereção e a atividade sexual tentando a penetração é impossível para eles.[25] Assexuais também diferem em seus sentimentos em relação à prática de atos sexuais: alguns são indiferentes e podem fazer sexo para o benefício de um parceiro romântico; outros são mais fortemente avessos à ideia, embora normalmente não desgostem das pessoas por fazerem sexo.[15][14][23]

Muitas pessoas que se identificam como assexuais também se identificam com outros rótulos. Essas outras identidades incluem como eles definem seu gênero e sua orientação romântica.[26] Frequentemente, eles integrarão essas características em um rótulo maior com o qual se identificam. Em relação aos aspectos românticos ou emocionais da orientação sexual ou identidade sexual, por exemplo, os assexuais podem se identificar como heterossexuais, lésbicas, gays, bissexuais, queer,[18][19] ou pelos seguintes termos para indicar que eles se associam aos aspectos românticos, em vez de sexuais, da orientação sexual:[14][19]

  • aromântico; falta de atração romântica por qualquer pessoa
  • biromântico; por analogia ao bissexual
  • heterorromântico; por analogia ao heterossexual
  • homoromântico; por analogia ao homossexual
  • panromântico; por analogia ao pansexual

As pessoas também podem se identificar com a área cinza (tal um cinza-romântico, demiromântico, demissexual ou semissexual) porque sentem que estão entre serem aromânticos e não aromânticos, ou entre a assexualidade e a atração sexual. Embora o termo área cinza possa abranger qualquer pessoa que ocasionalmente sinta atração romântica ou sexual, demissexuais ou semissexuais experimentam atração sexual apenas como um componente secundário, sentindo atração sexual uma vez que uma conexão emocional razoavelmente estável ou ampla tenha sido criada.[14][27]

Outras palavras e frases únicas usadas na comunidade assexual para elaborar identidades e relacionamentos também existem. Um termo cunhado por indivíduos da comunidade assexual é friend-focused, que se refere a relacionamentos não românticos altamente valorizados. Outros termos incluem squishes e zucchinis, que são paixões não românticas e relacionamentos queer-platônicos, respectivamente. Alguns assexuais usam naipes da carta de baralho ás como identidades de sua orientação romântica, como o ás de espadas para o aromanticismo e o ás de copas para o não aromantico. como o ás de espadas para aromanticismo e o ás de copas para não-aromanticismo.[11]

Termos como não assexuais e alossexual são usados para se referir a indivíduos do lado oposto do espectro da sexualidade.[28]

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

Prevalência[editar | editar código-fonte]

Escala Kinsey de respostas sexuais, que indicam graus de orientação sexual. A escala original incluía uma designação de "X", que indicava uma carência de comportamento sexual.[29]

A maioria dos estudiosos concorda que a assexualidade é rara, constituindo 1% ou menos da população.[30] Assexualidade não é um novo aspecto da sexualidade humana, mas é relativamente nova ao discurso público.[31] S.E. Smith do The Guardian não tem a certeza de que assexualidade realmente aumentou, mas tende a acreditar que está simplesmente mais visível.[31] Alfred Kinsey avaliou indivíduos de 0 a 6 de acordo com sua orientação sexual de heterossexual a homossexual, conhecido como a escala de Kinsey. Ele também incluiu a categoria à qual chamou "X" para indivíduos com "nenhuns contactos ou reações afeto-sexuais."[32][33] EKinsey rotulou 1,5% da população adulta masculina como X.resentar assexualidade,[34] o estudioso Justin J. Lehmiller declarou, "a classificação X de Kinsey enfatizou uma carência de comportamento sexual, enquanto a definição moderna de assexualidade enfativa uma carência de atração sexual. Assim, a Escala de Kinsey pode não ser suficiente para classificação precisa de assexualidade."[29] Kinsey rotulou 1,5% da população adulta masculina como X.[32][33] Em seu segundo livro, Sexual Behavior in the Human Female, ele reportou sua discriminação de indivíduos que são X: mulheres não-casadas (14 -19%), mulheres casadas (1 - 3%), mulheres anteriormente casadas (5 - 8%), homens não-casados (3 - 4%), homens casados (0%), e homens anteriormente casados (1 - 2%). Vale ressaltar que a escala Kisney atualmente não é amplamente utilizada por estudiosos, sendo abandonadas por conceitos julgados mais modernos e tampouco por populares.[33]

Outros dados empíricos sobre uma demografia assexual apareceram em 1994, quando uma equipe de pesquisa no Reino Unido realizou uma pesquisa abrangente com 18.876 residentes britânicos, estimulada pela necessidade de informações sexuais após a pandemia da AIDS. A pesquisa incluiu uma pergunta sobre atração sexual, para a qual 1,05% dos entrevistados responderam que "nunca se sentiram sexualmente atraídos por ninguém".[35] O estudo desse fenômeno foi continuado pelo pesquisador canadense de sexualidade Anthony Bogaert em 2004, que explorou a demografia assexual em uma série de estudos. A pesquisa de Bogaert indicou que 1% da população britânica não sente atração sexual, mas ele acreditava que o número de 1% não era um reflexo preciso da porcentagem provavelmente muito maior da população que poderia ser identificada como assexual, observando que 30% das pessoas contatadas para a pesquisa inicial optaram por não participar da pesquisa.Visto que pessoas com menos experiência sexual são mais propensas a se recusar a participar de estudos sobre sexualidade, e os assexuais tendem a ter menos experiência sexual do que as pessoas sexuais, é provável que os assexuais estejam sub-representados nos participantes que responderam. O mesmo estudo descobriu que o número de homossexuais e bissexuais somados chega a cerca de 1,1% da população, o que é muito menor do que indicam outros estudos.[16][5]

Comparando o valor de 1% de Bogaert, um estudo de Aicken et al.,publicado em 2013, sugere que, com base nos dados do Natsal-2 de 2000-2001, a prevalência de assexualidade na Grã-Bretanha é de apenas 0,4% para a faixa etária de 16 a 44 anos.[17][36] Esta porcentagem indica uma diminuição em relação ao valor de 0,9% determinado a partir dos dados do Natsal-1 coletados na mesma faixa etária uma década antes.[36] Uma análise de 2015 por Bogaert também encontrou um declínio semelhante entre os dados do Natsal-1 e do Natsal-2.[37] Aicken, Mercer e Cassell encontraram algumas evidências de diferenças étnicas entre os entrevistados que não experimentaram atração sexual; homens e mulheres de origem indiana e paquistanesa tiveram maior probabilidade de relatar a falta de atração sexual.[36]

Em uma pesquisa realizada pela YouGov em 2015, 1.632 adultos britânicos foram convidados a tentar se posicionar na escala de Kinsey. 1% dos participantes respondeu "Sem sexualidade". A repartição dos participantes foi de 0% homens, 2% mulheres; 1% em todas as faixas etárias.[38]

Orientação sexual, saúde mental e causa[editar | editar código-fonte]

Há um debate significativo sobre se a assexualidade é ou não uma orientação sexual.[7][37] Foi comparado e igualado a Síndrome do desejo sexual hipoativo (DSH), em que ambos implicam uma falta geral de atração sexual por alguém; DSH tem sido usado para medicalizar a assexualidade, mas a assexualidade geralmente não é considerada um distúrbio ou disfunção sexual (como anorgasmia, anedonia, etc.), porque não necessariamente define alguém como tendo um problema médico ou problemas relacionados a outras pessoas socialmente.[21][19][39] Ao contrário das pessoas com DSH, as pessoas assexuais normalmente não experimentam "angústia acentuada" e "dificuldade interpessoal" em relação aos sentimentos sobre sua sexualidade, ou geralmente falta de excitação sexual; a assexualidade é considerada a falta ou ausência de atração sexual como uma característica duradoura.[16][19] Um estudo descobriu que, em comparação com indivíduos DSH, assexuais relataram níveis mais baixos de desejo sexual, experiência sexual, angústia relacionada ao sexo e sintomas depressivos.[40] Os pesquisadores Richards e Barker relatam que os assexuais não têm taxas desproporcionais de alexitimia, depressão ou transtornos de personalidade.[19] Algumas pessoas, entretanto, podem se identificar como assexuais, mesmo que seu estado não sexual seja explicado por um ou mais dos distúrbios mencionados acima.[7]

O primeiro estudo que forneceu dados empíricos sobre os assexuais foi publicado em 1983 por Paula Nurius, a respeito da relação entre orientação sexual e saúde mental.[41] 689 sujeitos - a maioria dos quais eram estudantes em várias universidades nos Estados Unidos tendo aulas de psicologia ou sociologia - participaram de várias pesquisas, incluindo quatro escalas de bem-estar clínico. Os resultados mostraram que os assexuais têm maior probabilidade de ter baixa autoestima e maior probabilidade de ficarem deprimidos do que os membros de outras orientações sexuais; 25,88% dos heterossexuais, 26,54% bissexuais (chamados de "ambissexuais"), 29,88% dos homossexuais e 33,57% dos assexuais relataram ter problemas de autoestima. Uma tendência semelhante existia para a depressão. Nurius não acreditava que conclusões firmes pudessem ser tiradas disso por vários motivos.[41][42]

Em um estudo de 2013, Yule et al. examinou as variações de saúde mental entre heterossexuais, homossexuais, bissexuais e assexuais caucasianos. Os resultados de 203 participantes do sexo masculino e 603 do sexo feminino foram incluídos nas descobertas. Yule et al. descobriram que participantes assexuais do sexo masculino eram mais propensos a relatar ter um transtorno de humor do que outros homens, particularmente em comparação aos participantes heterossexuais. O mesmo foi verificado para participantes assexuais do sexo feminino em relação às heterossexuais; no entanto, mulheres não assexuais e não heterossexuais tiveram as taxas mais altas. Participantes assexuais de ambos os sexos eram mais propensos a ter transtornos de ansiedade do que os participantes heterossexuais e não heterossexuais, assim como eram mais propensos do que os participantes heterossexuais a relatar ter tido sentimentos suicidas recentes. Yule et al. levantaram a hipótese de que algumas dessas diferenças podem ser devido à discriminação e outros fatores sociais.[43]

Com relação às categorias de orientação sexual, a assexualidade pode ser argumentada como não sendo uma categoria significativa a ser adicionada ao continuum e, em vez disso, como a falta de orientação sexual ou sexualidade.[37] Outros argumentos propõem que a assexualidade é a negação da sexualidade natural de alguém e que é um distúrbio causado pela vergonha da sexualidade, ansiedade ou abuso sexual, às vezes baseando essa crença em assexuais que se masturbam ou ocasionalmente se envolvem em atividades sexuais simplesmente para agradar um parceiro romântico.[37][23][25] Dentro do contexto das políticas de identidade de orientação sexual, a assexualidade pode cumprir pragmaticamente a função política de uma categoria de identidade de orientação sexual.[28]

A sugestão de que a assexualidade é uma disfunção sexual é controversa entre a comunidade assexual. Aqueles que se identificam como assexuais geralmente preferem que seja reconhecida como uma orientação sexual.[7] Os estudiosos que argumentam que a assexualidade é uma orientação sexual podem apontar para a existência de diferentes preferências sexuais.[37][20][25] Eles e muitos assexuais acreditam que a falta de atração sexual é válida o suficiente para ser categorizada como orientação sexual.[11] Os pesquisadores argumentam que os assexuais não optam por não ter desejo sexual e geralmente começam a descobrir suas diferenças em comportamentos sexuais na adolescência. Por causa desses fatos virem à tona, é argumentado que a assexualidade é mais do que uma escolha comportamental e não é algo que pode ser curado como um distúrbio.[25][44] Há também uma análise sobre se a identificação como assexual está se tornando mais popular.[45]

A pesquisa sobre a etiologia da orientação sexual quando aplicada à assexualidade tem o problema de definição de orientação sexual não sendo consistentemente definida pelos pesquisadores.[46] Embora a heterossexualidade, a homossexualidade e a bissexualidade sejam geralmente, mas nem sempre, determinadas durante os primeiros anos da vida pré-adolescente, não se sabe quando a assexualidade é determinada. "Não está claro se essas características [no caso, "falta de interesse ou desejo por sexo"] são consideradas para a vida toda ou se podem ser adquiridas".[15]

Um critério geralmente usado para definir a orientação sexual é que ela seja estável ao longo do tempo. Em uma análise de 2016 no Archives of Sexual Behavior, Brotto et al. encontraram "apenas um apoio fraco" para este critério sendo atendido entre indivíduos assexuais.[47] Uma análise de dados do National Longitudinal Study of Adolescent to Adult Health, de Stephen Cranney, descobriu que, de 14[a] indivíduos que não relataram atração sexual na terceira onda do estudo (quando os indivíduos tinham idades entre 18 e 26), apenas 3 continuaram a se identificar dessa forma na quarta onda, seis anos depois.[49] No entanto, Cranney observa que a identificação assexual na terceira onda ainda era significativa como um indicador de identificação assexuada na onda subsequente. Em um comentário subsequente, Cranney afirmou que a interpretação desses dados foi complicada pela ausência de qualquer "padrão quantitativo definido para quanto tempo um desejo sexual deve durar antes de ser considerado estável ou intrínseco o suficiente para ser considerado uma orientação".[48]

Comunidade[editar | editar código-fonte]

Bandeira da assexualidade.
Alguns membros da comunidade assexual optam por usar um anel preto no dedo médio da mão direita como forma de identificação.[39]

Atualmente não existe um trabalho acadêmico que trate da história da comunidade assexual.[50] Embora alguns sites privados para pessoas com pouco ou nenhum desejo sexual existissem na Internet na década de 1990,[51] estudiosos afirmam que uma comunidade de assexuais autoidentificados se fundiu no início do século 21, ajudada pela popularidade das comunidades online.[52] Volkmar Sigusch afirmou que "Grupos como Leather Spinsters defenderam a vida assexual contra a pressão da cultura" e que "Geraldin van Vilsteren criou a Nonlibidoism Society na Holanda, enquanto o Yahoo oferecia um grupo para assexuais, Haven for the Human Ameba."[51] A Asexual Visibility and Education Network (AVEN) é uma organização fundada pelo ativista norte-americano da assexualidade David Jay em 2001 que se concentra em questões de assexualidade.[7] Seus objetivos declarados são "criar aceitação pública e discussão da assexualidade e facilitar o crescimento de uma comunidade assexual".[7][53]

Para alguns, fazer parte de uma comunidade é um recurso importante porque muitas vezes relatam ter se sentido condenados ao ostracismo.[26] Embora existam comunidades online, a afiliação com as comunidades online varia. Alguns questionam o conceito de comunidade online, enquanto outros dependem fortemente da comunidade assexual online para apoio. Elizabeth Abbott postula que sempre houve um elemento assexual na população, mas que as pessoas assexuadas se mantiveram discretas. Embora o fracasso em consumar o casamento tenha sido visto como um insulto ao sacramento do casamento na Europa medieval, e às vezes tenha sido usado como fundamento para o divórcio ou para declarar a nulidade do casamento, a assexualidade, ao contrário da homossexualidade, nunca foi ilegal, e geralmente passou despercebido. No entanto, no século 21, o anonimato da comunicação online e a popularidade geral das redes sociais online facilitaram a formação de uma comunidade construída em torno de uma identidade assexual comum.[54]

Comunidades como a AVEN podem ser benéficas para quem busca respostas para resolver uma crise de identidade em relação à sua possível assexualidade. Os indivíduos passam por uma série de processos emocionais que culminam na identificação com a comunidade assexual. Eles primeiro percebem que suas atrações sexuais diferem daquelas da maioria da sociedade. Essa diferença leva a questionar se a maneira como eles se sentem é aceitável e os possíveis motivos pelos quais se sentem assim. A tendência é que surjam crenças patológicas, nas quais, em alguns casos, eles podem procurar ajuda médica por sentirem que têm uma doença. A autocompreensão geralmente é alcançada quando eles encontram uma definição que corresponda a seus sentimentos. Comunidades de assexualidade fornecem suporte e informações que permitem que assexuais recém-identificados passem do auto-esclarecimento para a identificação em um nível comunitário, o que pode ser fortalecedor, porque agora eles têm algo com o que se associar, o que dá normalidade a essa situação geral de isolamento social.[25]

Organizações assexuais e outros recursos da Internet desempenham um papel fundamental em informar as pessoas sobre a assexualidade. A falta de pesquisas torna difícil para os médicos entenderem a causa. Como acontece com qualquer orientação sexual, a maioria das pessoas assexuadas se auto identificam. Isso pode ser um problema quando a assexualidade é confundida com um problema de intimidade ou de relacionamento ou com outros sintomas que não definem a assexualidade. Há também uma população significativa que não entende ou não acredita na assexualidade, o que aumenta a importância dessas organizações para informar a população em geral; entretanto, devido à falta de fatos científicos sobre o assunto, o que esses grupos promovem como informação muitas vezes é questionado.

Em 29 de junho de 2014, a AVEN organizou a segunda Conferência Internacional de Assexualidade, como um evento afiliado da WorldPride em Toronto. O primeiro foi realizado no World Pride 2012, em Londres.[12] O segundo evento, que contou com a presença de cerca de 250 pessoas, foi o maior encontro de assexuais até hoje.[55] A conferência incluiu apresentações, discussões e workshops sobre tópicos como pesquisa sobre assexualidade, relações assexuais e identidades cruzadas.

Símbolos[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Simbologia LGBT+

Em 2009, os membros do AVEN participaram da primeira entrada assexual em uma parada do orgulho LGBT americana quando caminharam na San Francisco Pride.[56] Em agosto de 2010, após um período de debate sobre ter uma bandeira assexual e como estabelecer um sistema para criá-la, e contatar o maior número possível de comunidades assexual, uma bandeira foi anunciada como a bandeira do orgulho assexual por uma das equipes envolvidas. A bandeira final era uma candidata popular e já havia sido usada em fóruns online fora da AVEN. A votação final foi realizada em um sistema de pesquisa fora da AVEN, onde os principais esforços de criação da bandeira foram organizados. As cores das bandeiras têm sido usadas em obras de arte e referenciadas em artigos sobre assexualidade.[57] A bandeira consiste em quatro listras horizontais: preto, cinza, branco e roxo de cima para baixo. A listra preta representa a assexualidade, a listra cinza representa a área cinza entre sexual e assexual, listra branca representa a sexualidade e a listra roxa representa a comunidade.[58][11][59]

Semana Ace[editar | editar código-fonte]

A Semana Ace (anteriormente Semana de Conscientização Assexual) ocorre na última semana inteira de outubro. É um período de conscientização que foi criado para celebrar e trazer a consciência para a assexualidade (incluindo a assexualidade cinza).[60][61] Foi fundada por Sara Beth Brooks em 2010.[62][61]

Dia Internacional da Assexualidade[editar | editar código-fonte]

O Dia Internacional da Assexualidade (em inglês, IAD) é uma celebração anual da comunidade assexual que ocorre em 6 de abril.[63] A intenção do dia é “colocar uma ênfase especial na comunidade internacional, indo além da esfera anglófona e ocidental que até agora teve maior cobertura”.[64] Um comitê internacional passou pouco menos de um ano preparando o evento, além de publicar um site e materiais para a imprensa.[65] Este comitê estabeleceu a data de 6 de abril para evitar confronto com o maior número possível de datas significativas em todo o mundo, embora esta data esteja sujeita a revisão e possa mudar nos anos futuros.[64][66]

O primeiro Dia Internacional da Assexualidade foi celebrado em 2021 e envolveu organizações assexuais de pelo menos 26 países diferentes.[63][67][68] As atividades incluíram encontros virtuais, programas de defesa tanto online quanto offline, e o compartilhamento de histórias em várias formas de arte.[69]

Religião[editar | editar código-fonte]

Estudos não encontraram correlação estatística significativa entre religião e assexualidade,[70] com a assexualidade ocorrendo com igual prevalência em indivíduos religiosos e não religiosos.[70] No entanto, a assexualidade não é incomum entre o clero celibatário, uma vez que outros são mais propensos a ser desencorajados por votos de castidade.[71] No estudo de Aicken, Mercer e Cassell, uma proporção maior de muçulmanos do que cristãos relatou que não experimentou qualquer forma de atração sexual.[70] Por causa da aplicação relativamente recente do termo assexualidade, a maioria das religiões não tem posições claras sobre isso.[72] Em Mateus 19:11-12, Jesus menciona "Porque há eunucos que nasceram assim, e há eunucos que foram feitos eunucos por outros - e há aqueles que optam por viver como eunucos por causa do reino dos céus."[73] Algumas exegeses bíblicas interpretaram os "eunucos que nasceram assim" como incluindo assexuais.[73] [74]

O Cristianismo tradicionalmente reverencia o celibato (que não é o mesmo que assexualidade); o apóstolo Paulo, escrevendo como um celibatário, foi descrito por alguns escritores como assexual.[75] Ele escreve em 1 Coríntios 7:6-9.

Gostaria que todos os homens fossem como eu. Mas cada homem tem seu próprio dom de Deus; um tem esse dom, outro tem isso. Agora, aos solteiros e às viúvas, digo: É bom que permaneçam solteiros, como eu. Mas, se não conseguem se controlar, devem se casar, pois é melhor casar do que arder de paixão.

Discriminação e proteções legais[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Discriminação contra assexuais
Assexuais marchando em uma parada do orgulho em Londres

Um estudo de 2012 publicado na Group Processes & Intergroup Relations relatou que assexuais são avaliados mais negativamente em termos de preconceito, desumanização e discriminação do que outras minorias sexuais, como gays, lésbicas e bissexuais.[76] Um estudo diferente, entretanto, encontrou poucas evidências de discriminação séria contra assexuais por causa de sua assexualidade.[77] A ativista, autora e blogueira assexual Julie Decker observou que o assédio sexual e a violência, como o estupro corretivo, comumente vitimam a comunidade assexual.[78] O sociólogo Mark Carrigan vê um meio-termo, argumentando que embora os assexuais frequentemente sofram discriminação, não é de natureza fóbica, mas "mais sobre marginalização porque as pessoas genuinamente não entendem a assexualidade".[79]

Assexuais também enfrentam preconceito da comunidade LGBT.[11][78] Muitas pessoas LGBT presumem que qualquer pessoa que não seja homossexual ou bissexual deve ser heterossexual[11] e frequentemente excluem os assexuais de suas definições de queer.[11] Embora existam muitas organizações conhecidas dedicadas a ajudar as comunidades LGBTQ,[11] essas organizações geralmente não chegam aos assexuais[11] e não fornece materiais de biblioteca sobre assexualidade.[11] Ao se declarar assexual, a ativista Sara Beth Brooks foi informada por muitas pessoas LGBT que os assexuais se enganam em sua autoidentificação e buscam atenção imerecida dentro do movimento de justiça social.[78] Outras organizações LGBT, como The Trevor Project e a National LGBTQ Task Force, incluem explicitamente os assexuais porque não são heterossexuais e podem, portanto, ser incluídos na definição de queer.[80][81] Algumas organizações agora adicionam um A à sigla LGBTQ para incluir assexuais; entretanto, este ainda é um tópico controverso em algumas organizações queer.[82]

Em algumas jurisdições, os assexuais têm proteção legal. Enquanto o Brasil proíbe desde 1999 qualquer patologização ou tentativa de terapia da reorientação sexual por profissionais de saúde mental por meio do código de ética nacional,[83] o estado americano de Nova Iorque classificou os assexuais como uma classe protegida.[84] No entanto, a assexualidade normalmente não atrai a atenção do público ou um grande escrutínio; portanto, não tem sido objeto de legislação tanto quanto outras orientações sexuais.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Este denominador é erroneamente dado como 25 no resumo do estudo inicial de Cranney. O número de indivíduos que não relataram atração sexual na onda III foi de 14, de acordo com a Tabela 2, primeiro parágrafo da seção "Análise multivariada", e a seguinte citação do comentário subsequente de Cranney: "Especificamente, das 14 pessoas que indicaram 'nenhuma atração sexual' na Onda III, apenas três passaram a fazê-lo na Onda IV (Tabela 2)."[48]

Referências

  1. Klein, Jessica (30 de junho de 2021). «Assexualidade: como orientação sexual 'invisível' saiu do armário». BBC News. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 30 de junho de 2021 
  2. Crooks, Robert L.; Baur, Karla (2016). Our Sexuality [Nossa Sexualidade]. [S.l.]: Cengage Learning. p. 300. ISBN 978-1305887428. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  3. Helm, Katherine M. (2015). Hooking Up: The Psychology of Sex and Dating [Conectando-se: a psicologia do sexo e do namoro]. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 32. ISBN 978-1610699518. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  4. Kelly, Gary F. (2004). «Capítulo 2». Sexuality Today: The Human Perspective [Sexualidade Hoje: A Perspectiva Humana] 7ª ed. [S.l.]: McGraw-Hill. p. 401. ISBN 978-0-07-255835-7. Assexualidade é uma condição caracterizada por um baixo interesse por sexo. 
  5. a b c Bogaert, Anthony F. (2004). «Asexuality: prevalence and associated factors in a national probability sample» [Assexualidade: prevalência e fatores associados em uma amostra nacional de probabilidade] (PDF) 3ª ed. Journal of Sex Research. 41: 279–287. PMID 15497056. doi:10.1080/00224490409552235. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  6. Melby, Todd (Novembro de 2005). «Asexuality gets more attention, but is it a sexual orientation?» [A assexualidade chama mais atenção, mas será que é uma orientação sexual?] 11ª ed. Contemporary Sexuality. 39: 1, 4–5. ISSN 1094-5725. Consultado em 20 de novembro de 2011. Arquivado do original em 26 de março de 2016 
  7. a b c d e f g h i Marshall Cavendish, ed. (2010). «Assexualidade». Sex and Society [Sexo e sociedade]. 2. [S.l.]: Marshall Cavendish. pp. 82–83. ISBN 978-0-7614-7906-2. Consultado em 27 de julho de 2013 
  8. Viana, Victor (26 de junho de 2020). «O que é o A de LGBTQIA+?». PUREBREAK. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 7 de maio de 2021 
  9. Scherrer, Kristin (2008). «Coming to an Asexual Identity: Negotiating Identity, Negotiating Desire» [Chegando a uma identidade assexuada: negociando identidade, negociando desejo] 5ª ed. Sexualities. 11: 621–641. PMC 2893352Acessível livremente. PMID 20593009. doi:10.1177/1363460708094269 
  10. Polato, Amanda (25 de junho de 2021). «'É comum que assexuais sejam classificados como doentes ainda hoje', diz advogado que parou de fazer sexo aos 17 anos». G1. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 27 de junho de 2021 
  11. a b c d e f g h i j Decker, Julie S. (2015). The Invisible Orientation: An Introduction to Asexuality [A orientação invisível: uma introdução à assexualidade] (em inglês). [S.l.]: Simon and Schuster. ISBN 9781510700642 
  12. a b Barker, Meg (2012). Rewriting the Rules: An Integrative Guide to Love, Sex and Relationships [Reescrevendo as regras: um guia integrativo para amor, sexo e relacionamentos] (em inglês). [S.l.]: Routledge. p. 69. ISBN 978-0415517621 
  13. Tarrant, Shira (2015). Gender, Sex, and Politics: In the Streets and Between the Sheets in the 21st Century [Gênero, sexo e política: nas ruas e nas entrelinhas do século 21] (em inglês). [S.l.]: Routledge. pp. 254–256. ISBN 978-1317814764 
  14. a b c d e f Cerankowski, Karli J.; Milks, Megan (2014). Asexualities: Feminist and Queer Perspectives [Assexualidades: Perspectivas Feministas e Queer] (em inglês). [S.l.]: Routledge. pp. 89–93. ISBN 978-1-134-69253-8 
  15. a b c d e f Prause, Nicole; Graham, Cynthia A. (Agosto de 2004). «Asexuality: Classification and Characterization» [Assexualidade: Classificação e Caracterização] (PDF) 3ª ed. Archives of Sexual Behavior. 36: 341–356. PMID 17345167. doi:10.1007/s10508-006-9142-3. Consultado em 16 de novembro de 2021. Arquivado do original (PDF) em 27 de setembro de 2007 
  16. a b c «Toward a conceptual understanding of asexuality» [Rumo a um entendimento conceitual da assexualidade] 3ª ed. Review of General Psychology. 10: 241–250. 2006. doi:10.1037/1089-2680.10.3.241. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 25 de outubro de 2018 
  17. a b c Fischer, Nancy L.; Seidman, Steven (2016). Introducing the New Sexuality Studies [Apresentando os novos estudos de sexualidade]. [S.l.]: Routledge. p. 183. ISBN 978-1317449188 
  18. a b «Overview» [Visão geral]. The Asexual Visibility and Education Network (em inglês). 2008. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2021 
  19. a b c d e f Richards, Christina; Barker, Meg (2013). Sexuality and Gender for Mental Health Professionals: A Practical Guide [Sexualidade e gênero para profissionais de saúde mental: um guia prático]. [S.l.]: SAGE. pp. 124–127. ISBN 978-1-4462-9313-3 
  20. a b Halter, Margaret J.; Varcarolis, Elizabeth M. (2013). Varcarolis' Foundations of Psychiatric Mental Health Nursing [Fundamentos de Varcarolis para enfermagem em saúde mental psiquiátrica] (em inglês). [S.l.]: Elsevier Health Sciences. p. 382. ISBN 978-1-4557-5358-1. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  21. a b DePaulo, Bella (23 de dezembro de 2009). «ASEXUALS: Who Are They and Why Are They Important?» [ASSEXUAIS: Quem são e por que são importantes?]. Psychology Today. Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2021 
  22. Westphal, Sylvia P. (14 de outubro de 2004). «Feature: Glad to be asexual» [Recurso: Fico feliz por ser assexual]. New Scientist (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2021. Arquivado do original em 19 de dezembro de 2007 
  23. a b c Bridgeman, Shelley (4 de agosto de 2007). «No sex please, we're asexual» [Sem sexo por favor, somos assexuais]. The New Zealand Herald (em inglês). Consultado em 16 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 2 de março de 2021 
  24. Yule, Morag A.; Brotto, Lori A.; Gorzalka, Boris B. (2014). «Sexual fantasy and masturbation among asexual individuals» [Fantasia sexual e masturbação entre indivíduos assexuados] (PDF) 2ª ed. The Canadian Journal of Human Sexuality. 23: 89–95. doi:10.3138/cjhs.2409. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  25. a b c d e Carrigan, Mark (Agosto de 2011). «There's More to Life Than Just Sex? Difference and Commonality Within the Asexual Community» [A vida é mais do que sexo? Diferença e semelhança dentro da comunidade assexual] 4ª ed. Sexualities (em inglês). 14: 462–478. doi:10.1177/1363460711406462 
  26. a b MacNeela, Pádraig; Murphy, Aisling. «Freedom, Invisibility, and Community: A Qualitative Study of Self-Identification with Asexuality» [Liberdade, invisibilidade e comunidade: um estudo qualitativo de autoidentificação com assexualidade] (PDF) 3ª ed. Archives of Sexual Behavior. 44: 799–812. ISSN 0004-0002. PMID 25548065. doi:10.1007/s10508-014-0458-0. Consultado em 16 de novembro de 2021 
  27. Adler, Melissa (2010). «Meeting the Needs of LGBTIQ Library Users and Their Librarians: A Study of User Satisfaction and LGBTIQ Collection Development in Academic Libraries» [Atendendo às necessidades dos usuários de bibliotecas LGBTIQ e seus bibliotecários: um estudo de satisfação do usuário e desenvolvimento de coleções LGBTIQ em bibliotecas acadêmicas]. In: Greenblatt, Ellen. Serving LGBTIQ Library and Archives Users [Atendendo a usuários de bibliotecas e arquivos LGBTIQ]. Carolina do Norte: McFarland & Company. ISBN 978-0-7864-4894-4 
  28. a b Chasin, CJ DeLuzio (2015). «Making Sense in and of the Asexual Community: Navigating Relationships and Identities in a Context of Resistance» [Fazendo sentido na e da comunidade assexual: navegando por relacionamentos e identidades em um contexto de resistência] 2ª ed. Journal of Community & Applied Social Psychology. 25: 167–180. ISSN 1099-1298. doi:10.1002/casp.2203 
  29. a b Justin J. Lehmiller (2017). The Psychology of Human Sexuality. [S.l.]: John Wiley & Sons. p. 250. ISBN 978-1119164708. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  30. Etaugh, Claire A.; Bridges, Judith S. (2017). Women's Lives: A Psychological Exploration, Fourth Edition [Vidas de Mulheres: Uma Exploração Psicológica, Quarta Edição] (em inglês). [S.l.]: Taylor & Francis. ISBN 978-1-315-44938-8 
  31. a b Smith, S. E. (21 de agosto de 2012). «Asexuality always existed, you just didn't notice it». The Guardian. Consultado em 30 de março de 2013 
  32. a b Kinsey, Alfred C. (1948). Sexual Behavior in the Human Male. [S.l.]: W.B. Saunders. ISBN 978-0-253-33412-1 
  33. a b c Kinsey, Alfred C. (1953). Sexual Behavior in the Human Female. [S.l.]: W.B. Saunders. ISBN 978-0-253-33411-4 
  34. Stange, Mary Z.; Oyster, Carol K.; Sloan, Jane E. (23 de fevereiro de 2011). Encyclopedia of Women in Today's World [Enciclopédia de mulheres no mundo de hoje]. [S.l.]: SAGE. p. 158. ISBN 978-1-4129-7685-5 
  35. Wellings, Kaye (1994). Sexual Behaviour in Britain: The National Survey of Sexual Attitudes and Lifestyles. [Comportamento sexual na Grã-Bretanha: Pesquisa Nacional de Atitudes e Estilos de Vida Sexuais.]. [S.l.]: Penguin Books. ISBN 9780140158144 
  36. a b c Aicken, Catherine R. H.; Mercer, Catherine H.; Cassell, Jackie A. «Who reports absence of sexual attraction in Britain? Evidence from national probability surveys» [Quem relata a ausência de atração sexual na Grã-Bretanha? Evidências de pesquisas nacionais de probabilidade] 2ª ed. Psychology & Sexuality (em inglês). 4: 121–135. ISSN 1941-9899. doi:10.1080/19419899.2013.774161. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  37. a b c d e Bogaert, A. F. «Asexuality: What It Is and Why It Matters» [Assexualidade: O que é e porque é importante] 4ª ed. Journal of Sex Research. 52: 362–379. PMID 25897566. doi:10.1080/00224499.2015.1015713 
  38. Dahlgreen, Will; Shakespeare, Anna-Elizabeth (16 de agosto de 2015). «1 in 2 young people say they are not 100% heterosexual» [1 em cada 2 jovens dizem que não são 100% heterossexuais]. YouGov (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2018 
  39. a b Chasin, CJ DeLuzio (2013). «Reconsidering Asexuality and Its Radical Potential» [Reconsiderando a assexualidade e seu potencial radical] 2ª ed. Feminist Studies (em inglês). 39: 405–426 
  40. Brotto, L. A.; Yule, M. A.; Gorzalka, B. B. (2015). «Asexuality: An Extreme Variant of Sexual Desire Disorder?» [Assexualidade: uma variante extrema do transtorno do desejo sexual?] 3ª ed. The Journal of Sexual Medicine. 12: 646–660. PMID 25545124. doi:10.1111/jsm.12806 
  41. a b Ruspini, Elisabetta; Milks, Megan (2013). Diversity in family life [Diversidade na vida familiar] (em inglês). [S.l.]: Policy Press. pp. 35–36. ISBN 978-1447300939. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  42. Nurius, Paula (1983). «Mental Health Implications of Sexual Orientation» [Implicações da orientação sexual para a saúde mental] 2ª ed. The Journal of Sex Research. 19: 119–136. doi:10.1080/00224498309551174 
  43. Yule, Morag A.; Brotto, Lori A.; Gorzalka, Boris B. «Mental Health and Interpersonal Functioning in Self-Identified Asexual Men and Women» [Saúde mental e funcionamento interpessoal em homens e mulheres assexuais auto identificados] 2ª ed. Psychology & Sexuality (em inglês). 4: 136–151. doi:10.1080/19419899.2013.774162 
  44. Over, Ray; Koukounas, Eric (1995). «Habituation of Sexual Arousal: Product and Process» [Habituação de Excitação Sexual: Produto e Processo] 1ª ed. Annual Review of Sex Research (em inglês). 6: 187–223. doi:10.1080/10532528.1995.10559905 (inativo 31 de outubro de 2021). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 19 de abril de 2020  Citado de: Kelly, Gary F. (2004). Sexuality Today: The Human Perspective [Sexuality Today: A Perspectiva Humana] (em inglês) 7ª ed. [S.l.]: McGraw-Hill. p. 401. ISBN 978-0-07-255835-7 
  45. Meyer, Doug. «The Disregarding of Heteronormativity: Emphasizing a Happy Queer Adulthood and Localizing Anti-Queer Violence to Adolescent Schools» [A Desconsideração da Heteronormatividade: Enfatizando uma Idade Adulta Queer Feliz e Localizando a Violência Anti-Queer nas Escolas de Adolescentes] 3ª ed. Sexuality Research & Social Policy. 14: 331–344. doi:10.1007/s13178-016-0272-7 
  46. Garcia-Falgueras, A.; Swaab, D. F. (2010). Sexual hormones and the brain: an essential alliance for sexual identity and sexual orientation [Hormônios sexuais e o cérebro: uma aliança essencial para a identidade sexual e orientação sexual]. Col: Desenvolvimento Endócrino (em inglês). 17. [S.l.]: Endocr Dev. pp. 22–35. ISBN 978-3-8055-9302-1. PMID 19955753. doi:10.1159/000262525 
  47. Brotto, L. A.; Yule, M. (2016). «Asexuality: Sexual Orientation, Paraphilia, Sexual Dysfunction, or None of the Above?» [Assexualidade: orientação sexual, parafilia, disfunção sexual ou nenhuma das anteriores?] 3ª ed. Archives of Sexual Behavior. 46: 619–627. PMID 27542079. doi:10.1007/s10508-016-0802-7 
  48. a b Cranney, Stephen (2016). «Does Asexuality Meet the Stability Criterion for a Sexual Orientation?» [A assexualidade atende ao critério de estabilidade para uma orientação sexual?] 3ª ed. Archives of Sexual Behavior (em inglês). 46: 637–638. PMID 27815642. doi:10.1007/s10508-016-0887-z 
  49. Cranney, Stephen (2016). «The Temporal Stability of Lack of Sexual Attraction across Young Adulthood» [A estabilidade temporal da falta de atração sexual na juventude] 3ª ed. Archives of Sexual Behavior. 45: 743–749. PMC 5443108Acessível livremente. PMID 26228992. doi:10.1007/s10508-015-0583-4 
  50. Carrigan, Mark; Gupta, Kristina; Morrison, Todd G. (2015). Asexuality and Sexual Normativity: An Anthology [Assexualidade e normatividade sexual: uma antologia] (em inglês). [S.l.]: Routledge. ISBN 978-0-415-73132-4 
  51. a b Sigusch, Volkmar (2013). Sexualitäten: Eine kritische Theorie in 99 Fragmenten [Sexualidades: uma teoria crítica em 99 fragmentos] (em alemão). [S.l.]: Campus Verlag. ISBN 978-3593399751 
  52. Goldberg, Abbie E. (2016). The SAGE Encyclopedia of LGBTQ Studies [A enciclopédia SAGE de estudos LGBTQ] (em inglês). [S.l.]: SAGE. p. 92. ISBN 978-1483371290. [...] A literatura sociológica tem enfatizado a novidade da assexualidade como uma forma distinta de identificação social que emergiu no início do século 21. 
  53. Swash, Rosie (26 de fevereiro de 2012). «Among the asexuals» [Entre os assexuais]. The Guardian (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2021 
  54. Duenwald, Mary (9 de junho de 2005). «For Them, Just Saying No Is Easy» [Para eles, apenas dizer não é fácil]Subscrição paga é requerida. The New York Times. Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  55. Forani, Jonathan (23 de junho de 2014). «World Pride Toronto: Asexuals march in biggest numbers yet» [World Pride Toronto: O maior número de assexuais marcham até agora]. Toronto Star (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de março de 2021 
  56. Anneli, Rufus (22 de junho de 2009). «Stuck. Asexuals at the Pride Parade.» [Entalado na garganta. Assexuais na Parada do Orgulho LGBT.]. Psychology Today (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021 
  57. Lin, Elaine (9 de janeiro de 2012). «Asexuality – Redefining Love and Sexuality» [Assexualidade - Redefinindo o amor e a sexualidade]. recultured (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Arquivado do original em 24 de dezembro de 2013 
  58. Bilić, Bojan; Kajinić, Sanja (2016). Intersectionality and LGBT Activist Politics: Multiple Others in Croatia and Serbia [Interseccionalidade e política ativista LGBT: vários outros na Croácia e na Sérvia] (em inglês). [S.l.]: Springer. pp. 95–96 
  59. «Asexual». UCLA Lesbian Gay Bisexual Transgender Resource center (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Arquivado do original em 4 de setembro de 2017 
  60. Kumar, Shikha (18 de março de 2017). «Meet India's newest sexual minority: The asexuals» [Conheça a mais nova minoria sexual da Índia: os assexuais]. Hindustan Times (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 19 de abril de 2020 
  61. a b «AAW – About Us» [AAW - Quem Somos]. asexualawarenessweek.com (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 9 de outubro de 2021 
  62. Exton, Robyn (14 de novembro de 2016). «Aces Show Their Hand – What Is Asexuality And Why You Should Know About It» [Aces mostram suas mãos - O que é assexualidade e por que você deve saber sobre isso]. HuffPost UK (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2018 
  63. a b «International Asexuality Day» [Dia Internacional da Assexualidade]. International Asexuality Day (IAD) (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de abril de 2021 
  64. a b «FAQ». International Asexuality Day (IAD) (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 7 de março de 2021 
  65. «Redefining Perceptions Of Asexuality With Yasmin Benoit» [Redefinindo as percepções de assexualidade com Yasmin Benoit]. noctismag.com (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2021 
  66. Flood, Rebecca (6 de abril de 2021). «Asexual Meaning as First International Asexuality Day Celebrated Around the World» [Significado assexual do primeiro dia internacional da assexualidade celebrado em todo o mundo] (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de abril de 2021 
  67. Waters, Jamie (21 de março de 2021). «'I don't want sex with anyone': the growing asexuality movement» ["Eu não quero sexo com ninguém": o movimento crescente da assexualidade]. The Guardian (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 1 de abril de 2021 
  68. O'Dell, Liam (6 de abril de 2021). «What is International Asexuality Day?» [O que é o Dia Internacional da Assexualidade?]. The Independent (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de abril de 2021 
  69. Khadgi, Ankit (7 de abril de 2021). «In Nepal's growing queer movement, here's how asexuals are trying to amplify their voice» [No crescente movimento queer do Nepal, veja como os assexuais estão tentando amplificar sua voz]. The Kathmandu Post (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 7 de abril de 2021 
  70. a b c Aicken, Catherine R. H.; Mercer, Catherine H.; Cassell, Jackie A. (7 de setembro de 2015). «Who reports absence of sexual attraction in Britain? Evidence from national probability surveys» [Quem relata a ausência de atração sexual na Grã-Bretanha? Evidências de pesquisas nacionais de probabilidade]. In: Carrigan, Mark; Gupta, Kristina; Morrison, Todd G. Asexuality and Sexual Normativity: An Anthology [Assexualidade e normatividade sexual: uma antologia] (em inglês). Cidade de Nova York, Nova York e Londres, Inglaterra: Routledge. pp. 22–27. ISBN 978-0-415-73132-4 
  71. Bogaert, Anthony F. (9 de agosto de 2012). Understanding Asexuality [Compreendendo assexualidade] (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield Publishers. ISBN 978-1-4422-0101-9 
  72. «Asexuality and Christianity» [Assexualidade e Cristianismo] (PDF). sexualawarenessweek.com. Asexual Awareness Week. Consultado em 17 de novembro de 2021. Arquivado do original (PDF) em 29 de outubro de 2013 
  73. a b Kaoma, Kapya (2018). Christianity, Globalization, and Protective Homophobia: Democratic Contestation of Sexuality in Sub-Saharan Africa [Cristianismo, globalização e homofobia protetora: Contestação democrática da sexualidade na África Subsaariana] (em inglês). Boston, Massachusetts: Palgrave Macmillan. pp. 159–160. ISBN 978-3-319-66341-8 
  74. Cole, William G. (2015) [1955]. Sex in Christianity and Psychoanalysis [Sexo no Cristianismo e na Psicanálise]. Col: Edições da Biblioteca Routledge: Psicanálise. Cidade de Nova York, Nova York e Londres, Inglaterra: Routledge. p. 177. ISBN 978-1138951792 
  75. Zuckerman, Phil (2003). An Invitation to Sociology of Religion [Um Convite para Sociologia da Religião] (em inglês). Cidade de Nova York, Nova York e Londres, Inglaterra: Routledge. p. 111. ISBN 978-0-415-94125-9 
  76. MacInnis, Cara C.; Hodson, Gordon (2012). «Intergroup bias toward "Group X": Evidence of prejudice, dehumanization, avoidance, and discrimination against asexuals» [Viés do intergrupo em relação ao "Grupo X": evidências de preconceito, desumanização, evasão e discriminação contra assexuais] 6ª ed. Group Processes & Intergroup Relations (em inglês). 15. doi:10.1177/1368430212442419 
  77. Stephanie B., Gazzola; Morrison, Melanie A. (2012). Asexuality: An emergent sexual orientation [Assexualidade: Uma emergente orientação sexual] (PDF) (em inglês). [S.l.]: Sexual Minority Research in the New Millennium 
  78. a b c Mosbergen, Dominique (20 de junho de 2013). «Battling Asexual Discrimination, Sexual Violence, and Corrective Rape» [Combate à discriminação assexuada, violência sexual e estupro corretivo]. Huffington Post (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021 
  79. Wallis, Lucy (17 de janeiro de 2012). «What is it like to be asexual?» [Como é ser assexual?]. BBC News (em inglês). BBC. Consultado em 17 de novembro de 2021 
  80. «FAQ about asexuality» [FAQ sobre assexualidade]. The Trevor Project (em inglês). Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2021 
  81. «The A is Here to Stay» [O A está aqui para ficar]. thetaskforceblog.org/. 30 de abril de 2013. Consultado em 17 de novembro de 2021. Arquivado do original em 10 de março de 2018 
  82. Mosbergen, Dominique (21 de junho de 2013). «LGBT, Asexual Communities Clash Over Ace Inclusion» [LGBT, Comunidades Assexuais enfrentam a inclusão do Ace]. Huffington Post. Consultado em 17 de novembro de 2021. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2021 
  83. Carvalho, Diogo (1 de julho de 2017). «Psiquiatra Jairo Bouer fala dos "efeitos colaterais da cura gay"». blogs.diariodepernambuco.com.br. Consultado em 17 de novembro de 2021. Arquivado do original em 15 de janeiro de 2014 
  84. «The Sexual Orientation Non-Discrimination Act ("SONDA")» [A Lei de Não Discriminação de Orientação Sexual ("SONDA")]. Office of the Attorney General. Consultado em 17 de novembro de 2021. Arquivado do original em 16 de março de 2010 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Media relacionados com Assexualidade no Wikimedia Commons