Estupro corretivo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Estupro corretivo é uma prática criminosa, segundo a qual uma ou mais pessoass estupram pessoas homossexuais ou bissexuais, ou que parecem ser, supostamente como forma de "curar" sua sexualidade[1]

História[editar | editar código-fonte]

O termo "estupro corretivo" foi usada pela primeira vez no início de 2000 por direitos humanos de organizações não-governamentais para descrever esses estupros cometidos contra Sul Africanas lésbicas.[carece de fontes?] Um ataque notável deste tipo ocorreu em 2008, quando Eudy Simelane, um membro mulher da equipa nacional de futebol da África do Sul e uma representante LGBT ativista dos direitos humanos na África do Sul, foi estuprada e assassinada em KwaThema, Gauteng.

Um relatório de novembro de 2008 feito pela ONG ActionAid e pela Comissão Sul Africana de Direitos Humanos pediu a criação de uma legislação que visam especificamente os crimes de ódio, incluindo a violação correctiva.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências