Australopithecus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAustralopithecus
Ocorrência: 4–2 Ma
Reconstrução facial de Australopithecus afarensis
Reconstrução facial de Australopithecus afarensis
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Infrafilo: Gnathostomata
Superclasse: Tetrapoda
Classe: Mammalia
Subclasse: Theria
Infraclasse: Placentalia
Superordem: Euarchontoglires
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Catarrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Subfamília: Homininae
Gênero: Australopithecus
Espécies
A. afarensis

A. africanus

A. anamensis

A. garhi

A. sediba

Australopithecus (do Latim australis, 'do sul', e do Grego πίθηκος (transl. pithekos), 'macaco'), é um gênero de Hominídeo extinto, que existiu entre o Plioceno e o Pleistoceno, na África. Sendo muito próximos, evolutivamente, ao gênero Homo, seu estudo é de vital importância para a compreensão da evolução humana. As espécies mais conhecidas são A. africanus e A. afarensis, sendo que o primeiro espécime do gênero foi descoberto em 1924, na África do Sul, descrito por Raymond Dart, que considerou o fóssil (crânio da criança de Taung) como um ancestral do gênero Homo.[1]

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Crânio de um espécime de Australopithecus africanus, denominado Mrs. Ples.

Crânio[editar | editar código-fonte]

O volume craniano dos Australopithecus varia entre as espécies conhecidas, de acordo com o período em que existiram. Em média, apresentavam cérebros com cerca de 35% do volume de um pertencente a um humano moderno,[2] sendo que algumas espécies mais antigas se aproximavam mais ao volume craniano de chimpanzés,[3] enquanto alguns espécimes mais tardios se aproximavam aos tamanhos observados em fósseis antigos do gênero Homo.[4]

Estrutura Corporal[editar | editar código-fonte]

As espécies de Australopithecus apresentam diferentes médias de tamanho, em geral eram pequenos com um notável dimorfismo sexual relacionado ao tamanho corpóreo. Os A. africanus,[5] por exemplo, apresentavam uma média, entre os machos, de 138 cm de altura e uma massa corporal de 41 kg, enquanto as fêmeas apresentavam média de 30 kg e 115 cm de altura. Os A. afarensis, por sua vez, apresentavam proporções ligeiramente maiores, com machos possuindo, em média, 151 cm de altura.[2][6]

Devido ao seu tamanho e às proporções dos membros, uma comparação foi traçada entre Australopithecus e Bonobos.[7] Essa análise comparativa levou ao desenvolvimento de modelos para regulação térmica em Australopithecus, levando pesquisadores a crer que esses indivíduos eram, diferentemente de nós humanos, revestidos por pelos.[8]

Outra característica importante desse grupo é o bipedalismo bem desenvolvido, embora o surgimento desse caráter anteceda o surgimento dos Australopithecus.[9]

Dieta e Comportamento[editar | editar código-fonte]

Dieta e comportamento são características de difícil inferência quando se estuda espécies já extintas, uma vez que nossas fontes de dados, na maioria das vezes, resumem-se a ossadas nem sempre tão bem preservadas e, no caso dos hominídeos, a fragmentos da cultura material que resistiram ao desgaste do tempo.

Dieta[editar | editar código-fonte]

No passado, acreditava-se que os Australopithecine ocupavam o nicho ecológico de predadores, sendo consumidores ativos da carne obtida da caça ou da carniça eventualmente encontrada. Entretanto, tal visão mudou devido às novas evidências que apontam para o fato de que esses ancestrais podem ter sido, na verdade, muito mais caça do que caçador, apresentando, portanto, uma dieta mais parecida com a dos chimpanzés, os quais se alimentam de carne apenas de forma oportunística, concentrando-se em recursos derivados de plantas.[10]

Informações acerca da dieta de espécies extintas, incluindo os primeiros hominídeos, podem ser retiradas de diferentes fontes que nos garantem uma diversidade relevante de informação. Dentre essas possíveis fontes, estão: extração de fitólitos de plantas do cálculo dental (tártaro) dos fósseis, razões de isótopo de carbono estável, textura de micro desgaste dental, e morfologia da face e da boca.[10][11]

Estudos acerca das características morfológicas da boca e da dentição dos fósseis de Australopithecus mostram que a maioria das espécies do gênero compartilham algumas características marcantes nessas estruturas. Algumas dessas características são: megadontia pós-canina extrema, incisivos e caninos pequenos, pré-molares com raízes molarizadas, molares inferiores com cúspulas acessórias, esmalte molar espesso, e mandíbula robusta.[12] Esses traços permitem a inferência de que a comida ingerida por essas espécies necessitava de um maior processamento através dos dentes, sendo provável, portanto, que elas ocupassem um nicho vegetariano composto por plantas mais duras e/ou resistentes.[10] Além disso, o pequeno tamanho dos caninos é mais uma evidência que corrobora a hipótese da baixa proporção de ingestão de carne.

Uma das informações que os isótopos de carbono fornecem acerca dos fósseis é determinação da predominância de recursos C3 (árvores, arbustos, ervas, e pequenos animais que se se alimentam desse tipo de planta) ou C4 (maioria das gramíneas tropicais, juncos, e animais que se alimentam desse tipo de planta) na dieta do indivíduo analisado. Utilizando esse método, descobriu-se que os primeiros hominídeos, como Australopithecus, Paranthropus e os primeiros Homo, consumiam quantidades variáveis de alimentos C4, mas que essas quantidades eram, no geral, maiores do que as ingeridas por chimpanzés modernos, os quais consomem significativamente mais plantas C3 do que C4, mesmo quando estas estavam presentes em abundância. Isso indica que nesse quesito, provavelmente, esses hominídeos exploravam o ambiente de maneiras diferentes em comparação aos grandes símios viventes.[10]

Outros comportamentos[editar | editar código-fonte]

Características comportamentais que não se relacionam diretamente com a dieta são ainda mais difíceis de acessar a partir dos fósseis.

Acredita-se que, para a maioria dos primatas, é possível relacionar sua estrutura social com o grau de dimorfismo sexual que apresentam, ou seja, quanto maior a competição intrasexual, maior seria o dimorfismo sexual entre machos e fêmeas, por conta da seleção sexual aumentada.[13][14] Dessa forma, um estudo sugere que Australopithecus afarensis teria experenciado níveis de seleção sexual semelhantes aos presentes no gênero Pan (chimpanzés) e, por isto, sua estrutura social poderia ser parecida, correspondendo a grupos multi-machos e multi-fêmeas, nos quais cruzamentos ocorrem sem tanta monopolização de haréns pelos machos.[15] Contudo, esse tipo de estudo ainda não foi suficientemente explorado e nosso conhecimento sobre o tema ainda permanece limitado.

Outras características comportamentais, como divisão dos períodos de atividade durante o dia, hierarquia social, comunicação verbal e não verbal, etc, são de mais difícil acesso e inferência por não deixarem tantos ou quaisquer traços no registro fóssil. Porém, as ferramentas encontradas em sítios arqueológicos ainda nos dão pistas de algumas características culturais e comportamentais dos Australopithecus.

Evolução e Sistemática[editar | editar código-fonte]

Histórico de pesquisa[editar | editar código-fonte]

O primeiro fóssil  descoberto que foi classificado dentro gênero foi em Taung, África do sul, 1925 por  Raymon Dart.[16] Nas duas décadas seguintes, foram encontrados poucos  espécimes, sendo que em 1950 todos eles (incluindo o encontrando em Taung), foram incluídos em um trabalho de Robert Broom, que apresentou a primeira tentativa de classificar taxonomicamente os mesmos. Apesar do trabalho apresentar problemas, foi apenas na década de 70 que houve descobertas significativas para contestar o trabalho de Bloom,[17][16] sendo elas importantes para a caracterização do A. afarensis. Outro aspecto que dificultava uma classificação sistemática mais precisa é o fato de que, na época dos achados, ainda não se adotava uma sistemática precisa baseada em filogenia, como se faz hoje.[18]

Locais onde foram descobertos fósseis de Australopithecus

Distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Os fósseis desses indivíduos foram todos encontrados no continente Africano. Desde a primeira descoberta, em Taung, África do sul,[19] até uma das descobertas mais conhecidas da espécie (o fóssil chamado de “Lucy”, no Hadar, Tanzânia),[17] os fósseis foram localizados em países como Malawi, Etiópia, Quênia e Chade,[16] todos, portanto, pertencentes à África e bem dispersados pelo continente.

Sistemática e Filogenia[editar | editar código-fonte]

Apesar dos esforços da comunidade científica, a classificação de Australopithecus continua confusa e não resolvida. Ainda que algumas características sejam compartilhadas, esse grupo não possui características únicas (sinapomorfias) suficientes para a formação de um grupo natural (monofilético). Sendo assim, o gênero Australopithecus é um grupo parafilético, sendo identificado por características adaptativas únicas entre outros grupos de hominídeos (como cérebros de tamanho reduzido)[16][20]

Apesar de algumas espécies serem bem definidas dentro do grupo, como A. africanus e A. Afarensis, algumas outras como Australopithecus boisei, Australopithecus aethiopicus e Australopithecus robustus são às vezes colocadas em outro gênero Paranthropus.[20]

Embora sejam necessários mais estudos, a maioria dos pesquisadores concorda que algumas dessas espécies formariam o ancestral que provavelmente deu origem às espécies do gênero Homo.[20]

Uso de ferramentas[editar | editar código-fonte]

Ferramentas simples[editar | editar código-fonte]

Orangotango utilizando graveto como ferramenta no Zoológico de San Diego. Provavelmente os Australopithecus também apresentavam esse tipo de comportamento.

Ao pensar em uso de ferramentas por hominíneos, é muito comum pensar em pedra lascada, porém existe uma série de outros materiais que podem ser utilizados como ferramentas. Como exemplos atuais, os macacos-prego utilizam pedras não lascadas para quebrar cocos e nozes, e os chimpanzés e orangotangos utilizam gravetos para retirar insetos de dentro do ninho. No entanto, essas ferramentas dificilmente se preservam no registro fóssil, já que materiais orgânicos se degradam rapidamente e com facilidade, e no caso da pedra, quando ela não é lascada, é difícil ter evidências de que foi utilizada como ferramenta. Sendo assim, não existe evidência de uso de ferramentas que não sejam de pedra lascada pelos Australopithecus, mas por comparação com espécies atuais de primatas, essa possibilidade é perfeitamente plausível.[21]

Primeiras pedras lascadas[editar | editar código-fonte]

Algumas espécies de Australopithecus têm sido recentemente creditadas como responsáveis pela confecção de ferramentas líticas, especialmente as mais antigas. O registro mais antigo de uso de ferramentas ocorreu em Dikika, Etiópia, onde foram encontrados ossos de ungulados, datando cerca de 3,4 milhões de anos, que foram considerados evidência para o uso de ferramentas por A. afarensis, a única espécie de hominíneo que viveu no local nesse período. Esses ossos possuíam marcas que poderiam ter sido feitas por meio de pedras lascadas, enquanto um indivíduo cortava a carne do animal, porém essa evidência não é muito aceita pela comunidade científica.[22][23][24]

Já no caso de Lomekwi, no Quênia, foram encontradas pedras propositalmente lascadas, datando de 3,3 milhões de anos. Não se sabe ao certo qual espécie confeccionou essas ferramentas, porém sabe-se que o gênero Homo ainda não existia na época, sendo os australopitecíneos os prováveis responsáveis. O autor da descoberta reconhece a diferença entre essas ferramentas e as da Indústria Olduvaiense, propondo, então, o nome de Indústria Lomekwiense. Apesar de mais aceita que a primeira, essa evidência não é consenso no meio acadêmico, pois apesar de indiscutivelmente se tratarem de ferramentas confeccionadas propositalmente, há quem questione sua datação. Além disso, os registros são poucos, demonstrando que essa produção, se existia, era pequena e pouco frequente.[24][25][26][27]

Indústria Olduvaiense[editar | editar código-fonte]

Ferramentas olduvaienses encontradas no sítio de Bokol Dora 1, Afar, Etiópia.

É só a partir de 2,6 milhões de anos atrás, após 700 mil anos de ausência de confecção de ferramentas no registro fóssil, que temos registros de uma produção sistemática e muito frequente de ferramentas de pedra lascada, por toda a extensão da África. Por muito tempo acreditou-se que os primeiros representantes do gênero Homo (H. habilis) haviam sido os responsáveis pela primeira confecção dessas ferramentas, porém evidências recentes têm colocado os Australopithecus como possíveis inventores dessa tecnologia, embora ainda hajam controvérsias.[24][27][28][29]

Essa tecnologia ficou conhecida como Indústria Olduvaiense, e é caracterizada principalmente por simples lascas, obtidas a partir do choque entre duas pedras, um percutor e um núcleo. O percutor é a pedra mais dura, que se mantém inteira durante o processo, enquanto o núcleo sofre fraturas conchoidais, formando lascas que são utilizadas principalmente para cortar carnes e outros alimentos. Essas lascas eram usadas “cruas” ou moldadas em outras ferramentas, de forma que, de acordo com o formato dos núcleos e das lascas processadas, as ferramentas encontradas podem ser classificadas em discóides, poliedros, esferóides, talhadores, furadores, dentre outros, variando em sua raridade. Acredita-se que a maior parte dessa variedade de formatos de núcleos seja apenas subproduto da produção de lascas, embora essas ferramentas de núcleo também tenham algumas utilidades.[29][30][31]

Existe muita variação no que concerne às ferramentas olduvaienses. Diferentes materiais e/ou formatos podem ser observados conforme analisamos sítios arqueológicos de locais e/ou períodos diferentes. Os materiais mais comumente utilizados para a produção dessas ferramentas eram quartzito e basalto, devido à maior facilidade que se tinha em retirar lascas rígidas e afiadas desses materiais.[31]

Referências

  1. Lewin, Roger (1999). Human evolution : an illustrated introduction 4th ed ed. Malden, Mass.: Blackwell Science. OCLC 48138863 
  2. a b «"Australopithecus afarensis". The Smithsonian Institution's Human Origins Program.» 
  3. Haile-Selassie, Yohannes; Melillo, Stephanie M.; Vazzana, Antonino; Benazzi, Stefano; Ryan, Timothy M. (28 de agosto de 2019). «A 3.8-million-year-old hominin cranium from Woranso-Mille, Ethiopia». Nature (7773): 214–219. ISSN 0028-0836. doi:10.1038/s41586-019-1513-8. Consultado em 19 de julho de 2021 
  4. Kimbel, William H.; Villmoare, Brian (5 de julho de 2016). «From Australopithecus to Homo: the transition that wasn't†». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences (1698). ISSN 0962-8436. PMC 4920303Acessível livremente. PMID 27298460. doi:10.1098/rstb.2015.0248. Consultado em 19 de julho de 2021 
  5. «"Australopithecus africanus". The Smithsonian Institution's Human Origins Program.» 
  6. Larsen, C. S. (2003). «Equality for the sexes in human evolution? Early hominid sexual dimorphism and implications for mating systems and social behavior». Proceedings of the National Academy of Sciences. 100 (16): 9103–9104. Bibcode:2003PNAS..100.9103L. PMC 170877Acessível livremente. PMID 12886010. doi:10.1073/pnas.1633678100 
  7. Zihlman, A. L.; Cronin, J. E.; Cramer, D. L.; Sarich, V. M. (26 de outubro de 1978). «Pygmy chimpanzee as a possible prototype for the common ancestor of humans, chimpanzees and gorillas». Nature (5682): 744–746. ISSN 0028-0836. PMID 703839. doi:10.1038/275744a0. Consultado em 19 de julho de 2021 
  8. Dávid-Barrett, Tamás; Dunbar, Robin I.M. (maio de 2016). «Bipedality and hair loss in human evolution revisited: The impact of altitude and activity scheduling». Journal of Human Evolution: 72–82. ISSN 0047-2484. doi:10.1016/j.jhevol.2016.02.006. Consultado em 19 de julho de 2021 
  9. Thorpe, S. K. S.; Holder, R. L.; Crompton, R. H. (1 de junho de 2007). «Origin of Human Bipedalism As an Adaptation for Locomotion on Flexible Branches». Science (5829): 1328–1331. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.1140799. Consultado em 19 de julho de 2021 
  10. a b c d Lee-Thorp, J., Thackeray, J. F., & van der Merwe, N. (2000). The hunters and the hunted revisited. Journal of Human Evolution, 39(6), 565-576.
  11. Henry, A. G., Ungar, P. S., Passey, B. H., Sponheimer, M., Rossouw, L., Bamford, M., ... & Berger, L. (2012). The diet of Australopithecus sediba. Nature, 487(7405), 90-93.
  12. McCollum, M. A. (1999). The robust australopithecine face: a morphogenetic perspective. Science, 284(5412), 301-305.
  13. Clutton‐Brock, T. H., & Harvey, P. H. (1977). Primate ecology and social organization. Journal of zoology, 183(1), 1-39.
  14. Gaulin, S. J., & Sailer, L. D. (1984). Sexual dimorphism in weight among the primates: the relative impact of allometry and sexual selection. International Journal of Primatology, 5(6), 515-535.
  15. Gordon, A. D. (2013). Sexual size dimorphism in Australopithecus: current understanding and new directions. In The paleobiology of Australopithecus (pp. 195-212). Springer, Dordrecht.
  16. a b c d Kimbel, William H. (24 de dezembro de 2014). «The Species and Diversity of Australopiths». Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg: 2071–2105. ISBN 978-3-642-39978-7. Consultado em 21 de julho de 2021 
  17. a b Kimbel, William H.; Delezene, Lucas K. (2009). «"Lucy" redux: A review of research on Australopithecus afarensis». American Journal of Physical Anthropology (em inglês) (S49): 2–48. ISSN 1096-8644. doi:10.1002/ajpa.21183. Consultado em 21 de julho de 2021 
  18. Cartmill, Matt (2018). «A sort of revolution: Systematics and physical anthropology in the 20th century». American Journal of Physical Anthropology (em inglês) (4): 677–687. ISSN 1096-8644. doi:10.1002/ajpa.23321. Consultado em 21 de julho de 2021 
  19. Lewin, Roger (1999). Human evolution : an illustrated introduction 4th ed ed. Malden, Mass.: Blackwell Science. OCLC 48138863 
  20. a b c Haile-Selassie, Yohannes (27 de outubro de 2010). «Phylogeny of early Australopithecus: new fossil evidence from the Woranso-Mille (central Afar, Ethiopia)». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences (1556): 3323–3331. PMC PMC2981958Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 20855306. doi:10.1098/rstb.2010.0064. Consultado em 21 de julho de 2021 
  21. McGrew, W. C. (27 de outubro de 2010). «In search of the last common ancestor: new findings on wild chimpanzees». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences (1556): 3267–3276. PMC PMC2981959Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 20855301. doi:10.1098/rstb.2010.0067. Consultado em 19 de julho de 2021 
  22. McPherron, Shannon P.; Alemseged, Zeresenay; Marean, Curtis W.; Wynn, Jonathan G.; Reed, Denné; Geraads, Denis; Bobe, René; Béarat, Hamdallah A. (agosto de 2010). «Evidence for stone-tool-assisted consumption of animal tissues before 3.39 million years ago at Dikika, Ethiopia». Nature (em inglês) (7308): 857–860. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/nature09248. Consultado em 19 de julho de 2021 
  23. Domínguez-Rodrigo, Manuel; Pickering, Travis Rayne; Bunn, Henry T. (7 de dezembro de 2010). «Configurational approach to identifying the earliest hominin butchers». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês) (49): 20929–20934. Consultado em 19 de julho de 2021 
  24. a b c Lewis, Jason E.; Harmand, Sonia (5 de julho de 2016). «An earlier origin for stone tool making: implications for cognitive evolution and the transition to Homo». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences (em inglês) (1698). PMC 4920290Acessível livremente. PMID 27298464. doi:10.1098/rstb.2015.0233. Consultado em 19 de julho de 2021 
  25. Harmand, Sonia; Lewis, Jason E.; Feibel, Craig S.; Lepre, Christopher J.; Prat, Sandrine; Lenoble, Arnaud; Boës, Xavier; Quinn, Rhonda L.; Brenet, Michel (maio de 2015). «3.3-million-year-old stone tools from Lomekwi 3, West Turkana, Kenya». Nature (em inglês) (7552): 310–315. ISSN 1476-4687. doi:10.1038/nature14464. Consultado em 19 de julho de 2021 
  26. Domínguez-Rodrigo, Manuel; Alcalá, Luis (maio de 2016). «3.3-Million-Year-Old Stone Tools and Butchery Traces? More Evidence Needed» (PDF). PaleoAnthropology (em inglês). Consultado em 19 de julho de 2021 
  27. a b Braun, David R.; Aldeias, Vera; Archer, Will; Arrowsmith, J. Ramon; Baraki, Niguss; Campisano, Christopher J.; Deino, Alan L.; DiMaggio, Erin N.; Dupont-Nivet, Guillaume (11 de junho de 2019). «Earliest known Oldowan artifacts at >2.58 Ma from Ledi-Geraru, Ethiopia, highlight early technological diversity». Proceedings of the National Academy of Sciences (em inglês) (24): 11712–11717. Consultado em 19 de julho de 2021 
  28. Skinner, M. M.; Stephens, N. B.; Tsegai, Z. J.; Foote, A. C.; Nguyen, N. H.; Gross, T.; Pahr, D. H.; Hublin, J.-J.; Kivell, T. L. (22 de janeiro de 2015). «Human-like hand use in Australopithecus africanus». Science (6220): 395–399. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.1261735. Consultado em 19 de julho de 2021 
  29. a b Susman, Randall L. (1 de julho de 1991). «Who Made the Oldowan Tools? Fossil Evidence for Tool Behavior in Plio-Pleistocene Hominids». Journal of Anthropological Research (em inglês) (2): 129–151. ISSN 0091-7710. doi:10.1086/jar.47.2.3630322. Consultado em 19 de julho de 2021 
  30. «The oldowan reassessed: A close look at early stone artifacts». Journal of Archaeological Science (em inglês) (2): 101–120. 1 de março de 1985. ISSN 0305-4403. doi:10.1016/0305-4403(85)90056-1. Consultado em 19 de julho de 2021 
  31. a b Reti, Jay S. (25 de janeiro de 2016). «Quantifying Oldowan Stone Tool Production at Olduvai Gorge, Tanzania». PLOS ONE (em inglês) (1): e0147352. ISSN 1932-6203. PMC 4726611Acessível livremente. PMID 26808429. doi:10.1371/journal.pone.0147352. Consultado em 19 de julho de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Australopithecus
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Australopithecus