Monofilia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Monofilético)
Ir para: navegação, pesquisa
Ver também: Grupo coroa
Árvore filogenética: os grupos a azul (esquerda) e vermelho (direita) são táxons monofiléticos; o grupo a verde (centro) é parafilético.
Cladograma dos primatas, mostrando um grupo monofilético (os símios, a amarelo), um grupo parafilético (os prossímios, a azul, incluindo o subgrupo representado avermelho), e um grupo polifilético (os primatas com actividade nocturna, os lorises e os Tarsius, a vermelho.)
Grupos filogenéticos:
(1) Monofilia: um taxon monofilético contém um ancestral comum e todos os seus descententes (a amarelo, o grupo dos "répteis e aves"); (2) Parafilia: um taxon parafilético contém o seu mais recente ancestral comum, mas não contém todos os descendentes desse ancestral (a azul, os répteis); e (3) Polifilia: um taxon polifilético não não contém o mais recente ancestral comum de todos os seus membros (a vermelho, o grupo de todos os animais de sangue quente é polifilético).
O agrupamento dos répteis e das aves é considerado como monofilético.

Monofilia é a propriedade apresentada por um agrupamento taxonómico (um taxon ou conjunto de organismos) que contenha entre os seus elementos todos e apenas os descendentes de um ancestral comum.[1][2][3][4] Um conjunto de organismos que satisfaça a condição de monofilia é um agrupamento monofilético, o que na moderna cladística corresponde a um táxon (grupo de organismos) que forma uma clade, ou seja, que consiste exclusivamente numa espécie ancestral e todos os seus descendentes. Em consequência da partilha do património genético do ancestral comum, os membros de um grupo monofilético caracterizam-se por partilharem características derivadas comuns, as sinapomorfias.[1] «Monofilia» é sinónimo de «holofilia», termo entretanto caído em desuso.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Monofilia contrasta com parafilia e polifilia, como mostrado nos diagramas ao lado. A moderna taxonomia de base filogenética assenta na análise de grupos filogenéticos que são classificados de acordo com o padrão estabelecido pela condição de monofilia. Com essa base os grupos são classificados em:

  • Grupo monofilético — os seus elementos cumprem a condição de monofilia, agrupando exclusivamente o universo dos descendentes de um ancestral comum pré-determinado. Em teoria, apenas os grupos monofiléticos podem constituir um táxon de bona fide num sistema de classificação biológica.
  • Grupo parafilético — consiste no conjunto de todos os descendentes de um ancestral comum minus um ou mais grupos monofiléticos. Em consequência, um grupo que exiba parafilia é "quase monofilético" (daí o prefixo 'para', significando 'próximo' ou 'concordante'.)
  • Grupo polifilético — consiste num conjunto de organismos que forma um grupo caracterizado por apresentar características comuns resultantes da acção da evolução convergente. As características partilhadas, que podem ser anatómicas, bioquímicas, comportamentais ou outras (por exemplo, primatas com actividade nocturna, árvores de fruto, insectos aquático), não resultam da herança de um ancestral comum mas da adaptação a condições ambientais específicas.

A aceitação generalizada da definição de «monofilia» foi demorada. Quando a escola cladística passou a dominar o campo da taxonomia, na década de 1960, estavam em uso várias definições alternativas. Na realidade, muitos taxonomistas utilizaram as definições associadas aos grupos filogenéticos sem os definir de forma precisa, o que levou a confusão na literatura,[5] uma confusa que ainda parcialmente persiste.[1]

Definições[editar | editar código-fonte]

Quando analisadas num contexto alargado, as definições de «monofilia» caem em dois grupos:

  • As definições assentes no postulado do entomologista alemão Willi Hennig (1966:148), definindo a monofilia de um grupo com base no reconhecimento da existência de sinapomorfia entre os seus membros (em contraste com os grupos parafiléticos, criados com base na ocorrência de simplesiomorfia, e com os grupos polifiléticos assentes sobre os resultados da convergência). Alguns autores procuraram definir a monofilia de forma a incluir a parafilia, considerando-a como a característica do conjunto formado por dois ou mais grupos que partilhassem um ancestral comum.[1][2][3][4] Contudo, essa definição alargada, ao juntar grupos monofiléticos stricto sensu com grupos parafiléticos, como atrás definidos, mostra-se menos útil na construção dos sistemas de classificação, razão pela qual a maioria dos cientistas restringe o uso do termo «monofilético» aos grupos que juntam todos os descendentes de um (hipotético) ancestral comum.[5] Contudo, quando sejam considerados agrupamentos taxonómicos tais como géneros ou espécies, a natureza desse «ancestral comum» é pouco clara. Assumir que o ancestral seria um indivíduo, ou mesmo um par acasalante, é irrealista para espécies que utilizem reprodução sexual, que por definição são populações de indivíduos capazes de acasalar entre si.[6]
  • As definições assentes numa abordagem de carácter genealógico consideram que o conceito de monofilia e termos associados estão restritos à discussão de taxa, e não são necessariamente precisos, ou seja não têm precisão aceitável, quando usados para descrever o que Willi Hennig designou por «relações tocogenéticas», no presente em geral designadas por «genealogias». Como argumento, apontam que a utilização de uma definição alargada, como «espécie e todos os seus descendentes», não é apropriada para definir um género.[6] Nessa acepção, uma definição cladística satisfatória de «espécie» ou «género» é impossível porque muitas espécies (ou mesmo géneros) podem ser formados por "ramificação" de uma espécie existente, deixando a espécie ancestral parafilética. Dificuldade ainda maior surge quando uma espécie ou género resulta de especiação por hibridação.[7]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d Aubert, D. 2015. A formal analysis of phylogenetic terminology: Towards a reconsideration of the current paradigm in systematics. Phytoneuron 2015-66:1–54.
  2. a b Colless, Donald H. (March 1972). «Monophyly»: 126–128. doi:10.2307/2412266. JSTOR 2412266  Verifique data em: |date= (ajuda)
  3. a b Envall, Mats (2008). «On the difference between mono-, holo-, and paraphyletic groups: a consistent distinction of process and pattern»: 217. doi:10.1111/j.1095-8312.2008.00984.x 
  4. a b Ashlock, Peter D. (March 1971). «Monophyly and Associated Terms»: 63–69. doi:10.2307/2412223. JSTOR 2412223  Verifique data em: |date= (ajuda)
  5. a b Hennig, Willi; Davis, D. (Translator); Zangerl, R. (Translator) (1999) [1966]. Phylogenetic Systematics Illinois Reissue ed. Board of Trustees of the University of Illinois [S.l.] pp. 72–77. ISBN 0-252-06814-9 
  6. a b Simpson, George (1961). Principles of Animal Taxonomy. New York: Columbia University Press. ISBN 0-231-02427-4 
  7. Stamos, D.N. (2003). The species problem : biological species, ontology, and the metaphysics of biology. Lanham, Md. [u.a.]: Lexington Books. pp. 261–268. ISBN 0739105035 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Colin Tudge. 2000. La Variedad de la Vida. Oxford University Press. ISBN 0198604262.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]