Homo heidelbergensis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaHomo heidelbergensis
Homo heidelbergensis

Homo heidelbergensis
Estado de conservação
Pré-histórica
Classificação científica
Domínio: Eukariota
Reino: Animalia
Subreino: Metazoa
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Infrafilo: Gnathostomata
Superclasse: Tetrapoda
Classe: Mammalia
Subclasse: Theria
Infraclasse: Placentalia
Superordem: Euarchontoglires
Ordem: Primates
Subordem: Haplorrhini
Infraordem: Simiiformes
Parvordem: Catarrhini
Superfamília: Hominoidea
Família: Hominidae
Subfamília: Homininae
Género: Homo
Espécie: H. heidelbergensis
Nome binomial
Homo heidelbergensis
(Schoetensack, 1908)

Homo heidelbergensis é um hominídeo extinto que surgiu há mais de 500 000 anos e perdurou, pelo menos, até cerca de 250 000 anos (Pleistoceno medio). Recebeu este nome pelo fato dos primeiros fósseis descobertos terem sido encontrados próximo à Heidelberg, na Alemanha.

Evolução[editar | editar código-fonte]

É um antepassado direto do Homo neanderthalensis na Europa, além de apresentar bastante semelhança com os Homo sapiens arcaicos encontrados na África: Homo rhodesiensis e Homo sapiens idaltu. Hoje não se sabe se o H. heidelbergensis foi antepassado direto do homem moderno; encontra-se entre o Homo antecessor, espécie pouco conhecida e baseada em fósseis achados nas colinas de Atapuerca (Espanha), e os H. neanderthalensis, na escala evolutiva. Apresenta caracteres gerais intermediários entre H. erectus/H. ergaster e o H. sapiens.

A dieta do Homo erectus foi provavelmente baseada no cleptoparasitismo (roubo da presa de animais predadores), na carniçaria (que forneciam proteína e gordura de boa qualidade) e na coleta de vegetais, no Homo heidelbergensis percebe-se um predomínio da dieta carnívora, com evidências de caça. A pressão evolutiva para que se desenvolvesse a caça entre os H. heidelbergensis estava nas condições ecológicas do território colonizado por estes hominídeos: a Europa era fria e, durante seis meses, havia muito menos recursos alimentares vegetais do que na África; a carniçaria e o cleptoparasitismo não forneciam nutrientes suficientes. Isto havia induzido (por seleção) a aparição de condutas sociais dedicadas à caça: grupos de H. heidelbergensis se organizavam para perseguir outros animais e abatê-los em armadilhas naturais (precipícios, pântanos etc.) ou desenvolviam grandes machados de pedra e, inclusive, venábulos rústicos de madeira.

Características[editar | editar código-fonte]

Eram indivíduos altos (entre 1,75 e 1,80 m) e muito fortes (chegando a pesar 100 kg)[carece de fontes?], apresentando um grande crânio (1.350 cm³) bastante aplanados em relação ao homem atual, com mandíbulas salientes e grande abertura nasal.

Homo heidelbergensis - Reconstrução facial forense

A parte traseira do crânio é mais arredondado do que nos H. erectus/H. ergaster e as maças do rosto são mais salientes, como nos H. neanderthalensis, ainda que a face seja mais plana. Seu aparelho fonador não difere muito ao do homem moderno, o que leva a pensar que a linguagem, entendida de uma maneira diferente da atual, já estava presente nestes grupos.

Achados recentes[1] em um poço em Atapuerca (Espanha) de 28 esqueletos humanos sugerem que H. heidelbergensis poderia ter sido a primeira espécie do gênero Homo a enterrar seus mortos.

Tecnologia[editar | editar código-fonte]

Os utensílios associados com os fósseis consistem basicamente em "pedras de cortar" e algumas ferramentas de lascas, como pontas e raspadores de madeira, ossos e chifres, sendo os iniciadores desta técnica. Dentro desta tecnologia está o machado de mão, talhado em ambas as faces. Sua utilidade é muito diversa: de acordo com a análise de outras pedras, o machado de mão era usado para curtir peles ou trabalhar em madeira. Há 400 000 anos, já utilizavam lanças de madeira rudimentares. Também é provável que, nesta época, o fogo fosse utilizado, já que há evidências de fogueiras.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Martin, Fernando Diéz, Breve Historia del Homo Sapiens (título original), nowtilus saber (editora original), 2008, ISBN-13: 978-84-9763-774-9
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies
Ícone de esboço Este artigo sobre Primatas pré-históricos, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. «Homo heidelbergensis - Eudald Carboneli et al. reported in the March 27, 2008 issue of Nature that a human jaw with a tooth dating 1.2-1.1 million years ago has been found in Sima del Elefante cave in the Atapuerca Mountains of Northern Spain.». palomar.edu. Consultado em 29 de outubro de 2015