Interscope Records

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Interscope Records
Fundação 1989
Fundador(es)
Distribuidor(es) Interscope Geffen A&M (EUA)
Universal Music Distribution(Internacional)
Polydor Records (Europa)
Gênero(s) Vários
País de origem Estados Unidos Estados Unidos
Localização Santa Mônica, Califórnia
Página oficial http://interscope.com

Interscope Records é uma grande gravadora americana. Uma marca da Interscope Geffen A&M Records, sua controladora é a Universal Music Group, uma subsidiária da Vivendi SA.

A Interscope foi fundada em 1990 por Jimmy Iovine e Ted Field como uma empreendimento conjunto de US$ 20 milhões com a Atlantic Records, da Warner Music Group. Na época, diferia da maioria das gravadoras ao dar autoridade para tomada de decisões ao equipe de artista e repertório e permitindo que artistas e produtores tivessem completo controle criativo.[1] Teve suas primeiras canções de sucesso menos de um ano após sua fundação e alcançou lucratividade em 1993.[2] Iovine atuou como presidente e diretor executivo até maio de 2014, quando foi sucedido por John Janick.[3]

Em 1992, a Interscope adquiriu os direitos exclusivos para comercializar e distribuir a gravadora de hardcore rap Death Row Records, cujos artistas incluíam estrelas do hip hop Tupac Shakur, Dr. Dre e Snoop Dogg, em meio a controvérsia do gangsta rap dos anos 90. Como resultado, a Time Warner, ex-proprietária da WMG, rompeu relações com a Interscope vendendo sua participação de 50% para a Field e a Iovine por US$ 115 milhões em 1995. Em 1996, 50% da marca foi adquirida pela MCA Music Entertainment Group por US$200 milhões.[2][4][5]

A Interscope está sediada em Santa Monica, Califórnia. Os artistas mais vendidos da gravadora incluem Eminem, U2 e Lady Gaga.

História[editar | editar código-fonte]

No início[editar | editar código-fonte]

A Interscope foi fundada em 1990 por Jimmy Iovine e Ted Field com suporte fincanceiro da Atlantic Records (que foi dona de 50% das ações da empresa). Com sua criação, foi inicialmente distribuída por uma subsidiária da Atlantic Records, a East West Records America.

O primeiro lançamento sob o selo da Interscope foi do rapper latino Gerardo, que chegou ao top 5 de vendas, recebendo Disco de Ouro com "Rico Suave", na primavera de 1991. Muitos outros sucessos surgiram no ano em que o selo lançou o primeiro álbum de Marky Mark and the Funky Bunch, que recebeu Disco de Platina em 1992. Durante esse tempo, a Interscope também fechou contrato com Tupac Shakur, Primus, Limp Bizkit, No Doubt e Nine Inch Nails. Eles também lançaram o primeiro álbum de Bad4Good, Refugee, em 1992, que também foi um sucesso comercialmente.


Hoje[editar | editar código-fonte]

Como a Interscope inicialmente criou seu nome para ser um selo de gravação de hip-hop, na metade da década de 1990 seu campo de abrangência começou a expandir-se, e consequentemente a companhia eventualmente experimentou o sucesso de alguns artistas de outros gêneros, como por exemplo o grupo de Rock Industrial Nine Inch Nails (Nothing Records), Marilyn Manson, ou a banda de Heavy Metal Black Tide. Em 1998, após a aquisição pela UMG, a PolyGramGeffen Records e a A&M Records foram unidas à Interscope, criando a mais poderosa empresa da UMG, que é até hoje. Em 2005, a Interscope lançou um novo selo, a Cherrytree Records, para artistas emergentes, começando por The Lovemakers, de Oakland, Califórnia. Eles também estão trabalhando com Natalia Kills, Bone Thugs-n-Harmony, JoJo, Ellie Goulding, Nicole Scherzinger, Girls' Generation, Lady Gaga, Madonna, Blink 182, The Pretty Reckless e agora com as maiores revelações de 2012 Lana Del Rey, Carly Rae Jepsen e Azealia Banks. Em 2013 lançou contrato com Kendrick Lamar e em 2014 assinou contrato com a Pop-star Selena Gomez. Recentemente, assinou acordo de contrato com o rapper Rich the Kid e com a banda Thirty Seconds To Mars.

Críticas e controvérsias[editar | editar código-fonte]

Adiamentos de álbuns[editar | editar código-fonte]

Vários artistas criticaram a Interscope por atrasar lançamentos de álbuns. Em 2013, M.I.A. disse que seu álbum Matangi foi engavetado porque a gravadora sentiu que o álbum era "muito positivo" para seus fãs.[6] Em 2010, o rapper Eve deixou a Interscope após um atraso de três anos de seu álbum "Lip Lock".[7] Blink-182, All Time Low e 50 Cent também criticaram a Interscope sobre assuntos semelhantes.[8]

Nine Inch Nails[editar | editar código-fonte]

Em 2007, o vocalista do Nine Inch Nails, Trent Reznor criticou a Universal Music Group pelo preço inflacionado do álbum Year Zero na Austrália. Em entrevista ao "Herald Sun" em Melbourne, ele disse que um funcionário da UMG afirmou que o NIN tinha "uma audiência fiel que vai comprar qualquer coisa que nós lançarmos, então podemos cobrar mais... Os verdadeiros fãs pagarão o que for".[9] Nine Inch Nails assinou com a Columbia Records em 2013.[10]

Elton John[editar | editar código-fonte]

Ao discutir seu álbum de 2006, The Captain & The Kid, com Cameron Crowe na Rolling Stone, Elton John disse: "Eu fiquei tão furioso com a Interscope Records porque eles lançaram e largaram. Eu tive reuniões no sul da França, e eu disse: 'Eu sei que este não é um álbum comercial, eu só quero que [a Interscope] faça o seu melhor', e eles soltaram com se fosse uma merda. É provavelmente por isso que eu não fiz outro álbum solo. Foi um puro desgosto."[11]

Kendrick Lamar e Top Dawg Entertainment[editar | editar código-fonte]

Em 15 de março de 2015, o álbum de Kendrick Lamar, To Pimp a Butterfly, foi lançado no iTunes, Spotify e Google Play oito dias antes de sua data de lançamento programada (23 de março). O CEO da Top Dawg Entertainment, Anthony Tiffith, culpou a Interscope pelo lançamento não intencional do álbum, e twittou: "Eu gostaria de agradecer pessoalmente à Interscope por estragar o nosso lançamento. Alguém tem que pagar por esse erro. #TOP!"[12][13] O Tweet foi posteriormente deletado. No dia seguinte, a opção de comprar o álbum foi removida do iTunes. O álbum estreou no número um quando foi lançado oficialmente.[14]

Die Antwoord[editar | editar código-fonte]

Em 7 de novembro de 2011, foi relatado que o grupo sul-africano de rap Die Antwoord estava deixando a Interscope Records por causa de uma disputa com a gravadora que queria que seu segundo álbum de estúdio "Tension" fosse re-trabalhado para "públicos populares".[15][16] Problemas com a Interscope surgiram quando o grupo decidiu que o single principal de seu segundo álbum seria "Fok julle naairs" (traduzido livremente para "Fodam-se fofoqueiros"). O álbum foi lançado pela Zef Recordz no início de 2012.[17]

Gravadoras e marcas associadas[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Universal Music Group

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. Foege, Alec (3 de dezembro de 1995). New York Times, ed. «Shunned, Scorned, and Doing Quite Nicely». Consultado em 15 de setembro de 2015. 
  2. a b Hilburn, Robert e, Phillips, Chuck (24 de outubro de 1993). Los Angeles Times, ed. «They Sure Figured Something Out : Jimmy Iovine and Ted Field have broken all the rules at Interscope Records». Consultado em 1 de agosto de 2015. 
  3. Christman, Ed (28 de maio de 2014). Hollywood Reporter, ed. «John Janick Replaces Jimmy Iovine Atop Interscope Geffen A&M». Consultado em 25 de setembro de 2015. 
  4. Fabrikant, Geraldine (26 de fevereiro de 1996). New York Times, ed. «THE MEDIA BUSINESS;MCA Agrees to Buy Stake In Interscope Record Label». Consultado em 1 de agosto de 2015. 
  5. PHILIPS, CHUCK (16 de janeiro de 1996). «MCA Offers $200 Million to Acquire a 50% Stake in Interscope Records». Los Angeles Times (em inglês). ISSN 0458-3035. Consultado em 20 de junho de 2017. 
  6. Makarechi, Kia (7 de janeiro de 2013). Huffington Post, ed. «M.I.A. Album Delayed Because Label Thinks It's Too Positive, Says Singer». Consultado em 26 de setembro de 2015. 
  7. Cline, Georgette (5 de julho de 2012). The Boombox, ed. «Eve Reveals Frustrations With Interscope Records Over 'Lip Lock' Album Delay». Consultado em 26 de julho de 2015. 
  8. Carroll, Grace (24 de outubro de 2012). «BLINK-182 SPLIT FROM MAJOR LABEL INTERSCOPE, NOW UNSIGNED». Gigwise. Consultado em 26 de setembro de 2015. 
  9. Melbourne Herald Sun, ed. (12 de maio de 2007). «Q&A with Trent Reznor of Nine Inch Nails». Consultado em 26 de setembro de 2015. 
  10. Spin Staff (19 de agosto de 2013). Spin, ed. «Trent Reznor on Nine Inch Nails' Columbia Signing: 'I'm Not a Major Label Apologist'». Spin. Consultado em 26 de setembro de 2015. 
  11. «Elton John: My Life in 20 Songs» 
  12. AllHipHop.com, ed. (15 de março de 2015). «TDE CEO Anthony "Top Dawg" Tiffith Blames Interscope For Kendrick Lamar's Album Leak» 
  13. Rapdose.com (ed.). «Kendrick Lamar 'To Pimp A Butterfly' Album Leaked By iTunes». Consultado em 17 de março de 2015. 
  14. «Update: Kendrick Lamar's 'To Pimp a Butterfly' Gets Surprise Digital Release». Billboard. Consultado em 17 de março de 2015. 
  15. «Die Antwoord leave Interscope, will release "TEN$ION" on their own new indie label». 7 de novembro de 2011 
  16. «Die Antwoord's Totally Insane Words of Wisdom - SPIN». 7 de fevereiro de 2012 
  17. «Did Die Antwoord Dump Interscope Records?»