Kendrick Lamar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kendrick Lamar
Informação geral
Nome completo Kendrick Lamar Duckworth
Também conhecido(a) como K-Dot; King Kendrick; Cornrow Kenny; Kung-Fu Kenny
Nascimento 17 de junho de 1987 (30 anos)
Local de nascimento Compton, Califórnia
 Estados Unidos
Origem Compton (Califórnia)
País  Estados Unidos
Gênero(s) Rap, Hip hop
Ocupação(ões) Rapper, compositor, artista-marcial
Período em atividade 2004-presente
Gravadora(s) Top Dawg Entertainment, Aftermath Entertainment, Interscope Records
Afiliação(ões) Black Hippy, Jay Rock, Schoolboy Q, Dr. Dre, J. Cole, Jay-Z, Alicia Keys, Eminem, MC Eiht, Ab-Soul, Pharrell Williams, Lady Gaga, Jasmine Villegas, Ice Cube,Mac Miller, Macklemore, Snoop Dogg, Big Sean, Drake, Game (rapper) , Taylor Swift, Robin Thicke, A$AP Rocky, Kurupt, Kap G, Sia, Maroon 5, Beyoncé
Página oficial kendricklamar.com

Kendrick Lamar Duckworth (Compton, 17 de junho de 1987),[1] mais conhecido como Kendrick Lamar, é um rapper americano. Lamar é membro do grupo de hip hop Black Hippy, junto com rappers e colegas de gravadora Jay Rock, Schoolboy Q e Ab-Soul.[2]

Lamar começou a chamar a atenção em 2010, após o lançamento de Overly Dedicated, a sua quarta mixtape. No ano seguinte, ele lançou seu primeiro álbum independente, intitulado Section.80, exclusivamente através do iTunes. Seu terceiro álbum, Good Kid, M.A.A.D City, foi lançado em 22 de outubro de 2012, tendo sido aclamado pela critica e gerando os singles "Swimming Pools (Drank)", "Bitch, Don't Kill My Vibe" e "Poetic Justice". Em 2013, Lamar foi nomeado pela MTV o melhor MC da atualidade ("Hottest MC in the Game"). Lamar conseguiu 7 nomeações ao 56th Annual Grammy Awards, incluindo nas categorias Artista Revelação e Álbum do Ano, mas acabou por não ser galardoado com qualquer prêmio.

O terceiro álbum de Lamar foi "To Pimp a Butterfly", lançado em março de 2015. "To Pimp a Butterfly" foi aclamado pela crítica e alcançou o nº 1 nos EUA, no Canadá, no Reino Unido, na Austrália e na Nova Zelândia. Para além disso, nomeado para Álbum do Ano no(s) Grammy(s) de 2016 e ganhou a categoria de Melhor Álbum Rap nessa mesma edição da premiação. Foi considerado o melhor álbum de 2015 por várias publicações e sites, nomeadamente a Rolling Stone, a Billboard e Pitchfork.

Em março de 2016, Lamar lançou untitled unmastered., que chamou de "álbum compilatório". O álbum alcançou o nº 1 nos EUA e no Canadá.

O quarto álbum de Lamar saiu em abril de 2017 e chama-se "DAMN." Assim como "To Pimp a Butterfly", "DAMN." foi aclamado pela crítica. "DAMN." alcançou ou nº 1 nos EUA e no Canadá.

Biografia[editar | editar código-fonte]

1987-2011: Início da vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Kendrick Lamar nasceu em Compton, Califórnia, e os pais em Chicago, Illinois. Em 1995, com 8 anos de idade, Lamar viu seus ídolos Tupac Shakur e Dr. Dre gravando o videoclipe para o single de sucesso California Love, um momento muito significativo na sua vida. Na adolescência, Lamar frequentou a Centennial High School em Compton, onde revelou ser um ótimo aluno

Com dezesseis anos, Lamar lançou sua primeira coletânea de temas, uma mixtape intitulada Youngest Head Nigga in Charge, sob o nome de K-Dot. Essa mixtape levou Lamar a assinar com a gravadora Top Dawg Entertainment (TDE), através da qual lançou mais duas mixtapes até abandonar seu nome de K-Dot e adotar seu nome de batismo. Em seguida, ele lançou um EP auto-intitulado no final de 2009. No mesmo ano, Lamar formou na TDE o grupo Black Hippy, com os rappers Jay Rock, Ab-Soul e Schoolboy Q.

Ele declarou que 2Pac, Dr. Dre, The Notorious B.I.G, Jay-Z, Nas e Eminem são seus 6 rappers favoritos. Lamar também citou Lil Wayne como inspiração de sua carreira.

Em 14 de setembro de 2010, Lamar lançou a sua quinta mixtape, Overly Dedicated, em plataformas de venda digitais, sob a TDE, e mais tarde, em 23 de setembro desse mesmo ano, lançou Overly Dedicated gratuitamente online. Em 2 de Julho de 2011, Lamar lançou seu primeiro álbum, Section.80, que chegou a ser número 113 na Billboard 200.

2012 - 2014: Good Kid, M.A.A.D City[editar | editar código-fonte]

Seu segundo álbum de estúdio e o primeiro por uma grande gravadora (neste caso, a Aftermath/Interscope), good kid, m.A.A.d City, foi lançado em 22 de outubro de 2012. O disco foi aclamação pela crítica e entrou diretamente para o número 2 da Billboard 200, vendendo 242.122 cópias em sua primeira semana. Em dezembro de 2012, o canal Fuse classificou o single de Lamar "Backstreet Freestyle" como uma das 40 melhores músicas de 2012. O álbum vendeu 980 mil cópias até de julho de 2013 e foi certificado ouro pela Recording Industry Association of America (RIAA). A HipHop DX nomeou Lamar o "MC do Ano" para sua premiação de fim de ano em 2012.

Lamar causou polêmica em agosto de 2013 em um verso da música Control, de Big Sean. Em seu verso, Kendrick fala de toda a indústria do hip-hop, com Lamar prometendo ser melhor liricamente do que qualquer outro rapper, citando, J. Cole, Big K.R.I.T., Wale, Pusha T., Meek Mill, A$AP Rocky, Drake, Big Sean, Jay Electronica, Tyler, The Creator e Mac Miller. Ele também passou a chamar-se de "O Rei de Nova York", o que causou polêmica com vários rappers nova-iorquinos, visto que Lamar é da California. Vários rappers de Nova York responderam sua provocação em outras músicas, tais como Papoose, The Mad Rapper, Mickey Factz, JR Writer, Mysonne e Joell Ortiz, bem como outros rappers, como Lupe Fiasco, Cassidy, Joe Budden, King L, Bizarre e B.o.B. Na semana seguinte do lançamento da faixa, a conta de Lamar no Twitter aumentou 510% em seguidores, enquanto sua página na Wikipédia recebeu um número incrível de 200.000 visualizações. [3] [4]

2015 - 2016: To Pimp a Butterfly e untitled unmastered.[editar | editar código-fonte]

Kendrick Lamar primeiro revelou planos de lançar o sucessor da sua estreia por uma grande gravadora, good kid, m.A.A.d City, em 28 de fevereiro de 2014, durante uma entrevista à Billboard.[5] Lamar descreveu o álbum, To Pimp a Butterfly, que incorpora elementos de funk, poesia declamada e jazz, como "honesto, com medo e sem remorso."[6]

Em 23 de setembro de 2014, Kendrick Lamar lança "i" como single, para distribuição digital.[7] A canção foi recebida com elogios da crítica musical e foi colocadoaem várias listas de melhores canções do ano.[8][9] Em 15 de novembro de 2014, Lamar foi um dos convidados no Saturday Night Live, onde apresentou versão prolongada de "i", que foi a versão incluída no álbum.[10]

Em 9 de fevereiro de 2015, Lamar lançou o segundo single oficial do álbum, "The Blacker the Berry".[11]

Sites especializados indicaram que o álbum venderia mais de 325 mil cópias em sua semana de estreia, fazendo-o então estrear na primeira posição no Estados Unidos.[12] To Pimp a Butterfly estreou na liderança das paradas de álbuns da Nova Zelândia,[13] e da Austrália,[14] e no top dez na Holanda,[15] mesmo depois de ter sido lançado no meio da semana de rastreamento de vendas.

No país de origem de Lamar, o álbum chegou ao topo da Billboard 200, com 363 mil copias vendidas na semana de estreia,[16] superando as previsões feitas pelos especialistas.[12] Até 19 de Julho de 2015, o álbum vendeu mais de 642,000 cópias no Estados Unidos.[17]

Em uma entrevista à revista Rolling Stone, Kendrick indicou que o título era uma brincadeira com o romance de Harper Lee, To Kill a Mockingbird. Ele foi citado como dizendo: "Basta colocar a palavra "pimp" ao lado de "borboleta" ("butterfly")... É uma viagem. Isso é uma frase que ficará para sempre. Vai ser ensinada em cursos universitários. Eu realmente acredito nisso."[18]

Após seu lançamento, To Pimp a Butterfly foi extremamente aclamado pela crítica profissional. O site Metacritic, responsável por calcular médias agregadas de avaliações de críticos renomados da indústria musical, definiu sua média como 96 pontos em 100 possíveis (a 4ª pontuação mais alta da história do site, entre todos os gêneros), com base nas avaliações de 44 críticos.[19] [20]O álbum foi o de maior pontuação do 2015 no Metacritic, tanto em termos de metascore como de pontuação do usuário, além do álbum de hip hop com maior pontuação de todos os tempos.[21] Dessa maneira, a pontuação do disco ultrapassou a do Stankonia, do OutKast, como o álbum de rap mais bem classificado do site.

Em 2016, lançou, de surpresa, um álbum compilatório, a que preferiu apelidar de "projeto", chamado untitled unmastered. O álbum conta com 8 temas, tomos com "untitled" ("sem título") no nome e uma data. Os temas são de untitled unmastered. são demos criadas no desenvolvimento de To Pimp a Butterfly. untitled unmastered.[22] foi bem recebido pela crítica e tornou-se o segundo longa-duração de Lamar a atingir o topo das tabelas dos EUA e do Canadá, assim como o seu primeiro longa-duração a chegar ao nº 1 na Dinamarca.

2017 - DAMN.[editar | editar código-fonte]

Em abril de 2017, Lamar lançou o seu quarto álbum, DAMN., e repetiu o sucesso entre a crítica e a nível comercial, sendo o terceiro longa-duração do artista a chegar ao topo das tabelas de álbuns dos EUA e do Canadá. Nos EUA, DAMN. tornou-se o álbum que obteve a semana de estreia com melhores resultados em 2017 (até ao fim de abril), suplantando o recorde anterior alcançado por More Life, de Drake, [23] e também no espaço de quase um ano (ou seja, desde a semana de estreia de Views, também de Drake). Aliás, Kendrick Lamar, Drake e Future são, até à data de abril de 2017, os únicos artistas a colocar álbuns no nº 1 da Hot 100 em 2015, 2016 e 2017. DAMN. obteve resultados de 603 mil unidades equivalentes nos EUA (dos quais 353 mil corresponderam a álbuns vendidos na íntegra - um recorde para Lamar e atribuindo-lhe a melhor semana de vendas de álbuns em formato tradicional de 2017,[24] o que suplantou o anterior recorde, alcançado por ÷, de Ed Sheeran), 227 mil a unidades equivalentes de streaming - o que equivale a 340,6 milhões de reproduções nos serviços de streaming e se traduz no 2º melhor resultado de sempre, só suplantado pela já citado More Life, de Drake - e 23 mil unidades equivalentes em faixas vendidas).[25]

Também foi em 2017 que Lamar conseguiu colocar o seu primeiro single em nome próprio na principal tabela de singles americana (a Hot 100). O single em questão foi "HUMBLE.", que acabou com o domínio durante 12 semanas consecutivas por parte de "Shape of You", de Ed Sheeran. Lamar já havia liderado a Hot 100 antes, em maio de 2015, como artista convidado na versão single de "Bad Blood", tema de Taylor Swift.[26]

Discografia[editar | editar código-fonte]

Artigo principal: Discografia de Kendrick Lamar

Álbuns de estúdio:[editar | editar código-fonte]

Álbuns compilatórios[editar | editar código-fonte]

  • untitled unmastered. (2016)

Referências

  1. Haithcoat, Rebecca (20 de janeiro de 2011). «Born and raised in Compton, Kendrick Lamar Hides a Poet's Soul Behind "Pussy & Patron"» (em inglês). La Weekly. Consultado em 25 de novembro de 2012 
  2. Weiss, Jess (17 de agosto de 2010). «Jay Rock, Kendrick Lamar, Ab-Soul and Schoolboy Q form quasi-supergroup Black Hippy» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 25 de novembro de 2012 
  3. «B.o.B, Fred The Godson And Los Respond To Kendrick Lamar» (em inglês). XXL 
  4. «Verso de kendrick lamar afita o rap game» (em inglês). Business Insider 
  5. «Top Dawg's Kendrick Lamar & ScHoolboy Q Cover Story: Enter the House of Pain». Billboard. Consultado em 19 de março de 2015 
  6. «Tracklisting: Kendrick Lamar – 'To Pimp a Butterfly'». Rap-Up.com. 13 de março de 2015. Consultado em 19 de março de 2015 
  7. Frydenlund, Zach (23 de Setembro de 2014). «Listen to Kendrick Lamar's "I"». Complex. Consultado em 19 de março de 2015 
  8. «50 Best Songs of 2014». 3 de dezembro de 2014. Consultado em 19 de março de 2015 
  9. «The 10 Best Songs of 2014». 11 de dezembro de 2014. Consultado em 19 de março de 2015 
  10. «Kendrick Lamar Makes a Triumphant Return to 'SNL'». Rolling Stone 
  11. «Kendrick Lamar premieres "The Blacker The Berry", his intense, racially-charged new single — listen - Consequence of Sound». Consequence of Sound 
  12. a b Keith Claufield (19 de março de 2015). «Kendrick Lamar Heading for First No. 1 Album on Billboard 200». Billboard. Consultado em 20 de março de 2015 
  13. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Nova_Zel.C3.A2ndia
  14. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Austr.C3.A1lia
  15. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome Holanda
  16. «Kendrick Lamar Earns His First No. 1 Album on Billboard 200 Chart» (em inglês). Billboard. 25 de março de 2015. Consultado em 25 de março de 2015 
  17. «Charts Don't Lie: July 18». HotNewHipHop. 19 de julho de 2015 
  18. «It is No Longer Untitled - Kendrick Lamar's New Album: Everything We Know». Rollingstone.com. Consultado em 19 de março de 2015 
  19. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome MC
  20. http://www.metacritic.com/browse/albums/score/metascore/all/filtered?sort=desc
  21. "Best Music and Albums for 2015". Metacritic.
  22. Pinto, Rita (4 de março de 2016). «SURPRESA! KENDRICK LAMAR TEM UM NOVO ÁLBUM». Shifter. Consultado em 25 de abril de 2017 
  23. Carmo, Rita (24 de abril de 2017). «Kendrick Lamar atinge número 1 do top americano com valores recorde». Blitz. Consultado em 25 de abril de 2017 
  24. «Kendrick Lamar Debuts at No. 1 on Billboard 200, John Mayer & 'Fate of the Furious' Bow in Top 10» (em inglês). Billboard. 24 de abril de 2017. Consultado em 25 de abril de 2017 
  25. «Kendrick Lamar Earns Third No. 1 Album on Billboard 200 Chart With Biggest Debut of 2017» (em inglês). Billboard. 24 de abril de 2017. Consultado em 25 de abril de 2017 
  26. Correia da Silva, Alexandra (24 de abril de 2017). «HUMBLE. DE KENDRICK LAMAR CHEGA A N.º 1 NOS EUA». Espalha-factos. Consultado em 25 de abril de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.