Estilista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
À esquerda, Yves Saint Laurent, um dos mais famosos estilistas de moda da história

Estilista é aquele que cria estilos, seja no campo da moda, da confecção de móveis, da literatura etc.[1] Atualmente, no entanto, o termo é mais utilizado no campo da moda.[2]

Estilista de moda[editar | editar código-fonte]

O estilista de moda cria coleções de roupas e acessórios, exercendo forte influência sobre a maneira como as pessoas se vestem e criando tendências de mercado. Ser estilista, não é apenas ser desenhista de moda, e sim criar um vestuário adequado a cada tipo de pessoa.

Além de criatividade, esse profissional precisa de ter uma visão global, com conhecimentos de sociologia, modelagem, desenho e história da moda.

Nem só de desfiles e figurinos glamurosos vivem aqueles que trabalham com moda. A área administrativa também recruta profissionais capazes de lidar com produção, custos, controle de qualidade e vendas. Isso vem ocorrendo desde a década de 1950.

Com o advento da produção em massa, as roupas tradicionais, feitas à mão, foram substituídas pelos trajes de confecção industrial. Surgiu, então, o setor de negócios da moda, que vive hoje momentos de grande ebulição.

A especialização em moda é recente. O profissional de moda tanto pode seguir pelo variado mundo do design como optar pela área de negócios, que exige bons conhecimentos de marketing. No primeiro caso, as oportunidades se concentram em setores variados: desenho de moda, de estamparia e de acessórios; compras; vitrinismo e design de interiores de lojas; desenvolvimento; coordenação; produção e gerência de produtos da indústria têxtil e de pequenas confecções; estilismo; criação de figurinos para cinema, teatro e televisão; consultoria de moda; desenvolvimento de coleções têxteis e de vestuário; modelagem; pesquisa de novos materiais e organização de lançamentos de coleções.

Quem preferir tratar dos negócios da moda, encontrará boas chances de trabalho em confecções, fiações, malharias, tecelagens, indústrias de aviamentos e acessórios, lojas de departamento, franquias, assessorias e consultorias de moda, produção artística e publicitária, importadoras e exportadoras do ramo têxtil, imprensa especializada, indústrias químicas, feiras e salões de moda.

No Brasil[editar | editar código-fonte]

É inegável que a moda brasileira ainda assimila tendências europeias, mas os estilistas brasileiros procuram, cada vez mais, encontrar uma linguagem própria, adequada ao mercado brasileiro. O setor têxtil e de confecções é um dos grandes geradores de empregos no Brasil, atraindo profissionais especializados não só em estilismo, mas também em gerência e planejamento de produtos. Como ainda é uma carreira com especializações novas, falta pessoal qualificado. Portanto, as perspectivas de crescimento da oferta de vagas são promissoras. O salário médio inicial pode variar entre 1,5 mil reais e 2 mil reais – um patamar considerado alto para principiantes em qualquer profissão.

No Brasil, a duração do curso é de dois anos no mínimo, e oito anos no máximo.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Estilista

Referências

  1. Dicionário escolar da língua portuguesa/Academia Brasileira de Letras. 2ª edição. São Paulo. Companhia Editora Nacional. 2008. p. 547.
  2. Sine. Disponível em https://www.sine.com.br/vagas-empregos-em-rio-de-janeiro-rj/estilista. Acesso em 14 de março de 2017.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]