The Fame Monster

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Fame Monster
EP de Lady Gaga
Lançamento 18 de novembro de 2009 (2009-11-18)
Gravação 2009;
Record Plant Studios, Darkchild Studios, Metropolis Studios, FC Walvisch[1]
Gênero(s) Pop, electropop, dance
Duração 34:15
Idioma(s) Inglês
Formato(s) CD, download digital, vinil
Gravadora(s) Streamline, Kon Live, Cherrytree, Interscope
Produção Ron Fair, Fernando Garibay, Tal Herzberg, Rodney Jerkins, Lady Gaga, RedOne, Teddy Riley, Space Cowboy
Cronologia de Lady Gaga
Hitmixes
(2009)
The Remix
(2010)
Capa alternativa
Singles de The Fame Monster
  1. "Bad Romance"
    Lançamento: 23 de outubro de 2009 (2009-10-23)
  2. "Telephone"
    Lançamento: 15 de fevereiro de 2010 (2010-02-15)
  3. "Alejandro"
    Lançamento: 20 de abril de 2010 (2010-04-20)
  4. "Dance in the Dark"
    Lançamento: 26 de julho de 2010 (2010-07-26)

The Fame Monster é o terceiro extended play (EP) da artista musical americana Lady Gaga. Foi lançado em 18 de novembro de 2009 através da Interscope Records. Inicialmente previsto a ser comercializado apenas como um relançamento de seu álbum de estreia The Fame (2009), a cantora anunciou que as oito faixas seriam alinhadas em um lançamento independente, afirmando que pensava que a reedição era muito cara e que os discos eram conceitualmente diferentes, descrevendo-os como Yin-yang, respectivamente. A edição super deluxe do trabalho que contém números de seu projeto de debute e mercadoria adicional, incluindo um cacho de sua peruca, foi distribuída em 15 de dezembro do mesmo ano.

Musicalmente, The Fame Monster é um álbum pop influenciado por diversos gêneros, proeminente o disco, glam rock e synthpop dos anos 1970 e 1980, assim como industrial e música gótica. O EP também foi inspirado por desfiles e passarelas. De acordo com a artista, o disco lida com o lado mais obscuro da fama, incluindo o amor, sexo, álcool e mais. Liricamente, os fatos são expressados através de uma metáfora monstro. As capas foram fotografadas por Hedi Slimane e possui um tema gótico, como descrito pela própria Gaga. Uma das imagens foi inicialmente reprovada por sua gravadora, no entanto, a cantora convenceu-os a ser utilizada como capa da obra. The Fame Monster recebeu revisões geralmente positivas da mídia especializada, que maioritariamente elogiou a sua produção e a ambição criativa de Gaga. Em algumas tabelas musicais, o trabalho constatou como The Fame, e liderou as paradas de vários países, incluindo a Alemanha, a Austrália, a Áustria, a Bélgica, a Finlândia, a Irlanda, a Nova Zelândia, a Polônia, o Reino Unido e a Suíça. Nos Estados Unidos, atingiu a quinta colocação da Billboard 200, e o topo do periódico genérico Dance/Electronic Albums.

Seu single inicial, "Bad Romance", foi um sucesso comercial, liderando as tabelas de mais de vinte países, enquanto alcançava o segundo posto da Billboard Hot 100 dos Estados Unidos. As outras faixas de promoção "Telephone" e "Alejandro" também obtiveram êxito, alinhando-se entre as dez mais comercializadas de vários países. "Dance in the Dark" foi distribuída em alguns territórios, mas desempenhou-se moderadamente nos gráficos, e recebeu uma indicação nos Grammy Awards de 2011 por Best Dance Recording. "Speechless", "Monster" e "So Happy I Could Die" também listaram-se em diferentes compilações, apesar de não terem sido classificadas como singles. The Fame Monster ganhou diversos prêmios desde seu lançamento. Recebeu no total seis nomeações na 53ª edição dos Grammy Awards, ganhando a de Best Pop Vocal Album.

Antecedentes e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Durante a festa de inauguração dos fones de ouvido desenvolvido por Gaga em colaboração com Dr. Dre, ela comentou que planejava lançar um novo álbum e disse: "Eu acho que relançamentos são injustos, [...] os artistas lançam singles de um trabalho já feito, na tentativa de manter o disco à tona. Originalmente [minha gravadora] só queria que adicionar três faixas, mas agora é muito mais do que isso. É um novo material para um novo álbum."[2] Quanto ao nome do EP, a cantora disse que foi uma coincidência, já que tem o mesmo nome que os criadores e distribuidores dos fones "Heartbeats", Monster Cable Products. Ela já havia escrito uma canção intitulada "Monster", em março, antes de encontrar-se com Dr. Dre e Lee Noel, para discutirem sobre a parceria.[2] A cantora ainda afirmou que estava obcecada por filmes de monstros, declarando: "a decadência da celebridade e da maneira que a fama é um monstro na sociedade! É sobre isso que o meu disco se trata, por isso era uma espécie de combinação perfeita."[2][3] Revelando mais tarde que a reedição conteria oito composições novas, junto com as originais de seu álbum de estreia.[4] The Fame Monster lida com o lado mais obscuro da fama, vivenciado pela artista durante os anos de 2008 e 2009, explicando:

Ela também comentou que as novas canções não lidam com dinheiro ou fama, mas sim que foi tudo intermediário e que foi para seus fãs.[4] A artista comparou os temas de The Fame e The Fame Monster como opostos, descrevendo-os como Yin-yang, respectivamente. De acordo com Gaga, ela sentia uma dicotomia dentro de si durante o desenvolvimento do projeto, declarando a MTV: "Estou preparada para o futuro, mas eu lamento o passado, [...] E é um ritual de passagem muito real — você deve deixar algumas coisas de lado. Você deve lamentá-los como se estivessem mortos para que assim possa seguir em frente, e é isso que meu álbum retrata."[5] Na América do Norte, The Fame Monster foi lançado como um álbum com oito composições, em 23 de novembro de 2009. O portal da cantora também confirmou que a edição deluxe alinharia todas as faixas de seu trabalho de estreia como disco bônus. Apenas uma edição de luxo tinha sido previamente planejada, no entanto, a artista citou os custos como um problema em decidir sobre um lançamento adicional do disco.[6]

Composição[editar | editar código-fonte]

"Bem, meu pai teve uma doença cardíaca durante 15 anos. Ele tem ou tinha uma insuficiência na válvula aórtica, e seu corpo só bombeava um terço do sangue que deveria obter a cada batimento cardíaco. Então ele recusou-se a fazer a cirurgia e disse à minha mãe e eu que ia deixar a vida seguir seu curso. [...] E eu estava em turnê e eu não poderia deixar isso acontecer, então entrei em estúdio e compus essa canção chamada 'Speechless'. [...] Meu pai costumava me chamar depois de beber uns drinques e eu não sabia o que dizer. Eu fiquei calada e temia que poderia perdê-lo e eu não estaria lá. [...] Escrevi esta música como um apelo a ele."[7]

—Lady Gaga sobre a inspiração de escrever "Speechless"

O jornal The Independent sentiu que o primeiro número do álbum, "Bad Romance", define o tom gótico do resto do trabalho, acompanhando a atmosfera e a estética monocromática dominante na arte da capa. Seu refrão tem semelhanças ao grupo alemão Boney M e sua música lembra Black Celebration (1986), da banda Depeche Mode.[8][9] As letras do EP contém referências a zumbis em faixas como "Monster" ("Ele comeu meu coração..."), o estilo cossaco em "Teeth" ("Experimente um pouco da minha carne de garota-má...") e em "Dance in the Dark" ("Silicone, soro, veneno, injete em mim..."). As letras da última citada também referem-se a pessoas famosas que tiveram fins trágicos: Marilyn Monroe, Judy Garland, Sylvia Plath, Princesa Diana, Liberace e JonBenét Ramsey.[8][10] "Monster" é composta por uma gagueira sintetizada e uma instrumentação de tambores pesados.[11] Produzida por Ron Fair,[12] a balada "Speechless", inspirada pelo rock dos anos 1970, trata de relacionamentos abusivos em versos como "Eu não posso acreditar como você me insultou com sua mandíbula meio deslocada".[nota 1] Consiste em harmonias vocais e solos de guitarra, que de acordo com PopMatters, são comparáveis aos trabalhos de Freddie Mercury e Queen.[11]

A quinta faixa do álbum, "Dance in the Dark", descreve uma menina que sente-se desconfortável ao fazer sexo. A artista explicou sobre a canção, dizendo: "Ela não quer que seu parceiro a veja nua. Ela estará livre e extravasará seu animal interior, mas apenas quando as luzes estiverem apagadas."[13] Em "So Happy I Could Die", Gaga faz uma ode a desejos e ações sexuais, inciando "Eu adoro aquela loira de lavanda / O jeito que ela se move, o jeito que anda / Eu me toco e não é o suficiente."[nota 2] Essencialmente uma canção de amor, o sentido da parte do título de "So Happy" representa a própria cantora que fala sobre beber, dançar, observar e tocar em si mesma. O vocal da artista aparece de uma forma mais suave do que geralmente.[8][10] O número tem a utilização do auto-tune em algumas passagens.[9] "Alejandro" incorpora elementos da música de ABBA e Ace of Base com letras sobre Gaga recusar-se a participar de um harém de homens latinos. "Telephone" é sobre a cantora preferir a pista de dança ao invés de atender a ligação de seu parceiro.[10] Os versos são cantados em um ritmo muito acelerado, acompanhado por batidas igualmente rápidas.[10] Gaga explicou que a obra lida com seu medo de asfixia: "medo [de] nunca conseguir me divertir. Porque eu amo muito o meu trabalho, acho que é muito difícil de sair e festejar." Segundo a própria, o telefone retratado não é apenas o telefone físico, mas também sua voz interna dizendo-lhe para trabalhar mais e mais.[14] A última faixa, "Teeth" contém música gospel e seus versos fazem referências ao sadomasoquismo, contando que o mais perto que chegará a outro ser humano envolve ser amarrada e mordida.[10]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
Allmusic 4 de 5 estrelas.[15]
Los Angeles Times 3 de 4 estrelas.[16]
NME 8 de 10 estrelas.[17]
Pitchfork Media 7.8 de 10 estrelas.[18]
Rolling Stone 3.5 de 5 estrelas.[19]
Slant Magazine 3.5 de 5 estrelas.[10]
Spin 6 de 10 estrelas.[10]
The Daily Telegraph 3 de 5 estrelas.[20]
The Observer 4 de 5 estrelas.[20]

O portal Metacritic, com base em catorze resenhas recolhidas, concedeu ao The Fame Monster uma média de setenta e quatro pontos de uma escala que vai até cem, indicando "análises geralmente favoráveis".[21] Stephen Thomas Erlewine, da página Allmusic, comentou que o disco "apoia-se nos destaques de The Fame, oferecendo uma crível continuação do debute e sugerindo que Gaga não é mais um fenômeno pop passageiro."[15] Sal Cinquemani, da Slant Magazine, relatou que o álbum não representa um grande avanço para a artista, mas fornece "pequenos vislumbres por trás de sua pretensão."[10] Já Simon Price, do tabloide The Independent, referiu-se ao disco como "uma obra de arte por si só."[8] Kitty Empire, do The Observer, declarou que "baladas como 'Speechless' relembram o ponto fraco da cantora, mas singles como 'Bad Romance' tornam mais convincente o caso de uma ítalo-americana apática ser considerada a nova Madonna."[22] Sarah Hajibagheri, do jornal The Times, reparou que o EP "não tem aquele ritmo e nem a mesma mordida que nos infecta com a vontade de viajar para o mundo excêntrico da nova-iorquina."[23] Aludindo-se á "Speechless", Josh Modell, da revista Spin, analisou que Gaga parece estar perdida ao cantar sua "emocionante balada".[24] Evan Sawdey, do PopMatters, elogiou a artista por estar "disposta a experimentar coisas novas" e reparou que o material mostra que "ela não tem a complacência de fazer a mesma coisa outra vez (...) Gaga pode cometer alguns erros em sua trajetória para o nirvana pop — e ao avaliar o que ela pretende fazer com The Fame Monster, há uma boa chance dela chegar lá mais cedo do que mais tarde."[11]

O redator Mikael Woods, do Los Angeles Times, sentiu que The Fame Monster continuou a demonstrar "a ambição criativa e a variedade estilística de Gaga".[16] Porém, Jon Dolan, da revista Rolling Stone, foi mais crítico ao relatar que "metade do disco é uma cópia barata de Madonna, mas isso faz parte do conceito — monstros da fama não precisam se preocupar com a originalidade."[19] Edna Gundersen, do USA Today, acredita que no álbum, "a apatia de Gaga e sua aparente aversão a uma genuína conexão humana deixa um vazio perturbador. Com um intelecto vanguardista, suas excentricidades pop-electro e uma esquisita teatralidade competindo por atenção, não há espaço para um coração."[25] Neil McCormick, do periódico The Daily Telegraph, declarou que "embora não seja tão tematicamente integrado como o The Fame, a energia vivaz da artista, as melodias ousadas e o sensacionalismo quase comicamente implacável mantém as coisas interessantes."[20] Ben Patashnik, da publicação NME, reparou que "está ficando cada vez mais difícil negar que a cantora é uma amante de sua arte".[17] Analisando a nova fase da intérprete, Scott Plagenhoef, do portal Pitchfork Media, escreveu: "Se Gaga consegue manter a risca é outra questão. Talvez ela termine sendo mastigada e cuspida, ou talvez suas mudanças de imagem camaleônicas sejam apenas a carreira de Madonna na velocidade da era da Internet e estamos presenciando todas as suas ideias de uma só vez. Mas, de repente, por um breve período, ela acabe sendo a única estrela pop real ao redor."[18]

Em 2010, Gaga ganhou o prêmio de Outstanding Music Artist por seu trabalho em The Fame Monster, durante a 21ª edição dos GLAAD Media Awards.[26] O álbum e suas canções também receberam seis nomeações para os Grammy Awards de 2011. O EP em si foi indicado na categoria de Album of the Year e venceu na de Best Pop Vocal Album.[27][28] "Bad Romance" conquistou os troféus de Best Female Pop Vocal Performance e de Best Short Form Music Video; enquanto que "Telephone" e "Dance in the Dark" foram respectivamente nomeados nas categorias de Best Pop Collaboration with Vocals e Best Dance Recording, mas sem sucesso.[28][29]

Lançamento e capa[editar | editar código-fonte]

Gaga apresentando "Monster" na The Monster Ball Tour, em 2010.

Originalmente, o álbum foi planejado para ser uma reedição de The Fame separada em dois discos, mas Gaga disse em entrevista a MTV que o EP seria lançado independentemente. Ela também anunciou a edição deluxe de The Fame Monster e o box da versão super deluxe, sendo que a comercialização do último iniciou em 15 de dezembro de 2009. O pacote contém vários produtos feitos pela equipe criativa da cantora, Haus of Gaga, incluindo um cacho de sua peruca.[30]

Em 3 de maio de 2010, foi lançada a edição limitada de The Fame Monster via Pen Drive. Incluindo a versão explícita do disco, assim como nove remixes, oito vídeos musicais, um encarte digital, capas de singles e galeria de fotos.[31]

O designer e fotógrafo Hedi Slimane retratou duas diferentes capas para o EP. Uma delas mostra Gaga usando uma peruca loira e vestindo uma jaqueta preta, enquanto a outra apresenta-a com um cabelo castanho espesso e delineador impotente que forma lágrimas escorrendo pelo seu rosto.[32] Em relação as imagens, a cantora disse que quando elaborou o conceito do álbum, ela queria assegurar que este teria um aspecto mais obscuro e ousado que seus trabalhos anteriores.[5] Entretanto, sua gravadora achou a gravura de Gaga morena "muito confusa e gótica", acreditando ser "menos pop". A artista respondeu dizendo:

Singles[editar | editar código-fonte]

Gaga apresentando "Bad Romance", primeiro single do EP, na The Monster Ball Tour, em 2010.

"Bad Romance" foi confirmada como primeiro single do disco em 1º de outubro de 2009.[3] No dia seguinte foi divulgada uma versão demo da faixa na Internet sem a sua autorização.[33] Sua estreia ocorreu, em 6 de outubro seguinte, durante o desfile final da coleção de Primavera/Verão de Alexander McQueen na Paris Fashion Week de 2010.[34] Seguido de seu lançamento digital em 23 de outubro, através da iTunes Store de diversas nações, incluindo Brasil e Portugal.[35][36] Seu vídeo musical acompanhante foi dirigido por Francis Lawrence, e apresenta a artista dento de uma casa de banho branca e surreal, onde é dopada por um grupo de modelos e traficada para a máfia russa como escrava sexual. No final da trama, ela acabar por matar o homem que a comprou.[37][38] A produção recebeu dez indicações aos MTV Video Music Awards de 2010, ganhando sete delas, incluindo a principal de Video of the Year.[39] Em 13 de fevereiro de 2011, o single ganhou um Grammy Award de Best Female Pop Vocal Performance, e seu vídeo correspondente a de Best Short Form Music Video.[28] A canção liderou as tabelas musicais da Áustria, Dinamarca, Espanha, França, Finlândia, Itália, Noruega, Suécia,[40] Irlanda[41] e as do Canadá[42] e Reino Unido.[43] Listou-se em segundo lugar nas paradas da Austrália, Bélgica (Flandres), Nova Zelândia, Suíça,[40] Hungria[44] e a Billboard Hot 100 dos Estados Unidos.[45]

"Telephone", com a participação de Beyoncé, foi a segundo faixa de trabalho extraída do disco,[46] sendo enviada para as estações de rádio estadunidenses em 26 de janeiro de 2010, pela Interscope Records.[47] Mais tarde, foi disponibilizado um extended play (EP) contendo dez remixes da obra para venda virtual na iTunes Store.[48] Seu vídeo musical serve como uma continuação para a trama de "Paparazzi" (2009), sendo os dois dirigidos por Jonas Åkerlund.[49][50] Na história, Beyoncé paga a fiança para Gaga ser libertada da prisão, acusada de assassinar seu namorado por envenenamento.[49] Em seguida, as duas dirigem-se a um restaurante onde acabam matando todos os clientes presentes por intoxicação alimentar.[51] Após cometerem a chacina, as duas saem do local e são perseguidas em alta velocidade pela polícia.[49] O trabalho recebeu três nomeações aos MTV Video Music Awards de 2010, ganhando apenas na categoria de Best Collaboration.[52] A parceria também foi indicada aos Grammy Awards de 2011 por Best Pop Collaboration with Vocals, mas acabou perdendo para a regravação "Imagine" cantando por Herbie Hancock, Pink, India.Arie, Seal, Konono Nº1, Jeff Beck e Oumou Sangaré.[29] Obteve um desempenho comercial favorável, ao alcançar o topo das paradas da Bélgica, Dinamarca, Noruega,[53] Irlanda[54] e do Reino Unido.[55] Nos Estados Unidos, a obra classificou-se na terceira posição na Billboard Hot 100.[56] O single tornou-se no sexto de ambas as cantoras a atingir a liderança da Pop Songs, empatando com Mariah Carey o recorde de artistas com mais número um desde o lançamento da Nielsen Broadcast Data Systems em 1992.[57]

Escolhida para dar continuidade à divulgação de The Fame Monster, "Alejandro" foi adicionada às listas das rádios estadunidenses em 20 de abril de 2010.[58] Originalmente, a gravadora de Gaga planejava lançar "Dance in the Dark" como o sucessor de "Telephone", entretanto devido a uma discussão interna entre a artista e sua editora, foi decidido que "Alejandro" serviria como o terceiro single do extended play (EP).[59][60] O fotógrafo Steven Klein foi o responsável pela direção de seu vídeo correspondente, que tem como inspiração o amor da cantora por seus amigos gays e sua admiração pelo amor gay.[61] A produção aborda temas nazistas e católicos, ao passo que homenageia o musical Cabaret, da Broadway.[62] Gaga é vista usando trajes semelhantes aos de Joana d'Arc e da personagem de Liza Minnelli no espetáculo supracitado.[62][63] Outros roupagens incluem a artista com um sutiã equipado com uma carabina AR-15, além de vestir-se como uma freira em hábitos de látex.[62] A Liga Católica acusou a cantora de "usar blasfêmia" por mostrar imagens religiosas durante o vídeo, o momento mais controverso, no entanto, foi o da intérprete engolindo um rosário.[64] Klein desmentiu esta ideia afirmando que a cena em questão trata-se sobre "o desejo de Gaga de consumir o Santo".[65] A faixa conquistou êxito comercial ao culminar nas tabelas da Finlândia,[66] Polônia[67] e República Checa.[68] Atingiu a vice-liderança nas paradas de países como Alemanha, Austrália, Áustria, Itália[66] e Eslováquia.[69] "Alejandro" também converteu Gaga como a segunda artista feminina a posicionar seus sete primeiros singles entre as dez melhores colocações da semana na estadunidense Billboard Hot 100.[70]

Em 9 de novembro de 2009, "Dance in the Dark" foi lançada como uma gravação promocional na iTunes Store fazendo parte da contagem regressiva para o lançamento do álbum, juntamente com "Alejandro.[71] Todavia, a canção foi posteriormente disponibilizadas nas estações de rádios australianas e francesas, servindo como o quarto e último single do disco.[72][73] Assim como "Bad Romance" e "Telephone", a faixa recebeu uma indicação para os Grammy Awards de 2011 na categoria de Best Dance Recording, porém perdeu para "Only Girl (In the World)" da artista barbadense Rihanna.[29] Seu desempenho nas tabelas musicais foi moderado, conseguindo constatar entre os dez primeiros da Eslováquia,[74] Hungria[75] e República Checa.[76] Também posicionou-se entre os cinquenta mais vendidos em nações como Austrália, Bélgica e França.[77] Nos Estados Unidos, a obra não conseguiu entrar na Billboard Hot 100, contudo atingiu o vigésimo segundo posto da Bubbling Under Hot 100, uma extensão da lista principal.[78]

Divulgação[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: The Monster Ball Tour
Gaga cantando "Speechless" durante um concerto organizado com Terence Koh, nomeado Gagakoh, em Tóquio, em 2010.

A divulgação de The Fame Monster inciou em 3 de outubro de 2009 no programa televisivo Saturday Night Live, no qual Gaga cantou trechos de "Bad Romance" tocando um piano.[79] Ela também concedeu entrevistas para diversos talk shows, tais como It's On with Alexa Chung e o alemão Wetten, dass..?.[80][81] Em 16 de novembro, a artista interpretou "Speechless" na festa de aniversário de 30 anos no Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles, colaborando com Francesco Vezzoli e membros da Academia Estatal de Coreografia de Moscou.[82] No mesmo dia foi transmitido o episódio "The Last Days of Disco Stick" da série de televisão Gossip Girl, do qual a cantora fez uma participação especial e realizou uma performance do primeiro single do disco, "Bad Romance".[83] A faixa também foi apresentada nos American Music Awards de 2009, no The Jay Leno Show e The Ellen DeGeneres Show.[84][85][86] Em 15 de janeiro de 2010, a intérprete compareceu no The Oprah Winfrey Show, onde executou uma mistura de "Monster", "Bad Romance" e "Speechless".[87] Na 52ª edição dos Grammy Awards, Gaga foi escalada para abrir o evento, no qual apresentou um conjunto de "Poker Face", "Speechless", e "Your Song" com Elton John.[88] Durante os Brit Awards de 2010, ela realizou uma performance acústica de "Telephone" e "Dance in the Dark", em memória a Alexander McQueen.[89]

Previamente, Gaga anunciou que entraria em digressão com o cantor Kanye West, cuja tinha sido intitulada Fame Kills Starring: Lady Gaga and Kanye West.[90] Entretanto, após o incidente ocorrido nos MTV Video Music Awards de 2009 envolvendo West e Taylor Swift, o rapper anunciou que iria fazer uma pausa em sua carreira musical. Após a declaração, todas as datas da turnê foram imediatamente canceladas. Em seguida, Gaga confirmou que faria uma excursão solo em função de promover The Fame Monster.[91] Descrito pela cantora como "a primeira 'ópera electropop' de todas", o espetáculo nomeado The Monster Ball Tour ocorreu entre 27 de novembro de 2009 e 6 de maio de 2011 e contou com Kid Cudi e Jason Derülo como atos de abertura.[92]

Gaga e sua equipe de produção desenvolveram um palco dividido em diversas partes, cada um com seu próprio tema. Ela sentiu que o cenário consentiria o seu controle criativo.[93] Uma vez que o álbum lida com "os monstros" enfrentados pela cantora ao longo do ano, a temática principal do show tornou-se na evolução, com a artista retratando o crescimento ao passo que o espetáculo progredia.[94] Elementos da cancelada excursão com Kanye West foram incorporados em certas partes do espetáculo.[95] O repertório consistia em músicas de The Fame Monster, assim como as de seu álbum de estreia The Fame. Em 2010, Gaga decidiu fazer uma reformulação na turnê, visto que a execução original foi elaborada em um curto período de tempo. A estrutura remodelada possui uma temática nova-iorquina, e retrata uma história em que Gaga e seus amigos estão em Nova Iorque, e se perdem a caminho da Monster Ball.[95] A digressão foi dividida em cinco segmentos, sendo o último o bis. Cada parte caracterizava a cantora em um novo figurino e era acompanhada por um vídeo de interlúdio, apresentando-a em poses góticas e artísticas, introduzindo para o ato seguinte. Os concertos de 2009 iniciavam com Gaga aparecendo diante de uma tela em que linhas cruzadas são projetadas por iluminação elétrica.[96] Isto era prosseguido por performances acústicas ao piano, rotinas de dança usando um figurino egípcio e outras com uma peruca de longas tranças inspiradas na Rapunzel.[97][98] Já a versão reformulada era mais teatral, e os adereços cenográficos consistiam em um sutiã pirotécnico, um piano embutido dentro do capô de um automóvel, um tamboril-polvo gigante mecânico, e diversos vestuários.[99] Os críticos contemporâneos prezaram a turnê, elogiando a habilidade vocal da intérprete, assim com seu senso de moda e estilo. Eles também ficaram admirados com a pomposidade e a teatralidade dos shows, comparando-os aos espetáculos de Madonna.[100]

Lista de faixas[editar | editar código-fonte]

N.º Título Compositor(es) Produtor(es) Duração
1. "Bad Romance"   RedOne, Lady Gaga RedOne, Lady Gaga* 4:54
2. "Alejandro"   RedOne, Lady Gaga RedOne, Lady Gaga* 4:34
3. "Monster"   RedOne, Lady Gaga, Space Cowboy RedOne, Lady Gaga* 4:10
4. "Speechless"   Lady Gaga Ron Fair, Lady Gaga*, Tal Herzberg* 4:31
5. "Dance in the Dark"   Lady Gaga, Fernando Garibay Garibay, Lady Gaga* 4:49
6. "Telephone" (com Beyoncé) Lady Gaga, Rodney Jerkins, LaShawn Daniels, Lazonate Franklin, Beyoncé Jerkins, Lady Gaga* 3:41
7. "So Happy I Could Die"   Lady Gaga, RedOne, Space Cowboy RedOne, Lady Gaga, Space Cowboy 3:55
8. "Teeth"   Lady Gaga, Taja Riley Teddy Riley, Lady Gaga* 3:41
Duração total:
34:15

(*) denota co-produtores

Créditos[editar | editar código-fonte]

Lista-se abaixo os profissionais envolvidos na elaboração de The Fame Monster, de acordo com o encarte do extended play (EP):[1]

Desempenho nas tabelas musicais[editar | editar código-fonte]

Após seu lançamento, a edição independente de The Fame Monster estreou na quinta colocação da tabela estadunidense Billboard 200, com 174 mil unidades faturadas em sua primeira semana. Seu álbum de estreia The Fame saltou da trigésima quarta posição para a sexta, devido as suas vendas terem sido combinadas com a versão deluxe do EP que contém CDs de ambos os discos.[103] O material ainda atingiu a liderança da Top Digital Albums, após exportar 65 mil réplicas digitalmente.[104] Também ocupou o primeiro lugar da parada genérica Dance/Electronic Albums, substituindo seu antecessor The Fame.[105] Em fevereiro de 2010, o trabalho foi certificado como disco de platina pela Recording Industry Association of America (RIAA) por comercializar mais de um milhão de cópias.[106] No Canadá, The Fame Monster acabou por debutar em seu pico de número seis, através da Canadian Albums Chart.[107]

Na Austrália, The Fame Monster inicialmente constatou como The Fame, porém mais tarde foi considerado como um álbum independente. Em sua décima oitava semana de ascensão na parada, o EP conseguiu alcançar o primeiro emprego, onde permaneceu por três edições consecutivas.[108] Desde então, a Australian Recording Industry Association (ARIA) certificou o projeto como disco de platina tripla, por exportar mais de 210 mil exemplares no país.[109] O material enumerou-se na segunda ocupação da classificação japonesa Oricon, com mais de 500 mil cópias comercializadas.[110] O álbum também culminou nas tabelas da Alemanha, Áustria, Bélgica (Flandres), Croácia, Finlândia, Irlanda, Nova Zelândia, Polônia, Suíça.[111][108][112][113][114]

No Reino Unido, The Fame Monster foi lançado como uma edição deluxe de The Fame, e não como um material independente, sendo assim o EP constatou nas tabelas britânicas como The Fame. Logo após sua distribuição no país em novembro de 2009, o disco saltou da 55.ª colocação para a 7.ª na UK Albums Chart.[115] Após subidas e descidas, Gaga atingiu a primeira posição na tabela por uma quinta semana, com The Fame Monster contabilizando como The Fame.[116] Mais tarde, o trabalho liderou a parada por outras duas edições não-consecutivas.[117][118] Por fim, a Federação Internacional da Indústria Fonográfica certificou o EP com platina tripla pela comercialização de mais de três milhões de unidades no continente europeu.[119]

Posições[editar | editar código-fonte]

A - Nestes respectivos países, as vendas de The Fame Monster são contadas juntamente com as vendas de The Fame.

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

País Data Formato Gravadora
 Japão [169] 18 de novembro de 2009 CD, download digital Universal Music
 Itália[170]
 Alemanha[171] 20 de novembro de 2009
 Austrália[172]
 Chile[173]
 Irlanda[174]
 Estados Unidos[175] 23 de novembro de 2009 Interscope, Streamline, Kon Live, Cherrytree
 Reino Unido[176] Polydor
 Canadá[177] Universal Music
 Argentina[178]
 Canadá[179] 1º de dezembro de 2009
 Colômbia[180] 4 de dezembro de 2009 CD Universal Music, Interscope
 Estados Unidos[181] 15 de dezembro de 2009 Box, vinil Interscope, Streamline, Kon Live, Cherrytree
 Austrália 18 de dezembro de 2009[182] Download digital Universal Music
21 de dezembro de 2009[183] CD
 Estados Unidos[101] 26 de janeiro de 2010 Download digital Interscope, Streamline, Kon Live, Cherrytree
 China[184] 1º de fevereiro de 2010 CD Universal Music
 Japão[185] 16 de abril de 2010 CD + DVD
Mundo[31] 3 de maio de 2010 Pen Drive Interscope, Streamline, Kon Live, Cherrytree
 Itália[186] 8 de junho de 2010 CD Universal Music
 Alemanha[187][188] 22 de outubro de 2010
 Portugal[189] 25 de outubro de 2010
 Alemanha[190] 20 de novembro de 2010 Download digital

Notas

  1. No original: "I can't believe how you slurred at me with your half-wired broken jaw."
  2. No original: "I love that lavender blonde / The way she moves the way she walks / I touch myself, can't get enough."

Referências

  1. a b (2009) Créditos do álbum The Fame Monster por Lady Gaga. Interscope Records.
  2. a b c Carpenter, Ellen (1º de outubro de 2009). «Lady Gaga Unleashes "Monster" With Dr. Dre: Headphones First, Song Next?». Jann Wenner. Rolling Stone (em inglês). ISSN 0035-791X 
  3. a b Harding, Cortney (1º de outubro de 2009). «Lady Gaga: First Lady». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  4. a b c Press Release (8 de outubro de 2010). «Lady Gaga Returns With 8 New Songs on The Fame Monster» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  5. a b Vena, Jocelyn (23 de novembro de 2009). «Lady Gaga Gets 'Dark' On The Fame Monster». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  6. Dinh, James (10 de novembro de 2009). «Lady Gaga's Fame Monster: New Songs To Be Released On Single CD». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 17 de outubro de 2012 
  7. Vena, Jocelyn (23 de novembro de 2009). «Lady Gaga Says She Wrote 'Speechless' As 'Plea' To Father». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 24 de novembro de 2009 
  8. a b c d Price, Simon (22 de novembro de 2009). «Album: Lady Gaga, The Fame Monster (Polydor)». The Independent (em inglês). Consultado em 20 de outubro de 2012 
  9. a b Lester, Paul (20 de novembro de 2009). «Lady Gaga The Fame Monster Review». BBC (em inglês). BBC Online. Consultado em 20 de outubro de 2012 
  10. a b c d e f g h Cinquemani, Sal (18 de novembro de 2009). «Lady Gaga: The Fame Monster» (em inglês). Slant Magazine. Consultado em 20 de outubro de 2012 
  11. a b c Sawdey, Evan (23 de novembro de 2009). «Lady Gaga: The Fame Monster < Reviews» (em inglês). PopMatters. Consultado em 20 de outubro de 2012 
  12. a b Hiatt, Brian (21 de outubro de 2009). «Inside The Monster Ball: Lady Gaga Reveals Plans for Ambitious New Tour». Jann Wenner. Rolling Stone (em inglês). ISSN 0035-791X 
  13. Ditzian, Eric (16 de dezembro de 2009). «Lady Gaga Explains Real Meaning Of 'Dance In The Dark'». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 20 de outubro de 2012 
  14. Vena, Jocelyn (25 de novembro de 2009). «Lady Gaga Explains Inspiration Behind Beyonce Collabo, 'Telephone'». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 20 de outubro de 2012 
  15. a b Erlewine, Stephen Thomas (25 de novembro de 2009). «Lady Gaga – The Fame Monster Overview» (em inglês). Allmusic. Rovi Corporation. Consultado em 9 de julho de 2013 
  16. a b Wood, Mikael (23 de novembro de 2009). «Album review: Lady Gaga's The Fame Monster». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2013 
  17. a b Patashnik, Ben (3 de dezembro de 2009). «Album review: Lady Gaga – The Fame Monster (Polydor)». NME (em inglês). IPC Media. Consultado em 9 de julho de 2013 
  18. a b Plagenhoef, Scott (13 de janeiro de 2010). «Album review: Lady Gaga – The Fame Monster» (em inglês). Pitchfork Media. Consultado em 9 de julho de 2013 
  19. a b Dolan, Jon (18 de novembro de 2009). «The Fame Monster by Lady GaGa». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 9 de julho de 2013 
  20. a b c McCormick, Neil (17 de novembro de 2009). «Lady GaGa: The Fame Monster, CD review». The Daily Telegraph (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2013 
  21. «Metacritic: The Fame Monster» (em inglês). Metacritic. Consultado em 9 de julho de 2013 
  22. Empire, Kitty (22 de novembro de 2009). «Lady Gaga: The Fame Monster». The Guardian (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2013 
  23. Hajibagheri, Sarah (21 de novembro de 2009). «Lady GaGa: The Fame Monster». The Times (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2013 
  24. Modell, Josh (30 de novembro de 2009). «Lady Gaga, The Fame Monster (Cherrytree/Interscope)». Spin (em inglês). SPIN Media LLC. Consultado em 9 de julho de 2013 
  25. Gundersen, Edna (24 de novembro de 2009). «Lady Gaga's 'Fame Monster' is so cool, it's cold». USA Today (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2013 
  26. «21st Annual GLAAD Media Awards –English Language Nominees». Gay & Lesbian Alliance Against Defamation. 20 de fevereiro de 2010. Consultado em 10 de julho de 2013 
  27. Grein, Paul (1º de dezembro de 2010). «Eminem, Lady A Lead Grammy Noms». Yahoo! Music. Yahoo! Inc. Consultado em 10 de julho de 2013 
  28. a b c «53rd annual, Grammy awards: The winners list» (em inglês). The Marquee Blog. CNN. 13 de fevereiro de 2011. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  29. a b c «53rd Annual Grammy Awards nominees list». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. Consultado em 8 de julho de 2013 
  30. a b Vena, Jocelyn (13 de novembro de 2009). «Lady Gaga Is 'Honoring' Fans With Cheaper Fame Monster» (em inglês). MTV Networks. Consultado em 25 de outubro de 2012 
  31. a b c «The Fame Monster Limited Edition USB Drive» (em inglês). LadyGaga.com. 16 de abril de 2010. Consultado em 25 de outubro de 2012 
  32. Lamb, Bill (10 de outubro de 2009). «Lady GaGa Shows Off The Fame Monster Cover Art». About.com (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2012 
  33. Gil Kaufman (2 de outubro de 2009). «New Lady Gaga Track 'Bad Romance' Leaks». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  34. «SHOWstudio presents Alexander McQueen S/S10 Live». A faixa começa a ser reproduzida no evento a partir dos 15:19 do vídeo. SHOWstudio.com. 7 de outubro de 2009. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  35. «iTunes - Música - Bad Romance - de Lady GaGa» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  36. «iTunes - Music - Bad Romance - by Lady GaGa» (em inglês). iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  37. Vena, Jocelyn (9 de novembro de 2009). «Lady Gaga Says 'Bad Romance' Video Is About 'Tough Female Spirit'». MTV (MTV Networks). Consultado em 24 de março de 2013 
  38. Dinh, James (11 de novembro de 2009). «Lady Gaga Fans React To 'Bad Romance' Video». MTV (MTV Networks). Consultado em 24 de março de 2013 
  39. Herrera, Monica (4 de agosto de 2010). «Lady Gaga Earns Record 13 MTV VMA Nominations». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 24 de março de 2013 
  40. a b «Australia Singles Top 50» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  41. «Lady Gaga – Bad Romance (Irish Recorded Music Association)» (em inglês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  42. «Lady Gaga – Bad Romance (Canadian Hot 100)» (em inglês). Canadian Hot 100. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  43. «Lady Gaga – Bad Romance (UK Singles Chart)» (em inglês). UK Singles Chart. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  44. «Lady Gaga – Bad Romance (Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége)» (em inglês). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  45. «'Empire' Entrenched At No. 1 On Billboard Hot 100» (em inglês). Billboard Hot 100. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  46. «Chartifacts – Week Commencing: November 30, 2009 Issue #1031» (PDF). ARIA Charts Pandora.nla.gov.au. 30 de novembro de 2010. Consultado em 24 de março de 2013 
  47. «R&R :: Going For Adds :: CHR/Top 40» (em inglês). Gfa.radioandrecords.com. Consultado em 24 de março de 2013 
  48. «Telephone (The Remixes) (feat. Beyoncé) - Single by Lady Gaga» (em inglês). iTunes Store. Consultado em 24 de março de 2013 
  49. a b c Jason Montogomery (11 de março de 2010). «Lady Gaga Premieres Epic, Outrageous 'Telephone' Video» (em inglês). MTV. Consultado em 24 de março de 2013 
  50. Gil Kaufman (27 de janeiro de 2010). «Lady Gaga Says She Raised $500,000 For Haiti Relief» (em inglês). MTV. Consultado em 24 de março de 2013 
  51. Amy Odell (11 de março de 2010). «The Ten Best Things About Lady Gaga and Beyoncé's 'Telephone' Video» (em inglês). New York. Consultado em 24 de março de 2013 
  52. «2010 Video Music Awards» (em inglês). MTV. Consultado em 24 de março de 2013 
  53. «Australia Singles Top 50» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 24 de março de 2013 
  54. «Lady Gaga – Telephone (Irish Recorded Music Association)» (em inglês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 24 de março de 2013 
  55. «Lady Gaga – Telephone (UK Singles Chart)» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 24 de março de 2013 
  56. Silvio Pietrolungo (25 de março de 2010). «Rihanna Remains Atop Hot 100» (em inglês). Billboard. Consultado em 24 de março de 2013 
  57. Gary Trust (15 de março de 2010). «Lady Gaga, Beyoncé Match Mariah's Record» (em inglês). Billboard. Consultado em 24 de março de 2013 
  58. «Radio Industry News, Music Industry Updates, Arbitron Ratings: 4/20 Mainstream» (em inglês). Friday Morning Quarterback Album Report, Inc. and Mediaspan Online Services. Consultado em 6 de julho de 2013 
  59. «Lady Gaga – Gaga Still Releasing Alejandro In U.S.» (em inglês). Contactmusic.com. 5 de abril de 2010. Consultado em 6 de julho de 2013 
  60. «Lady GaGa Will Release Alejandro As Next Single» (em inglês). MTV (MTV Networks). 6 de abril de 2010. Consultado em 6 de julho de 2013 
  61. Moran, Caitlin (23 de maio de 2010). «Come party with Lady Gaga». The Times (em inglês). Consultado em 6 de julho de 2013 
  62. a b c Montgomery, James (8 de junho de 2013). «Lady Gaga's 'Alejandro' Video: German Expressionism With A Beat!». MTV (MTV Networks). Consultado em 6 de julho de 2013 
  63. «Lady Gaga Goes Topless in New "Alejandro" Vid». Us Weekly (em inglês). Wenner Media LLC. Consultado em 6 de julho de 2013 
  64. Mawuse, Ziegbe (9 de julho de 2010). «Does Lady Gaga's 'Alejandro' Video Go Too Far?» (em inglês). MTV. MTV Networks. Consultado em 6 de julho de 2013 
  65. Montgomery, James (9 de junho de 2010). «Lady Gaga's 'Alejandro' Director Defends Video's Religious Symbolism» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 6 de julho de 2013 
  66. a b «Australia Singles Top 50» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 6 de julho de 2013 
  67. «Lady Gaga – Alejandro (Związek Producentów Audio Video)». Związek Producentów Audio Video. Consultado em 6 de julho de 2013 
  68. «Lady Gaga – Alejandro (IFPI Česká Republika)» (em inglês). IFPI Česká Republika. Consultado em 6 de julho de 2013 
  69. «Lady Gaga – Alejandro (IFPI Slovenská Republika)» (em inglês). IFPI Slovenská Republika. Consultado em 6 de julho de 2013 
  70. Caulfield, Keith (20 de maio de 2010). «Chart Moves: Lady Gaga, 'Glee,' Usher, Eminem and More». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 6 de julho de 2013 
  71. «iTunes - Music - Dance In the Dark - Single by Lady GaGa» (em inglês). iTunes Store. Consultado em 8 de julho de 2013 
  72. «Lady Gaga – Dance In The Dark». Peer Group Media. The Music Network (em inglês) (797). Consultado em 8 de julho de 2013 
  73. «'Dance In The Dark', le nouveau single de Lady Gaga» (em inglês). Universal Music France. 25 de agosto de 2010. Consultado em 8 de julho de 2013 
  74. «Lady Gaga – Dance in the Dark (IFPI Slovenská Republika)» (em inglês). IFPI Slovenská Republika. Consultado em 8 de julho de 2013 
  75. «Single (track) Top 10 lista – November 30, 2009» (em inglês). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 8 de julho de 2013 
  76. «Lady Gaga – Dance in the Dark (IFPI Česká Republika)» (em inglês). IFPI Česká Republika. Consultado em 8 de julho de 2013 
  77. «Australia Singles Top 50» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 8 de julho de 2013 
  78. «Lady Gaga – Dance in the Dark (Bubbling Under Hot 100)» (em inglês). Bubbling Under Hot 100. Consultado em 8 de julho de 2013 
  79. Pickman, Jonathan (5 de outubro de 2009). «Lady Gaga Fights Madonna, Debuts "Bad Romance" on "Saturday Night Live"». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  80. Tamar Anita (3 de novembro de 2009). «Lady Gaga On MTV's 'It's On With Alexa Chung' -- See The Photos And Watch The Interviews!». MTV Buzzworthy (em inglês). Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  81. «So that's what she looks like! Lady Gaga reveals her face in a rare mask and hat-free appearance». Daily Mail (em inglês). 9 de novembro de 2009. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  82. Vena, Jocelyn (16 de novembro de 2009). «Lady Gaga Is 'Fantastic Creature,' Say Fellow Celebs». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  83. Vena, Jocelyn (17 de novembro de 2009). «Lady Gaga Performs 'Bad Romance' In 'Gossip Girl' Cameo». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  84. Kung, Michelle (22 de novembro de 2009). «American Music Awards 2009: Adam Lambert, Lady Gaga Dazzle». The Wall Street Journal (em inglês). Dow Jones & Company. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  85. Dinh, James (22 de novembro de 2009). «Lady Gaga Brings S&M 'Bad Romance' To 'Jay Leno Show'». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  86. Vena, Jocelyn (22 de novembro de 2009). «Lady Gaga Tells Fans 'It's OK' To Be A Freak». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  87. Press, Associated (15 de janeiro de 2010). «Lady Gaga Performs on 'Oprah,' Pledges Support to Haiti». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  88. Smith, Elizabeth (1º de fevereiro de 2010). «Elton John gets dirty with Lady Gaga as they duet at the Grammys». Daily Mail (em inglês). Associated Newspapers. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  89. Sexton, Paul (17 de fevereiro de 2010). «Lady Gaga Honors Alexander McQueen at Brit Awards». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 3 de janeiro de 2013 
  90. Kreps, Daniel (11 de novembro de 2009). «"Fame Kills Starring Kanye West and Lady Gaga" Tour: First Dates». Jann Wenner. Rolling Stone (em inglês) 
  91. Montogomery, James (1º de outubro de 2009). «Kanye West/ Lady Gaga's Fame Kills Tour Canceled». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 4 de janeiro de 2013 
  92. Herrera, Monica (15 de outubro de 2009). «Lady Gaga Announces 'The Monster Ball'». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 4 de janeiro de 2013 
  93. Hiatt, Brian (21 de outubro de 2009). «Inside The Monster Ball: Lady Gaga Reveals Plans for Ambitious New Tour». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. ISSN 0035-791X. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  94. «Lady Gaga's Monster Ball Tour: The Concept». MTV (em inglês). MTV Networks. 4 de novembro de 2009. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  95. a b Dinh, James (18 de fevereiro de 2010). «Lady Gaga Dishes On Revamped Monster Ball Tour». MTV (em inglês). MTV Networks. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  96. Harrington, Jim (14 de dezembro de 2009). «Review: Lady Gaga thrills S.F. crowd with strange, sexy show». San Jose Mercury News (em inglês). MediaNews Group. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  97. Stevenson, Jane (29 de novembro de 2009). «Lady Gaga puts on a Monster show». Toronto Sun (em inglês). Sun Media Corporation. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  98. Powers, Ann (13 de dezembro de 2012). «Frank talk with Lady Gaga». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  99. Brown, Helen (17 de dezembro de 2010). «Live Music Reviews: Lady Gaga, O2, review». The Daily Telegraph (em inglês). Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  100. «Lady Gaga bares her 'Teeth,' 'Poker Face». Boston Herald (em inglês). Herald Media Ltd. 2 de dezembro de 2009. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  101. a b «The Fame Monster (Explicit)» (em inglês). iTunes Apple. Consultado em 26 de outubro de 2012  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "Explicit_Version" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  102. «iTunes - Music - The Fame Monster Videos by Lady GaGa» (em inglês). Itunes Apple. 7 de maio de 2010. Consultado em 26 de outubro de 2012 
  103. a b Pietrolungo, Silvio (2 de dezembro de 2009). «Susan Boyle Sees Dream Soar To No. 1 On Billboard 200». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 11 de julho de 2013 
  104. Grein, Paul (2 de dezembro de 2009). «Week Ending Nov. 29, 2009: Women Take Charge». Yahoo!. Consultado em 11 de julho de 2013 
  105. a b «Lady Gaga – The Fame Monster (Dance/Electronic Albums)» (em inglês). Dance/Electronic Albums. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  106. a b «Searchable Database – RIAA – Lady Gaga» (em inglês). RIAA. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  107. a b «Lady Gaga – The Fame Monster (Canadian Albums Chart)» (em inglês). Canadian Albums Chart. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  108. a b c «Lady Gaga – The Fame Monster» (em inglês). Hung Medien. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  109. a b «ARIA Charts - Accreditations - 2010 Albums» (em inglês). ARIA. Consultado em 28 de março de 2012 
  110. a b «Lady Gaga – The Fame Monster (Oricon)» (em inglês). Oricon. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  111. a b «Lady Gaga – The Fame Monster (Media Control Charts)» (em inglês). Media Control Charts. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  112. a b «Lady Gaga – The Fame Monster (Hrvatska diskografska udruga)» (em inglês). Hrvatska diskografska udruga. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  113. a b «Lady Gaga – The Fame Monster (Irish Albums Chart)» (em inglês). Irish Albums Chart. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  114. a b «Lady Gaga – The Fame Monster (Związek Producentów Audio Video)». Związek Producentów Audio Video. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  115. «2009-12-05 Top 40 Official UK Albums Archive» (em inglês). UK Albums Chart. Consultado em 11 de julho de 2013 
  116. a b «Lady Gaga – The Fame Monster (UK Albums Chart)» (em inglês). UK Albums Chart. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  117. «2010-03-27 Top 40 Official UK Albums Archive» (em inglês). UK Albums Chart. Consultado em 11 de julho de 2013 
  118. «2010-04-17 Top 40 Official UK Albums Archive» (em inglês). UK Albums Chart. Consultado em 11 de julho de 2013 
  119. a b «IFPI Platinum Europe Awards - 2010» (em inglês). IFPI. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  120. «Lady Gaga – The Fame Monster (Ö3 Austria Top 40)» (em inglês). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  121. «Lady Gaga – The Fame Monster (Ultratop 50)» (em inglês). Ultratop 50. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  122. «Lady Gaga – The Fame Monster (Ultratop 40)» (em inglês). Ultratop 40. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  123. «Lady Gaga – The Fame Monster (Associação Brasileira dos Produtores de Discos)» (em inglês). Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  124. «Lady Gaga – The Fame Monster (Hitlisten)» (em inglês). Hitlisten. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  125. «Lady Gaga – The Fame Monster (Productores de Música de España)» (em inglês). Productores de Música de España. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  126. «Lady Gaga – The Fame Monster (IFPI Finlândia)» (em inglês). IFPI Finlândia. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  127. «Lady Gaga – The Fame Monster (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  128. «Lady Gaga – The Fame Monster (IFPI Grécia)» (em inglês). IFPI Grécia. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  129. «Lady Gaga – The Fame Monster (Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége)» (em inglês). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  130. «Lady Gaga – The Fame Monster (Federazione Industria Musicale Italiana)» (em inglês). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  131. «Lady Gaga – The Fame Monster (VG-lista)» (em inglês). VG-lista. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  132. «Lady Gaga – The Fame Monster (Recording Industry Association of New Zealand)» (em inglês). Recording Industry Association of New Zealand. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  133. «Lady Gaga – The Fame Monster (MegaCharts)» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  134. «Lady Gaga – The Fame Monster (IFPI Česká Republika)» (em inglês). IFPI Česká Republika. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  135. «Lady Gaga – The Fame Monster (Sverigetopplistan)» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  136. «Lady Gaga – The Fame Monster (Schweizer Hitparade)» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 27‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  137. «ARIA Charts: Year End: Top 100 Albums 2009» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  138. «Album 2009 Top-100» (em inglês). Hitlisten. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  139. «Myydyimmät ulkomaiset albumit vuonna 2009» (em inglês). IFPI. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  140. «Best of 2009: Irish Albums Chart» (em inglês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  141. «Årslista Albums – År 2009» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  142. «ARIA Charts: Year End: Top 100 Albums 2010» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  143. «Jaaroverzichten 2010 (Flanders)» (em inglês). Ultratop. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  144. «Ultratop Belgian Charts» (em inglês). Ultratop. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  145. «Charts Year End: Canadian Albums Chart» (em inglês). Billboard. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  146. «Album 2010 Top-100» (em inglês). Hitlisten. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  147. «Best of 2010: Top Billboard 200» (em inglês). Billboard. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  148. «Best of 2010: Top Dance/Electronic Albums» (em inglês). Billboard. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  149. «Myydyimmät levyt – 2010» (em inglês). IFPI. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  150. «Italian Annual Top 100 Download Chart» (em inglês). Federazione Industria Musicale Italiana. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  151. «アルバム 年間ランキング-ORICON STYLE ランキング» (em inglês). Oricon. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  152. «Jaaroverzichten 2010» (em inglês). MegaCharts. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  153. «ARIA Charts: Year End: Top 100 Albums 2011» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  154. «2011 Year End Charts – Dance/Electronic Albums» (em inglês). Billboard. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  155. «Classement Albums - année 2011» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  156. «2011 Year End Charts – Oricon CD Albums Top 100» (em inglês). Oricon. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  157. «Årslista Album – År 2011» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 21‎ de ‎dezembro de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  158. «Gold & Platinum Albums 2010» (em inglês). Ultratop. Hung Medien. 14 de outubro de 2010. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  159. «Certificações (Brasil) – Lady Gaga». Associação Brasileira dos Produtores de Discos. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  160. «IFPI Middle East Awards – 2010». International Federation of the Phonographic Industry. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  161. «CERTIFICERINGER» (em inglês). IFPI Dinamarca. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  162. «Musiikkituottajat - Tilastot - Kulta- ja platinalevyt» (em inglês). IFPI. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  163. «Double Platinum certifications Albums – 2009» (em inglês). SNEP. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  164. «Greek Foreign Albums Chart». IFPI Greece. 5 de fevereiro de 2010. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  165. «GFK Certificazioni Album e Compilation» (PDF) (em inglês). FIMI. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  166. «Japan sales certification in March, 2011» (em jp). Recording Industry Association of Japan. 9 de dezembro de 2010. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  167. «Oficjalna Lista Sprzedazy» (em polaco). OLiS. 31 de janeiro de 2010. Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  168. «Gold & Platinum Cert 2010» (em sami do norte). Consultado em 29‎ de ‎outubro‎ de ‎2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  169. «The Monster – Lady Gaga» (em jp). Universal Music. 18 de novembro de 2009. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  170. «The Monster (Deluxe)». iTunes (em italiano). 18 de novembro de 2009. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  171. «The Fame Monster (Deluxe Edt.): (Amazon.de)» (em alemão). Amazon. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  172. «The Fame Monster» (em inglês). ladygaga.com.au. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  173. «The Fame Monster – Lady GaGa (Mimix Chile)» (em espanhol). Mimix.cl. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  174. «The Fame Monster – Lady GaGa (iTunes)». iTunes (em inglês). Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  175. «The Fame Moster 2 Disc». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. 23 de novembro de 2009. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  176. «The Fame Monster: Amazon.uk» (em inglês). Amazon. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  177. «Fame Monster: Amazon.ca» (em inglês). Amazon. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  178. «THE FAME MONSTER (2CDS)». Musimundo (em espanhol). 23 de novembro de 2009. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  179. «The Fame Monster» (em inglês). HMV Group. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  180. «Lady Gaga estrenó The Fame Monster» (em espanhol). El Espectador. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  181. «Lady Gaga Releases Brand New Album on November 23» (em inglês). Interscope Records. 15 de dezembro de 2009. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  182. «The Fame Monster Australia» (em inglês). iTunes. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  183. «Lady Gaga – The Fame Monster (CD, Album, Exp) at Discogs» (em inglês). Discogs. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  184. «Lady Gaga: The Fame Monster» (em chamorro). Amazon.cn. 1º de fevereiro de 2010. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  185. «The Fame Monster (Explicit)» (em jp). Discogs. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  186. «Italian release of The Fame Monster» (em italiano). IBS.it. 8 de junho de 2010. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  187. «Lady Gaga: The Fame Monster (8-Track)» (em alemão). Amazon.cn. 22 de outubro de 2010. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  188. «Lady Gaga: The Fame Monster (8-Track)». bravado.de. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  189. «CD LADY GAGA, FAME MONSTER». CDGO. 25 de outubro de 2010. Consultado em 24 de janeiro de 2013 
  190. «Lady Gaga: The Fame Monstermp3» (em alemão). Amazon.de. 20 de novembro de 2010. Consultado em 19 de janeiro de 2013