Marilyn Monroe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: "Marilyn" redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Marilyn (desambiguação).
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Marilyn Monroe (desambiguação).
Marilyn Monroe
Marilyn Monroe em 1952.
Nome completo Norma Jeane Mortenson
Outros nomes Norma Jeane Baker
Nascimento 1 de junho de 1926
Los Angeles, Califórnia
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americana
Morte 5 de agosto de 1962 (36 anos)
Los Angeles, Califórnia
Ocupação Atriz, modelo
Atividade 1945–1962
Cônjuge James Dougherty (1942–1946)
Joe DiMaggio (1954–1955)
Arthur Miller (1956–1961)
Assinatura Marilyn Monroe Signature.svg
Globos de Ouro
Melhor Atriz – Comédia ou Musical
1959 – Some Like It Hot
Página oficial
IMDb: (inglês)

Marilyn Monroe (nascida Norma Jeane Mortenson, 1 de junho de 19265 de agosto de 1962) foi uma atriz e modelo norte-americana. Famosa por interpretar personagens conhecidos como "loira burra", ela se tornou um dos sex symbols mais populares da década de 1950, época emblemática em relação às atitudes envolvendo sexualidade. Apesar de sua carreira ter durado apenas uma década, seus filmes arrecadaram mais de duzentos milhões de dólares até sua morte inesperada em 1962. Desde então, ela continua sendo considerada um grande ícone da cultura popular.

Nascida e criada em Los Angeles, Monroe passou a maior parte de sua infância em lares adotivos e um orfanato, além de ter casado pela primeira vez com apenas dezesseis anos. Enquanto trabalhava numa fábrica que ajudava na Segunda Guerra Mundial em 1944, ela conheceu um fotógrafo e iniciou uma carreira bem-sucedida de modelo pin-up. Seus trabalhos renderam-lhe dois contratos de filmes de curta duração com a 20th Century Fox (1946-1947) e Columbia Pictures (1948). Após uma série de papéis em filmes pequenos, assinou um novo contrato com a Fox. Rapidamente se tornou uma atriz popular com papéis em diversas comédias, incluindo As Young As You Feel (1951) e Monkey Business (1952), além dos dramas Clash by Night (1952) e Don't Bother to Knock (1952). Nesta época, Monroe causou escândalo quando foi descoberto que havia posado para fotos nuas antes de se tornar atriz, mas a história aumentou o interesse pelos seus filmes.

Em 1953, Monroe foi uma das estrelas de Hollywood mais bem sucedidas, ocupando papéis principais em três filmes; o noir Niagara, que incidiu sobre o seu sex appeal, e as comédias Gentlemen Prefer Blondes e How to Marry a Millionaire, que estabeleceram sua imagem como uma "loira burra". Embora ela tenha desempenhado um papel significativo na criação e gestão de sua própria imagem pública, estava decepcionada por ter sido estereotipada e mal paga pelo estúdio. Ela foi brevemente suspensa no início de 1954 por recusar um projeto de filme, mas voltou a estrelar num dos maiores sucessos de bilheteria de sua carreira, The Seven Year Itch (1955). Quando o estúdio estava relutante em mudar o seu contrato, Monroe fundou uma empresa de produção cinematográfica, a Marilyn Monroe Productions (MMP). Ainda em 1955, dedicou-se à construção da sua própria empresa e começou a estudar método de interpretação no Actors Studio. Logo em seguida, a Fox deu-lhe um novo contrato, o que lhe trouxe mais controle e um salário maior. Depois do seu desempenho aclamado pela crítica em Bus Stop (1956) e atuando na primeira produção independente de MMP, The Prince and the Showgirl (1957), ganhou o Globo de Ouro de Melhor Atriz por Some Like It Hot (1959). Seu último filme completo foi o drama The Misfits (1961).

A vida privada e conturbada de Monroe recebeu muita atenção. Durante a sua carreira, lutou contra o vício, depressão e ansiedade. Além disso, teve dois casamentos altamente divulgados; com o jogador de beisebol Joe DiMaggio e com o dramaturgo Arthur Miller, ambos terminando em divórcio. A atriz também provocou controvérsia por ter sido amante do então presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy. Ela morreu aos 36 anos de uma overdose de barbitúricos na sua casa, em Los Angeles, no dia 5 de agosto de 1962. Embora a sua morte seja considerada como um provável suicídio, várias teorias conspiratórias têm aparecido nas décadas seguintes a sua morte.

Vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Infância e primeiro casamento (1926–1944)[editar | editar código-fonte]

Monroe durante os seus primeiros meses de vida.

Marilyn Monroe nasceu como Norma Jeane Mortenson no dia 1 de junho de 1926, a terceira filha de Gladys Pearl Monroe (1902–1984).[1] Os irmãos mais velhos de Monroe eram Robert (1917–1933) e Berniece (1919),[2] frutos do primeiro casamento de sua mãe com John Newton Baker, em 1917.[3]Após o divórcio, Baker levou as crianças com ele para Kentucky.[3]Monroe não sabia que tinha uma irmã até ter completado doze anos de idade, conhecendo-a apenas depois de adulta.[4] Gladys então se casou novamente, desta vez com Edward Martin Mortensen em 1924, mas eles acabaram se separando depois de apenas alguns meses juntos e antes de ela ter ficado grávida de Marilyn; o divórcio foi finalizado em 1928.[5] A identidade do pai biológico de Monroe é desconhecida.[6][n 1] Durante sua infância, Mortensen e Baker foram usados como seus sobrenomes.[11]

Naquela época, Gladys estava mentalmente e financeiramente despreparada para cuidar de um filho; assim sendo, Monroe foi levada por pais adotivos após o seu nascimento, Albert e Ida Bolender, para Hawthorne, na Califórnia.[12]Os Bolenders eram cristãos evangélicos e criaram seus filhos adotivos de acordo com a religião.[13]Inicialmente, Gladys viveu com a família para cuidar da própria filha em seus primeiros meses de vida; entretanto, após os turnos de seu trabalho se intensificarem, ela foi obrigada a voltar para Hollywood, no início de 1927.[14]Logo em seguida, ela começou a visitar sua filha apenas nos fins de semana, planejando levá-la de volta com ela assim que a sua condição se estabilizasse.[15] Gladys conseguiu fazê-lo em junho de 1933, e mais tarde, naquele verão, comprou uma pequena casa próxima do Hollywood Bowl, que dividia com inquilinos, os atores George e Maude Atkinson.[16]No entanto, alguns meses depois, no inicio de 1934, a mãe de Monroe teve um colapso mental e foi hospitalizada.[17] Ela foi diagnosticada com esquizofrenia paranoide.[18] Desde então, Gladys passou o resto de sua vida dentro de hospitais e teve apenas contatos ocasionais com Monroe.[19]

"Quando eu tinha cinco anos, eu acho, foi quando eu comecei a querer me tornar uma atriz. Eu gostava de brincar. Eu não gostava do mundo em torno de mim, porque era algo desagradável, eu gostava de brincar de casinha. Era como se você pudesse fazer seus próprios limites... Quando eu soube que estava atuando, eu disse que era o que eu queria fazer. Algumas das minhas famílias adotivas usavam o cinema para me tirar de casa, e lá estava eu sentada na frente daquela tela grande, sozinha, eu adorava.[20]

—Monroe em uma entrevista para a Life, em 1962

Monroe foi declarada sob a guarda do Estado e uma das amigas de sua mãe, Grace McKee Goddard, assumiu a responsabilidade por ela e por assuntos relacionados com a sua mãe.[21]Ela viveu com os Atkinsons até junho de 1935; contando mais tarde que foi abusada sexualmente por um deles quando tinha oito anos.[22][n 2] Viveu então brevemente com Grace e seu marido, Erwin "Doc" Goddard, e duas outras famílias,[28]até ser colocada num orfanato em setembro de 1935.[29]Grace tornou-se sua guardiã legal no ano seguinte, e levou-a do orfanato em 1937.[30] Morou com os Goddards até ao final desse ano, quando Doc a molestou.[31]Em seguida, foi levada para morar com parentes e amigos de Grace em Los Angeles e Compton.[32] Monroe só encontrou um lar permanente em setembro de 1938, quando foi viver com a tia de Grace, Ana Atchinson Lower, no oeste de Los Angeles.[33] Devido a problemas de saúde de Lower, Monroe voltou a viver com os Goddards em Van Nuys, no final de 1940 ou início de 1941.[34]

No início de 1942, a empresa onde Doc Goddard trabalhava obrigou-o a mudar-se para a Virgínia Ocidental.[35]Entretanto, as leis da Califórnia impediam que os Goddards levassem Monroe para fora do estado, e ela teria que enfrentar a possibilidade de voltar para o orfanato.[35]Como solução, ela teve que se casar com o filho de um dos vizinhos, James Dougherty, que na época tinha 21 anos e trabalhava na Lockheed Corporation.[36] Os biógrafos não sabem se eles já haviam namorado antes ou se o casamento foi inteiramente arranjado por Grace.[37] O matrimônio aconteceu em 19 de junho de 1942, logo após Monroe ter completado dezesseis anos, fazendo-a abandonar a escola.[36] Ela não gostava de ser dona de casa, e mais tarde afirmou que o "casamento não a deixou triste, mas também não a fez feliz".[38] "Meu marido e eu quase não conversávamos. Isso não acontecia porque estávamos sempre com raiva, nós só não tínhamos nada a dizer. Eu morria de tédio", completou.[38] Em 1943, Dougherty alistou-se na Marinha.[39] Inicialmente, ele foi chamado para servir na Ilha de Santa Catalina, onde permaneceu até ser levado para o Oceano Pacífico em abril de 1944 e continuou longe de casa durante dois anos.[40] Depois de Dougherty ter ido para o Pacífico, Monroe foi morar com os pais dele, e começou a trabalhar numa fábrica que auxiliava à Segunda Guerra Mundial.[39]

Modelagem e primeiros papéis (1945–1949)[editar | editar código-fonte]

Monroe fotografada enquanto ela ainda trabalhava numa fábrica, no final de 1944.

No final de 1944, Monroe conheceu o fotógrafo David Conover, que tinha sido enviado pela First Motion Picture Unit (FMPU) das Forças Aéreas do Exército dos Estados Unidos para a fábrica, com o intuito de fotografar imagens moralizadoras de trabalhadoras, do sexo feminino.[41]Embora nenhuma das suas imagens tenham sido usadas, ela parou de trabalhar na fábrica em janeiro de 1945 e começou a modelar para Conover e para os seus conhecidos.[42]Durante o trabalho de modelo, usava ocasionalmente o nome Jean Norman, tendo cabelos encaracolados e escuros, pintou-os de loiro para atrair mais a atenção dos publicitários.[43]Como a sua figura foi considerada mais adequada para modelagem pin-up, ela foi empregada principalmente em propagandas e revistas direcionadas para o público masculino.[44]De acordo com Emmeline Snively, que comandava a agência Blue Book Model, ela era uma de suas modelos mais trabalhadoras; até à Primavera de 1946, havia aparecido em 33 capas de revistas.[45]

Impressionada com o seu sucesso, Snively arranjou-lhe um contrato com uma agência de atrizes em junho de 1946.[46]Através desta agência ela conheceu Ben Lyon, um executivo da 20th Century-Fox, que lhe providenciou um teste de tela. O executivo principal, Darryl F. Zanuck, demonstrou apatia quanto a isso,[47]porém, foi persuadido a dar-lhe um contrato de seis meses para evitar que Monroe fosse trabalhar com o estúdio rival, RKO Pictures, cujo proprietário Howard Hughes havia manifestado interesse após vê-la na capa de uma revista.[48]Ela começou o contrato em agosto de 1946 e juntamente com Lyon, selecionou o nome artístico de "Marilyn Monroe".[49]O primeiro foi escolhido por Lyon, que retirou o nome de Marilyn Miller, uma estrela da Broadway, enquanto Monroe foi retirado do sobrenome de solteira de sua mãe.[49]Em setembro de 1946, ela divorciou-se de Dougherty para poder concentrar-se totalmente na sua carreira de atriz.[50]

Monroe em uma foto publicitária tirada quando ela havia assinado contrato com a 20th Century-Fox em 1947.

Monroe não tinha papéis no cinema durante os seus primeiros meses de contrato, então dedicou seus dias a aulas de teatro, canto e dança.[51]Ansiosa por aprender mais sobre a indústria do cinema, também passou parte de seu tempo dentro dos estúdios de gravação, observando como os outros atores trabalhavam.[52]Seu contrato foi renovado em fevereiro de 1947, e durante a Primavera desse ano recebeu os seus dois primeiros papéis: nove linhas de diálogo como garçonete no drama Dangerous Years (1947) e uma fala na comédia Scudda Hoo! Scudda Hay! (1948).[53][n 3]O estúdio também a matriculou no Actors' Laboratory Theatre, uma escola de atores, para aprender as técnicas de Group Theatre.[55]O contrato de Monroe não foi renovado em agosto de 1947, e voltou a modelar.[56]Entretanto, continuou tendo aulas no Actor's Lab, e em outubro apareceu como uma mulher fatal no curta Glamour Preferred, mas esta produção não obteve qualquer tipo de divulgação.[57]

Monroe conseguiu o seu segundo contrato em março de 1948, desta vez com a Columbia Pictures.[58]De acordo com alguns biógrafos, este contrato foi arranjado pelo seu amante, o executivo da Fox, Joseph M. Schenck, amigo pessoal do chefe executivo da Columbia, Harry Cohn.[59]Em seu novo estúdio, Monroe começou a trabalhar com a chefe dos treinadores de drama, Natasha Lytess, que permaneceu sua mentora até 1955.[58]Ela realizou algumas mudanças em relação à aparência de Marilyn, dentre essas estava seu cabelo, que foi pintado de loiro platinado.[58]Seu único filme no estúdio foi Ladies of the Chorus (1948), no qual ela teve o seu primeiro papel principal, onde interpretava uma cantora de coro que era cortejada por um homem rico.[54]Durante a produção, ela teve um caso com o seu treinador vocal, Fred Karger, que pagou uma correção aos seus dentes.[60]Apesar de fazer um papel principal, o contrato de Monroe não foi renovado.[61]Ladies of the Chorus foi lançado em outubro e não obteve sucesso comercial.[62]

Em setembro de 1948, após o encerramento de seu contrato com a Columbia, Monroe tornou-se a protegida de Johnny Hyde, vice-presidente da William Morris Agency (WMA).[63]Ele começou a representar seus interesses e o relacionamento entre os dois logo se tornou sexual, embora ela tenha recusado suas propostas de casamento.[64]Com o objetivo de alavancar a carreira de Monroe, ele pagou-lhe uma prótese de silicone para ser implantada na sua mandíbula e, possivelmente, uma rinoplastia, além de organizar um papel no filme Love Happy (1950).[65]Embora a sua aparição tenha sido pequena, ela foi escolhida para participar da turnê promocional da produção.[66]Monroe também continuou modelando, e em maio de 1949, ela posou nua em uma sessão para o fotógrafo Tom Kelley.[67]

Avanço no cinema (1950–1952)[editar | editar código-fonte]

Monroe durante o filme The Asphalt Jungle (1950), uma de suas primeiras interpretações notada pelos críticos.

Monroe apareceu em outros cinco filmes lançados em 1950. Ela teve papéis pequenos em A Ticket to Tomahawk, Right Cross e The Fireball, além de fazer aparições em dois filmes aclamados pela crítica; The Asphalt Jungle de John Huston e All About Eve de Joseph L. Mankiewicz.[68]No primeiro, Monroe interpretava Angela, uma jovem amante de um velho criminoso.[69]Embora tenha aparecido apenas cinco minutos, ela ganhou uma menção na revista Photoplay e, de acordo com o biógrafo Donald Spoto, isso "mudou efetivamente a sua imagem de modelo para a de uma atriz séria".[69]Em All About Eve, na qual ela contracenou diretamente com Bette Davis, interpretava a senhorita Caswell, uma jovem ingênua.[70]

Depois do sucesso de Monroe nestes papéis, Hyde negociou um contrato de sete anos para ela com a 20th Century Fox, em dezembro de 1950.[71]Ele morreu de ataque cardíaco alguns dias depois, deixando-a devastada.[72]Apesar da sua tristeza, o ano seguinte acabou por ser uma época em que começava a ganhar mais visibilidade. Em março, foi apresentadora na 23ª edição do Oscar, e em setembro, a Collier's foi a primeira revista nacional a publicar um perfil completo sobre ela.[73]Ela teve papéis coadjuvantes em quatro filmes de baixo orçamento lançado em 1951; no drama da Metro-Goldwyn-Mayer, Home Town Story, e nas comédias moderadamente bem-sucedidas da Fox, As Young As You Feel, Love Nest e Let's Make It Legal.[74]Embora, de acordo com Spoto, todos os quatro filmes a destacam como um "essencial ornamento sexy", recebeu alguns elogios da crítica especializada, com Bosley Crowther do The New York Times descrevendo-a como "excelente", e com Ezra Goodman do Los Angeles Daily News chamando-a "uma das mais brilhantes atrizes iniciantes" naquela época.[75][74]Para desenvolver as suas habilidades de atuação, começou a ter aulas com Mikhail Chekhov.[76]Sua popularidade com o público também foi aumentando; começou a receber milhares de cartas de fãs por semana e foi apontada pelo jornal do exército americano, Stars and Stripes, a mulher mais desejada pelos soldados durante a Guerra da Coreia.[77] Na sua vida privada, Monroe estava num relacionamento com o diretor Elia Kazan.[78]

No segundo ano de contrato, Monroe tornou-se a atriz que era apontada como a razão para o sucesso de bilheteria nos filmes onde atuava, sendo considerada uma it girl e descrita por Hedda Hopper como a "rainha do pin-up" que se tornou a "dona das bilheterias".[79][80]Em fevereiro, graças ao sucesso de público em seus filmes, foi premiada pela Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood,[81]além de ter iniciado um romance altamente divulgado com o jogador de beisebol do New York Yankees, Joe DiMaggio, uma das mais famosas personalidades do esporte da época.[82][83]No mês seguinte, causou escândalo quando revelou que havia posado nua para fotos em 1949, apresentadas em calendários.[84]Para conter efeitos negativos na sua carreira, o estúdio publicou que só havia posado pois estava numa situação financeira difícil .[84][85] A estratégia conseguiu fazer com que a simpatia do público aumentasse a seu respeito, causando interesse nos seus filmes.[86]Em abril de 1952, foi destaque na capa da revista Life.[87] Monroe conseguiu adicionar à sua reputação, a imagem de sex symbol quando usou um vestido revelador durante o desfile da Miss América e depois de afirmar ao colunista Earl Wilson que normalmente não usava roupas íntimas.[88]

Monroe com Richard Widmark durante as filmagens de Don't Bother to Knock.

Durante o verão de 1952, Monroe apareceu em três filmes de sucesso comercial.[89] O primeiro foi o drama de Fritz Lang, Clash by Night, onde ela interpretava um papel atípico como funcionária de uma fábrica de conservas de peixe.[90] Graças a esse papel, Monroe recebeu críticas positivas pela atuação. O The Hollywood Reporter afirmou que "ela merece destaque pela sua excelente interpretação", enquanto a Variety apontava que a artista "tem uma facilidade de entrega que faz dela um alvo fácil para a popularidade".[90][91] Em seguida, estrelou como concorrente de um concurso de beleza na comédia We're Not Married!, e como babá mentalmente pertubada no suspense Don't Bother to Knock. Apesar do papel ter sido desenvolvido exclusivamente para ela,[92]este foi recebido com opiniões divididas da crítica especializada, com alguns julgando-a inexperiente demais para o difícil papel,[93] enquanto outros culpavam os problemas presentes no roteiro.[94] Seu trabalho seguinte foi como secretária de Cary Grant em Monkey Business, dirigida por Howard Hawks. Lançado em outubro de 1952, foi o primeiro filme a apresentá-la como uma "loira burra, inocente e inconsciente dos estragos que a sua sensualidade provocava ao seu redor".[95] O último filme de Monroe naquele ano foi O. Henry's Full House, no qual teve um papel pequeno interpretando uma prostituta.[95]

Durante este período, Monroe ganhou a reputação de ser difícil de trabalhar nos estúdios de filmagem, o que piorou conforme a sua carreira progredia. Frequentemente chegava atrasada às gravações ou então nem aparecia nos dias marcados; outras vezes não conseguia lembrar-se das falas e exigia que a cena fosse regravada até estar satisfeita com o resultado.[96]Além disso, a dependência que ela tinha com as treinadoras de atuação irritavam os produtores.[97]Os problemas de Monroe podem ser atribuídos a uma combinação de perfeccionismo, baixa auto-estima, medo do palco e o aumento de sua dependência a barbitúricos e anfetaminas para controlar a ansiedade e insônia crônica.[96][98][99] Além disso, medicamentos para ajudar a dormir e fornecer energia não eram incomuns na década de 1950, e foi alegado ser bastante comum na indústria do cinema.[98][99]

Ascensão ao estrelato (1953)[editar | editar código-fonte]

Interpretando Rose Loomis em Niagara (1953), que colocava como destaque o seu sex appeal.

Monroe estreou em três filmes lançados em 1953, além de revitalizar a sua carreira, tornou-a num importante sex symbol e um dos artistas mais rentáveis de Hollywood.[100][101] O primeiro foi o film noir gravado em Technicolor, Niagara, no qual interpretou uma intrigante mulher fatal que planejava assassinar o seu marido, interpretado por Joseph Cotten.[102]Naquela época, Monroe e seu maquiador pessoal, Allan "Whitey" Snyder, tinham desenvolvido um tipo de maquiagem que se tornou muito associado a ela; sobrancelhas arqueadas e escuras, pele pálida e lábios vermelhos e brilhantes.[103]De acordo com historiadores, Niagara foi um dos filmes mais abertamente sexuais da sua carreira, e incluiu cenas em que o seu corpo estava apenas coberto por um lençol ou uma toalha, considerado até então chocante por espectadores contemporâneos.[104]Uma de suas cenas famosas é um trecho onde Monroe é filmada de costas enquanto caminha e balança os quadris, a mesma foi muito utilizada no marketing da obra.[95]

Após a repercussão de Niagara, clubes de mulheres protestaram, alegando que o mesmo era "imoral".[105][106] Entretanto, a Variety revisou e considerou seu roteiro apenas "clichê" e "mórbido", enquanto o The New York Times opinava que "as cataratas e Monroe eram a razão para ver [o filme]" e "mesmo que ela não seja uma atriz perfeita no momento, ela pode ser sedutora, até quando anda".[107][108] A atriz continuou a atrair atenção por onde passava com suas roupas em eventos publicitários, uma das mais comentadas foi a premiação da Photoplay em janeiro de 1953, onde ganhou um prêmio por ser a maior "estrela em ascensão" no cinema.[109] Ela usava um vestido lamê dourado e colado ao corpo, o que fez a veterana Joan Crawford criticá-la na imprensa, descrevendo o seu comportamento como "impróprio para uma atriz e senhora".[110]

Monroe interpretando a canção "Diamonds Are a Girl's Best Friend", no filme Gentlemen Prefer Blondes (1953).

Enquanto Niagara a destacava como uma sex symbol e dona de um olhar provocante, seu segundo filme no ano, Gentlemen Prefer Blondes, uma comédia musical, estabeleceu a imagem da atriz como "loira burra".[111] Com base no romance best-seller do mesmo nome escrito por Anita Loos e adaptado para a Broadway,[112] o filme é centrado em duas showgirls bastante atraentes; Monroe como Lorelei Lee, e Dorothy Shaw interpretada por Jane Russell. Originalmente, o papel de Lorelei foi desenvolvido para Betty Grable, que era a mulher loira mais "popular" da 20th Century-Fox na década de 1940;[113] porém, com o rápido desenvolvimento de Monroe como artista popular, foi ela a escolhida para o papel pois conseguiria o "apelo" tanto do público masculino como do feminino.[114] Como parte da campanha de divulgação da obra, ela e Russell imortalizaram as mãos e pés no concreto no exterior do Grauman's Chinese Theatre, em junho de 1953.[115] Gentlemen Prefer Blondes foi lançado pouco depois e tornou-se um dos maiores sucessos de bilheteria daquele ano, arrecadando mais de 5.3 milhões de dólares, mais do dobro dos custos da sua produção.[116]Bosley Crowther do The New York Times e William Brogdon da Variety responderam favorávelmente ao desempenho de Monroe, especialmente pela sua interpretação na canção "Diamonds Are a Girl's Best Friend".[117] De acordo com Brogdon, ela demonstrou "a capacidade do sexo numa música, bem como apontar os valores de uma cena apenas com a sua presença".[118]

Em setembro de 1953, Monroe estreou na televisão no programa Jack Benny Show, interpretando a "mulher dos sonhos" de Jack no episódio "Honolulu Trip".[119] No seu último filme do ano, How to Marry a Millionaire, ela contracenava com Betty Grable e Lauren Bacall. Lançado em novembro, o filme apresentava Monroe num papel de modelo ingênua que, ao lado de suas amigas, tentavam encontrar maridos ricos, repetindo a fórmula de sucesso de Gentlemen Prefer Blondes.[120] Foi o segundo filme lançado em CinemaScope, que era um formato widescreen que estúdios de cinema esperavam que chamasse a atenção do público de volta aos cinemas, já que naquela época a televisão começava a causar perdas de público.[121] Apesar de críticas mistas, o filme foi o maior sucesso de bilheteria da carreira de Monroe até então, com mais de 8 milhões de dólares.[122]

Em 1953 e 1954, Monroe foi listada como a estrela feminina que mais dinheiro fazia na indústria do cinema e [123] de acordo com o historiador Aubrey Solomon, ela tornou-se o "maior patrimônio" do estúdio 20th Century-Fox, ao lado do próprio CinemaScope.[116] A posição da atriz como um símbolo de liderança feminina foi confirmado quando Hugh Hefner a colocou como destaque da primeira edição da revista Playboy.[124] A imagem escolhida por ele foi uma fotografia dela no desfile de Miss América em 1952, além de ter colocado uma de suas fotos nua de 1949 como página central da mesma revista.[124]

Conflitos e segundo casamento (1954–55)[editar | editar código-fonte]

Monroe durante a famosa cena do vestido voando, presente no filme The Seven Year Itch (1954).

Embora Monroe se tenha tornado uma das maiores estrelas da 20th Century-Fox, o seu contrato não havia mudado desde 1950, o que significava que ela recebia muito menos do que outras atrizes de cinema de sua estatura e não poderia escolher os seus projetos e colegas de trabalho.[125] Naquele ponto da sua carreira, ela também se encontrava cansada de ser estereotipada e estava sempre tentando aparecer em filmes cujos gêneros não fossem comédias ou musicais; porém todas as tentativas eram frustradas.[125] Quando ela se recusou a filmar outra comédia musical, a versão cinematográfica de The Girl in Pink Tights, no qual ela iria contracenar com Frank Sinatra, o estúdio decidiu suspendê-la em 4 de janeiro de 1954.[126][127]

A suspensão foi notícia de primeira página em diversos jornais e Monroe começou imediatamente uma campanha de publicidade para combater qualquer informação negativa a seu respeito e reforçar a sua posição no conflito.[126] Em 14 de janeiro de 1954, ela e Joe DiMaggio, cuja relação tinha sido objeto de constante atenção dos mídia desde 1952, casaram na Prefeitura de São Francisco.[128] Logo em seguida, viajaram até ao Japão, combinando uma lua de mel com uma viagem de negócios.[129] De lá, ela viajou sozinha até à Coreia, onde cantou músicas dos seus filmes como parte de um show, para setenta mil marinheiros norte-americanos durante um período de quatro dias.[130] Em fevereiro, quando voltou a Hollywood, foi premiada pela Photoplay como a atriz mais popular do cinema.[131] Em março do mesmo ano, Monroe e o estúdio chegaram a um acordo, onde ela ganhava um novo contrato, bem como ganharia o papel de protagonista na adaptação da peça da Broadway, The Seven Year Itch, no mesmo ela recebia ainda um bônus de 100 mil dólares.[132]

No mês seguinte, foi lançado um filme que ela havia gravado antes de ser suspensa pelo estúdio, tratava-se de River of No Return, dirigido por Otto Preminger, onde dividia os holofortes com Robert Mitchum. Apesar de não ter gostado do resultado, o projeto foi bem-sucedido pelo público.[133] O primeiro trabalho que ela fez após o retorno foi o musical There's No Business Like Show Business, onde foi forçada a estrelar por não ter gravado The Girl in Pink Tights.[132] Entretanto, o seu desempenho foi duramente criticado, além de ser apontado por muitos como "vulgar".[134] Em setembro de 1954, Monroe começou a filmar a comédia The Seven Year Itch, na qual contracenou com Tom Ewell e interpretou uma mulher que se torna objeto de fantasias sexuais do seu vizinho casado.[135] Embora o filme tenha sido produzido em Hollywood, o estúdio decidiu gerar publicidade antecipada, encenando a filmagem de uma das cenas na Avenida Lexington, em Nova Iorque.[136] Nele, a atriz está em pé sobre uma grade de metrô com ar saindo e levantando o seu vestido.[136] A filmagem durou várias horas e atraiu multidão ao local, incluindo fotógrafos profissionais.[136]

Monroe ao lado do jogador Joe DiMaggio após ambos se casarem, em 1954.

Apesar do golpe publicitário ter colocado Monroe nas páginas de jornais de todo o mundo, ele também marcou o fim de seu casamento com DiMaggio, que se irritou com a exposição e a própria cena.[137] Os autores Spoto e Banner também afirmam que ele era fisicamente abusivo para a atriz.[138] Quando voltou a Hollywood, ela contratou o advogado Jerry Giesler e anunciou que estava pedindo o divórcio em outubro de 1954.[139]The Seven Year Itch foi lançado na mesma época e arrecadou mais de 4.5 milhões de dólares em bilheteria, tornando-se um dos maiores sucessos do verão.[140] Após o fim dos eventos publicitários com o filme, Monroe começou uma nova batalha para controlar a sua carreira, onde ela e o fotógrafo Milton Greene fundaram a sua própria produtora, Marilyn Monroe Productions (MMP), uma ação que pode ter sido o "instrumento" de colapso na relação entre ela e o seu estúdio.[141][142][n 4] Monroe e Greene afirmaram que ela não faria mais parte da Fox, já que o mesmo não cumpriu as promessas de bônus.[144] A batalha legal durou um ano e neste período a atriz foi ridicularizada pela imprensa pela sua atitude.[145]

Ainda em 1955, Monroe dedicou o ano a estudar arte. Ela mudou para Nova Iorque e começou a ter aulas de interpretação com Constance Collier e estudou método de atuação no Actors Studio, cujas aulas eram dirigidas por Lee Strasberg.[146]Ela tornou-se muito próxima de Strasberg e de sua esposa Paula, recebendo ainda aulas particulares em sua casa devido à sua timidez. Logo começou a agir como se fosse membro da família.[147] Além disso, os Strasbergs permaneceram como uma forte influência sobre ela até o fim da sua carreira.[148]Monroe também começou a passar por psicanálise, pois Lee acreditava que um ator deveria enfrentar os seus traumas emocionais e usá-los nas suas interpretações.[149][n 5]

Para se manter no olho do público, Monroe continuou a praticar publicidade de si mesma ao longo do ano.[151][n 6] Na sua vida privada, manteve o seu relacionamento com DiMaggio, mesmo com o processo de divórcio correndo pelos tribunais, além de desenvolver casos com o ator Marlon Brando e o dramaturgo Arthur Miller.[152][153][154] O envolvimento com este último tornou-se cada vez mais forte quando o seu divórcio foi finalizado e Miller se separou de sua esposa.[155] O estúdio temia que Monroe estivesse sujando a sua imagem e pediu que ela terminasse o seu caso com Miller, já que o mesmo estava sendo investigado pela Agência Federal de Investigação (FBI).[156] Ela recusou terminar o relacionamento e ainda criticou os chefes do estúdio na imprensa, chamando-os "covardes natos".[157] No final do ano, Monroe e a Fox chegaram a um acordo definitivo.[158] Ela então ganhou um contrato de sete anos que exigia que fizesse quatro filmes para o estúdio durante os mesmos, prometendo que a cada obra ela receberia mais de 100 mil dólares, teria direito de escolha sobre o conteúdo de seus próprios projetos, diretores e produtores.[159]

Aclamação crítica e terceiro casamento (1956–59)[editar | editar código-fonte]

Monroe com seu terceiro marido, Arthur Miller, cuja união foi fortemente criticada pela imprensa, sendo considerada "incompatível".

Monroe iniciou o ano de 1956 anunciando a vitória contratual sobre a 20th Century-Fox, o que levou a revista Time a chamá-la "uma empresária astuta" numa publicação.[160]Em março, ela muda oficialmente o seu nome para Marilyn Monroe.[161] O seu relacionamento com Arthur Miller recebeu muitos comentários negativos da imprensa,[162] mas a atriz manteve-se firme e acabou casando com ele em White Plains, Nova Iorque, em 29 de junho.[163] Dois dias depois, além de oficializarem a união numa cerimônia judaica, Monroe converteu-se à religião,[163] o que fez o Egito proibir a exibição de todos os seus filmes.[164][n 7]Os mídia reagiram negativamente ao casamento e viram a união como "incompatível", dada a imagem da estrela como uma "loira burra" e a de Miller como um "intelectual".[166][167]

O primeiro filme que Monroe fez sob o seu novo contrato foi Bus Stop, lançado em agosto de 1956. Ela interpretou Chérie, uma cantora de salão cujos sonhos de se tornar uma estrela saem frustrados quando um cowboy ingênuo se apaixona por ela. Para o papel, ela aprendeu o sotaque Ozark,[n 8] e escolheu figurinos e maquiagem que fossem diferentes do glamour de seus filmes anteriores.[169]Joshua Logan, conhecido por dirigir peças da Broadway, concordou em realizar o filme, apesar de duvidar das suas habilidades de atuação e receoso com o comportamento difícil de lidar.[170] As filmagens foram realizadas em Idaho e no Arizona durante a Primavera, e só iniciaram depois que Logan adaptou o seu roteiro de acordo com o perfeccionismo de Monroe, além de deixar que ela executasse a produção do jeito que ela queria.[171][172] Bus Stop tornou-se um sucesso de bilheteria, arrecadando mais de 4.25 milhões de dólares, além de ter recebido críticas favoráveis.[173] Bosley Crowther do The New York Times mostrou-se impressionado com o desempenho de Monroe e proclamou num artigo: "Segurem-se na cadeira todos e preparem-se para uma surpresa chocante pois [Marilyn] Monroe finalmente revelou-se atriz".[174]Graças a opiniões positivas da crítica e do público, a atriz conseguiu ser indicada para o Globo de Ouro de Melhor Atriz – Comédia ou Musical.[81]

Em agosto de 1956, Monroe começou a filmar a primeira e única produção independente pela MMP, The Prince and the Showgirl, no Pinewood Studios, na Inglaterra.[175] A obra é baseada na peça The Sleeping Prince de Terence Rattigan, que fala sobre o caso entre uma showgirl e um príncipe, durante os anos de 1910.[160] Inicialmente, os papéis principais ficariam a cargo de Laurence Olivier e Vivien Leigh, substituída por Monroe.[160] A produção e direção foram completadas por Olivier, o que acabou gerando conflitos diretos com a atriz.[176] Além disso, ele irritou-a quando declarou que "tudo o que ela tinha que fazer era ser sexy".[177] As discussões também aconteciam por Olivier não gostar da constante presença de Paula Strasberg, professora de atuação de Monroe, no estúdio.[178] Em retaliação ao que ela considerava um comportamento "condescendente" de Olivier, a atriz começou a chegar tarde às gravações e tornou-se pouco produtiva.[176] Na mesma época, o seu uso de drogas aumentou e de acordo com historiadores, ela engravidou e sofreu um aborto.[179] Apesar das dificuldades, o filme foi concluído e lançado em junho de 1957. Apesar de ter sido bem recebido pela Europa, e tornou-se impopular tanto pelo público como pela imprensa norte-americana.[180] Com a obra, ela recebeu uma indicação ao prêmio italiano David di Donatello.[181]

Monroe com Tony Curtis em Some Like It Hot (1959), pelo qual ela venceu um Globo de Ouro.

Depois de voltar de Inglaterra, Monroe resolveu fazer uma pausa nos seus trabalhos durante 18 meses para se concentrar na vida de casada.[182] Além disso, durante o verão de 1957, voltou a ficar grávida; porém, por ser uma gravidez ectópica, teve que ser realizado um aborto.[183] Um ano depois, ela sofreu outro aborto espontâneo.[184] Seus problemas ginecológicos foram, em grande parte, causados pela endometriose, uma doença que ela sofreu ao longo da vida adulta.[185][n 9] Durante a pausa, ela também comprou a parte de Milton Greene na MMP, já que eles não conseguiam resolver as suas divergências.[187]

Em julho de 1958, Monroe voltou a Hollywood para atuar ao lado de Jack Lemmon e Tony Curtis na comédia de Billy Wilder, nomeada Some Like It Hot. Embora ela tenha considerado o papel muito semelhante ao estereotipo de "loira burra", ela aceitou devido ao incentivo de Miller e a oferta de receber 10% dos lucros do filme, além de seu salário padrão.[188]Entretanto, muitas dificuldades foram encontradas até ao término. A atriz exigia que as suas cenas fossem regravadas diversas vezes, não se lembrava das falas e os gestos que deveria fazer.[189] Numa entrevista que tornou-se famosa, Curtis afirma que gravou tantas vezes a mesma cena que beijá-la foi como "beijar o Hitler".[190] Muitos dos problemas eram resultados de conflitos com Wilder, que também tinha a reputação de ser difícil.[191] A insegurança de Monroe fez com que o seu medo do palco piorasse, chegando a pedir que Wilder alterasse várias de suas cenas.[192]

Depois de pronto, o resultado da interpretação de Monroe agradou a Wilder, que afirmou: "Qualquer um pode lembrar as falas [de algo], mas é preciso ser um verdadeiro artista para vir a palco sem lembrar nada e ainda ter o desempenho que ela teve".[193] Apesar das dificuldades na produção, quando Some Like It Hot foi lançado em março de 1959, tornou-se um sucesso comercial e da crítica.[181] A atuação de Monroe rendeu-lhe o Globo de Ouro de Melhor Atriz, com a Variety afirmando que ela era "uma comediante que combinava sex appeal e que, simplesmente, não poderia ser batida".[181][194] Além disso, o filme foi eleito um dos melhores já feitos, de acordo com o American Film Institute e o British Film Institute.[195][196]

Últimos filmes e dificuldades (1960–62)[editar | editar código-fonte]

Monroe com Clark Gable e Montgomery Clift em The Misfits (1960). Foi o último filme completo feito por Monroe e Gable.

Após uma pausa até final de 1959, ela voltou a estrelar na comédia musical Let's Make Love, que fala sobre uma atriz e um milionário que se apaixonam quando se apresentam numa peça satírica.[197] Ela escolheu George Cukor para realizar, mas Miller decidiu reescrever todo o roteiro pois havia considerado o resultado final um tanto "fraco".[198] Além disso, a atriz só aceitou fazer parte do elenco porque tinha que continuar o contrato com a Fox, já que tinha feito apenas um filme dos quatro prometidos.[198] Durante o desenvolvimento da obra a sua produção chegou a ser adiada diversas vezes por ausências frequentes de Monroe.[197] Naquela época, ela também teve um caso com Yves Montand, seu par na produção, cujo envolvimento foi amplamente divulgado pela imprensa e usado na campanha publicitária do filme.[199] Após o seu lançamento, em setembro de 1960, Let's Make Love não foi recebido favoravelmente pelo público, tampouco pela crítica.[200] Bosley Crowther do The New York Times notou que a atriz parecia "um pouco desarrumada" e que "faltava... o seu antigo dinamismo",[201] enquanto Hedda Hopper do Chicago Tribune o descrevia como "o filme mais vulgar que ela já fez".[202] Logo em seguida, o escritor Truman Capote estava planejando colocá-la para intepretar Holly Golightly numa adaptação cinematográfica de Breakfast at Tiffany's, mas o papel acabou indo para Audrey Hepburn, já que os produtores temiam que Monroe complicasse a produção.[203]

O último filme concluído por Monroe foi a produção de John Huston, The Misfits, cujo Miller tinha escrito para fornecer a Marilyn um papel dramático.[204] Ela interpretou uma mulher recentemente divorciada que se tornava amiga de três cowboys idosos, interpretado por Clark Gable, Eli Wallach e Montgomery Clift. As filmagens foram realizadas no deserto de Nevada, entre julho e novembro de 1960 e como de costume tiveram complicações.[205]Naquela época, o casamento de quatro anos entre Monroe e Miller havia acabado definitivamente, com ele iniciando um novo relacionamento logo de seguida.[204]Além disso, Monroe não gostava da ideia dele ter baseado o seu papel em partes da sua própria vida e achou que a sua parte no elenco era bastante inferior aos papéis masculinos.[206] Ela também lutava contra o hábito que Miller tinha em reescrever cenas durante a noite antes das filmagens.[207] A saúde de Monroe também complicava o desenvolvimento da trama. Ela sentia dores causadas por pedras na vesícula, e a sua dependência de drogas era tão grave que a maquiagem geralmente tinha que ser aplicada enquanto ela ainda estava sob o efeito de barbitúricos.[208][209]The Misfits só foi lançado em fevereiro de 1961, tornando-se um fracasso de bilheteria.[210] Os comentários também estavam divididos, Bosley Crowther chamou à interpretação de Monroe "completamente em branco e insondável".[211] Apesar das críticas que recebeu na época de seu lançamento, o British Film Institute nomeou-o um "clássico" em 2015.[212]

Monroe em uma de suas últimas sessões para a revista Cosmopolitan, em julho de 1962.

O próximo trabalho de Monroe seria estrelar na adaptação televisiva do conto Rain, escrito por W. Somerset Maugham, para a NBC; porém o projeto não deu certo, pois o canal recusava-se a contratá-la, a escolha do diretor Lee Strasberg.[213] Ao invés de trabalhar, ela passou grande parte do seu ano preocupada com problemas de saúde, sendo submetida a cirurgias para sua endometriose e a uma colecistectomia, além de passar quatro semanas sob os cuidados hospitalares, incluindo um breve período em que passou num hospital psiquiátrico para cuidar de depressão.[214][n 10] Durante este tempo, recebeu a ajuda de seu ex-marido Joe DiMaggio – com quem ela não tinha contato desde a finalização de seu divórcio em 1955, reatando a amizade entre eles.[216] Na Primavera de 1961, Monroe voltou para Los Angeles definitivamente depois de seis anos em Nova Iorque, quando começou um relacionamento com Frank Sinatra.[217]

Monroe voltou aos olhos do público em 1962; recebeu um prêmio especial, pela sua contribuição na indústria do cinema, Globo de Ouro e começou um novo filme para a 20th Century-Fox no final de abril, Something's Got to Give, uma regravação de My Favorite Wife (1940).[218][219] O filme foi programado para ser produzido através da MMP, sendo que a atriz iria contracenar com Dean Martin e Cyd Charisse.[220] Ela esteve ausente durante as duas primeiras semanas de filmagens devido a gripe; biógrafos também atribuem a sua ausência à sinusite ou à sua dependência de drogas.[221] Em 19 de maio, fez uma pausa nas gravações para cantar "Happy Birthday" no palco da Madison Square Garden, durante uma festa de aniversário do então presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy.[222] Ela chamou atenção do público devido ao seu vestido bege, colado ao corpo e coberto por falsos brilhantes.[221] Historiadores concordam que ela teve um caso com Kennedy em algum momento dos seus últimos dois anos de vida, embora discordem de sua duração e importância.[223]

Quando voltou às gravações, Monroe filmou uma cena em que nadava nua numa piscina.[224] Para gerar publicidade antecipada, a imprensa foi convidada a tirar fotografias da gravação que foram publicadas mais tarde; esta havia sido a primeira vez em que uma grande estrela posava nua no auge de sua carreira.[225] Depois que a artista se ausentou novamente por vários dias das filmagens, o estúdio voltou a demiti-la em 7 de junho, processando-a por quebra de contrato, exigindo mais de 750 mil dólares em danos.[226] Seu papel foi então entregue a Lee Remick, mas depois que Martin se recusou a fazer o filme com alguém que não fosse Monroe, a Fox processou-o e decidiu cancelar a produção.[227] O estúdio culpou publicamente a toxicodependência de Monroe e a sua suposta falta de profissionalismo, além de alegar que ela estava mentalmente perturbada.[226][n 11] Para contrapor as afirmações, Monroe envolveu-se em vários empreendimentos de publicidade, incluindo entrevistas à Life e à Cosmopolitan, bem como, a sua primeira sessão de fotos para a Vogue.[229][230] Para esta última, Monroe e o fotógrafo Bert Stern colaboraram em duas sessões fotográficas, uma delas no editorial de moda padrão e a outra em fotos nua, que foram publicadas postumamente com o título de The Last Sitting.[231] Em suas últimas semanas de vida, Monroe começou a negociar com a Fox para voltar a filmar Something's Got to Give, além de fazer planos para estrelar What a Way to Go! (1964) e um filme biográfico sobre Jean Harlow.[228][232]

Morte[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Morte de Marilyn Monroe
Fotografia da cripta onde Monroe foi enterrada, no Westwood Village Memorial Park Cemetery.

Monroe foi encontrada morta no quarto de sua casa em Los Angeles pelo seu psiquiatra Ralph Greenson, nas primeiras horas da manhã de 5 de agosto de 1962.[233] Greenson havia sido chamado pela empregada Eunice Murray, que estava dormindo no emprego e acordou às 03:00 "sentindo que algo estava errado".[234] Murray tinha visto a luz debaixo da porta do quarto de Monroe, mas ela não obteve resposta quando a chamou e encontrou a porta trancada.[233] A morte foi confirmada oficialmente pelo médico Hyman Engelberg, que chegou na casa por volta das 03:50, notificando somente às 04:25 o Departamente de Polícia de Los Angeles.[233][234]

O Departamento de Examinação Médica acompanhou a investigação da sua morte por peritos da Prevenção de Suicídio de Los Angeles.[235] Foi estimado que Monroe havia morrido entre as 20:30 e 22:30,[236] sendo que a análise toxicológica concluiu que a causa da sua morte foi intoxicação por barbitúricos, já que ela tinha 8mg de hidrato de cloral e 4,5mg de pentobarbital no sangue, com outros 13mg de pentobarbital no fígado.[237][235][238] Frascos vazios contendo estes medicamentos foram encontrados ao lado da cama.[238] A possibilidade de Monroe ter tido uma overdose acidental foi descartada, pois as dosagens encontradas no seu corpo estavam várias vezes acima do limite letal.[239] Os médicos e psiquiatras que conviveram com ela afirmam que a atriz era propensa a "medos graves e depressões frequentes" com mudanças de humor "abruptas e imprevisíveis", além de ter sofrido overdose diversas vezes no passado, possivelmente intencionalmente.[239] Devido a esses fatos e à falta de qualquer indício de crime, a sua morte foi classificada como um provável suicídio.[240]

A morte inesperada de Monroe foi notícia de primeira página nos Estados Unidos e na Europa.[241] De acordo com a autora Lois Banner, "dizem que a taxa de suicídio em Los Angeles dobrou após a confirmação de sua morte, bem como a circulação da maioria dos jornais naquele mês",[241] enquanto o Chicago Tribune informava que haviam recebido centenas de telefonemas de membros da informação pública falando sobre a sua morte.[242] O escritor francês Jean Cocteau comentou que o falecimento da atriz "deveria servir como uma terrível lição a todos aqueles cuja ocupação é composta por espionar e atormentar [a vida das] estrelas de cinema".[243]Laurence Olivier, com quem contracenou em The Prince and the Showgirl (1958), a considerou como a "maior vítima do sensacionalismo"; enquanto o diretor Joshua Logan – que trabalhou com ela em Bus Stop – afirmava que "ela foi uma das pessoas menos valorizadas do mundo".[243] Seu funeral foi realizado em Westwood Village Memorial Park Cemetery em 8 de agosto de 1962, fechado ao público para o comparecimento apenas de amigos próximos.[244][245] O velório foi organizado por Joe DiMaggio e sua gerente de negócios Inez Melson.[244] No mesmo dia, centenas de espectadores lotaram as ruas ao redor do cemitério.[245] Monroe foi enterrada na cripta número vinte e quatro no Corredor de Memórias.[246][247]

Várias teorias conspiratórias sobre a morte de Monroe foram apresentadas nas décadas seguintes, incluindo assassinato e overdose acidental.[248] As especulações de homicídio ganharam a atenção da mídia com a publicação de Marilyn: A Biography (1973), escrito por Norman Mailer, o que impulsionou a justiça de Los Angeles a realizar uma "investigação liminar" em 1982.[249][250] No entanto, nenhuma evidência de crime realizado por alguém, foi encontrada.[251] Mesmo após as investigações, uma das mais conhecidas teorias apareceu, onde coloca Robert F. Kennedy como o autor do crime, o mesmo teria ordenado que ela fosse morta para que não relevasse os seus segredos e os de seu irmão, John F. Kennedy.[252] De acordo com os autores que espalharam a teoria com o lançamento do livro The Murder of Marilyn Monroe: Case Closed (2014), a sua morte teria sido causada por uma injeção letal inserida no coração, tendo a participação de seu psiquiatra e do então cunhado dos Kennedy, o ator Peter Lawford.[253]

Imagem pública[editar | editar código-fonte]

Monroe em How to Marry a Millionaire (1953), um dos filmes que a retratam como uma "loira burra" ingênua e sexualmente atraente.

Ao começar a desenvolver a imagem de Monroe, o estúdio 20th Century-Fox queria que ela pudesse substituir Betty Grable, a atriz loira mais popular da década de 1940, já que a mesma estava envelhecendo.[254] Enquanto os anos de 1940 havia sido o auge das atrizes "resistentes e espertas", tais como Katharine Hepburn e Barbara Stanwyck, que rendiam audiência aos filmes, o estúdio queria que Marilyn fosse uma estrela da nova década, alguém que chamasse o público masculino para as salas de cinema.[254] Ela desempenhou um papel significativo na criação da sua imagem pública, desde o início até ao fim da carreira.[255][256] Monroe também foi responsável por muitas de suas estratégias publicitárias, amizades cultivadas com colunistas sociais e o uso correto de sua imagem.[257][258] Além de Grable, ela foi muitas vezes comparada a outra atriz loira, estrela do cinema nos anos de 1930, Jean Harlow.[259] A comparação foi parcialmente motivada pela própria Monroe, que nomeou Harlow como o seu "ídolo de infância", queria interpretá-la nos cinemas e chegou a contratar a cabeleireira de Harlow para pintar o seu cabelo.[260] A atriz também diz ter sido influenciada por Mae West, afirmando: "Eu aprendi alguns truques com ela – essa impressão de rir ou estar zombando de sua própria sexualidade".[261]

A imagem pública de Monroe foi normalmente centrada em seus cabelos loiros e os estereotipos associados a eles, como "burrice", disponibilidade sexual e artificialidade.[262] Tendo iniciado sua carreira como uma modelo pin-up, esse estilo passou também para os filmes em que atuava, o que facilitou o modo como o público a notava.[263] O autor Richard Dyer observou que a atriz foi muitas vezes posicionada de modo em que sua silhueta estivesse em destaque, e em muitas de suas fotos publicitárias ela foi colocada como uma garota pin-up.[263]Seu distinto modo de andar balançando os quadris também chamava atenção para o seu corpo.[95] As escolhas de roupa que Marilyn fazia desempenharam um papel importante na sua imagem de estrela. Ela, muitas vezes, usava roupas brancas para enfatizar os seus cabelos loiros, além de chamar atenção por onde passava com as roupas reveladoras.[264][265] Os seus golpes de publicidade muitas vezes giravam em torno da sua roupa expondo grande parte de seu corpo; um exemplo em especial aconteceu quando a alça de um de seus vestidos se rompeu durante uma conferência de imprensa, em 1956.[266][109]

Para enfatizar sua "inocência" e "burrice", Monroe usava frequentemente uma voz sussurrada e infantil em seus filmes, além de desenvolver conversas de duplo sentido durante entrevistas, cuja mesma foi conhecida como "Monroeismo".[267][268] Ela foi retratada como a personificação do "sonho americano", como uma garota que havia saído de sua infância miserável para o estrelato de Hollywood.[269][270] Histórias de sua infância passada em famílias adotivas e orfanatos foram exageradas e parcialmente inventadas em suas biografias para atrair o público.[271] De acordo com o roteirista Thomas Harris, as suas raízes de classe operária e a falta de uma família sólida também a faziam ser destacada como uma "companheira ideal", ao contrário de Grace Kelly, que também foi comercializada como uma loira atraente, mas devido à suas raízes de classe alta, passou a ser vista como uma atriz sofisticada e inatingível para a maioria dos espectadores do sexo masculino.[272]

Monroe com Jane Russell eternizando suas impressões no Grauman's Chinese Theatre, em 1953.

De acordo com Dyer, Monroe tornou-se, praticamente, "um nome familiar para se referir ao sexo" e "sua imagem foi o fluxo de ideias sobre moralidade e sexualidade que caracterizavam os anos 50 na América", sendo usadas em assuntos sobre o sexo em Estudos de Kinsey (1953) e no livro The Feminine Mystique (1963), escrito por Betty Friedan.[273] Segundo ele, a imagem da estrela foi criada principalmente para a visão masculina, onde seus trabalhos no cinema geralmente eram referidos como "a garota", definindo-a exclusivamente por seu gênero.[263] Além disso, seus papéis eram quase sempre de coristas, secretárias ou modelos; profissões em que "a mulher está em destaque para o prazer dos homens".[263] Dyer também vê Monroe como o primeiro sex symbol a combinar naturalidade e sexualidade, diferente das mulheres fatais dos anos de 1940.[274] A autora Molly Haskell escreveu que "[Marilyn] era a ficção dos anos cinquenta, a mentira de que uma mulher não tinha necessidades sexuais e que ela estava lá apenas para atender, ou melhorar, as necessidades de um homem".[275] Ela também afirma que até sua morte, a atriz era menos popular entre as mulheres do que os homens, já que eles "não poderiam se identificar com ela e não apoiá-la".[276]

A importância de seus cabelos loiros na sua imagem pública também foi analisada por historiadores de cinema. Dyer tem argumentado que o cabelo loiro platinado tornou-se uma característica definitiva de Monroe porque isso fazia dela "racialmente ambígua" e exclusivamente branca e que poderia ser vista como uma figura emblemática do racismo na cultura popular do século XX.[277] Lois Banner concorda que pode não ser uma coincidência que Monroe tenha lançado a tendência dos cabelos platinados justamente na época em que o Movimento dos Direitos Civis dos Negros estavam ganhando força.[278] Entretanto, Banner nota que Monroe às vezes desafiava normas raciais em suas fotografias de publicidade, especialmente numa imagem em que ela está diretamente olhando e cantando com roupas reveladoras ao lado do artista afro-americano Phil Moore.[279]

Além de ser um sex symbol, Monroe foi apontada como uma estrela especificamente americana, "se tornando parte da cultura dos Estados Unidos, ao lado de cachorro-quente, torta de maçã e beisebal", de acordo com a revista Photoplay.[280] A historiadora Fiona Handyside escreve que o público feminino francês da atriz se identificaram com a sua cor branca e seus cabelos loiros, e assim Monroe passou a simbolizar uma "mulher moderna" para elas.[281] A autora Laura Mulvey escreveu que a estrela serviu para "resumir em uma única imagem a complexa interface da economia, política e erotismo da América para a Europa, que estava empobrecida por conta do final da Segunda Guerra Mundial".[282] Para lucrar com a popularidade de Monroe, diversos estúdios tentaram lançar atrizes parecidas com ela, incluindo Jayne Mansfield, Mamie Van Doren e Kim Novak.[283][284]

Legado[editar | editar código-fonte]

Pintura Pink Marilyn (2008) de James Gill.

De acordo com o livro The Guide to United States Popular Culture, "como um ícone da cultura popular americana, [são] poucos os rivais de Marilyn Monroe em popularidade, incluindo Elvis Presley e Mickey Mouse [...] nenhuma outra estrela já inspirou uma vasta gama de emoções — da luxúria à piedade, da inveja ao remorso".[285] O American Film Institute nomeou-a como a sexta maior lenda da história do cinema dos Estados Unidos, enquanto o Smithsonian Institution a incluiu na lista dos norte-americanos mais significantes de todos os tempos.[286] Além disso, a revista Variety e o canal VH1 consideram-na um dos maiores ícones da cultura popular do século XX.[287][288] Centenas de livros foram escritos sobre Monroe, além de ter sido o tema principal de filmes, peças de teatro, óperas e canções; ela também é creditada como a maior influência de diversos artistas, incluindo Andy Warhol e Madonna.[289][290][291] Monroe também continua sendo uma marca valiosa;[292] a sua imagem e nome foram licenciados para centenas de produtos, e tem sido destaque em publicidades para corporações multinacionais, como Max Factor, Chanel, Mercedes-Benz e Absolut Vodka.[293][294]

A popularidade duradoura de Monroe está ligada à sua imagem pública em conflito.[295][296][297] Por um lado continua sendo considerada um sex symbol, ícone de beleza e uma das mais famosas estrelas de cinema clássico de Hollywood, [298][299][300] Por outro lado também é lembrada por sua vida pessoal conturbada, infância instável, luta pelo respeito profissional, sua morte e as teorias conspiratórias que a rodeiam.[298][295][301] Monroe também tem sido a base de estudos de jornalistas interessadas em gênero e feminismo,[302] como Gloria Steinem,[303] Jacqueline Rose,[304] Molly Haskell,[305] Sarah Churchwell[294] e Lois Banner.[306] Algumas, como Steinem, tem observado a participação de Monroe como uma vítima dos sistemas de estúdios de cinema e a objetificação das mulheres em meados do século XX nos Estados Unidos.[302][303] Outras, como Haskell, Rose e Churchwell, pelo contrário, tem destacado a importância do estúdio na carreira da atriz.[307][304][294] Devido ao contraste entre seu estrelato e sua vida pessoal conturbada, Monroe está intimamente ligada às discussões mais amplas sobre fenômenos modernos, tais como meios de comunicação social, cultura do consumo e a fama.[289] De acordo com a acadêmica Susanne Hamscha, por conta da sua contínua relevância para as discussões em cursos sobre a sociedade moderna, a atriz "nunca é completamente situada em um momento ou em um lugar", mas tornou-se "uma superfície sobre a qual relatos da cultura americana podem ser (re)construídas" e "funciona como um tipo cultural que pode ser reproduzido, transformado e traduzido em novos conceitos promulgados por outras pessoas".[289] Da mesma forma, Banner descreve Marilyn como um "metamorfo eterno", que é "recriado por cada geração e cada indivíduo baseado em suas próprias especificações".[308]

Apesar de Monroe continuar sendo um ícone cultural, os críticos ainda se sentem divididos quanto ao seu legado como atriz. David Thomson descreveu o seu corpo de trabalho como "sem substância",[309] enquanto Pauline Kael escreveu que ela não sabia atuar, mas "usou a sua falta de habilidades para divertir o público".[310]" Ela teve a sagacidade, grosseria ou desespero em fazer o que os outros que tiveram 'bom gosto' não fariam", completou Kael.[310] Por outro lado, Peter Bradshaw escreveu que a atriz "foi uma comediante talentosa que entendia como a comédia alcançava seus efeitos".[311] Jonathan Rosenbaum afirmou que "ela sutilmente revertia o conteúdo sexista dos seus trabalhos" e que "a dificuldade que algumas pessoas têm em reconhecer Monroe como atriz é enraizada na ideologia de uma época repressiva, quando as mulheres super femininas não deveriam ser inteligentes".[312] Em 2012, no aniversário de cinquenta anos de sua morte, a sua imagem foi usada nos cartazes promocionais do Festival de Cannes, apesar do fato de nunca ter frequentado a cerimônia e apenas um de seus filmes, All About Eve (1950), ter lá sido exibido.[311]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Apesar de Gladys declarar Mortensen como o pai de Monroe em sua certidão de nascimento (o nome foi digitado incorretamente),[7]os biógrafos Fred Guiles e Lois Banner afirmam que o mais provável pai da atriz é Charles Stanley Gifford, um colega de trabalho com quem Gladys se relacionou em 1925, mostrando uma fotografia dele a Monroe quando a mesma era criança.[8][9]Donald Spoto concorda que Mortensen realmente não é seu pai; entretanto não tem nenhuma certeza sobre a identidade do verdadeiro, e afirma que qualquer um dos conhecidos do sexo masculino de Gladys pode ser o pai.[10]
  2. Monroe falou sobre o abuso sexual que sofreu para os biógrafos Ben Hecht (1953-1954) e Maurice Zolotow (1960), e em entrevistas para as revistas Cosmopolitan e Paris Match.[23] Embora ela tenha se recusado a confessar o nome do abusador, Banner acredita que seja George Atkinson, já que ele era um dos inquilinos de Gladys e se encaixava nas descrições feitas por Monroe.[24] Além disso, Banner argumentou que tal abuso pode ter sido um importante fator causador de problemas de saúde mental na artista, e acredita que Monroe não se atrevia em revelar o nome por conta do assunto ser um grande tabu na metade do século XX nos Estados Unidos.[25]Spoto não menciona o incidente, mas afirma que Marilyn chegou a ser abusada sexualmente pelo marido de Grace em 1937 e por um primo da família que se hospedou na casa, em 1938.[26][27]Alguns biógrafos acreditam na sinceridade de Monroe, porém outros manifestam algumas dúvidas sobre a veracidade dos incidentes devido à falta de provas.[27]
  3. Por vezes tem sido erroneamente alegado que Monroe fez aparições em outros filmes da Fox durante este período, incluindo The Shocking Miss Pilgrim (1947), Green Grass of Wyoming (1948) e You Were Meant for Me (1948), mas não há nenhuma evidência que sustente isso.[54]
  4. Monroe e Greene se conheceram e tiveram um breve romance em 1949. Eles se reencontraram novamente em 1953, quando ele a fotografou para a revista Look. Naquele ponto, ela disse a ele sobre suas queixas com o seu então estúdio, 20th Century-Fox. Aquele foi o momento em que Greene sugeriu a ela que eles começassem a sua própria empresa de produção.[143]
  5. A partir de 1955, Monrou passou por psicanálise regularmente até a sua morte em 1962. Ao longo dos anos, seus psiquiatras foram Margaret Hohenberg (1955–1957), Anna Freud (1957), Marianne Kris (1957–1961) e Ralph Greenson (1960–1962).[150]
  6. Dentre as publicidades incluem uma participação dela montada sobre um elefante no circo de Ringling Brothers, na Madison Square Garden; uma aparição ao lado de Greene e sua esposa Amy no programa televisivo Person to Person; e marcando presença nas comemorações do centenário dos Debates Lincoln–Douglas, em Bement, Illinóis.[151]
  7. Monroe identificou o povo judeu como um "grupo de despossuídos" e queria se converter à religião para fazer parte da família de Miller.[165]Ela foi instruída pelo rabino Robert Goldberg, mas de acordo com Miller, "ele se sentou com Marilyn por várias horas e apenas aconteceu [...] Ela não era religiosa, ela só queria ser um [de nós]".[164]Seu certificado de conversão afirma que ela foi recebida pela fé judaica em 1 de julho de 1956.[164]Monroe referia a si mesma como uma "judia ateia" e depois de seu divórcio com Miller mostrou pouco interesse na religião e não seguia tradições judaicas.[164]Em 1961, quando o divórcio foi finalizado, o Egito decidiu cancelar a proibição à seus filmes.[164]
  8. Sotaque Ozark é um dialeto do inglês americano falado nos Montes Ozark, entre o norte do Arkansas e sul do Missouri.[168]
  9. Ela também sentia dores menstruais severas ao longo de sua vida, necessitando de uma cláusula em seu contrato que lhe permitia se ausentar do trabalho durante o seu período e, por vezes, precisando de cirurgias.[185]Tem sido alegado também que Monroe passou por diversos abortos, com vários deles sendo realizados por pessoas sem formação médica adequada, o que teria contribuído para sua incapacidade de manter uma gravidez.[185][186]Os rumores de aborto começaram após declarações feitas por Amy, esposa de Milton Greene, porém não há nenhuma prova.[185]Além disso, durante o relatório de sua autópsia, não foi encontrada qualquer evidência de que abortos foram feitos.[185]
  10. Monroe ficou internada na Clínica Psiquiátrica de Payne Whitney, em Nova Iorque, por sugestão de sua psiquiatra Marianne Kris.[215]Mais tarde, Kris afirmou que sua escolha foi um erro, pois Monroe foi colocada em uma enfermaria especial para pessoas com doenças mentais graves, como psicose.[215]Além disso, ela foi trancada em uma cela acolchoada e não tinha autorização para sair até uma ala mais adequada ou deixar a clínica.[215]Monroe só conseguiu deixar o hospital depois de três dias com a ajuda de Joe DiMaggio, mudando-se para o Centro Médico da Universidade de Columbia, onde passou 23 dias.[215]
  11. Esta versão manteve-se praticamente incontestável até 1990, quando um material perdido de Something's Got to Give foi lançado, mostrando que quando Monroe aparecia nos estúdios de filmagem, ela estava coerente e capaz de gravar suas próprias cenas.[228]De acordo com uma declaração dada mais tarde pelo produtor do filme, Henry Weinstein, o cancelamento do filme estava ligado, principalmente, a graves problemas financeiros do estúdio e da inexperiência do executivo Peter Levathes do que pelas dificuldades de trabalhar com Monroe.[227]

Referências

  1. Spoto 2001, p. 3, 13–14
  2. Miracle 1994, p. 12
  3. a b Spoto 2001, p. 7–9
  4. Spoto 2001, p. 88
  5. Banner 2012, p. 24–25
  6. Churchwell 2004, p. 149
  7. Churchwell 2004, p. 150
  8. Churchwell 2004, p. 152
  9. Banner 2012, p. 26
  10. Spoto 2001, p. 13
  11. Banner 2012, p. 17
  12. Banner 2012, p. 22–23
  13. Spoto 2001, p. 21–22
  14. Banner 2012, p. 32–33
  15. Banner 2012, p. 35
  16. Banner 2012, p. 39
  17. Churchwell 2004, p. 155–156
  18. Banner 2012, p. 40
  19. Banner 2012, p. 42
  20. Richard Meryman (14 de setembro de 2007). «Great interviews of the 20th century: "When you're famous you run into human nature in a raw kind of way"» (em inglês). The Guardian. Consultado em 11 de novembro de 2015. 
  21. Churchwell 2004, p. 165
  22. Banner 2012, p. 54
  23. Banner 2012, p. 48–49
  24. Banner 2012, p. 40–59
  25. Banner 2012, p. 7, 40–59
  26. Spoto 2001, p. 55
  27. a b Churchwell 2004, p. 166–173
  28. Banner 2012, p. 48
  29. Churchwell 2004, p. 166
  30. Banner 2012, p. 62–63
  31. Spoto 2001, p. 49–50
  32. Banner 2012, p. 64
  33. Spoto 2001, p. 51–67
  34. Spoto 2001, p. 68–69
  35. a b Banner 2012, p. 86–90
  36. a b Spoto 2001, p. 70–75
  37. Churchwell 2004, p. 173
  38. a b Spoto 2001, p. 78
  39. a b Banner 2012, p. 91–98
  40. Banner 2012, p. 83–86
  41. Churchwell 2004, p. 176
  42. Churchwell 2004, p. 177
  43. Banner 2012, p. 105–108
  44. Spoto 2001, p. 95–107
  45. Banner 2012, p. 109
  46. Spoto 2001, p. 110–111
  47. Spoto 2001, p. 112
  48. Banner 2012, p. 119
  49. a b Spoto 2001, p. 113–114
  50. Spoto 2001, p. 109
  51. Spoto 2001, p. 118–119
  52. Spoto 2001, p. 119–120
  53. Spoto 2001, p. 120–121
  54. a b Churchwell 2004, p. 59
  55. Spoto 2001, p. 122–126
  56. Banner 2012, p. 133
  57. Spoto 2001, p. 127–129
  58. a b c Spoto 2001, p. 133–134
  59. Churchwell 2004, p. 204–216
  60. Spoto 2001, p. 141–144
  61. Banner 2012, p. 148
  62. Summers 1985, p. 43
  63. Spoto 2001, p. 145–146
  64. Banner 2012, p. 149, 157
  65. Spoto 2001, p. 146
  66. Banner 2012, p. 149
  67. Spoto 2001, p. 151–153
  68. Churchwell 2004, p. 59–60
  69. a b Spoto 2001, p. 159–162
  70. Spoto 2001, p. 168–170
  71. Spoto 2001, p. 182
  72. Banner 2012, p. 157
  73. Spoto 2001, p. 183, 191
  74. a b Churchwell 2004, p. 60
  75. Spoto 2001, p. 179–187
  76. Spoto 2001, p. 188–189
  77. Spoto 2001, p. 192
  78. Spoto 2001, p. 180–181
  79. Hedda Hopper (4 de maio de 1952). «They Call Her The Blowtorch Blonde» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 29 de dezembro de 2015. 
  80. Florabel Muir (19 de outubro de 1952). «Marilyn Monroe Tells: How to Deal With Wolves» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 29 de dezembro de 2015. 
  81. a b «Marilyn: The Globes' Golden Girl» (em inglês). Globo de Ouro. 30 de janeiro de 2014. Consultado em 29 de dezembro de 2015. 
  82. Spoto 2001, p. 201
  83. Banner 2012, p. 192
  84. a b Spoto 2001, p. 210–213
  85. Churchwell 2004, p. 224–226
  86. Banner 2012, p. 194–195
  87. Churchwell 2004, p. 61–62, 224–226
  88. Spoto 2001, p. 224–225
  89. Churchwell 2004, p. 61
  90. a b Spoto 2001, p. 194–195
  91. «Clash by Night» (em inglês). American Film Institute. 14 de maio de 1952. Consultado em 29 de dezembro de 2015. 
  92. Spoto 2001, p. 200
  93. Bosley Crowther (19 de julho de 1952). «Movie Review - Don t Bother to Knock (1952)» (em inglês). The New York Times. Consultado em 29 de dezembro de 2015. 
  94. «Review: ‘Don’t Bother to Knock’» (em inglês). Variety. 31 de dezembro de 1951. Consultado em 29 de dezembro de 2015. 
  95. a b c d Churchwell 2004, p. 62
  96. a b Churchwell 2004, p. 238
  97. Spoto 2001, p. 139, 195, 233–234, 241, 244, 372
  98. a b Spoto 2001, p. 328–329
  99. a b Banner 2012, p. 211–214
  100. Churchwell 2004, p. 61–65
  101. Lev 2013, p. 168
  102. Churchwell 2004, p. 233
  103. Churchwell 2004, p. 25, 62
  104. Banner 2012, p. 195–196
  105. Spoto 2001, p. 221
  106. Banner 2012, p. 205
  107. «Niagara Falls Vies With Marilyn Monroe» (em inglês). The New York Times. 22 de janeiro de 1953. Consultado em 30 de dezembro de 2015. 
  108. «Review: ‘Niagara’» (em inglês). Variety. 31 de dezembro de 1952. Consultado em 30 de dezembro de 2015. 
  109. a b Churchwell 2004, p. 234
  110. Banner 2012, p. 205–206
  111. Spoto 2001, p. 231
  112. Spoto 2001, p. 219–220
  113. Banner 2012, p. 200
  114. Banner 2012, p. 177
  115. Banner 2012, p. 208–209
  116. a b Solomon 1988, p. 89
  117. Bosley Crowther (16 de julho de 1953). «Movie Review - Gentlemen Prefer Blondes (1953)» (em inglês). The New York Times. Consultado em 30 de dezembro de 2015. 
  118. William Brogdon (1 de julho de 1953). «Review: ‘Gentlemen Prefer Blondes’» (em inglês). Variety. Consultado em 30 de dezembro de 2015. 
  119. Spoto 2001, p. 250
  120. Spoto 2001, p. 238
  121. Churchwell 2004, p. 64–65
  122. Lev 2013, p. 209
  123. «Top Ten Money Making Stars» (em inglês). Quigley Publishing Company. Consultado em 30 de dezembro de 2015. 
  124. a b Churchwell 2004, p. 217
  125. a b Churchwell 2004, p. 68
  126. a b Summers 1985, p. 92
  127. Spoto 2001, p. 254–259
  128. Spoto 2001, p. 260
  129. Spoto 2001, p. 262–263
  130. Churchwell 2004, p. 241
  131. Spoto 2001, p. 267
  132. a b Spoto 2001, p. 271
  133. Churchwell 2004, p. 66–67
  134. Spoto 2001, p. 277
  135. Spoto 2001, p. 284–285
  136. a b c Spoto 2001, p. 283–284
  137. Banner 2012, p. 8–9
  138. Banner 2012, p. 204, 219–221
  139. Summers 1985, p. 103–105
  140. Spoto 2001, p. 331
  141. Churchwell 2004, p. 246
  142. Spoto 2001, p. 295–298
  143. Spoto 2001, p. 158–159, 252–254
  144. Spoto 2001, p. 302–303
  145. Spoto 2001, p. 338
  146. Spoto 2001, p. 302
  147. Spoto 2001, p. 327
  148. Spoto 2001, p. 350
  149. Spoto 2001, p. 310–313
  150. Spoto 2001, p. 312–313, 375, 384–385, 421, 459
  151. a b Spoto 2001, p. 321, 334–335
  152. Spoto 2001, p. 319–332
  153. Churchwell 2004, p. 253
  154. Banner 2012, p. 285
  155. Meyers 2010, p. 98
  156. Summers 1985, p. 157
  157. Churchwell 2004, p. 253–254
  158. Spoto 2001, p. 301–302
  159. Spoto 2001, p. 339–340
  160. a b c Spoto 2001, p. 341
  161. Spoto 2001, p. 345
  162. Spoto 2001, p. 343–345
  163. a b Spoto 2001, p. 364–365
  164. a b c d e Meyers 2010, p. 156–157
  165. Banner 2012, p. 256
  166. Meyers 2010, p. 155
  167. Churchwell 2004, p. 253–257
  168. Dillard 1985, p. 83
  169. Spoto 2001, p. 352–357
  170. Spoto 2001, p. 352–354
  171. Banner 2012, p. 310
  172. Spoto 2001, p. 354–358
  173. Spoto 2001, p. 358–359
  174. Bosley Crowther (1 de setembro de 1956). «Movie Review - Bus Stop (1956)» (em inglês). The New York Times. Consultado em 31 de dezembro de 2015. 
  175. Spoto 2001, p. 372
  176. a b Churchwell 2004, p. 258–261
  177. Banner 2012, p. 310–311
  178. Spoto 2001, p. 370–379
  179. Spoto 2001, p. 368–376
  180. Churchwell 2004, p. 69
  181. a b c Banner 2012, p. 346
  182. Spoto 2001, p. 381–382
  183. Spoto 2001, p. 392–393
  184. Spoto 2001, p. 406–407
  185. a b c d e Churchwell 2004, p. 274–277
  186. Banner 2012, p. 222, 226, 329–30, 335, 362
  187. Spoto 2001, p. 389–391
  188. Banner 2012, p. 325
  189. Spoto 2001, p. 399–407
  190. Churchwell 2004, p. 262
  191. Churchwell 2004, p. 262–266
  192. Banner 2012, p. 325–327
  193. Spoto 2001, p. 406
  194. «Review: ‘Some Like It Hot’» (em inglês). Variety. 24 de fevereiro de 1959. Consultado em 2 de janeiro de 2016. 
  195. «Some Like It Hot» (em inglês). American Film Institute. Consultado em 2 de janeiro de 2016. 
  196. Ian Christie (Setembro de 2012). «The 50 Greatest Films of All Time» (em inglês). British Film Institute. Consultado em 2 de janeiro de 2016. 
  197. a b Churchwell 2004, p. 71
  198. a b Spoto 2001, p. 410–415
  199. Churchwell 2004, p. 72
  200. Solomon 1988, p. 139
  201. Bosley Crowther (9 de setembro de 1960). «Movie Review - Let's Make Love (1960)» (em inglês). The New York Times. Consultado em 2 de janeiro de 2016. 
  202. Hedda Hopper (25 de agosto de 1960). «Hedda Finds Marilyn's Film 'Most Vulgar'» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 2 de janeiro de 2016. 
  203. Banner 2012, p. 335
  204. a b Churchwell 2004, p. 266
  205. Spoto 2001, p. 429–430
  206. Banner 2012, p. 352
  207. Spoto 2001, p. 431–435
  208. Spoto 2001, p. 431–435
  209. Banner 2012, p. 353–356
  210. Banner 2012, p. 361
  211. Bosley Crowther (2 de fevereiro de 1961). «Movie Review - The Misfits (1961)» (em inglês). The New York Times. Consultado em 2 de janeiro de 2016. 
  212. Geoff Andrew (17 de junho de 2015). «The film that fate helped make a classic: The Misfits» (em inglês). British Film Institute. Consultado em 2 de janeiro de 2016. 
  213. Spoto 2001, p. 453–454
  214. Spoto 2001, p. 456–467
  215. a b c d Spoto 2001, p. 459–459
  216. Churchwell 2004, p. 291
  217. Spoto 2001, p. 465–470, 484–485
  218. Churchwell 2004, p. 74–75
  219. Spoto 2001, p. 495–496
  220. Churchwell 2004, p. 258
  221. a b Churchwell 2004, p. 284–285
  222. Spoto 2001, p. 520–521
  223. Churchwell 2004, p. 291–294
  224. Spoto 2001, p. 523
  225. Churchwell 2004, p. 74
  226. a b Churchwell 2004, p. 75
  227. a b Spoto 2001, p. 535–536
  228. a b Churchwell 2004, p. 285–288
  229. Churchwell 2004, p. 285
  230. Spoto 2001, p. 538–543
  231. Banner 2012, p. 401
  232. Spoto 2001, p. 537, 545–549
  233. a b c Spoto 2001, p. 574–577
  234. a b Banner 2012, p. 410–411
  235. a b Spoto 2001, p. 580–583
  236. Banner 2012, p. 411
  237. Churchwell 2004, p. 302
  238. a b Banner 2012, p. 411–412
  239. a b Seymour Korman (18 de agosto de 1962). «Marilyn Monroe Ruled 'Probable Suicide' Victim» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 10 de janeiro de 2016. 
  240. Banner 2012, p. 411–413
  241. a b Banner 2012, p. 427
  242. Hedda Hopper (6 de agosto de 1962). «Marilyn Monroe Is Dead» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 10 de janeiro de 2016. 
  243. a b «Brilliant Stardom and Personal Tragedy Punctuated the Life of Marilyn Monroe» (em inglês). The New York Times. 6 de agosto de 1962. Consultado em 10 de janeiro de 2016. 
  244. a b Banner 2012, p. 427–428
  245. a b Spoto 2001, p. 594–597
  246. Marilyn Monroe (em inglês) no Find a Grave
  247. «Top 10 Celebrity Grave Sites» (em inglês). Time. Consultado em 10 de janeiro de 2016. 
  248. Churchwell 2004, p. 297–318
  249. Spoto 2001, p. 605–606
  250. Churchwell 2004, p. 88, 300
  251. Spoto 2001, p. 606
  252. Caroline Howe (16 de maio de 2014). «Bobby Kennedy ordered Marilyn Monroe's murder by lethal injection to prevent her from revealing her torrid affairs with RFK and JFK» (em inglês). Daily Mail. Consultado em 10 de janeiro de 2016. 
  253. «Bobby Kennedy ordenou assassinato de Marilyn, diz livro». Terra Networks. 17 de maio de 2014. Consultado em 10 de janeiro de 2016. 
  254. a b Banner 2012, p. 124, 177
  255. Banner 2012, p. 172–174
  256. Michelle Stacey (Maio de 2008). «Model Arrangement» (em inglês). Smithsonian Institution. Consultado em 17 de janeiro de 2016. 
  257. Spoto 2001, p. 172–174, 210–215, 566
  258. Churchwell 2004, p. 9
  259. Banner 2012, p. 238
  260. Banner 2012, p. 38, 175, 343
  261. Churchwell 2004, p. 63
  262. Churchwell 2004, p. 21–26, 181–185
  263. a b c d Dyer 1986, p. 19–20
  264. Churchwell 2004, p. 25
  265. Banner 2012, p. 246–250
  266. Spoto 2001, p. 224–225, 342–343
  267. Dyer 1986, p. 33–34
  268. Banner 2012, p. 185
  269. Dyer 1986, p. 45
  270. Banner 2012, p. 44–45, 184–185
  271. Banner 2012, p. 44–45
  272. Gledhill 1991, p. 40–44
  273. Dyer 1986, p. 21
  274. Dyer 1986, p. 29–39
  275. Butler 1991, p. 256
  276. Dyer 1986, p. 57
  277. Dyer 1986, p. 40
  278. Banner 2012, p. 254–256
  279. Banner 2012, p. 184
  280. Banner 2012, p. 8
  281. Handyside 2012, p. 1–16
  282. Handyside 2012, p. 2
  283. Spoto 2001, p. 396
  284. Solomon 1988, p. 110
  285. Chapman 2001, p. 43
  286. T.A. Frail (17 de novembro de 2014). «Meet the 100 Most Significant Americans of All Time» (em inglês). Smithsonian Institution. Consultado em 16 de novembro de 2015. 
  287. Stuart Levine (16 de outubro de 2005). «Beatles named 'icons of century'» (em inglês). BBC News. Variety. Consultado em 16 de novembro de 2015. 
  288. «The 200 Greatest Pop Culture Icons Complete Ranked List» (em inglês). PR Newswire. VH1. 21 de julho de 2003. Consultado em 17 de novembro de 2015. 
  289. a b c Hamscha 2013, p. 119–129
  290. Churchwell 2004, p. 12–15
  291. Michel Schneider (16 de novembro de 2011). «Top 10 books about Marilyn Monroe» (em inglês). The Guardian. Consultado em 17 de novembro de 2015. 
  292. Paul Rudnick (14 de junho de 1999). «The Blond Marilyn Monroe» (em inglês). Time. Consultado em 17 de novembro de 2015. 
  293. Churchwell 2004, p. 33–40
  294. a b c Sarah Churchwell (9 de janeiro de 2015). «Max Factor can't claim credit for Marilyn Monroe» (em inglês). The Guardian. Consultado em 17 de novembro de 2015. 
  295. a b Fuller 1983, p. 309
  296. Churchwell 2004, p. 21–42
  297. Marcus 2004, p. 17–19, 309
  298. a b Churchwell 2004, p. 8
  299. Joseph Stromberg (5 de agosto de 2011). «Remembering Marilyn Monroe» (em inglês). Smithsonian Institution. Consultado em 17 de novembro de 2015. 
  300. Mary Wild (29 de maio de 2015). «Marilyn: The Icon» (em inglês). British Film Institute. Consultado em 17 de novembro de 2015. 
  301. Steinem 1987, p. 13–15
  302. a b Sharon Krum (29 de maio de 2001). «Marilyn Monroe: Feminist Icon?» (em inglês). The Guardian. Consultado em 17 de novembro de 2001. 
  303. a b Steinem 1987, p. 15–23
  304. a b Rose 2014, p. 100–137
  305. Haskell 1991, p. 254–265
  306. Lois Banner (21 de julho de 2012). «Marilyn Monroe: proto-feminist?» (em inglês). The Guardian. Consultado em 18 de novembro de 2015. 
  307. Molly Haskell (22 de novembro de 1998). «Engineering an Icon» (em inglês). The New York Times. Consultado em 18 de novembro de 2015. 
  308. Lois Banner (5 de agosto de 2012). «Marilyn Monroe, the eternal shape shifter, still fascinates» (em inglês). Los Angeles Times. Consultado em 18 de novembro de 2015. 
  309. David Thompson (6 de agosto de 2012). «The Inscrutable Life and Death of Marilyn Monroe» (em inglês). The New Republic. Consultado em 18 de novembro de 2015. 
  310. a b Pauline Kael (22 de julho de 1973). «Marilyn: A Rip-Off With Genius» (em inglês). The New York Times. Consultado em 18 de novembro de 2015. 
  311. a b Peter Bradshaw (9 de maio de 2012). «Cannes and the magic of Marilyn Monroe» (em inglês). The Guardian. Consultado em 18 de novembro de 2015. 
  312. Jonathan Rosenbaum (1 de dezembro de 2005). «Marilyn Monroe's Brains» (em inglês). Chicago Reader. Consultado em 18 de novembro de 2015. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Spoto, Donald (2001), Marilyn Monroe: The Biography, Cooper Square Press, ISBN 9780815411833 
  • Miracle, Berniece Baker (1994), My Sister Marilyn: A Memoir of Marilyn Monroe, Algonquin Books, ISBN 0595276717 
  • Banner, Lois (2012), Marilyn: The Passion and the Paradox, Bloomsbury, ISBN 9781408831335 
  • Churchwell, Sarah (2004), The Many Lives of Marilyn Monroe, Granta Books, ISBN 9780312425654 
  • Summers, Anthony (1985), Goddess: The Secret Lives of Marilyn Monroe, Victor Gollancz Ltd, ISBN 9780575036413 
  • Chapman, Gary (2001), The Guide to United States Popular Culture, University of Wisconsin Press, ISBN 9780879728212 
  • Hamscha, Susanne (2013), ConFiguring America: Iconic Figures, Visuality, and the American Identity, Intellect, ISBN 9781841506357 
  • Fuller, Graham (1983), Illustrated Who's Who of the Cinema, Macmillan, ISBN 0029234506 
  • Marcus, Daniel (2004), Happy Days and Wonder Years: The Fifties and Sixties in Contemporary Popular Culture, Rutgers University Press, ISBN 9780813533919 
  • Steinem, Gloria (1987), Marilyn, Victor Gollancz Ltd, ISBN 0575039450 
  • Rose, Jacqueline (2014), Women in Dark Times, Bloomsbury, ISBN 9781408845400 
  • Haskell, Molly (1991), Star Texts: Image and Performance in Film and Television, Wayne State University Press, ISBN 081432312X 
  • Lev, Peter (2013), Twentieth-Century Fox: The Zanuck–Skouras Years, 1935–1965, University of Texas Press, ISBN 9780292744479 
  • Solomon, Aubrey (1988), Twentieth Century-Fox: A Corporate and Financial History, Scarecrow Press, ISBN 9780810842441 
  • Meyers, Jeffrey (2010), The Genius and the Goddess: Arthur Miller and Marilyn Monroe, University of Illinois Press, ISBN 9780252035449 
  • Dillard, Joey Lee (1985), Toward a Social History of American English, Walter de Gruyter, ISBN 3110105845 
  • Dyer, Richard (1986), Heavenly Bodies: Film Stars and Society, Routledge, ISBN 0415310261 
  • Gledhill, Christine (1991), Stardom: Industry of Desire, Psychology Press, ISBN 0415052173 
  • Butler, Jeremy G. (1991), Star Texts: Image and Performance in Film and Television, Wayne State University Press, ISBN 081432312X 
  • Handyside, Fiona (2010), Let's Make Love: Whiteness, Cleanliness and Sexuality in the French Reception of Marilyn Monroe, European Journal of Cultural Studies, ISBN 1367549410363198 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons