Katharine Hepburn

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Katharine Hepburn
Katharine em 1941
Nome completo Katharine Houghton Hepburn
Outros nomes First Lady of Cinema
Kate
The Great Kate
Nascimento 12 de maio de 1907
Hartford, Connecticut
Nacionalidade norte-americana
Morte 29 de junho de 2003 (96 anos)
Old Saybrook, Connecticut
Ocupação Atriz
Atividade 1928 - 1994
Cônjuge Ludlow Ogden Smith (1928 - 1934)
Spencer Tracy (1941 - 1967; sua morte) (parceiro)
Oscares da Academia
Melhor Atriz Principal
1934 - Morning Glory
1968 - Guess Who's Coming to Dinner
1969 - The Lion in the Winter
1982 - On Golden Pond
Emmys
Melhor Atriz (Minissérie/Filme) para televisão
1975 - Love Among the Ruins
Prémios Screen Actors Guild
Screen Actors Guild Life Achievement Award
1979 - Prémio Honorário
Prémios BAFTA
Melhor Atriz Principal
1969 - The Lion in the Winter
1969 - Guess Who's Coming to Dinner
1983 - On Golden Pond
Festival de Cannes
Melhor Atriz Principal
1962 - Long Day's Journey into Night
Outros prêmios
Festival de Veneza - Melhor atriz
1934 - Little Women
American Film Institute
1990 - AFI Honorário
Urso de Ouro
1984 - Honorário
IMDb: (inglês)

Katharine Houghton Hepburn (Hartford, 12 de Maio de 1907Old Saybrook, 29 de Junho de 2003) foi uma importante atriz dos Estados Unidos. Hepburn foi indicada 12 vezes ao prêmio Oscar, que venceu em quatro ocasiões, marca até hoje não superada por nenhuma atriz.[1]

A carreira de Hepburn é vista como uma das mais famosas de Hollywood e durou por mais de 60 anos. Ela trabalhou com diversos tipos de gêneros da comédia ao drama e recebeu quatro prêmios do Oscar de Melhor Atriz, um recorde até os dias atuais. Criada no Connecticut por pais ricos e progressistas, Hepburn começou a atuar enquanto estudava na Bryn Mawr College. Depois de quatro anos no teatro, críticas favoráveis a seu trabalho na Broadway trouxeram-lhe a atenção de Hollywood. Seus primeiros anos na indústria cinematográfica foram marcados por sucessos, incluindo um Oscar por sua atuação em Morning Glory em 1933, mas este filme foi seguido por uma série de fracassos comerciais. Em 1938 ela foi rotulada como "veneno de bilheteria". Na década de 1940 ela foi contratada pela a Metro-Goldwyn-Mayer, onde sua carreira foi focada em uma aliança com Spencer Tracy.

Hepburn alcançou grande sucesso na segunda metade de sua vida, onde ela apareceu em varias produções de Shakespeare. Ela conseguiu aprovação atuando como mulheres de meia-idade, como em The African Queen em 1951. Três Oscares vieram mais tarde por seu trabalho em Adivinhe Quem Vem Para Jantar em 1967, O Leão no Inverno em 1968, e On Golden Pond em 1981. Na década de 1970 ela começou a aparecer em filmes de televisão, que se tornaram o foco de sua carreira mais tarde. Ela permaneceu ativa até a velhice e morreu em 2003, com 96 anos. Em 1999, ela foi nomeada pelo American Film Institute como a maior estrela feminina de todos os tempos.[2].

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Hepburn nasceu em Hartford, Connecticut, em 12 de maio de 1907, a segunda de seis crianças. Seus pais eram Thomas Norval Hepburn (1879-1962), um urologista do Hospital Hartford, e Katharine Martha Houghton (1878-1951), uma ativista feminista. Quando ela era criança, a mãe de Hepburn entrou em vários protestos a favor do "Votos para mulheres".

Katharine Hepburn jovem em 1928.

Hepburn, quando jovem, gostava de ser chamada de Jimmy e gostava de cortar o cabelo curto como o de um rapaz. Thomas Hepburn, seu pai, ensinou seus filhos a nadar, cavalgar, lutar e jogar golfe e tênis. Hepburn era um fã de filmes desde criança, e ela foi várias vezes ao cinema.

Em 3 de abril de 1921, ao visitar amigos em Greenwich Village, Hepburn descobriu seu irmão mais velho, Tom, que ela adorava, morto, aparentemente por suicídio.[3] Ele amarrou uma folha em torno de uma viga e se enforcou. A família de Hepburn negou que tenha havido suicídio e afirmou que a morte de Tom deve ter sido uma experiência que tinha dado errado. O incidente fez com que Hepburn se tornasse nervosa, temperamental, e a desconfiar de pessoas. Ela se afastou das outras crianças, saiu da Oxford School, e começou a receber aulas particulares. Durante muitos anos, celebraria o aniversário de Tom (8 de novembro) como seu próprio aniversário.

Em 1924, Hepburn ganhou um lugar no Bryn Mawr College, que frequentou principalmente para satisfazer a sua mãe, que tinha estudado lá, e recordou que não gostou da experiência. Ela lutou com as exigências escolares do ensino universitário, e foi suspensa por fumar em seu quarto. Hepburn foi escolhida para atuar, mas os papéis em peças da faculdade eram condicionados às boas notas. Uma vez que suas notas haviam melhorado, começou a se apresentar regularmente. O papel do líder em uma produção de A Mulher na Lua, em seu último ano, e a resposta positiva que recebeu, fez com que ela seguisse sua carreira no teatro. Acabaria por se formar em história e filosofia.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Katharine Hepburn em 1940

Hepburn deixou Bryn Mawr determinada a se tornar uma atriz.[4] Um dia depois de ter se formado[5], ela viajou para Baltimore para atender Edwin H. Knopf, que dirigia uma bem-sucedida companhia de teatro. Impressionado com Hepburn, Knopf colocou-a em sua produção atual, a Czarina. Ela recebeu boas críticas por seu papel pequeno. Na semana seguinte ela atuou em um outro show semanal, mas ela foi criticada por sua voz aguda, e assim deixou Baltimore para estudar com um tutor de voz aclamado em Nova Iorque.

Katharine Hepburn em O Marido da Guerreira.

Knopf decidiu produzir o Big Pond em Nova York e pediu Hepburn para ser a substituta para a protagonista. Uma semana antes da abertura, a protagonista foi demitida e substituída por Hepburn. Na noite de estreia, Hepburn misturou suas linhas, tropeçou nos seus pés, e falou muito alto e rápido. Ela foi prontamente demitida, e a protagonista original foi recontratada. Sua estreia na Broadway veio em 12 de novembro de 1928, no Teatro Cort, mas os comentários para o show eram pobres e fechou depois de oito noites. No início de dezembro, ela deixou o teatro para se casar com Ludlow Ogden Smith, seu namorado da faculdade. Ela planejava deixar o teatro para trás, mas começou a perder o trabalho e rapidamente retomou o papel de uma estudante em férias.

Hepburn apareceu em um grande número de peças em Connecticut, e ela provou ser um sucesso. Durante o verão de 1931, Philip Barry pediu-lhe para aparecer em sua nova peça, The Animal Kingdom, ao lado de Leslie Howard. Começaram os ensaios em novembro, e Hepburn sentiu que este era o papel para fazer dela uma estrela, mas Howard não gostava da atriz e mais uma vez ela foi demitida. Ela pegou um pequeno papel em um peça, mas como os ensaios começaram, ela recebeu uma oferta de ler para o papel principal na fábula grega O Marido da Guerreira.[6]

O biógrafo Charles Higham afirma que a peça, que exige uma energia agressiva e atlética, era ideal para a atriz, e ela se envolveu com entusiasmo a sua produção.[7] Foi inaugurada em 11 de março de 1932, no Teatro Morosco na Broadway. O espetáculo decorreu durante três meses, e Hepburn recebeu críticas positivas.

Sucesso em Hollywood[editar | editar código-fonte]

Katharine Hepburn em A Bill of Divorcement

Hepburn chegou à Califórnia em julho de 1932, aos 25 anos de idade. Ela estrelou o filme A Bill of Divorcement junto com John Barrymore. O filme foi um sucesso e Hepburn recebeu ótimas críticas. O The New York Times chamou a atuação de "excecionalmente bem … a caracterização da senhorita Hepburn é uma das melhores vistas na tela". Com o sucesso de A Bill of Divorcement, a RKO Pictures assinou com a atriz a um contrato de longo prazo. Nesse período ela conheceu George Cukor que se tornou um amigo e colega dela, e ele e Hepburn fizeram dez filmes juntos.

O segundo filme Hepburn foi Christopher Strong (1933), a história de uma aviadora e seu caso com um homem casado. O filme não foi bem sucedido comercialmente, mas os comentários para Hepburn foram bons. Seu terceiro filme confirmou Hepburn como atriz principal em Hollywood.[8] Ao atuar como a aspirante a atriz Eva Lovelace em Morning Glory, ela ganhou o Oscar de Melhor Atriz. Ela tinha visto o guião sobre a mesa do produtor Pandro S. Berman e ficou convencida que havia nascido para o papel. Hepburn optou por não participar da cerimônia de entrega de prêmios, mas ficou emocionada com a vitória. O sucesso continuou com o papel de Jo na adaptação cinematográfica de Little Women (1933). O filme foi um sucesso, um dos maiores sucessos da indústria do cinema até hoje, e Hepburn ganhou o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Veneza. Little Women era um dos filmes favoritos pessoais de Hepburn e ela ficou orgulhosa de seu desempenho.

Katharine Hepburn em Little Women

Até o final de 1933 Hepburn estava no topo de sua profissão, mas desejava provar-se na Broadway.[9] Jed Harris, um dos produtores teatrais de maior sucesso da década de 1920, estava passando por uma crise na carreira. Ele perguntou a Hepburn se ela gostaria de aparecer na peça The Lake, e ela concordou em fazer por um salário baixo. The Lake foi um completo fracasso. Antes que ela conseguisse a licença para participar de The Lake, a RKO pediu que ela fizesse o filme Spitfire (1934). O papel de Hepburn no filme foi de Gatilho Hicks, uma menina de montanha sem instrução. É amplamente considerado um dos seus piores filmes, e Hepburn recebeu críticas negativas pelo o seu papel.

Veneno de bilheteria[editar | editar código-fonte]

Após os fracassos de Spitfire e de The Lake, a RKO lançou Hepburn em The Little Minister (1934), baseado em um romance vitoriano de James Barrie, em uma tentativa de repetir o sucesso de Little Women.[10] Não houve recidiva tal, e o filme foi um fracasso comercial.[11] O drama romântico Break of Hearts (1935), com Charles Boyer também perdeu dinheiro nas bilheterias. Depois de três filmes esquecíveis, o grande êxito voltou a Hepburn com Alice Adams (1935), a história de desespero de uma menina para ascender na escala social. O filme foi um sucesso, um dos favoritos pessoais de Hepburn, e deu a atriz sua segunda indicação ao Oscar.[12]

Katharine Hepburn no filme Mary of Scotland de 1936.

Em 1935 ela atuou em Sylvia Scarlett (1935) de George Cukor onde ela atuou pela primeira vez com Cary Grant. Seu cabelo foi cortado, por que seu personagem se disfarça de menino no filme. Os críticos não gostaram Sylvia Scarlett e ela era impopular com o público. Por seu próximo filme ela interpretou Mary Stuart no filme de John Ford Mary of Scotland (1936). Novamente com uma recepção pobre. A Woman Rebels (1937), e Quality Street (1937) tiveram um cenário de época, mas ambos foram um fracasso. Nenhum filme era popular com o público, o que significava que ela tinha feito quatro filmes mal sucedidos em uma fileira.

Juntamente com uma série de filmes impopulares, surgiram problemas na atitude de Hepburn.[13] Ela teve um relacionamento difícil com a imprensa, com a qual era rude e provocativa. Quando lhe perguntaram se ela tinha filhos, ela respondeu, "Sim, eu tenho cinco: dois brancos e três negros ".[14] Ela não dava entrevistas e negou pedidos de autógrafos, o que lhe valeu o apelido de "Katharine de arrogância".[15] O público também ficou perplexo com sua comportamento infantil e escolhas fora de moda, e ela se tornou uma figura muito impopular. Hepburn percebeu que ela precisava para deixar Hollywood, e ela retornou para o leste para estrelar uma adaptação teatral de Jane Eyre. Teve uma bem sucedida turnê[16], mas incerta sobre o roteiro e não querendo correr o risco de falhar novamente após o desastre de The Lake, Hepburn decidiu ir contra o show ir para a Broadway. No final de 1936, Hepburn disputava o papel de Scarlett O'Hara em E Tudo o Vento Levou.[17] O produtor David O. Selznick se recusou a oferecer-lhe o papel porque sentiu que ela não tinha senxualidade para o papel.

Katharine Hepburn em Bringing Up Baby

O seu filme seguinte, Stage Door (1937) foi com Ginger Rogers em um papel que reflete sua própria vida, que de uma menina rica da sociedade tentando se tornar atriz. O filme foi nomeado para Oscar de Melhor Filme mas não foi o sucesso de bilheteria que a RKO esperava. Ela atuou em na comédia Bringing Up Baby ao lado de Cary Grant, que foi aclamado pela crítica, mas foi, no entanto, sem sucesso nas bilheterias. Com o gênero imensamente popular no momento, o biógrafo de A. Scott Berg acredita que a culpa do fracasso estivesse com a rejeição dos espectadores de Hepburn.

Bringing Up Baby foi o último filme de Hepburn na RKO. Após sua liberação, Hepburn foi incluída em uma lista de atores considerados "Veneno de Bilheteria". O próximo filme a lhe ser oferecido foi Mother Carey's Chickens, um filme com poucas perspectivas. Durante aquele período muitos atores tinham medo de deixar a estabilidade do sistema dos estúdios no momento, mas a riqueza pessoal Hepburn significava que ela poderia se dar ao luxo de ser independente. Ela assinou contrato para a versão cinematográfica de Férias (1938) com a Columbia Pictures, atuando pela a terceira vez com Grant. A comédia foi bem recebida pela crítica, mas novamente um fracasso de bilheteria. Refletindo sobre essa mudança de fortunas, Andrew Britton descreve Hepburn da seguinte forma:

Retorno[editar | editar código-fonte]

James Stewart e Katharine Hepburn em The Philadelphia Story
James Stewart e Katharine Hepburn em The Philadelphia Story

Após este declínio em sua carreira, Hepburn tomou medidas para criar o seu próprio retorno. Ela deixou Hollywood para procurar um projeto de estágio, e assinou contrato para estrelar a nova peça de Philip Barry, The Philadelphia Story. Foi adaptado para mostrar a atriz, com o caráter da socialite Tracy Lord incorporando uma mistura de humor, agressividade, nervosismo e vulnerabilidade.[19] Howard Hughes, namorado de Hepburn na época, percebeu que a peça poderia ser seu bilhete de volta para Hollywood e lhe comprou os direitos do filme antes mesmo de estrear no palco. The Philadelphia Story em sua primeira turnê nos Estados Unidos, foi recebido com críticas positivas, e, em seguida, abriu em Nova York, na Schubert Theatre em 29 de março de 1939. Foi um grande êxito, tanto pela crítica como financeiramente, com 417 performances e depois ainda houve uma segunda turnê bem-sucedida.

Vários dos grandes estúdios de cinema se aproximaram de Hepburn para produzir a versão cinematográfica da peça de Barry.[20] Ela optou por vender os direitos para a Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), com a condição de que ela fosse a estrela. Como parte do acordo, ela também exigiu o diretor George Cukor, mas as co-estrelas que ela queria, Clark Gable e Spencer Tracy, estavam indisponíveis. Louis B. Mayer prometeu a ela então James Stewart e Hepburn escolheu seu amigo e anterior co-estrela, Cary Grant. The Philadelphia Story foi um dos maiores sucessos de 1940, quebrando os recordes da Radio City Music Hall. A Variety afirmou, "É o filme de Katharine Hepburn … A concepção perfeita da socialite avoada, mas com personalidade principal, a história sem ela é quase inconcebível." Hepburn foi indicada para ao seu terceiro Oscar de Melhor Atriz.

Hepburn também foi responsável pelo desenvolvimento de seu próximo projeto, a comédia romântica Woman of the Year co-estrelado por Spencer Tracy. Lançado em 1942, Mulher do Ano foi outro sucesso. Os críticos elogiaram a química entre as estrelas e o O World-Telegram elogiou duas "performances brilhantes", e Hepburn foi indicada para ao seu quarto Oscar de Melhor Atriz.

Katharine Hepburn em Stage Door Canteen (1943).

Décadas de 1940 e 1950[editar | editar código-fonte]

Katharine Hepburn em The African Queen (1951).
Katharine Hepburn e Spencer Tracy no filme Adam's Rib de 1949.

Desde Woman of the Year Hepburn havia se comprometido em um relacionamento amoroso com Tracy e se dedicou a ajudar a estrela, que sofria de alcoolismo e insônia. Sua carreira desacelerou, e como resultado, e ela trabalhou menos do que década de 1930, e não apareceu no palco novamente até 1950. Sua única aparição em 1943 era de um cameo no filme de guerra moral Stage Door Canteen, atuando como ela mesma. Ela atuou como um camponês chinês no drama Dragon Seed. Em seguida, ela se reuniu com Tracy para a versão cinematográfica de Without Love (1945). Without Love recebeu críticas negativas, mas uma nova imagem de Tracy-Hepburn foi um grande evento e era popular em seu lançamento.

O seguinte filme de Hepburn seria Undercurrent (1946), um filme noir com Robert Taylor e Robert Mitchum, que foi mal recebido.[21] Ela fez um novo filme com Tracy em 1947 chamado de The Sea of Grass. No mesmo ano, Hepburn interpretou Clara Wieck Schumann em Song of Love. Ela treinou intensamente com um pianista para o papel. Seu próximo papel filme veio de forma inesperada, ela concordou em substituir Claudette Colbert apenas alguns dias antes do início das filmagens do filme de Frank Capra, o drama político chamado State of the Union (1948).[22] Os críticos reagiram positivamente ao filme e teve um bom desempenho nas bilheterias.

Tracy e Hepburn apareceu no cinema em conjunto pelo o terceiro ano consecutivo em 1949 com o filme Costela de Adão. Uma história de advogados casados que se opõem uns aos outros no tribunal, onde Hepburn descreveu como "perfeito para [Tracy] e mim". Ela foi fundamental na escalação de Judy Holliday para o filme, que deu o pontapé inicial na carreira da jovem atriz de Hollywood.[23] Costela de Adão foi um sucesso, com críticas favoráveis e um dos filmes mais rentáveis de Tracy e Hepburn.

Os anos de 1950 vieram para que Hepburn assumisse uma série de desafios profissionais, e estende-se ainda mais do que em qualquer outra atriz em sua vida em uma idade quando a maioria das atrizes começaram a recuar.[24] Em janeiro de 1950, Hepburn fez seu primeiro empreendimento em Shakespeare, atuando como Rosalind em As You Like It. Os comentários para Hepburn foram variados, mas ela foi apontada como a única mulher em Hollywood que estava apresentando bons desempenhos no palco.

Em 1951, Hepburn filmou The African Queen, seu primeiro filme colorido, onde interpretou Rose Sayer, uma solteirona missionária na África Oriental Alemã com a eclosão da I Guerra Mundial. Co-estrelado por Humphrey Bogart, The African Queen foi filmado principalmente no Congo Belga, uma oportunidade que Hepburn abraçou.[25] Foi uma experiência difícil, e Hepburn acabou ficando doente com disenteria durante as filmagens. O filme foi lançado no final de 1951 com o apoio popular e aclamado pela crítica[26], e deu a Hepburn sua quinta indicação ao Oscar de Melhor Atriz.

Hepburn fez a comédia esportiva Pat and Mike (1952), outro filme com Tracy. Pat e Mike foi um dos filmes mais populares e aclamados pela crítica de Tracy e Hepburn, e também era um dos favoritos pessoais de Hepburn dos nove filmes que ela fez com Tracy. O desempenho lhe rendeu uma indicação para o Globo de Ouro de Melhor Atriz - Comédia ou Musical.[27]

No verão de 1952, Hepburn apareceu no West End de Londres para uma temporada de dez semanas em The Millionairess. Seus pais tinham visitado a West End quando ela era criança, o que tornou a peça uma experiência especial para a atriz.

Pat and Mike foi o último filme por completo em seu contrato com a MGM[28], tornando-a livre para escolher seus próprios projetos. Ela passou dois anos viajando e descansando, antes de atuar no drama romântico de David Lean Summertime (1955). O filme foi filmado em Veneza, com Hepburn atuando como uma solteirona solitária que tem um caso de amor apaixonado. O papel ganhou sua outra indicação ao Oscar e tem sido citado como um dos seus melhores trabalhos.

Spencer Tracy e Katharine Hepburn em Adam's Rib (1949).

Hepburn recebeu uma indicação ao Oscar no segundo ano consecutivo por seu trabalho de frente com Burt Lancaster em The Rainmaker (1956). Mas ela atuou em um filme de menos sucesso naquele ano, The Iron Petticoat (1956), uma reformulação da clássica comédia Ninotchka, com Bob Hope. Foi um fracasso comercial e de crítica, e Hepburn considerou o pior filme de seu currículo.

Tracy e Hepburn se reuniram novamente pela primeira vez em cinco anos para a comédia Desk Set (1957). Naquele verão Hepburn voltou a Shakespeare. Ela apareceu em Stratford, Connecticut, no American Theatre de Shakespeare, onde ela repetiu o papel de Portia en The Merchant of Venice. Os shows foram bem recebidos. Depois de dois anos longe do cinema, ela estrelou uma adaptação cinematográfica da peça controversa de Tennessee Williams Suddenly, Last Summer (1959) com Elizabeth Taylor e Montgomery Clift. O filme foi filmado em Londres, e foi "uma experiência completamente miserável" para Hepburn. Ela chegou a brigar com o diretor Joseph L. Mankiewicz durante as filmagens. O filme foi um sucesso financeiro e seu trabalho tão assustador como a tia Violet Venable deu Hepburn sua oitava indicação ao Oscar.

Sucesso na década de 1960[editar | editar código-fonte]

Hepburn voltou para Stratford no verão de 1960 para atuar como Viola em Noite de Reis e Cleópatra em Antônio e Cleópatra. Seu repertório foi melhorado quando ela apareceu no filme de Sidney Lumet na versão cinematográfica de Eugene O'Neill Longa Jornada Noite Adentro (1962). Foi uma produção de baixo orçamento, e Hepburn apareceu no filme por um décimo do seu salário estabelecido. Longa Jornada Noite Adentro rendeu a Hepburn uma indicação ao Oscar e o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cinema de Cannes.

Katharine Hepburn em Rooster Cogburn

Após a conclusão de Longa Jornada Noite Adentro, Hepburn fez uma pausa em sua carreira para cuidar do doente Spencer Tracy. Ela não voltou a trabalhar até 1967 em Guess Who's Coming to Dinner, seu nono filme com Tracy. O filme tratou do assunto do casamento inter-racial, com a sobrinha de Hepburn, Katharine Houghton, atuando como sua filha. Tracy estava morrendo, sofrendo os efeitos da doença de coração. Tracy morreu 17 dias depois de filmar sua última cena. Guess Who's Coming to Dinner foi um retorno triunfal para Hepburn e seu filme de maior sucesso comercial até hoje.[29] Ela ganhou seu segundo Oscar de Melhor Atriz, 34 anos depois de ganhar o seu primeiro. Hepburn sentiu o prêmio não era só para ela, mas também foi dado para homenagear Tracy.[29]

Hepburn rapidamente voltou a atuar após a morte de Tracy, escolhendo preocupar-se como um remédio contra a dor.[30] Ela atuou como Eleanor da Aquitânia em The Lion in Winter (1968). Ela leu extensivamente na preparação para o papel, o qual ela estrelou ao lado de Peter O'Toole. As filmagens ocorreram em Montmajour Abbey, no sul da França. O filme foi indicado em todas as categorias principais do Oscar, e pelo segundo ano consecutivo Hepburn ganhou o Oscar de Melhor Atriz[31], prêmio dividido com Barbra Streisand.

Entre dezembro de 1969 e agosto de 1970, Hepburn estrelou o musical da Broadway Coco, sobre a vida de Coco Chanel. Hepburn admitiu que antes do show, ela nunca tinha visto um musical teatral. Ela não era uma boa cantora, mas a atriz teve aulas de canto seis vezes por semana, em preparação para o show. Os comentários para a produção eram medíocres, mas Hepburn foi elogiada e Coco era popular com o público. Hepburn recebeu uma ovação de pé no final da noite, e a temporada do espetáculo foi prorrogada por duas vezes. Mais tarde, ela disse que Coco a marcara porque, pela primeira vez, percebera que o público não estava contra ela, mas realmente parecia amá-la. Seu trabalho rendeu a Hepburn uma nomeação ao Tony Award.

Trabalho no cinema, televisão e teatro[editar | editar código-fonte]

Katharine Hepburn em The Lion in Winter

Hepburn permaneceu ativa durante a década de 1970. Primeiro, ela viajou até Espanha para filmar uma versão de Eurípedes em The Trojan Women em 1971 ao lado de Vanessa Redgrave. Em 1971 ela assinou contrato para estrelar o filme Travels with my Aunt, mas estava descontente com as primeiras versões do roteiro e ela decidiu reescrevê-lo sozinha. O estúdio não gostava de suas mudanças, assim Hepburn abandonou o projeto e foi substituída por Maggie Smith.[32] Seu próximo filme foi uma adaptação de Edward Albee, A Delicate Balance (1973), dirigido por Tony Richardson, e teve um lançamento pequeno e recebeu geralmente opiniões desfavoráveis. Em seguida, ela se aventurou na televisão pela primeira vez, em uma produção de Tennessee Williams, The Glass Menagerie. Hepburn recebeu uma indicação ao Emmy Award ao atuar como Amanda Wingfield do Sul, que abriu sua mente para trabalhos futuros na televisão. Seu projeto seguinte foi o filme de TV Love Among the Ruins (1975), um drama com Laurence Olivier.

Hepburn fez sua única aparição no Oscar em 1974, para apresentar o Irving G. Thalberg Memorial Award para Lawrence Weingarten. Ela recebeu uma ovação de pé, e brincou com a plateia, dizendo o seguinte:

No ano seguinte, ela foi atuou com John Wayne no filme Rooster Cogburn, uma sequência de seu filme vencedor do Oscar True Grit.

Em 1976, Hepburn voltou à Broadway para uma corrida de três meses em A Matter of Gravity. O papel da excêntrica Sr.ª Basil foi considerado uma vitrine perfeita para a atriz[34], e a peça foi muito popular apesar das críticas pobres. Mais tarde, fez uma turnê de sucesso em todo o país. Durante a sua execução Los Angeles, Hepburn fraturou o quadril. Ela optou por continuar a turnê em uma cadeira de rodas. Após três anos longe do cinema, Hepburn estrelou o filme de 1978 Olly Olly Oxen Free. A comédia de aventura foi um dos maiores fracassos de sua carreira. Ela atuou no filme para televisão The Corn Is Green (1979), que foi filmado no País de Gales. Foi o último dos dez filmes feitos com George Cukor, e ela ganhou sua terceira indicação ao Emmy.

Na década de 1980 Hepburn tinha desenvolvido um notável tremor e por causo disso ela não atuou durante dois anos. Durante este período, viu a produção da Broadway de On Golden Pond, e foi impressionada com sua descrição de um casal de idosos casados tendo de lidar com as dificuldades da velhice.[35] Jane Fonda tinha comprado os direitos da peça para seu pai, o ator Henry Fonda, e Hepburn procurou para contracenar com ele no papel de Ethel Thayer. On Golden Pond foi um sucesso, o segundo filme de maior bilheteria de 1981.[36] O filme demonstrou a energia de Hepburn aos 74 anos, e lhe valeu o seu segundo BAFTA e o quarto Oscar de sua carreira. Hepburn também voltou ao palco em 1981. Ela foi indicada ao Tony Award por sua interpretação em The West Side Waltz.

Foco na televisão[editar | editar código-fonte]

Em 1984, Hepburn estrelou a comédia de humor negro Grace Quigley, a história de uma mulher idosa que pede um assassino profissional (Nick Nolte) para a matar. Hepburn encontrou humor no tema mórbido, mas os comentários foram negativos e a resposta do público foi muito fraca. Em 1985, Hepburn apresentou um documentário de televisão sobre a vida e a carreira de Spencer Tracy. A maioria dos papéis de Hepburn a partir deste ponto foram em filmes para televisão, que não receberam o elogio da crítica como os seus trabalhos anteriores, mas manteve-se popular com o público. Ela recebeu uma indicação ao Emmy em 1986 pelo telefilme Mrs. Delafield Wants to Marry, dois anos depois voltou para a comédia Laura Lansing Slept Here. Em 1991 ela lançou sua autobiografia, Me: Stories of my Life. Ele superou listas de mais vendidos por mais de um ano. Ela voltou às telas da televisão em 1992 com The Man Upstairs, co-estrelado por Ryan O'Neal, pelo qual ela recebeu uma indicação ao Globo de Ouro. Em 1994 ela trabalhou com Anthony Quinn em This Can't Be Love, que foi amplamente baseado em na própria vida de Hepburn, com numerosas referências à sua personalidade e carreira.

A aparição final de Hepburn num filme lançado nos cinemas foi em Love Affair (1994). Aos 86 anos de idade, ela desempenhou um papel de apoio ao lado de Annette Bening e Warren Beatty. Foi o único filme da carreira de Hepburn, com excepção da aparição no Stage Door Canteen, no qual ela não desempenhou um papel principal.[37] Hepburn filmou o seu último papel na televisão no filme Um Natal (1994), pelo qual ela recebeu uma indicação ao Screen Actors Guild Award aos 87 anos.[38]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Relacionamentos[editar | editar código-fonte]

Hepburn só teve um marido que foi Ludlow Ogden Smith, um empresário e socialite da Filadélfia a quem ela conheceu quando estudava na Bryn Mawr. O casal se casou em 12 de dezembro de 1928, quando ela tinha 21 anos e ele tinha 29 anos.[39] Hepburn não se comprometeu com o relacionamento e priorizou sua carreira. Em 1934, ela viajou para o México para conseguir um divórcio rápido. Hepburn muitas vezes expressou a sua gratidão para com Smith por seu apoio financeiro e moral nos primeiros dias de sua carreira.

Logo depois de se mudar para a Califórnia, Hepburn começou um relacionamento com seu agente Leland Hayward. Ambos eram casados. Hayward propôs Hepburn em casamento, depois de terem cada um se divorciado, mas ela não queria se casar novamente. Em 1936, enquanto ela estava em turnê de Jane Eyre, Hepburn começou um relacionamento com o empresário Howard Hughes. Eles se conheceram enquanto Hepburn estava filmando Sylvia Scarlett, quando foram apresentados pelo seu amigo em comum Cary Grant. Hughes quis se casar com ela, e os tablóides publicaram suas núpcias iminentes, mas naquela época Hepburn estava muito focada em sua ressurreição da carreira. Eles se separaram em 1938, quando Hepburn deixou Hollywood após ser rotulada de "veneno de bilheteria".

Hepburn manteve sua decisão de não se casar novamente, e fez uma escolha consciente de não ter filhos. Ela sentia que a maternidade deveria ser um compromisso de tempo integral, e não era o que ela estava disposta a fazer. Rumores já existiam desde a década de 1930 que Hepburn pode ter sido uma lésbica ou bissexual. Em 2007, William J. Mann lançou uma biografia da atriz na qual ele argumentou este o caso. Em resposta a esta especulação sobre sua tia, Katharine Houghton disse: "Eu nunca descobri qualquer indício que ela fosse lésbica ".

Spencer Tracy[editar | editar código-fonte]

Katharine Hepburn com Spencer Tracy

O relacionamento mais importante da vida de Hepburn foi com Spencer Tracy. Lauren Bacall, um amiga próxima, mais tarde descreveu que o amor de Hepburn era "cego" com o ator.[40] A relação recebeu muita publicidade, e é frequentemente citado como um dos assuntos lendários de amor em Hollywood. A primeira vez que eles se encontraram ela tinha 34 anos e ele tinha 41 anos; Tracy inicialmente desconfiou que Hepburn fosse lésbica[41], mas Hepburn disse que ela "soube imediatamente que eu o achei irresistível.".[42] Tracy permaneceu casado ​​durante toda a sua relação, embora ele e sua esposa Louise vivessem vidas separadas desde 1930, e nunca houve uma divisão oficial e nenhuma das partes perseguiu com um divórcio.[43] Hepburn não interferiu, e nunca lutou pelo o casamento. Tracy ficou determinado a ocultar a relação com Hepburn de sua esposa, e ela teve que permanecer privada. Eles tiveram cuidado para não serem vistos em público juntos, e se mantiveram em residências separadas. Tracy era uma pessoa alcoólatra, periódica e problemática, que Hepburn descreveu como "torturado" pela culpa e pela miséria, e ela se dedicou a fazer sua vida mais fácil. Muitas vezes eles passaram trechos de tempo separados devido ao seu trabalho, particularmente na década de 1950, quando Hepburn foi em grande parte ao exterior para compromissos profissionais.

A saúde de Tracy diminuiu significativamente na década de 1960, e Hepburn fez uma pausa de cinco anos em sua carreira para cuidar dele. Ela se mudou para a casa de Tracy durante este período, e estava com ele quando ele morreu em 10 de junho de 1967. Por consideração para a família de Tracy, ela não compareceu ao seu funeral.[44] Foi só depois da morte de Louise Tracy, em 1983, que Hepburn começou a falar publicamente sobre seus sentimentos por seu frequente co-estrela.[45]

Morte[editar | editar código-fonte]

O túmulo da atriz Katharine Hepburn, em Cedar Hill Cemetery, em Hartford.

A saúde começou a deteriorar-se não muito tempo depois de sua aparição na tela final. No inverno de 1996 ela foi hospitalizada com pneumonia. Em 1997 ela ficou muito fraca, e estava falando e comendo muito pouco, e temia-se que ela iria morrer. Ela mostrou sinais de demência em seus últimos anos. Em maio de 2003, um tumor agressivo foi encontrado no pescoço de Hepburn. A decisão foi tomada para não intervir medicamente[46], e ela morreu em 29 de junho de 2003, na casa da família Hepburn em Fenwick (Connecticut). Ela tinha 96 anos e foi sepultada em Cedar Hill Cemetery, Hartford. Hepburn pediu para que não tivesse serviço memorial.

A morte de Hepburn recebeu atenção do público. Muitas homenagens foram realizadas na televisão, jornais e revistas dedicados a questões da atriz. O presidente americano George W. Bush disse que Hepburn "será lembrada como um dos tesouros artísticos do país".[47] As luzes dos teatros da Broadway se mantiveram apagadas durante uma hora em sua homenagem, coisa que nunca tinha sido feito antes.[47] Em 2004, de acordo com os desejos de Hepburn, seus pertences foram colocados em leilão em Nova York. O evento arrecadou 5,8 milhões de dólares.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Katharine Hepburn em 1942.
Katharine Hepburn em The African Queen (1951).

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Oscar

Ano Categoria Notas Resultado
1934 Melhor Atriz Principal Morning Glory Venceu
1936 Alice Adams Indicado
1941 The Philadelphia Story Indicado
1943 Woman of the Year Indicado
1952 The African Queen Indicado
1956 Summertime Indicado
1957 The Rainmaker Indicado
1960 Suddenly, Last Summer Indicado
1963 Long Day's Journey into Night Indicado
1968 Guess Who's Coming to Dinner Venceu
1969 The Lion in Winter Venceu
1982 On Golden Pond Venceu

BAFTA

Ano Categoria Notas Resultado
1952 Melhor Atriz Estrangeira The African Queen Indicado
1956 Summertime Indicado
1957 The Rainmaker Indicado
1969 Melhor Atriz Principal Guess Who's Coming to Dinner Venceu
The Lion in Winter Venceu
1982 On Golden Pond Venceu

Prêmios Globo de Ouro

Ano Categoria Filme Resultado
1953 Melhor Atriz - Comédia ou Musical The Rainmaker Indicado
1957 Melhor Atriz - Drama The Rainmaker Indicado
1960 Suddenly, Last Summer Indicado
1963 Long Day's Journey into Night Indicado
1968 Guess Who's Coming to Dinner Indicado
1969 The Lion in Winter Indicado
1982 On Golden Pond Indicado
1993 Melhor Atriz - Minissérie ou Filme de TV The Man Upstairs Indicado

Festival de Cannes

Ano Categoria Filme Resultado
1953 Melhor Atriz Long Day's Journey into Night Venceu

Emmy Awards

Ano Categoria Filme Resultado
1975 Melhor Atriz - Filme de TV Love Among the Ruins Venceu

Festival de Veneza

Ano Categoria Filme Resultado
1934 Melhor Atriz Little Women Venceu

Notas

  1. Katharine Hepburn, 96, morre nos EUA
  2. «AFI's 100 Years…100 Stars» (em inglês). American Film Institute. 16 de junho de 1999. Consultado em 17 de outubro de 2009 
  3. Hepburn (1991) p. 44
  4. «Cinema: The Hepburn Story». TIME (em inglês). 1 de setembro de 1952. Consultado em 21 de agosto de 2011 
  5. Directed by David Healy (18 janeiro de 1993). «Katharine Hepburn: All About Me». Turner Network Television  Em falta ou vazio |series= (ajuda); Verifique data em: |data= (ajuda) Stated by Hepburn in this documentary.
  6. Hepburn (1991) p. 120
  7. Higham (2004) p. 17
  8. Berg (2004) p. 86
  9. Berg (2004), p. 89; Higham (2004) p. 57
  10. Berg (2004) p. 105
  11. Higham (2004) p. 66
  12. Berg (2004) p. 109
  13. Horton and Simmons (2007) p. 120
  14. Kanin (1971) p. 284
  15. Berg (2004) p. 111
  16. Chandler (2011) p. 105
  17. Haver (1980) pp. 237–238
  18. Britton (2003) p. 13
  19. Higham (2004) p. 97
  20. Berg (2004) p. 137
  21. Higham (2004) p. 129
  22. Berg (2004) p. 182
  23. Kanin (1971) pp. 156–157
  24. Berg (2004) p. 192
  25. Berg (2004) p. 194
  26. Berg (2004) p. 198
  27. «Katharine Hepburn Golden Globe Awards history» (em inglês). The Hollywood Foreign Press Association. Consultado em 15 de fevereiro de 2012 
  28. Dickens (1990) p. 22
  29. a b Berg (2004) p. 249
  30. Berg (2004) p. 255
  31. Berg (2004) p. 251
  32. Edwards (1985) pp. 374–376
  33. Produced by The Academy of Motion Picture Arts and Sciences (2 de abril de 1974). «46th Academy Awards». National Broadcasting Company  Em falta ou vazio |series= (ajuda)
  34. Edwards (1985) p. 390
  35. Berg (2004) p. 261
  36. «1981 Domestic Grosses» (em inglês). Box Office Mojo. Consultado em 27 de novembro de 2011 
  37. Berg (2004) p. 280
  38. «The Inaugural Screen Actors Guild Awards». Screen Actors Guild Awards. Consultado em 15 de fevereiro de 2012 
  39. Higham (2004) p. 10
  40. Bacall (2005) p. 488
  41. Hepburn (1991) p. 400
  42. Hepburn (1991) p. 395
  43. Curtis (2011) p. 718
  44. Curtis (2011) p. 878
  45. Berg (2004) p. 163
  46. Berg (2004) p. 323
  47. a b «Film star Katharine Hepburn dies» (em inglês). BBC News Online. 30 de junho de 2003. Consultado em 24 de agosto de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons