Debbie Reynolds

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Debbie Reynolds
Debbie Reynolds, em 1987
Nome completo Mary Frances Reynolds
Nascimento 1 de abril de 1932
El Paso, Texas, Estados Unidos
Nacionalidade Estados Unidos estadunidense
Morte 28 de dezembro de 2016 (84 anos)[1]
Los Angeles, Califórnia, Estados Unidos
Ocupação Atriz, cantora, dançarina
Atividade 1948-2016
Cônjuge Eddie Fisher (1955–1959)
Harry Karl (1960–1973)
Richard Hamlett (1984–1996)
Oscares da Academia
Prémio Humanitário Jean Hersholt
2016[2]
Prémios Screen Actors Guild
Prémio Screen Actors Guild Life Achievement
2014 - Premio Honorário
Prémios National Board of Review
Melhor Atriz Coadjuvante
1956 - The Catered Affair

Mary Frances "Debbie" Reynolds (El Paso, 1 de abril de 1932 - Los Angeles, 28 de dezembro de 2016) foi uma atriz, cantora, empresária, historiadora de cinema e humanitarista estadunidense. Ela foi nomeada ao Globo de Ouro por sua interpretação de Helen Kane na película de 1950 Three Little Words. Seu primeiro papel principal foi como Kathy Selden em Singin' in the Rain (1952). Outros sucessos incluem The Affairs of Dobie Gillis (1953), Susan Slept Here (1954), Bundle of Joy (nominada ao Globo de Ouro de 1956), The Catered Affair (papel pelo qual foi considerada a melhor atriz pelo National Board of Review em 1956) e Tammy and the Bachelor (1957), cujo desempenho na canção "Tammy" alcançou sucesso na Billboard.[3] Em 1959, ela lançou seu primeiro álbum de música pop, intitulado Debbie.[4]

Ela estrelou em How the West Was Won (1963) e The Unsinkable Molly Brown (1964), um filme biográfico sobre a famosa Molly Brown.[3] Sua performance como Brown lhe valeu uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz. Seus outros filmes incluem The Singing Nun (1966), Divorce American Style (1967), What's the Matter with Helen? (1971), Mother (nomeado ao Globo de Ouro de 1996) e In & Out (1997). Reynolds também foi um artista de cabaré. Em 1979, ela fundou o Debbie Reynolds Dance Studio em North Hollywood, que ainda opera até hoje.

Em 1969 ela estrelou na televisão no Debbie Reynolds Show, pelo qual recebeu uma indicação ao Globo de Ouro. Em 1973, Reynolds estreou na Broadway em um remake do musical Irene e foi indicada ao Tony Award de melhor atriz em musical. Ela também foi indicada para um Daytime Emmy Award por seu desempenho em A Gift of Love (1999) e um Emmy Award por interpretar a mãe de Grace Adler em Will & Grace. Na virada do milênio, Reynolds chegou a uma nova geração mais jovem com seu papel como Aggie Cromwell na série de Halloween chamada Halloweentown. Em 1988, ela lançou sua autobiografia intitulada, Debbie: My Life. Em 2013, ela lançou uma versão atualizada intitulada Unsinkable: A Memoir.[5]

Reynolds também tinha vários empreendimentos, incluindo um estúdio de dança e um hotel e casino em Las Vegas, além de ser uma ávida colecionadora de memorabilia de filmes, começando com itens comprados no leilão de 1970 da MGM. Ela serviu como presidente do Thalians, uma organização dedicada a causas de saúde mental.[3] Reynolds continuou a executar com sucesso em palco, televisão e cinema em seus oitenta anos. Em janeiro de 2015, Reynolds recebeu o Screen Actors Guild Life Achievement Award.[3] Em 2016 recebeu o Prêmio Humanitário Jean Hersholt da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.[6] No mesmo ano, um documentário sobre sua vida foi lançado intitulado Bright Lights: Starring Carrie Fisher e Debbie Reynolds, que foi transmitido pela HBO em 7 de janeiro de 2017.[7][8] Em 28 de dezembro de 2016, Reynolds morreu em Los Angeles.[9]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Juventude[editar | editar código-fonte]

Reynolds em Susan Slept Here (1954).

Mary Frances Reynolds nasceu em 1 de abril de 1932 em El Paso, Texas, de Maxene "Minnie" (née Harman) e Raymond Francis "Ray" Reynolds, um carpinteiro da Southern Pacific Railroad.[10] Ela era de ascendência escocesa-irlandesa e inglesa[11] e foi criada em uma rigorosa Igreja do Nazareno. Reynolds tinha um irmão dois anos mais velho[12] e era uma escoteira e disse uma vez que queria morrer como a mais velha escoteira do mundo.[13] Seu pai era um cavador de vala e sua mãe trabalhava em uma lavanderia como fonte de renda, na época em que viveram em um barraco na Rua da Magnólia, em El Paso. "Podemos ter sido pobres", ela disse, "mas sempre tivemos algo para comer, mesmo que papai tivesse que sair no deserto e atirar coelhos".

Sua família mudou-se para Burbank, Califórnia, em 1939.[14] Enquanto uma estudante de 16 anos de idade, ela ganhou o concurso de beleza Miss Burbank em 1948.[14] Logo depois, ela conseguiu um contrato com a Warner Bros[14] e adquiriu o apelido de "Debbie", dado por Jack L. Warner.[15]

Um de seus amigos mais próximos do colégio disse que ela raramente namorava durante sua adolescência em Burbank. "Nunca a acharam atraente na escola, ela era bonitinha, mas um pouco chata e sua família nunca tinha dinheiro. Ela nunca se vestia bem ou dirigia um carro e, eu acho, durante todos os anos na escola, ela foi convidada para uma única dança."[12] Reynolds concordou, dizendo que "quando eu comecei, eu nem sabia me vestir, eu usava saia e uma camisa, eu não tinha dinheiro, nem gosto, nem treinamento."[16] Seu amigo acrescenta:

Casamentos[editar | editar código-fonte]

Reynolds e Eddie Fisher em 1955

Reynolds casou-se três vezes. Seu primeiro casamento foi com o cantor Eddie Fisher em 1955.[17] Eles se tornaram os pais de Carrie (1956-2016) e Todd Fisher (1958). O casal se divorciou em 1959, quando Fisher teve um caso com Elizabeth Taylor (1932-2011) pouco depois da morte do marido de Taylor, Mike Todd; Taylor e Reynolds eram boas amigas na época. O caso de Eddie Fisher com Elizabeth Taylor causou um sério escândalo público, o que levou ao cancelamento do programa de televisão de Eddie Fisher.[18]

Em 2011, Reynolds estava no The Oprah Winfrey Show apenas semanas antes da morte de Elizabeth Taylor. Ela explicou que ela e Taylor viajaram ao mesmo tempo no navio marítimo RMS Queen Elizabeth no final dos anos 1960 ou início dos anos 1970, quando então se reconciliaram.[19] Reynolds enviou uma nota para o quarto de Taylor e Taylor enviou uma nota em resposta pedindo para jantar com Reynolds e acabar a briga. Como Reynolds descreveu, "tivemos uma noite maravilhosa com muitas risadas".[20] Ela observou o lado positivo do divórcio e seu novo casamento:

O segundo casamento de Reynolds, para o empresário milionário Harry Karl, durou de 1960 a 1973.[19] Por um período durante a década de 1960, ela parou de trabalhar no estúdio nas tardes de sexta-feira para assistir às reuniões de escoteiras, já que ela era a líder da Tropa de Escoteiras, da qual sua filha Carrie, então com 13 anos, e sua enteada Tina Karl, também 13, eram membros.[22] Reynolds mais tarde se viu em dificuldades financeiras por causa do vício de jogo e investimentos ruins de Karl.[3] O terceiro casamento de Reynolds foi com o desenvolvedor imobiliário Richard Hamlett, de 1984 a 1996.

Além disso, Debbie Reynolds se destacou ao longo de sua vida como uma grande colecionadora de objetos relacionados com o mundo de Hollywood. Escreveu os livros autobiográficos Debbie: My Life de 1988 e Unsinkable: A Memoir de 2013.[23]

Morte[editar | editar código-fonte]

Debbie Reynolds morreu em 28 de dezembro de 2016, vítima de um acidente vascular cerebral, apenas um dia após a morte de sua filha Carrie Fisher (a atriz que interpretou a Princesa Leia na saga Guerra nas Estrelas).[9][24]

Segundo seus familiares, as últimas palavras de Debbie foram: "Vou ficar com Carrie". O corpo da atriz foi enterrado no Forest Lawn Memorial Park.[25]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Cena de Debbie Reynolds em Singin' in the Rain, seu filme mais conhecido
Reynolds em Two Weeks with Love (1950)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Debbie Reynolds DEAD AT 84» (em inglês). TMZ. 28 de dezembro de 2016. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  2. (em inglês). Deadline.com http://deadline.com/2015/08/governors-awards-2015-spike-lee-debbie-reynolds-gena-rowlands-1201507536/  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. a b c d e Lowry, Brian (28 de dezembro de 2016). «Debbie Reynolds, 'Singin' in the Rain' star, dies at 84». CNN. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  4. «Obituary: Debbie Reynolds, a wholesome Hollywood icon». BBC. 29 de dezembro de 2016. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  5. Studio website. Acessado em 27 de agosto de 2015
  6. Reynolds to Receive Award. Acessado em 27 de agosto de 2015
  7. Littleton, Cynthia. «Inside Debbie Reynolds and Carrie Fisher's Upcoming HBO Documentary: 'It's a Love Story'». Variety. Variety. Consultado em 29 de dezembro de 2016. HBO will carefully consider the appropriate timing given the tragic developments 
  8. de Morales, Lisa (30 de dezembro de 2016). «HBO Moves 'Bright Lights' Debut In Wake of Carrie Fisher, Debbie Reynolds Deaths». Deadline.com. Consultado em 30 de dezembro de 2016 
  9. a b Dagan, Carmel (29 de dezembro de 2016). «Debbie Reynolds, 'Singin' in the Rain' Star and Carrie Fisher's Mother, Dies at 84». Variety (em inglês) 
  10. «Debbie Reynolds Biography (1932–)». Film reference. Consultado em 17 de agosto de 2015 
  11. Byrne, James Patrick. Coleman, Philip. King, Jason Francis. Ireland and the Americas: Culture, Politics, and History: A Multidisciplinary Encyclopedia. Volume 2, p. 804. ABC-CLIO, 2008; ISBN 978-1-85109-614-5.
  12. a b c d "Debbie Reynolds: At 30, She's Got it Made", Independent Star-News (Pasadena, Calif.) Feb. 17, 1963
  13. Wloszczyna, Susan (2 de abril de 2013). «'Unsinkable' Reynolds buoyed by new memoir, life at 81». USA Today 
  14. a b c Green, Mary (29 de dezembro de 2016). «From the PEOPLE Archive: Debbie Reynolds the Golden Girl». PEOPLE.com (em inglês). Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  15. Dingus, Anne (Maio de 1997). «Debbie Reynolds». Texas Monthly. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
  16. «'New' Debbie Reynolds Has Found Happiness Recipe». The Fresno Bee. 2 de março de 1964 
  17. Grimes, William (24 de setembro de 2010). «Eddie Fisher, Singer and Actor, Dies at 82». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  18. Foster, James F. (11 de fevreiro de 2014). The Fabulous Fifties (em inglês). [S.l.]: Page Publishing Inc. ISBN 9781634172073  Verifique data em: |data= (ajuda)
  19. a b «Debbie Reynolds on How Elizabeth Taylor Stole Her Husband». ABC News. 21 de janeiro de 2015. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  20. «Debbie Reynolds Reveals How She Forgave Elizabeth Taylor». The Hollywood Reporter. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  21. «Debbie Reynolds remains pleasurable company». Chicago Tribune. 1 de fevereiro de 2015 
  22. «Where Does Debbie Reynolds Go Every Friday Afternoon?». The San Bernardino County Sun. 23 de novembro de 1969 
  23. «Debbie Reynolds takes us on a semi-bumpy, yet Unsinkable, voyage» (em inglês). Examiner. 12 de maio de 2013 
  24. News, B. B. C. «US actress Debbie Reynolds dies». BBC News. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  25. «'Vou ficar com Carrie', disse Debbie Reynolds antes de morrer». VEJA.com. Consultado em 29 de Dezembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Debbie Reynolds