Irlandeses

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Irlandesa)
Irlandeses
Maureen O'Hara Black Swan 3.jpg
Stbrigid.jpg
Mary McAleese.jpg
Andrea corr glastonbury-2.jpg
Oscar Wilde portrait (cropped).jpg
Bono November 2014.jpg
Oliver Goldsmith..jpg
Geldof, Bob (IMF 2009).jpg
Sharon Corr @ Brussels Summer Festival 2012 (8269542975) (cropped).jpg
WithSMcropped.jpg
Saoirse Ronan at BAFTA 2016 (1) (cropped) (cropped).jpg
Ballylooby Church of Our Lady and St. Kieran North Transept East Window Detail Saint Ita 2012 09 08.jpg
George best 1976.jpg
Jonathan Rhys Meyers Cabourg 2013.jpg
Charles Stewart Parnell - Brady-Handy.jpg
Pierce Brosnan Berlinale 2014 - 02 (cropped).jpg
População total

70 – 80 milhões

Regiões com população significativa
Irlanda (ilha):    6 392 132[1]
República da Irlanda 4 045 473 (2020)
Irlanda do Norte 1 893 700 (2019)

 Estados Unidos:   + 40 000 000[2]

 Canadá:    3 822 665[3]

 Austrália:    1 900 000[4]

 Reino Unido:    794 000[5]

 México:    600 000[6]

 Argentina:    500 000

 Nova Zelândia:    11 199[7]

 Alemanha:    10 000

Línguas
gaélico irlandês, inglês, scots de Ulster, Shelta
Religiões
Catolicismo Romano (maioria), Presbiterianismo, Protestantismo, Anglicanismo, Metodismo, Secular.
Grupos étnicos relacionados
Bretões, Córnicos, Ingleses, Flamengos, Manx, Escoceses, Scots de Ulster, Galeses.

Os irlandeses (em gaélico irlandês: Muintir na hÉireann ou na hÉireannaigh ou na Gaeil) (em inglês: Irish people) constituem o grupo étnico autóctone da Irlanda.

História[editar | editar código-fonte]

A Irlanda é povoada há mais de 9 000 anos, segundo estudos arqueológicos, sendo antepassados do povo irlandês[8] os Nemedianos, os Fomorianos, os Fir Bolgs, os Tuatha de Danann e os lendários Milesianos - não há registo histórico escrito antes do século VI - o último grupo supostamente representando os "puros" gaélicos da ancestralidade, e ainda actua como um termo para os actuais irlandeses. Os principais grupos que interagiram com os irlandeses na Idade Média incluem os escoceses e os viquingues, sendo que os islandeses, especialmente, têm alguma ascendência irlandesa devido a esse facto. A invasão anglo-normanda na Alta Idade Média, as plantações e as subsequentes leis inglesas no país apresenta os Normandos, Galeses, Flamengos, Anglo-saxões e Bretões na Irlanda.

Houve muitos irlandeses notáveis ao longo da História. No século VI, o monge irlandês e missionário São Columbano é considerado como um dos "pais da Europa", seguido de Kilian de Vurzburgo e Virgílio de Salzburgo. O cientista anglo-irlandês Robert Boyle é considerado o "pai da química". Exploradores irlandeses famosos incluem Brendan, o Navegador, Ernest Shackleton e Tom Crean. Segundo alguns relatos, o primeiro filho europeu nascido na América do Norte tinha ascendência irlandesa em ambos os lados;[9] enquanto um irlandês foi também o primeiro a pôr o pé em solo americano na expedição de Cristóvão Colombo de 1492.[10]

O povo irlandês é mais famoso pelos seus escritores. Até ao final do precoce período moderno, os irlandeses foram proficientes em falar e escrever em latim e grego.[11] Notáveis escritores irlandeses no idioma Inglês incluem Jonathan Swift, James Joyce, Oscar Wilde, William Butler Yeats e Seamus Heaney. Alguns escritores do século XX na língua irlandesa incluem Brian O'Nolan, Peig Sayers, Muiris Ó Súilleabháin e Máirtín Ó Direáin.

Pessoas da etnia irlandesa são comuns em muitos países ocidentais, especialmente nos países de língua inglesa. Historicamente, a emigração tem sido causada pela política, a opressão religiosa e as questões económicas. Mais de 80 milhões de pessoas compõem a diáspora irlandesa, que hoje inclui vários irlandeses a viver no Reino Unido, Austrália, Canadá, Argentina, Nova Zelândia, México, França e Alemanha. O maior número de pessoas de ascendência irlandesa está nos Estados Unidos, cerca de dez vezes mais do que na própria Irlanda.

Genética[editar | editar código-fonte]

De acordo com um estudo genético de 2015, a população irlandesa descende, em sua quase totalidade, de movimentos migratórios durante a idade do Bronze. Essa ancestralidade é composta de dois componentes: um componente do Neolítico (descendente de agricultores do Oriente Médio que se deslocaram para a Europa à época do Neolítico), majoritário; e um outro, de pastoralistas das estepes russas, o qual estaria relacionado com as línguas indo-europeias, e, por conseguinte, com as línguas célticas, línguas faladas na Irlanda antes da introdução do inglês.[12]

Referências

  1. «Irlandeses nascidos na Irlanda» 
  2. «Irlandeses nos Estados Unidos da América». Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2020 
  3. «Irlandeses no Canadá» 
  4. «Irlandeses na Austrália». Cópia arquivada em 17 de fevereiro de 2021 
  5. «Irlandeses no Reino Unido» 
  6. LOS IRLANDESES-MEXICANOS: The Irish in Mexico
  7. «Irlandeses na Nova Zelândia» 
  8. Boylan, Henry (1998). A Dictionary of Irish Biography, 3rd Edition. Dublin: Gill and MacMillan. pp. xvi. ISBN 0-7171-2945-4 
  9. Smiley, p 630
  10. MacManus, p 343-344
  11. MacManus, pp 215; 221-222, 461-462
  12. Cassidy; et al. (2015). «Migrações neolíticas e da idade do Bronze e o estabelecimento do genoma insular atlântico» (pdf) (em inglês). 2015. 86 páginas. Consultado em 7 de janeiro de 2015 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Irlandeses
Ícone de esboço Este artigo sobre antropologia ou um antropólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.