Michèle Morgan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Michèle Morgan
Foto promocional para o filme The Chase (1945)
Nome completo Simone Renée Roussel
Nascimento 29 de fevereiro de 1920 (96 anos)
França Neuilly-sur-Seine, Altos do Sena, França
Nacionalidade França francesa
Ocupação Atriz
Atividade 19351999
Cônjuge William Marshall (1942–1948)
Henri Vidal (1950–1959)
Gérard Oury (1960–2006)
César
César Honorário
1992
Festival de Cannes
Prémio de interpretação feminina
1946
Festival de Veneza
Prémio de Honra - Leão de Ouro
1996
Outros prêmios
Legião de Honra
IMDb: (inglês)

Simone Renée Roussel, mais conhecida como Michèle Morgan (Neuilly-sur-Seine, Altos do Sena, França 29 de Fevereiro de 1920), é uma atriz francesa.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Michèle Morgan em Joana de Paris.
Michèle Morgan em 1942.

Uma beleza clássica e estonteante, a atriz francesa Michèle Morgan foi uma das mais populares e importantes atrizes do cinema francês por cinco décadas. Nascida em 1920, estudou artes sob supervisão de René Simon e começou sua carreira de atriz aos 17 anos, quando foi convidada para um papel em Gribouille, em 1937, direção de Marc Allegret.

Suas características, com um enigmático fascínio, fizeram compará-la a uma nova Greta Garbo. Logo, a bela e loura atriz foi para Hollywood, que já naquela época estava fascinada pelo prestígio do cinema europeu e de suas belas atrizes. Morgan não foi a única importação da Europa para a "meca" do cinema mundial, pois foram trazidas também Ingrid Bergman e Viveca Lindfors.

Em Hollywood, ela participou em filmes norte-americanos famosos, como Joana de Paris, em 1942, ao lado de Paul Henreid, Passagem para Marselha, em 1944, interpretando a esposa de Humphrey Bogart, e no policial noir Perseguição, ao lado de Robert Cummings. Voltando para França, recebeu o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes pelo seu desempenho em La symphonie pastorale, em 1946.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Na vida pessoal, ela casou-se em 1942 com o ator estadunidense William Marshall, de quem se divorciou em 1948. O casal teve um filho, nascido em 1944. Em 1950, casou novamente, desta vez com Henri Vidal, que a conheceu durante as filmagens de Fabiola (1949). Aparecerem juntos em diversas películas francesas, inclusive em Napoleão (1955). Vidal morreu em 1959, vítima de enfarte. Em 1960, Michèle casou-se de novo, desta vez com Gérard Oury, com quem vinha vivendo, até ele falecer em 19 de julho de 2006.

Filmografia parcial[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde junho de 2010).
  • Foi sagrada Cavaleiro, nomeada pela Legião da Honra da França em 1969.
  • Seu filho com o ator e cantor William Marshall nasceu em 1944, e se tornou também ator na França e em Hollywood.
  • Foi presidente do júri no Festival de Cannes em 1971.
  • Foi membro do júri no Festival de Cannes em 1972
  • Quando viveu em Hollywood durante a II Guerra Mundial, Morgan construiu a mansão localizada no número 10.050, em Cielo, o local do assassinato de Sharon Tate pelos seguidores de Charles Manson, em 1969. Por essa época, Morgan não era mais a proprietária da mansão.
  • Após as filmagens de Benjamin (1968), concentrou-se na arte da pintura, e em escrever poemas.
  • Publicou sua autobiografia, De yeux-là dos ces avec (Com aqueles olhos), em 1977.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.